Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

A petista assumiu que surtou

Em comentário apresentado ao POST 'conversor' um visitante deixou um comentário que mostra que o mesmo é petista;
comentário daquele naipe tem que ser de petista. Ele, ou melhor ela, encerrou o comentário com a blasfêmia 'Lula, eternamente'.
O comentário permanece lá - apesar de ser uma aberração permanece lá.
Quem escreve um absurdo deste com certeza só pode ser petista.

Um outro leitor contestou ao SURTADO com o seguinte:

'Jussara, LULA ETERNAMENTE


Indignado disse...

Oh Jussara

Lula virou Deus? Eterno?

Vamos falar alguma coisa boa do Lula para fazer você ficar feliz:

1. Continuou a política econômica dos governos anteriores, principalmente com a nomeação do Henrique Meireles para o Banco Central.
2. Tem o apoio do Delfin Neto
3. Unificou os programas vale gas e bolsa escola no bolsa família.
4. Copiou o tucanoduto e o transformou em Mensalâo (Ops me enganei, estamos listando as coisas boas, me desculpe, falha nossa)
5. Mudou fórmula de cálculo do PIB, desta forma foi possível melhorarmos nossa classificação no IDH. Estamos atrás de muitos países da América Latina e crescendo a um ritmo menor, mas tudo bem pro PT.
7. Graças a continuidade do Plano Real implantado durante o governo Itamar Franco a renda do trabalhador vem crescendo, a inflação continua baixa e a economia melhorando.
8. A Polícia Federal nunca trabalhou tanto investigando e prendendo tanto corrupto. Infelizmente a maioria do PT é da base aliada.

Talvez você possa me ajudar, já que não consigo me lembrar de mais nada. Será que a gente consegue chegar a 10?

Mas vamos falar um pouco das incoerências. Me desculpe mas eu não consigo ficar sem pensar nisto.

1. Lula sempre combateu a CPMF. De repente, logo depois de eleito, o Mercadante retirou do senado um projeto de sua autoria que extinguia a CPMF. Lula eram irresponsáveis na oposição ou agora? Talvez você possa me explicar.
2. O exame do Enen mostrou a grande diferença entre o ensino público e o particular, e tem demonstrado como o ensino público vem piorando. Depois de cinco anos de governo Lula isto também é herança maldita?
3. A saúde pública continua sucateada (preste a atenção que falei continua) Gente morrendo nas filas do SUS sem atendimento. Lula disse que a saúde pública é perfeita, mas se trata no INCOR.
4. Nossas estradas públicas estão sucateadas. Segundo relatório da Confederação Nacional dos Transportes.
5. Segundo o Ministro Temporão, da saúde, temos uma epidemia de dengue no Brasil. No governo da herança maldita, este mal havia sido controlado.

Vou parar por aqui, se eu listar mais pontos negativos você vai ficar muito triste e eu não quero que isto aconteça.

Só acho que você deve parar de pensar que Lula é deus, porque não é, é mais fácil ele ser o capeta, que pensando bem também é eterno.

Luiz

RECORDAR SEMPRE; ESQUECER JAMAIS

LEMBRAI-VOS DE 35!

Ternuma Regional Brasília

Pelo Gen Div Agnaldo Del Nero Augusto

Os comunistas tentam de todas as formas montar uma mitologia de nossa história. Segundo o historiador marxista e militante comunista Eric Hobsbaw "mais do que nunca a história é atualmente revista ou inventada por gente que não deseja o passado real, mas somente um passado que sirva a seus objetivos" Para outro historiador, igualmente reconhecido internacionalmente Carlo Ginsburg, "sem entrar nas distorções do discurso ideológico que deliberadamente deturpa a história, a historiografia moderna se propõe unicamente a convencer e o seu fim é a eficácia, não a verdade". Dai ser possível memórias farisaicas, capengas, construídas apenas com depoimento de subversivos, precisar intitular-se Direito á Verdade, exatamente por não contê-la. Mas é distribuída por todo o país, com os recursos, o dinheiro de nossos impostos

Daí a "história crítica", distorcida e deturpada, que vem sendo distribuído pelo MEC a nossas crianças.

Daí a verdadeira lavagem cerebral contida nas provas do Enade, como denunciou e demonstrou o jornalista Carlos Alberto Sardenberg, em artigo recente publicado no "O ESP". Lavagem cerebral para milhões de alunos. Pronto, não se fala mais disso, nenhuma providência, nenhuma satisfação.

Precisamos, pelo menos, recordar nossos fatos históricos, antes que se construa uma nova história e depois um novo regime. Sabemos que a insidiosa insurreição comunista de 1935 fora planejada, aprovada, apoiada e monitorada por Moscou. O conhecimento imediato do aspecto pérfido de que se revestiram aqueles fatos impressionou a todos e funcionou como um antídoto, aprofundando o natural sentimento popular de aversão ao comunismo.

A partir de então, todos os anos, o 27 de novembro passou a ser lembrado em cerimônias simples de homenagem, aos bravos que resistiram e aos heróis que tombaram naquela luta, que livrou a nossa gente dos horrores do comunismo. Os que viveram aqueles episódios insólitos sentiam-se recompensados pelo reconhecimento da nação e orgulhosos de terem deles participado. A cerimônia tinha grande repercussão na imprensa até o final dos anos da década de 1980. Daí, o sensível presidente Collor recomendou que ela não mais se fizesse publicamente.

