Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

quarta-feira, 30 de abril de 2008

FNPOTARAVEDI + FTJEMERDA = INDENIZAÇÕES INJUSTAS, INDEVIDAS e CRIMINOSAS

FNPOTARAVEDI = Força Nacional de Procura às Ossadas dos Terroristas do Araguaia 5ª Edição...

FTJEMERDA = Força Tarefa do Jobim Exército Marinha Aeronáutica Dos Amarelões...

Do Blog do Clausewitz

Curió, Jiménez e Lício são chamados pelo governo
Secretário quer ouvir líderes militares que combateram a guerrilha
Vasconcelos Quadros
Brasília

"A Comissão de Mortos e Desaparecidos, da Secretaria Especial de Direitos Humanos, convidou para prestar depoimento no próximo dia 7 de maio, em Brasília,
o prefeito de Curionópolis (PA), Sebastião Curió Rodrigues de Mourao oficial que comandou as prisões e execuções da maioria dos 59 guerrilheiros do PC do B desaparecidos no Araguia –, o coronel Lício Maciel, o tenente José Vargas Jiménez e um morador, José Rodrigues da Silva, que diz ter visto o sepultamento de vários 12 corpos de guerrilheiros na antiga base do Exército, em Xambioá. Em entrevista ao Jornal do Brasil, Curió confirmou que os mortos foram 59, diz que revelará o paradeiro da maioria deles em agosto e afirma que divulgará o relatório com os nomes, circunstâncias em que foram mortos e os locais para onde foram transladados depois de uma operação de remoção dos corpos, provavelmente em 1975...


Expedição
Sob o comando do secretário de Direitos Humanos, Paulo Vannucchi, a comissão organizará uma expedição à região do Araguaia a partir de julho.

O grupo organizará um conjunto de depoimentos de moradores e guias que ajudaram o Exército no extermínio da guerrilha, para montar um organograma sobre os locais onde os corpos poderiam ter sido enterrados.

O Ministério da Defesa também criou força-tarefa em que participam Exército, Marinha e Aeronáutica, para cruzar os dados existentes e ouvir oficiais que estiveram na linha de frente dos combates.

Essa comissão tentará cumprir a sentença da juíza federal Solange Salgado, de Brasília, que mandou o governo encontrar os corpos ouvindo oficiais e abrindo os arquivos que as Forças Armadas sempre negaram existir...


Grupo de combate
Dos militares convidados pela Comissão de Mortos e Desaparecidos, apenas o tenente Vargas
, conhecido como Chico Dólar, aceitou participar. Em entrevista ao JB, ele contou que chefiou um grupo de combate com a missão de exterminar os guerrilheiros e detalhou as prisões e métodos de tortura aplicados contra militantes do PC do B e moradores. Também apontou locais onde seus homens viram ossadas na mata...

Um único comentário meu:
-
Dois monstros serão em breve criados para comer, mascar, ruminar e regurgitar seu suado dinheirinho
: FNPOTARAVEDI = Força Nacional de Procura às Ossadas dos Terroristas do Araguaia 5ª Edição...
FTJEMERDA
= Força Tarefa do Jobim Exército Marinha Aeronáutica Dos Amarelões...

Enquanto isso, aguardamos o best seller do passarinho mais político do velho oeste amazônico, aquele mesmo que se disse endeuzado pela guerrilheira Sônia... e que dela morre de saudades, não podendo tê-la como primeira dama da cidade que ele fundou, pois a guerrilheira já foi cantar para o gramunhão... mas titicas de passarinhos a parte, quando será que essa cambada vai deixar de mexer nessa ferida???

quando é que vamos pensar com a cabeça correta e enteder que se não fosse a pronta ação do Exército, nossa Amazônia abrigaria hoje o maior grupo guerrilheiro jamais visto na via láctea??? gente, é muita merda de curió sujando diariamente a visão e a inteligência do brasileiro, que pensa como um curió...

O atual presidente do BRASIL se orgulha de NUNCA TER LIDO UM LIVRO

Brasil é o 76º no ranking de educação básica da Unesco
30/04 - 15:43 - Agência Estado

"O Brasil ocupa a 76ª posição entre 129 países no ranking referente ao alcance de metas da educação básica, como universalização do ensino primário, alfabetização de adultos, paridade entre sexos e qualidade da educação.