Ninguém protestou, ninguém lembrou que se tratava de um fato histórico. Que esses fatos são rememorados em todos os países civilizados. Segundo artigo de nosso embaixador em Londres, as datas relativas a fatos históricos são comemorados e, nesses casos, incluem oficialmente um alerta aos jovens sobre o fascínio que doutrinas exóticas e salvadoras podem provocar.

Pois aqui, já se faz a revisão da Intentona. Passados mais de 70 anos comunistas ou ex-comunistas tentam essa revisão. A bibliografia sobre a Intentona é ampla. Ao acaso. adquirimos um dos livros que a compõe. Trata-se de obra de professora universitária, que quer convencer o leitor que a Internacional Comunista foi apenas coadjuvante no episódio e que ele foi a última manifestação da rebeldia tenentista, o que é um absurdo, que evidentemente não dá para comentar num artigo. Mas podemos adiantar algumas peculiaridades sobre a obra.

O volume é saudado por Elio Gaspari, como um marco na pesquisa histórica do Brasil. É o testemunho do companheiro de credo, técnica psicológica utilizada pelos comunistas, para dar credibilidade à história que desejam impor. A autora, pelo menos á época que produziu o livro, era professora de história e economia da Universidade onde está lotada e coordenadora de seu Arquivo de História Contemporânea.

Sabemos que após a anistia no Brasil, ou mesmo antes, os comunistas ou ex-comunistas, inteligentemente e com a determinação que lhes é peculiar, sob a inspiração do ideólogo italiano Antonio Gramsci, se incrustaram na mídia e nas escolas, em particular nas universidades, de preferência nas cadeiras de história e, em especial nas de história contemporânea, onde contam suas versões dos fatos a uma auditório cativo, história que por sua vez já povoam os livros didáticos.

Outro dia voltaremos a esse livro. Hoje, queremos prestar nossa homenagem aos heróis que se sacrificaram pela pátria em 1935. Sacrificaram para mantê-la livre e democrática. Em 1962, foi distribuído no cemitério São João Batista, onde se localizava o mausoléu dos tombados naquele episódio, antes de ser erigido o monumento votivo na Praia Vermelha, um panfleto com o título em epigrafe. LEMBRAI-VOS DE 1935

Coincidentemente quase às vésperas da Contra-Revolução de 1964. Uma providencial premonição?

Por tudo que vem ocorrendo no país vale lembrarmo-nos de 1935

VARIEDADES

VARIEDADES

Discursos: novo recorde – Lula treinando o estilo ChaveS e Castro
A justificativa do presidente Lula é, invariavelmente, a mesma: "Eu não ia falar, mas vi o microfone aqui e falei: deixa dar uma palavrinha". Nos quatro primeiros anos de mandato, foram 1.204 discursos, uma média de 300 por ano, um a cada dia útil e nenhum com menos de 15 minutos de duração. Agora, em 2007, primeiro ano do segundo mandato, tudo indica que Lula baterá seu recorde anterior: nos primeiros 10 meses, a média anual do primeiro mandato já foi superada e o Chefe do Governo já pronunciou 310 discursos. O aumento é devido à nova performance adotada pelo presidente: mais de um discurso por dia. A média de duração também aumentou: neste ano, foi de quase 30 minutos. Lula já passou muito mais do que três centenas de horas ao microfone: é como um disco tocando 14 dias sem interrupção. Se a média dos 10 primeiros meses for mantida até o final do ano, o presidente poderá alcançar a casa dos 380 discursos, significando a média de 1,5 por dia útil.

Discursos e ações
Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, como diria José Genoíno. Lula, por exemplo, é um presidente impossibilitado de reunir na mesma sala seus 36 ministros, indicados por 11 partidos diferentes, para ouvi-los. Se cada um falasse apenas cinco minutos, a falação demoraria três horas ininterruptas.

E Lula não gosta de ouvir discurso (dos outros) muito longo, não. Já uma ordem presidencial, supostamente, demora muito mais tempo para ser concretizada e, às vezes, nem é efetivada. Tem de atravessar todo o Ministério, serpenteando por uma estrutura burocrática de 53 mil órgãos, com mais de 49 mil chefes, espalhados por 1.400 cidades brasileiras. Fora conselhos, câmaras setoriais e grupos de trabalho envolvendo diferentes ministérios, como os 53 em que a Casa Civil mantém representação.

Toda honra do rei
O Rei Juan Carlos, da Espanha, foi a grande estrela na cerimônia de abertura da Assembléia-Geral dos Comitês Olímpicos da Europa, em Valencia, no final da semana: entre políticos espanhóis e autoridades esportivas européias, não houve um discurso que não deixasse de saudar o soberano. "Um homem que está encantado o mundo" – comentou o presidente honorário do COI, Juan Antonio Saramanch. Ninguém mencionou Hugo Chávez, mas o recado foi mais do que compreendido. A propósito: no site da marca B2, o novo sucesso é uma camiseta com estampa do Rei Juan Carlos, dedo apontado e a pergunta que percorreu o mundo Y por qué no te callas?

Jucá confirma negociação, mas PSDB nega

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que tem conversado com o PSDB para buscar um acordo sobre a votação da prorrogação CPMF no plenário da Casa. "Ainda não há nenhum tipo de entendimento, mas penso que se possa avançar. O governo cedeu bastante e está procurando uma votação de entendimento", afirmou Jucá. O líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), negou a existência de uma negociação. Segundo ele, o partido vai votar "em uníssono" contra a prorrogação do imposto. "Ninguém do PSDB vai desobedecer a orientação da liderança". A oposição diz contar com 34 votos, enquanto o PMDB afirma que a base governista tem 50 votos. Os números ultrapassam os 81 senadores na Casa.

Fonte Nova: 'presente ao povo baiano'

O governador da Bahia, o petista Jaques Wagner, joga para a arquibancada numa entrevista à rádio do governo, um mês antes da morte de oito torcedores, que caíram num buraco da arquibancada do estádio da Fonte Nova: garante que o estádio está com "100% da capacidade e pronto para as eliminatórias da Copa de 2014", e relembra orgulhosamente os investimentos "de mais de R$3,5 milhões", finalizando o papo furado dizendo que "quer dar um presente ao povo baiano" . E pensar que o governador foi com Lula à Suíça às custas dos nossos suados impostos para dizer besteira na volta.

Cobertor curto

Funcionários da Radiobrás não receberão a tradicional bonificação de fim de ano, cerca de mil reais. Eles sustentam que a estatal precisa do dinheiro para os altos salários de dezembro da turma da tevê do Lula, a TV Brasil.

Com a palavra o ex guerrilheiro Franklin Martins e a quase 'estagiária' na guerrilha Cruvinel.

referendo chavista x futuro da América Latina

Marcha pelo 'Não' reúne mais de 100 mil pessoas nas ruas da capital venezuelana

O referendo de Chávez e o futuro da América Latina

O objetivo real da reforma constitucional de Chávez é permitir a reeleição indefinida do atual presidente. Se a reforma fosse para estabelecer um sistema parlamentar que impusesse limites ao poder presidencial, ela teria algum sentido, mas fazê-la para permitir a reeleição presidencial indefinida, como a que rege em Cuba, claramente persegue consolidar um regime do tipo autoritário.

O processo adotado para a aprovação da reforma seguiu passos constitucionais, mas o fato de a oposição não estar representada no Congresso dá margem para questionar sua legitimidade, o que não é o mesmo que sua legalidade. Quanto ao referendo convocado para 2 de dezembro, ele é apenas um instrumento da chamada democracia direta ou plebiscitária, e não da representativa. A oposição não está representada no Congresso venezuelano e, por esta razão, apesar de a reforma aprovada por ele ser legal, ela pode ser questionada como não legítima por não ter havido participação neste processo desta mesma oposição, que nas últimas eleições obteve 40% dos votos. Assim, o referendo busca dar legitimidade à reforma.

Sobre a possibilidade de fraudes na votação, eleições não são um ato isolado dentro de um determinado país. Se em um país os níveis de corrupção são altos, a transparência é baixa e as normas não são cumpridas, como acontece na Venezuela, e inevitavelmente a possibilidade de irregularidades no ato eleitoral existe. Um triunfo a favor de Chávez no referendo alentará seus aliados políticos (os mandatários Morales, Correa e Ortega) a renovar a busca pela reeleição por quantos períodos puderem. Mas ele também poderá impulsionar a busca do terceiro mandato por Uribe e as equipes de Lula e Tabaré a seguirem sondando a possibilidade de conquistar novos mandatos.

A busca de permanência no poder via reeleições caracteriza hoje a cultura política latino-americana muito além das diferenças ideológicas entre os distintos presidentes da região. A experiência venezuelana de buscar a reeleição indefinida não é nova. Castro, como já foi dito, já a tem em Cuba, como no Paraguai tinha Stroessner, na Espanha, Franco, e na Argentina, Perón após a reforma constitucional de 1949. O referendo como meio de permitir a permanência no poder de um presidente foi utilizado em mais de uma oportunidade por Pinochet no Chile.

Assim, uma derrota de Chávez no plebiscito seguramente produziria uma crise política importante. E uma vitória o alentaria a continuar com a concentração de poder institucional que tem realizado de forma sustentada e contínua.

A reeleição contínua, combinada com regimes presidencialistas muito fortes - como é o caso da Venezuela - deriva em regimes autoritários. Na América Latina, a reeleição dos presidentes tem aumentado o personalismo e debilitado as instituições. E a reeleição indefinida reforça ainda mais isso. Se a América Latina quiser limitar o "caudilhismo", é mais conveniente o sistema mexicano de um só período presidencial de seis anos sem reeleição pelo resto da vida, ou o americano, que permite dois períodos de quatro anos sem reeleição nunca mais.

Também a inclusão do "Poder Popular" na nova constituição venezuelana institucionaliza a democracia direta ou plebiscitária e fragiliza a representativa. Ela fortalece o líder caudilho, cuja legitimidade passa a depender do apoio popular direto, e debilita a gama dos poderes Legislativo e Judiciário. O reconhecimento na nova Constituição venezuelana de distintas formas de propriedade é ainda um avanço ao chamado "socialismo do século XXI" que permitirá a Chávez atuar com mais arbitrariedade frente aos agentes e atores do mundo dos negócios e aumentar a influência do Estado sobre a atividade econômica. Ela é um passo rumo à estatização, mas com um ritmo de avanço flexível, que será graduado de acordo com os interesses e as circunstâncias.