A avaliação foi feita pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e coloca o País com Índice de Desenvolvimento de Educação para Todos (IDE) de 0,901, junto com outras 53 nações em uma posição intermediária.

Segundo informações da Agência Brasil, o estudo revela que, em 2005, apenas 8,6% das crianças de até 3 anos entre os 20% da população mais pobre estavam matriculadas em creches. Já na faixa de crianças inclusas na população 20% mais rica, o total era de 27,6%. Na faixa etária de 4 a 5 cinco anos, os percentuais eram, respectivamente, de 52,2% e 85,7%. Na área da educação pré-escolar, o estudo mostra um pequeno aumento no acesso ao ensino de crianças de até 3 anos, de 9,2% em 1999 para 13% em 2005.Um dado positivo é o que trata da taxa de mortalidade infantil.

De acordo com a Agência Brasil, o relatório da Unesco aponta quedas significativas no Brasil. Porém, em 2005, o índice ainda era de 22,6 crianças mortas por mil nascidas vivas. Ainda segundo a Unesco, entre as crianças brasileiras de 4 a 6 anos houve crescimento no acesso ao ensino na comparação com 1999: a freqüência passou de 60,2% para 72,7% em 2005."

CPI desmoralizada finge investigar

CPI investiga tráfico de influência no uso de cartões

A CPI do Cartão Corporativo investiga agora indícios de que ocupantes de cargos comissionados na administração federal tenham feito tráfico de influência para beneficiar empresas das quais são sócios em compras com os cartões do governo. A suspeita foi anunciada nesta quarta-feira pelos deputados Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Índio da Costa (DEM-RJ), sub-relatores da comissão.

Sem citar casos concretos, eles disseram ter identificado 452 empresas que fizeram negócios com os cartões desde 2002 e têm sócios que são ou foram servidores comissionados nesse período. Os estabelecimentos faturaram R$ 615 mil com as transações. Foram identificados 473 servidores que são, ao mesmo tempo, sócios das empresas beneficiadas pelo uso dos cartões. Dez deles seriam portadores de cartões.

As normas que regulam o serviço público proíbem que ocupantes de cargos comissionados sejam sócios-gerentes de empresas.
Os oposicionistas encontraram o nome dos servidores nos quadros societários dos estabelecimentos, mas ainda não especificaram a natureza do vínculo de cada um.

"Essas pessoas precisam escolher um chapéu. Se são sócias de empresas que fazem negócios com o poder público, não podem ocupar cargos no governo",
disse Sampaio, sub-relator de sistematização da CPI. "A CPI vai até o fim para verificar se houve tráfico de influência nessas compras", disse Índio, sub-relator de fiscalização de gastos.

No caso mais suspeito até agora, os deputados afirmaram ter identificado um servidor que usou o próprio cartão corporativo para fazer uma compra num estabelecimento do qual é sócio. Para eles, isso caracteriza ato de improbidade administrativa. No entanto, os oposicionistas não informaram o nome do servidor, o valor da transação ou o órgão público em que ele trabalharia. As informações completas, segundo eles, dependem de novos cruzamentos de dados e só serão divulgadas no próximo dia 7.

(a CPI, já desmoralizada, tenta mostrar serviço esquecendo o principal: como foram efetuados os gastos milionários e secretos?)

Pior que não é piada; é verdade

KIT FALTA DE VERGONHA
 
    Vai transar? O governo dá camisinha!
 Já transou? O governo dá a pílula do dia seguinte!
 Engravidou? O governo dá o salário - maternidade e ainda 180 dias sem fazer nada!
 O filho cresceu? O governo dá a Bolsa Família!
 Tá desempregado? O governo dá Bolsa Desemprego!
 Vai prestar vestibular? O governo dá a Bolsa Cota!
 Não tem terra? O governo dá o Bolsa Invasão!
    

Agora, experimente TRABALHAR pra ver o que é que te acontece! Você se mata para pagar impostos, quebra, suja o nome e passa a ser INCOMPETENTE!

Com certeza o Apedeuta vai aumentar algum imposto para compensar a diminuição da CIDE

Risco de repique inflacionário e crise econômica enervam Lula e o forçam a adiar aumento dos combustíveis

A luz amarela, indicando o risco de repique inflacionário, já deixa o popular chefão Lula mais nervoso que o normal. Uma tensa reunião de três horas, ontem, no Palácio do Planalto, resolveu adiar, por alguns dias, o reajuste dos preços dos combustíveis, congelados desde outubro de 2005. O objetivo é evitar mais aumentos ainda nos preços dos alimentos.