Quanto ao fim da autonomia do Banco Central incluído na reforma, ele é um avanço a mais rumo à estatização da economia e da concentração de poder institucional no presidente. Com isso, se elimina um limite à arbitrariedade do titular do Executivo no campo da economia. Já sobre a inclusão de jornada de trabalho de seis horas, creio que não convém a uma Constituição entrar em detalhes operacionais, como é este caso. A economia é dinâmica e este tipo de disposições não são convenientes por serem difíceis de modificar no futuro.

O debate sobre a reforma da Constituição está totalmente politizado, com os partidários de Chávez a favor e seus opositores contra. Uma alta abstenção pode afetar a legitimidade da reforma, mas não sua legalidade, e o presidente venezuelano não dará muito importância ao baixo comparecimento se ganhar. Os conflitos violentos com mortos, feridos e detidos nas ruas e as pesquisas que dão conta de uma possível derrota de Chávez têm aumentado as tensões e aberto a possibilidade de uma crise política. A escassez de alimentos também tem aumentado o mal-estar, mas com o petróleo próximo dos US$ 100, o presidente venezuelano conta com recursos para enfrentá-la.

Paralelamente, a Bolívia enfrenta um grave crise política por causa de reforma constitucional proposta por Evo Morales. Observamos incidentes mais graves do que na Venezuela, também com mortos, feridos e detidos, e o presidente instou seus partidários a atacar canais de TV. Aos problemas políticos, ideológicos e sociais gerados pelo governo da Bolívia, somam-se as demandas indígenas e de autonomia de mais da metade dos nove departamentos do país, que pode levar a um tipo de secessão.

O apoio de Chávez é vital para Morales e uma crise venezuelana pode limitar sua atuação justo no momento em que o governo boliviano passa por sua hora mais difícil. Mas o presidente venezuelano não deixará de tentar apoiar Morales, principalmente porque uma possível derrota de Chávez pode trazer um novo alento à oposição na Venezuela, que se revitalizou nas últimas semanas com a adesão do general Baduel, ex-ministro da Defesa, o que pode ter algum efeito dentro das Forças Armadas.

Em conclusão: objetivo central da reforma constitucional de Chávez é permitir a reeleição indefinida do presidente, como tem Castro em Cuba;

um triunfo de Chávez no referendo vai animar os outros presidentes da região a procurar novas reeleições, enquanto uma derrota deixará mais difícil esse tipo de projeto;

a reeleição indefinida, combinada com o presidencialismo forte que rege na América Latina, periga levar a região rumo a regimes autoritários;

os conflitos violentos nas ruas e o risco de fraude, que não pode ser descartado, podem levar a Venezuela a uma crise política grave, ainda que o petróleo jogue a favor de Chávez;

e a crise que sacode a Bolívia por causa da reforma constitucional tem pontos de interseção com a venezuelana, mas ingredientes próprios, como o indigenismo e uma possível secessão.

Lula comete gafe... MAIS UMA

Lula comete gafe em discurso durante a visita ao Cantagalo

Luiz Ernesto Magalhães - O Globo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cometeu uma gafe histórica durante a inauguração das obras de urbanização do Cantagalo. Lula, ao comentar as melhorias que estão sendo feitas pelo governo federal em residências no Morro da Providência, disse que a a comunidade surgiu por causa da Guerra do Paraguai, durante o Império. A comunidade - considerado o primeiro núcleo de favela do Brasil - porém, surgiu durante a República para abrigar soldados que voltavam da Guerra dos Canudos, movimento comandado por Antônio Conselheiro.

- O senador Crivella estava me dizendo que a primeira favela do Rio é resultado da Guerra do Paraguai. Foram soldados que voltavam da Guerra do Paraguai. Foram os negros que foram morar no Morro da Providência, porque o rei quis assim - disse Lula.

Segundo o historiador Milton Teixeira, os negros que lutaram na Guerra do Paraguai foram libertados. Na verdade, eles foram morar em cortiços e cômodos. Segundo o historiador, na época da Guerra do Paraguai, só existiam chácaras na Providência.

O lançamento das obras do Cantagalo estão incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que serão executados com recursos da União e do estado. Lula destacou a importância do projeto que prevê em seu término a concessão de títulos de propriedade para os moradores:

- É importante a garantia que o terreno é seu e não vai ter nenhum prefeito, nenhum governado enxerido, que vai colocar a polícia ou tirar os moradores daqui. As pessoas, que não vivem com necessidades, não têm a dimensão do que significa para uma pessoa viver em condições precárias. Se as pessoas moram em condições sofríveis e não têm nem o título do chão onde ele e seus filhos foram criados, tudo fica pior. (Re-reitero o pedido que já formulei aos assessores do senhor Lula no sentido de recomendar ao "Nosso guia" que só se manifeste sobre assuntos dos quais tenha conhecimento, entenda. Sei que se meu pedido for atendido o presidente Lula vai, em qualquer evento que comparecer, entrar calado, permanecer em silêncio e sair mudo. Paciência... )

BENTO XVI lança sua segunda encíclica

Vaticano
Bento XVI assina segunda encíclica

O papa Bento XVI apresenta hoje a segunda encíclica de seu pontificado, sob o título de Spe Salvi ("Salvos pela esperança").

O texto, com cerca de 80 páginas, é inspirado na Carta de São Paulo aos Romanos e tem como tema a virtude cristã da esperança. A versão integral do documento será publicada na revista católica Família Cristã a partir do próximo dia 6. As encíclicas são documentos destinados aos bispos e, por meio deles, a todos os fiéis católicos. A primeira encíclica de Bento XVI, assinada em 25 de janeiro de 2006, foi intitulada Deus Caritas Est (Deus é amor), e fala sobre a caridade e o amor divino.

Na encíclica apresentada hoje Sua Santidade critica o ateísmo e o marxismo.

Tráfico permite que Lula suba morro

O favor do tráfico

É estarrecedor que a ida de um presidente da República a uma área urbana localizada entre duas das mais badaladas praias do mundo, Ipanema e Copacabana, se torne um fato histórico. Pois Luiz Inácio Lula da Silva entrará para a história hoje como o primeiro brasileiro revestido da autoridade presidencial a visitar uma favela no Rio de Janeiro. Mais estarrecedor ainda é o fato de tanta ousadia não estar sustentada no poder do Estado, mas numa espécie de concessão informal dos verdadeiros donos daquele bunker do crime organizado incrustado no coração da Cidade Maravilhosa, como uma doença invisível a contaminar os belos cartões postais que encantam turistas em todo o planeta.

À parte a presença ostensiva do Exército e da Força Nacional de Segurança Pública; os cuidados de véspera, com vistoria de percursos e dependências por onde passará a comitiva; a vigilância intensificada da Polícia Militar; a retirada de carcaças de carros e outras obstruções à passagem de veículos e que também servem de escudo para bandidos; o controle do fluxo de pessoas e o isolamento de áreas, a paz estará garantida por uma razão singela: "Há um respeito; o tráfico não se aproximará". Quem garante é o presidente da Federação das Associações de Favelas do Estado do Rio de Janeiro (Faferj), Rossino de Castro Diniz. Ou seja: narcotraficantes farão o favor de dar uma trégua.

"Os presidentes de associações (de favelas) convivem (com o tráfico) e sabem que não existirá problema. Esse diálogo com o poder paralelo é inevitável. É só pedir para eles (os narcotraficantes): vocês ficam de um lado, não perturbam, o presidente está trazendo melhorias para a comunidade", esclareceu, tintim por tintim, Rossino. Por trás da falta de pudor para declaração tão desmoralizadora do poder público, prevalece recado bastante significativo sobre quem de fato manda no complexo Pavão-Pavãozinho e Cantagalo. Aquele território é domínio da bandidagem, mais precisamente do Comando Vermelho, das mais notórias quadrilhas em ação no território nacional.

A razão da visita do presidente Lula é justamente dar início a obras de urbanização que compõem plano de resgate das populações do poder paralelo do crime.

Mas não será de joelhos que se alcançará tal meta.

A retomada de espaços urbanos mantidos à margem do Estado de Direito — com moradores subjugados à base da extorsão ou do terror imposto por milícias, justiceiros e grupos de extermínio — somente será levada a termo com a imposição da lei e da ordem pelo poder público.

Pactos oficiosos com bandidos, como as palavras do representante da Faferj indicam existir no caso, legitimam o marginal.

É preciso, ao contrário, combatê-lo com toda força. Aceitar concessões é passar atestado de submissão às vanguardas da marginalidade.

Lula centra fogo no DEM

Em discurso inflamado, presidente diz que o partido torce para o país não dar certo e dispara: "Quem tem medo da CPMF é quem sonega". Rodrigo Maia contra-ataca e o compara ao venezuelano Hugo Chávez

Depois de tentar negociar nos bastidores e de fazer críticas genéricas aos opositores da proposta que prevê a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu partir para o ataque direto. Ontem, ao participar da inauguração de uma ponte no município de Colatina (ES), Lula disse que os integrantes do DEM, ex-PFL, são contrários à CPMF por medo do tributo, já que o imposto é um dos únicos capazes de detectar sonegadores. "O DEM torce todo santo dia para as coisas não darem certo neste país que foi governado por eles durante 500 anos. Eles agora ficam com discurso de que é muito imposto. Na verdade, quem tem medo da CPMF é quem sonega", alfinetou.

As declarações de Lula causaram mal-estar no Congresso. Nos corredores, parlamentares da oposição criticavam o presidente abertamente, enquanto alguns aliados tentavam acalmar os ânimos. Em conversas reservadas, não escondiam a preocupação de que o ataque direto ao partido opositor fosse interpretado como uma demonstração de insegurança do Palácio do Planalto em relação à aprovação do imposto do cheque. "É preciso analisar todo o contexto da fala do presidente. Não dá para pegar uma única frase solta. Deve ter alguma vírgula, alguma coisa a mais nessas frases", comentou o líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), ao ser informado sobre os ataques de Lula.