O desgoverno Lula ficou preocupado com a divulgação de uma pesquisa da Federação Brasileira de Bancos, advertindo sobre o risco do retorno da inflação capaz de desestabilizar a economia (hoje a frágil base de sustentação de Lula). A maioria das 35 instituições financeiras pesquisadas pela Febraban advertiu que há risco de um estouro da meta de inflação – prevista pelo desgoverno em 4,5% para este ano. Os bancos já especulam índices inflacionários iguais ou maiores que 4,75%.

O desgoverno jura que a inflação está controlada e perfeitamente bem comportada. Tirando sempre sua responsabilidade da reta, os membros da equipe econômica apelam para a demagogia. O ministro da Fazenda, Guido Mantega,
alegou ontem que a inflação poderia ser de 2,5% a 3% se não fossem os fatores como a pressão do preço de produtos como feijão, leite e derivados.

Raciocínio brilhante de Mantega:
"Tirando o feijão, o feijãozinho que todo mundo come, nós teríamos uma inflação de 4,4%. Se tirássemos leite e derivados, diminuiria mais 0,3%". Será que o genial ministro esqueceu que esta é a alimentação básica dos brasileiros?

Briga feia
O chefão Lula reuniu ontem os ministros Edison Lobão (Minas e Energia), Dilma Rousseff (Casa Civil), Guido Mantega (Fazenda), e o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli.

No encontro, Gabrielli fez um apelo em favor do reajuste, após realizar uma exposição sobre as perdas da Petrobrás com a defasagem entre os preços internacionais e os praticados pela estatal no mercado interno.

A Petrobras reivindica para a gasolina um reajuste de 10% nas refinarias, o que resultaria em alta de 4,8% no preço final nas bombas.

Lula resolveu que é melhor empurrar o assunto com a barriga.

Cenário feio
O último aumento da gasolina no Brasil ocorreu em setembro de 2005, quando o barril estava cotado a US$ 65 nos Estados Unidos.
Na época, a gasolina subiu 10%, e o diesel 12%.
Ontem, o barril do petróleo para entrega no mês de junho em Nova York fechou a US$ 115,63, depois de já ter batido US$ 120 na semana passada.

Mentira da autosuficiência
Apesar de a
Petrobras ter anunciado a cascateira auto-suficiência em petróleo no País, a estatal (controlada em 25% por acionistas estrangeiros) precisa importar óleo leve, com cotações internacionais.

As refinarias daqui não processam o petróleo brasileiro pesado e de baixa qualidade.

Além disso, os custos de produção da estatal também têm aumentado porque a empresa precisa contratar serviços e equipamentos no mercado internacional, que está muito aquecido com a alta do petróleo.

Toma aqui, empresta cá
Aproveitando o cenário de maior demanda por crédito
, os bancos aumentaram a taxa média de juros do cheque especial em 3,8 pontos percentuais, de 146% para 149,8% ao ano.

Apesar da alta dos juros e do aumento da carga de impostos que incide sobre as operações de crédito, o volume de empréstimos feitos pelos bancos continua subindo.

Em março, a expansão de crédito atingiu o maior nível da história, chegando a R$ 992,7 bilhões.

O valor equivale a 35,9% do PIB (Produto Interno Bruto), segundo o Banco Central.

re-reeleição é GOLPE

Debate sobre democracia

FH: Terceiro mandato desmoralizaria Lula e abriria portas para o autoritarismo

Publicada em 30/04/2008 às 14h04m

Paula Autran - O Globo; O Globo OnlineReuters/Brasil OnlineValor Online

Primeiro presidente beneficiado pelo instrumento da reeleição, Fernando Henrique Cardoso afirmou nesta quarta-feira que um terceiro mandato seria desmoralizador para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e abriria portas para o autoritarismo. O ex-presidente fez questão de frisar que acredita na palavra de Lula quando este afirma que não vai querer mais uma reeleição.

-O presidente Lula já declarou muitas vezes que não aceitaria e eu acredito na palavra dele. Um terceiro mandato seria um erro institucional - disse ele, ao participar de uma reunião da Comissão Latino-Americana sobre drogas e democracia, no Rio de Janeiro. - O presidente Lula ficaria muito desmoralizado – acrescentou.

O tucano explicou por que considera um terceiro mandato um risco institucional:

Uma coisa é o instituto da reeleição, que já existe em muitos países. Mas não existe o instituto do terceiro mandato, porque aí não haveria limitação e perde o princípio da democracia - disse FH. - Terceiro mandato é um mandato indefinido e mandato indefinido é abrir as portas para o autoritarismo, para o personalismo. Acho que não tem cabimento. Quem fica três mandatos, fica dez - completou.

Fernando Henrique lembrou que Lula já foi contra a reeleição, mas se candidatou uma segunda vez.

- Ele pode achar que não é suficiente (um mandato de quatro anos), e ele (Lula) acabou concordando tanto que acabou sendo candidato.

Perguntado se ele não acha pouco oito anos para pôr em prática os planos presidenciais, FH disse:

- Acho pouco, mas a alternância de poder é sadia.

Fernando Henrique ponderou que uma mudança profunda na estrutura de um país não precisa ser obra de uma pessoa ou um partido.

- Entendo que quem está no poder queira continuar, isso faz parte do jogo, faz parte da vida .Mas num país não se faz por um governo, é uma continuidade, ou uma ruptura, depende.

Perguntado se a opinião pública não defenderia um terceiro mandato para Lula, foi taxativo:

- Uma parte da população quer pena, de morte, mas você acha que vale a pena? Não acho que este tema tenha que ser tratado neste nível. Mas com responsabilidade institucional, mais do que uma pesquisa de opinião pública.

Ainda defendendo a alternância no poder, afirmou que o presidente Lula não pode ceder a pressões por mais um mandato que vêm da própria base do governo.

-A pressão existe para um terceiro mandato por parte dos partidos interessados... Oito anos é pouco, mas não precisa só um mudar ou um partido. O PT que parecia que ia mudar tudo o que eu tinha começado deu continuidade à maior parte das coisas. Alternância pode ter continuidade. Isso que é um país maduro.

A realização da marcha é CRIME

Polêmica

Justiça proíbe marcha da maconha em Salvador

Publicada em 30/04/2008 às 11h09m

SALVADOR - A Justiça proibiu a marcha a favor da legalização da maconha em Salvador. A passeata está marcada para o dia 4 de maio, em nove capitais.

A decisão de proibir a manifestação na Bahia foi da juíza Rosemunda Souza Barreto, da 2ª Vara de Tóxicos da Comarca de Salvador, e atendeu à ação cautelar do Ministério Público que pedia a suspensão da marcha.

- Chegou ao nosso conhecimento a existência no site da descrição 'fume maconha', o que leva a crer num indício forte da prática de crime previsto na lei antidrogas, que é induzir ou auxiliar alguém ao uso indevido de drogas - afirmou Paulo Gomes Júnior, promotor de justiça.

A determinação desagradou ao professor de antropologia Edward Macrae, presidente do Grupo Interdisciplinar de Estudo do Uso de Substâncias Psicoativas. De acordo com ele, que apóia a marcha, a decisão fere os princípios da democracia.

- Eu vejo como uma absurda interferência no direito de livre expressão do cidadão que está pedindo para se fazer uma mudança na lei - criticou.

(a realização da marcha é CRIME previsto no Código Penal sob a classificação APOLOGIA AO CRIME e o responsável pelo site incorre no mesmo crime, o que torna obrigatório a aplicação da Lei. Aliás, por ser uma prática criminosa a Polícia TEM O DEVER de IMPEDIR A MARCHA e PUNIR OS ORGANIZADORES independentemente da proibição judicial.

Imaginem se os porcos que curtem pedofilia resolvessem fazer uma marcha em defesa da pedofilia. Será que os defensores da liberdade de expressão (que defendem a marcha dos maconheiros) iriam defender tais porcos?

Reitero minha opinião de que é inaceitável a política seguida pelo atual governo(?) de não punir o consumo de maconha, política que estimula o consumo, aumentando a demanda e o tráfico.

No momento em que os usuários passarem a ser SEVERAMENTE PUNIDOS – pena de reclusão mesmo – haverá uma diminuição do interesse em consumir a droga e a conseqüente queda na demanda e na lucratividade do tráfico = conseqüência da velha e irrevogável LEI DA OFERTA E DA PROCURA)

terça-feira, 29 de abril de 2008

Comissão de Ética mira Dilma

Comissão de Ética vai ao fígado de Dilma Rousseff

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República enviou ofício a Dilma Rousseff. No texto, pede à chefona da Casa Civil explicações sobre o vazamento do dossiê com gastos secretos de FHC e dona Ruth. Deu-se à ministra um prazo curto: dez dias.