No comando do DEM o tempo fechou. O presidente do partido, Rodrigo Maia (RJ), comparou a atitude de Lula à do presidente Venezuelano, Hugo Chávez. "No momento em que as divergências ficam aparentes, o presidente brasileiro caminha no mesmo sentido antidemocrático da Venezuela. Isso só demonstra nervosismo e falta de capacidade de argumentar" , rebateu o deputado.

(os planos do Lula são cópia fiel dos acalentados pelo ditador venezuelano; a diferença que existe é só de estratégia, já que favorecido pelo tempo o "Nosso guia" pode assistir o desenrolar da estratégia do ChaveS, do Morales e do Correa na luta que travam conta a democracia e escolher a mais adequada para aplicação no Brasil.)

De acordo com Maia, a atitude do presidente pode ser interpretada como uma clara demonstração de que o governo não tem maioria para aprovar a prorrogação do tributo. Segundo ele, o ataque à posição do Democratas vai piorar ainda mais a situação do governo na busca por votos favoráveis ao projeto, visto que alguns parlamentares já manifestaram solidariedade à legenda e até criticaram Lula. "Mas esse apoio dos outros partidos não nos interessa muito. O que importa é que vamos continuar firmes contra a CPMF para que o governo perca essa votação no Senado", disse o líder.

Para que Venezuela no MERCOSUL?

MERCOSUL

Chávez vai ter que esperar

A Câmara dos Deputados sepultou a promessa feita pelo Itamaraty ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de concluir a tramitação do protocolo de adesão plena do país vizinho ao Mercosul até o fim do ano. O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP) (foto), declarou que a votação do texto pelo plenário da Casa ficará para 2008 por conta das "prioridades" deste ano legislativo.
Se aprovado na Câmara o projeto repetirá todo o ritual no Senado Federal.

O 'NO' VENCERÁ NA VENEZUELA

Arrancada do "não"
Dezenas de milhares de venezuelanos tomam de assalto avenida "chavista" e encerram em clima de festa campanha contra a reforma constitucional, que vai a referendo no domingo. Pesquisas justificam euforia

Caracas — Milhares de venezuelanos tomaram na tarde de ontem a Avenida Bolívar, em Caracas, para rechaçar a reforma constitucional impulsionada pelo presidente Hugo Chávez. No domingo, os eleitores dirão sí ou no ao projeto, que permite ao presidente reeleger-se indefinidamente. A oposição acusa Chávez de querer perpetuar-se no poder, mas ele promete intensificar a democracia, com artigos como o da nova seguridade social, que incluiria trabalhadores informais, donas-de-casa e outros.

A marcha de ontem foi convocada pelos universitários de oposição, a mais ativa força antichavista. "Prometemos encher a avenida Bolívar e enchemos. E hoje dizemos que no domingo ganhará o "não". Só pedimos a todos para irem votar", afirmou o líder estudantil Yon Goicoechea, da Universidade Católica Andrés Bello. Perto do centro de Caracas, a avenida Bolívar é tradicional reduto chavista. Durante a passeata, simpatizantes do presidente lançavam dos edifícios panfletos com a propaganda do "sim". Hoje, a mesma avenida assistirá ao encerramento da campanha governista.

Vigilância
Durante todo o mês, setores da oposição, sobretudo o Comando Nacional da Resistência (CNR), levantaram suspeitas quanto à transparência do processo eleitoral. Tanto que o CNR, no começo de novembro, convocava a população a não votar. Chávez alega que a oposição não reconhecerá os resultados, caso seja derrotada.

Na última quinta-feira, o ministro das Telecomunicações, Jesse Chacón, apresentou um vídeo gravado na Igreja dos Samanes, em Caracas, no qual dirigentes opositores aparecem convocando a população a não acatar uma eventual vitória do "sim". O vídeo foi enviado pelo ministro ao Conselho Nacional Eleitoral, para possível denúncia.

"Os resultados serão reconhecidos desde que haja transparência", afirma Alexandra Díaz, secretária-geral do Centro de Estudantes da Universidad Simón Bolívar e uma das líderes da campanha oposicionista. "Não sabemos o que vai ocorrer no domingo à noite, se vamos sair para marchar ou não. Tudo dependerá de como for o processo de apuração. O mais importante agora, no entanto, é fazer um chamado para a população ir votar", completou.

Pesquisas
As últimas pesquisas de intenções de voto, divulgadas no fim de semana pelo instituto Datanálisis, davam a vitória para o "não", com 45%, contra 30% para o "sim". Outro instituto, o Consultores 21, também previu vitória da oposição, por 53% a 41%. O presidente Chávez acusa essas empresas de manipular os números das pesquisas. No ano passado, no entanto, o Datanálisis dava como certa a vitória de Chávez nas eleições presidenciais, projeção que se confirmou — ele foi reeleito com 63% dos votos.

No último domingo, em entrevista transmitida ao vivo para o país pelo canal estatal VTV, o presidente venezuelano apresentou uma pesquisa divulgada pelo jornal Panorama, e realizada pelo instituto Ibat, dando vitória para o "sim" por 65% a 45%. "Não imagino que seja tanto, mas é certo que vamos ganhar novamente", comentou Chávez na ocasião.

Em meio às incertezas sobre o resultado de domingo, os opositores estão certos de que, pela primeira vez, poderão derrotar o presidente nas urnas. Uma das manifestantes, que andava por toda a avenida, gritava para que todos ouvissem: "Acabou o leite, presidente! Acabou o leite!" Além de recordar a crise de abastecimento que vive o país, a jovem enviava outra mensagem ao Palácio de Miraflores: na Venezuela, "leite" também significa sorte.

O número
Do contra
45% dos eleitores rejeitarão a reforma de Hugo Chávez, contra 30% que apoiarão o texto, segundo sondagem do Datanálisis.
O Consultores 21 prevê derrota do presidente por 53% a 41%.

Ainda tenho a confiança que dezembro será um mês negro para os planos da trupe petista; confio que teremos a rejeição da constituição do ditador Chaves; a rejeição da CPMF; a cassação do Renan - vou parar por achar que com o terceiro item, exagerei.

Preços de combustíveis subirão

Álcool tem reajuste previsto de 9% e gasolina, de 6%. Aumento será cobrado assim que os postos receberem novos estoques das distribuidoras. Impostos representam 41% do valor na bomba

Consumidores, preparem os bolsos. Um novo aumento do preço dos combustíveis foi anunciado: 6% para a gasolina comum e 9% para o álcool. Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Minerais do Distrito Federal (Sinpetro-DF), as distribuidoras começarão a cobrar os novos preços nos próximos dias e o repasse dos postos será imediato. "Ainda nem terminamos de repassar o último reajuste e já vamos mudar de novo", declarou o presidente do sindicato, José Carlos Ulhôa.

Nas bombas, o litro do derivado de petróleo poderá ser encontrado, na maioria dos postos, de R$ 2,73 a R$ 2,75. Já o álcool passará a ser vendido com valores entre R$ 1,83 e R$ 1,85. Atualmente, os preços médios são de R$ 2,576 e R$ 1,679, respectivamente. Para o professor da Universidade de Brasília (UnB), Roberto Piscitelli, há uma pressão internacional que motiva o acréscimo no preço da gasolina. "A Petrobras sofre influência do mercado externo e procura nivelar os praticados lá fora." Ele afirma que mesmo se houvesse auto-suficiência do combustível, haveria mudanças nas tabelas por se tratar de um reflexo do barril cotado a quase US$ 100.

Com relação ao álcool, o professor acredita que o momento é de especulação. "Há uma exploração oportunista. Estão falando de entressafra da cana-de-açúcar desde outubro, mas o período normal é janeiro ou fevereiro". O argumento do setor sucroalcooleiro é impulsionado pelas vendas de carros bicombustíveis.

Piscitelli avalia que o problema é cíclico e crítico, e, por isso, o governo deveria agir de forma mais enérgica para controlar o mercado e evitar risco de desabastecimento. "Todos os anos há este tipo de problema, não só com a cana-de-açúcar, mas com outros produtos sazonais. Enquanto o Governo não tomar a frente e estabelecer estoques de reserva, corremos o risco de ficar sem combustíveis renováveis", conclui.

Campanha
Esta semana, o Sinpetro-DF lançou a campanha "A Gasolina continua cara. Por quê?", para mostrar aos consumidores como o preço é composto. José Carlos Ulhôa diz que a ação é uma maneira transparente de conscientizar a população sobre a alta carga tributária. "Os impostos representam 41,07% do valor médio da gasolina", revela. Há dois anos houve outra campanha nacional com o mesmo propósito.

Para compor o material da campanha, foi considerado o preço médio do litro da gasolina comum a R$ 2,59. Desse valor, R$ 0,9886 são pagos à refinaria e à usina. R$ 0,149 corresponde ao lucro da distribuidora somado o frete. Do resultado, são acrescidos ainda R$ 1,063 de impostos federais (CIDE, PIS/CONFINS) e distrital (ICMS). Por fim, o lucro bruto do posto totaliza R$ 0,3888, ou 15,01%. "O que ganhamos é aquém do mínimo necessário à geração lucrativa de um posto padrão", afirma José Carlos.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

EFICIÊNCIA DO CONVERSOR

A TV Digital é mais um engodo do governo(?) petista;
o custo do conversor, essencial para a recepção, beira os R$ 800 e não há perspectiva de redução a curto prazo.
Mas, para animar os brasileiros estou mostrando o quanto o conversor é eficiente - com certeza vale a pena economizar um ano de Bolsa-Família para comprar um.

Lula e o terceiro mandato



Por Arnaldo Jabor, no Estado de S. Paulo

Um país é como uma pessoa. Tem traumas infantis, tiques nervosos, tem doenças genéticas e até venéreas. Há pessoas expansivas, transparentes, ingênuas. Há pessoas dissimuladas, que disfarçam bem suas perversões. Um país pega os cacoetes de seus políticos que, por sua vez, usam os cacoetes antigos do país e isso vai numa corrente viciosa, fazendo a história andar, tortamente, através de acasos, de acidentes de percurso, de neuroses tradicionais, muito além de "relações de produção" ou de "blocos históricos".

Lula sabe usar muito bem nossa ignorância política, fingindo até participar dela, logo ele, um Maquiavel do ABC, como acabou de fazer na defesa de Chávez, o fascista da Venezuela, misturando ditadura com parlamentarismo, de propósito, para confundir a "massa".