O episódio faz lembrar um outro ofício da mesma comissão. Recebeu-o, em dezembro de 2007, Carlos Lupi. Lia-se no papel que o acúmulo da cadeira de ministro com a poltrona de presidente de partido era coisa que não condizia com as boas práticas republicanas.

Ou Sepúlveda Pertence e os membros da Comissão de Ética aderem aos "racionais", ou logo, logo vão ficar com uma inconfundível cara de Marcílio Marques Moreira.

(só cabe aos brasileiros honestos

Solicitou-se a Lupi que optasse por um dos dois assentos. Não optou. Abespinhada, a comissão produziu outra carta. Endereçou-a, dessa vez, a Lula. Pedia a demissão de Lupi. Não foi demitido.

Decorridos três meses, o que era apenas polêmico tornou-se um escárnio. Inquirida sobre a encrenca, Dilma pontificou: "Acredito que essa questão do ministro Lupi tem que ser avaliada com muita tranqüilidade. Com menos fígado e mais racionalidade."

Marcílio Marques Moreira, então presidente da Comissão de Ética, não gostou nem da rima nem da desmedida "tranqüilidade". Pediu o boné. A pasta de Lupi foi às manchetes como provedora contumaz de verbas públicas para entidades ligadas ao PDT. Lupi licenciou-se do comando do partido. Hoje, é um ilustre investigado da CGU e do TCU.

Na vaga de Marcílio, acomodou-se o homem de leis Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF. Nesta segunda-feira (28), ele explicou a natureza do ofício endereçado a Dilma. Não se fez, disse ele, nenhuma análise de mérito sobre o dossiê. Só depois das explicações é que se vai verificar se há malfeito a ser punido.

Suponha-se que Dilma se digne a responder. Imagine-se que a comissão se convença de que está diante de algo passível de reprimenda. Ainda assim, a coisa dará em nada. Depois da frase de Dilma –"menos fígado, mas racionalidade"—a ética na administração pública e a comissão que a vigia nunca mais serão as mesmas.

O Planalto vem tratando o dossiê com "racionalidade" à Lupi. A sindicância que Dilma montara para elucidar o vazamento de dados sigilosos empurrou suas conclusões para o final de maio. Não convém correr o risco de concluir algo que seja, depois, desmentido pela Polícia Federal.

Crise de alimentos sem solução?

Preços

Força-tarefa da ONU não resolve crise de alimentos

As primeiras ações sugeridas pela ONU para combater a alta dos alimentos têm efeitos limitados. Servem para atenuar o problema no curto prazo, principalmente em países pobres que estão passando por sérios problemas, inclusive escassez de comida, por conta da crise. Isso tem mesmo que ser feito.

Pensando mais para frente, no entanto, surgem os primeiros problemas. O Programa Mundial de Alimentos (PAM) está pedindo mais US$ 755 milhões de recursos para comprar comida. A medida isolada pode levar a mais aumento nos preços porque teremos uma pressão maior na demanda.

A Organização para Agricultura e Alimentação (FAO) quer US$ 1,7 bilhão para atender países com déficit de sementes, fertilizantes e alimentos para o gado, para tentar aumentar a produção. De fato, os insumos agrícolas aumentaram muito de preço. Mas há ainda muitos outros problemas.

O desafio da produção passa por outros aspectos, mais profundos, como a mudança climática, as barreiras comerciais, e os subsídios agrícolas em países desenvolvidos, que desestimulam investimentos na agricultura em países mais pobres. Nesse caso, a ONU também pressiona, mas sua força política tem se mostrado limitada.

Uma outra causa para a alta dos preços é a especulação no mercado financeiro. Com o agravamento da crise americana, muitos investidores migraram para o mercado de petróleo e de commodities. Com o aumento da procura pelos títulos, os preços subiram. Neste campo, a atuação da ONU é praticamente nula.

Stela, a 'Mãezona' do PACo culpa petróleo

Alta de alimentos se deve a petróleo e não a etanol, diz Dilma

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta segunda-feira, em Washington, que a inflação mundial de alimentos se deve à alta do petróleo e que o etanol não tem influenciado o processo.

''Esse é o maior impacto que tem havido recentemente, a alta do petróleo. Não me consta que os biocombustíveis participem de forma expressiva na matriz de combustíveis internacional", disse a ministra.

"(Os biocombustíveis) têm uma paritipação residual. Então, o efeito dos combustíveis sobre os alimentos se deve ao aumento do preço do petróleo. Isso é um fato.''

Os comentários da ministra foram feitos pouco após a sua participação no 2º Fórum de CEOs, que contou com a presença do presidente George W. Bush e de dez altos executivos do Brasil e outros dez dos Estados Unidos.

A ministra disse que acha ''muito estranho algumas afirmações'' que relacionam a inflação alimentar vivida mundialmente com os biocombustíveis e que estabelecer essa relação é uma leitura ''completamente tendenciosa'', que a deixa ''bastante preocupada''.

Fatores

Dilma disse que o aumento da demanda por alimentos na China e na Índia, bem como uma série de fatores naturais, contribuíram para a inflação alimentar.

''Algo que se deve constatar é que na China e na Índia vai haver mais pessoas comendo melhor, inclusive comendo proteína. Comer proteína não pode ser direito exclusivo dos países mais ricos.''

A ministra acrescentou que ''tudo isso significou uma grande pressão, junto com problemas de mudança de clima, secas, tempestades, terremotos, enfim, uma série de acidentes naturais''.

Segundo Dilma, o etanol brasileiro, feito a partir da cana-de-açúcar, não é um dos fatores que contribuem para o atual quadro.

''Não é possível culpar a cana-de-acúcar, que ocupa uma parte inexpressiva das terras agricultáveis, dista quase mil quilômetros da Floresta Amazônica. Não se pode falar em desmatamento.''

A ministra acrescentou que ''neste momento, em que se dá toda essa pressão em relação aos alimentos, é bom que os países desenvolvidos pensem a respeito de todos os mecanismos de proteção que fazem sobre sua própria agricultura e impedem que a agricultura dos países em desenvolvimento, principalmente os mais pobres, cresça e se expanda de forma sustentável, porque eles não têm para quem vender''.

Rice

Também nesta segunda-feira, a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, relacionou a alta alimentar à ausência de limites de importações por parte de grandes consumidores, como a China.

Rice acrescentou, porém, que o ato de destinar terras agrícolas para a produção de biocombustíveis pode ter um papel na atual inflação.

''Aparentemente têm algum efeito, uma conseqüência não desejada em meio aos esforços para obter combustíveis alternativos", disse Rice, em um encontro em Washington, ao ser ouvida sobre a posição do governo George W. Bush sobre a disparada dos preços dos alimentos.

Rice disse que os Estados Unidos acreditam ''que os biocombustíveis continuarão sendo uma peça extremamente importante para uma matriz energética alternativa, obviamente queremos estar certos de que não terão efeitos adversos".

Mas a secretária de Estado fez uma ressalva: "Pensamos que essa não é a causa principal do problema, mas de fato deve fazer parte dele".

(a 'mãezona' do PACo emPACado esquece que a produção de alimentos tem relação direta com a área plantada e no momento em que há redução das áreas destinadas ao cultivo de alimento, em favor de culturas para produção do etanol há – só o Apedeuta não sabe – uma redução natural da oferta que diante do aumento da demanda e em função de uma LEI IRREVOGÁVEL [a da oferta e procura] causa aumento de preços)

Penas mais severas são necessárias

Em conferência, jovens criticam proposta de redução da maioridade penal

A redução da maioridade penal é uma das discussões levantadas pelos delegados da 1ª Conferência Nacional da Juventude. É quase unanimidade entre os dois mil jovens de todo país que participam do evento a posição contrária à redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.

O posicionamento contra a mudança é uma das cerca de 130 propostas pré-aprovadas nos debates de ontem. Nesta terça (29/05), os delegados irão fazer uma nova seleção, da qual sairão 69 prioridades. Dessas, as 21 mais votadas servirão de base para as políticas públicas da juventude.

A delegação do Paraná é uma das mais engajadas na defesa da manutenção da maioridade penal em 18 anos. Eles elaboraram um manifesto contra a redução e, segundo Volnei Bastian, da Secretaria de Estado da Criança e da Juventude, já recolheram cerca de 500 assinaturas.