O governo Lula tem a destreza de usar toda nossa deficiência mental, os vícios antigos que a Colônia nos legou, para seu proveito. A ignorância do povão analfabeto e a desinformação confusa da classe média são seus principais instrumentos de poder. Somos um povo que reclama, mas sem massa crítica, com rasa formação política.

A estranha ideologia do lulo-sindicalismo está corrompendo o Legislativo e a opinião pública sem mexer, claro, na superestrutura financeira do País – Lula agindo como um Napoleão III do sertão.
Ele se coloca como que "acima" da política, essa coisa "menor", pairando num "bonapartismo molenga" que trabalha na desmoralização da democracia representativa. Isso é uma sopa no mel para corruptos e vagabundos aliados (nunca a voracidade corrupta do Atraso foi tão grande como agora) e uma preparação para um lento "chavismo light".


Como sabemos, o PMDB é a cara do Brasil. O Brasil é um PMDB. E nesse mar, com seus partidinhos periféricos, Lula navega em direção ao terceiro mandato.

A "grande aliança", que abençoa todos os vícios do Parlamento, teve um efeito desmobilizador das oposições. Quanto mais vergonhoso o Parlamento, melhor para ele. Lula lucra com episódios como o de Renan no Senado.


Não é que a oposição (O vago PSDB e o pálido DEM?) foi destruída por um ataque direto. Não. Ela está sendo desossada, engolida por uma maré venenosa de alianças corruptas, de conformismo, de obediência, de oportunismos atendidos. A oposição sumiu como uma pedra que afunda no meio de um terreno que apodrece em volta.

O lulo-sindicalismo cria aos poucos uma moleza na sociedade civil que, como não há crise econômica, vai perdendo a clareza de opiniões. É o chamado "efeito desalento": a sensação de que tudo é "assim mesmo no Brasil", que não adianta reclamar nem denunciar nada. Todo o espírito reformista que houve no período FHC (sabotado pelo PT implacavelmente), e mesmo o ar de militância popular que o primeiro Lula ainda tinha, tudo virou uma sopa morna de "fracassomania" que está deprimindo o País, de volta aos velhos tempos do "isto não tem mais jeito". O governo Lula nos anestesia politicamente. Assistimos, por exemplo, impotentes, à recauchutagem de todo o esquema de corrupção do Ministério das Minas e Energia, do escândalo Gautama (lembram?), pois o PMDB não pode ficar fora de um orçamento de 260 bilhões de reais para os próximos dois anos. Esperam passar um tempo e voltam todos.


Outra descoberta do lulo-sindicalismo é o "efeito da confusão proposital de informações". Como é difícil a leitura da complexidade administrativa do País, nada se explicita para a população. Na crise aérea tem sido assim, na listagem real das obras do governo, de projetos administrativos. A idéia de reformar, essencial no País, é jogada para ???córner, e os portos, estradas, gargalos, burocracia, tudo fica intocado, dissimulado pelo marketing, com ministros anunciando obras nem começadas (transposição do Rio São Francisco, por exemplo), nada sendo feito, mas tudo sendo anunciado, pois descobriram, maravilhados, que mesmo sem sair coisa alguma do papel, basta a divulgação. Listem-me, por favor, obras concretas do governo, além do Bolsa-Cabresto. Onde está o PAC? Como não há crise econômica, a pasmaceira política da população tem uma sensação de "normalidade".

O governo Lula tem o álibi de ser um governo "do povo". Assim ele pensa, assim pensam os empregados públicos na máquina, assim pensam os intelectuais dualistas. O discurso oficial ideológico é um sarapatel de idéias. É uma cepa herdada (resistente a antibióticos) de um autoritarismo leninista, que cruzou com o germe do sindicalismo oportunista, com o stafilococus do populismo pós-getulista, formando um novo tipo de micróbio que, com a baixa imunidade da democracia representativa, se espalha de forma letal.


Em cima desse álibi, tudo pode ser justificado: o "mensalão" foi chato, mas "os fins justificavam os meios, pois assim funciona o sistema burguês", a morte dos prefeitos foi "inevitável" para o bem do Partido, as alianças mais sujas são um "mal necessário" e vejo até uma certa volúpia revolucionária (quase sexual) em se aliar com o oposto do que se proclama, volúpia visível por exemplo, com Lula e Edir Macedo unidos e o súbito ardor indignado de Lula defendendo Chávez contra o "rei", pois o rei teria conotações de ancien regime, ecos franquistas, apesar do infinito progresso e felicidade da Espanha atual.

Creio que neste discurso de Lula se inicia uma nova etapa, em direção a uma provável tentativa de terceiro mandato, apesar de todas as denegações que, como sabemos, são o avesso da afirmação de um desejo. Claro que Lula não é o psicopata da Venezuela, mas dá para ver indícios de que as frestas da democracia serão usadas para, aos poucos, com jeitinho brasileiro, se atingir a continuidade. O PMDB está aí para isso. É difícil acreditar que o DNA dos sindicalistas se modifique e abra mão da estabilidade nos nichos onde se infiltraram. Sem oposição visível, é difícil imaginar que Lula resista a essa tentação. Ainda há três anos.

Pesquisa personalizada