"Se houver a redução, eles [adolescentes com idade entre 16 e 18 anos] vão para a cadeia virar futuros marginais, em um centro de socioeducação ele vai tentar ser reintegrado", pondera. "No Paraná, a gente investiu bastante em novos centros de socioeducação com psicólogos, professores, terapia educacional e estamos conseguindo ajudar muitos meninos",
destaca.

Para Bastian, quem defende a redução da maioridade penal não conhece a realidade dos jovens infratores.
"Não sabe a realidade dos pais deles, se é que ele tem pai e mãe. Muitas vezes o pai dele é o traficante."

A representante de Sergipe Lívia Santos, de 18 anos, foi uma das delegadas que assinaram o manifesto
. "O jovem de classe baixa, que será o mais atingido pela redução, já é privado de tudo. A redução não resolve, tem que elaborar políticas públicas que insiram esse jovem, a redução é uma medida totalmente burocrática e ditatorial", critica a jovem, que veio do município de de Simão Dias.

Jardel Martinez, de 26 anos, também acredita que o foco deve ser a prevenção da violência
. "A gente não tem que se preocupar em prender o menor, mas em fazer ações sociais para que ele não cometa os atos ilegais. O foco principal deve ser a prevenção e não a punição", defende.

(uma das formas de prevenir a violência é com punições mais severas e não existe nenhum fundamento científico que justifique diferenciar um bandido de 16 anos de um com 25, quanto mais de um com 18 anos. Qualquer jovem de 14 anos já sabe perfeitamente que roubar é errado, matar é errado. O que o nosso paralítico Congresso Nacional deveria fazer era reduzir a maioridade penal para 14 anos, proceder um aumento geral das penas. A alegação de que as penitenciárias não comportam os condenados é improcedente, já que temos a imensas áreas onde poderiam ser confinados os bandidos, com um mínimo de despesa para mante-los presos. A imensidão amazônica poderia ser o equivalente brasileiro ao sistema de confinamento que utilizava a imensidão gelada da Sibéria; também devem ser aumentadas as penas para usuários de drogas, já que punindo severamente o usuário - que agora goza de impunidade - se desestimula o consumo e não havendo demanda o tráfico cai)

Lula diz temer Justiça Eleitoral

Em evento do PAC, Lula admite temer Justiça Eleitoral

Presidente da República discursou no local onde será construída a Universidade Federal de Osasco nesta segunda-feira

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva revelou, durante evento para dar ordem de serviço a empreendimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PACo), ter receio de que a Justiça Eleitoral considere que sua participação em atos públicos como o de hoje seja inadequada para um presidente da República. Em discurso no terreno onde será construída a Universidade Federal de Osasco, com a presença de prefeitos, deputados estaduais e federais, e dos ministros Fernando Haddad (Educação), Márcio Fortes (Cidades) e Marta Suplicy (Turismo), além do governador José Serra (PSDB), Lula fez um desabafo ao atual prefeito da cidade, Emídio de Souza (PT). "Emídio, está difícil lançar obras do PACo nesses tempos, quando estamos entrando em época de campanha", afirmou.

Lula esclareceu que visita os canteiros para acompanhar e cobrar a conclusão das obras, pois, caso contrário, o cronograma não é finalizado no tempo programado. Em seguida, alertou o público a respeito das manifestações durante o evento. Assim que chegou ao local, com 45 minutos de atraso, as pessoas que aguardavam a chegada do presidente entoaram músicas de apoio ao presidente. No discurso de Emídio de Souza, provável candidato à reeleição, os gritos foram substituídos por apoio ao atual prefeito de Osasco. O anúncio da presença da ministra Marta Suplicy recebeu tantos aplausos que o prefeito brincou: "Ainda bem que você não é candidata a prefeita em Osasco".

Já o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), não contou com a mesma receptividade, e ouviu inclusive vaias de parte da platéia. "Isso não é legal", disse Lula, em referência às manifestações públicas sobre os prováveis candidatos a prefeito nas eleições deste ano. "Não podemos dar pretexto, razão ou motivação para que maus jornalistas escrevam sobre isso", acrescentou Lula. Ele enfatizou que quer a presença de Serra em todos os atos que participar no Estado de São Paulo e lembrou que ainda vai visitar diversas cidades brasileiras ao longo deste ano.
"Para a gente ir, não pode ter clima eleitoral. Daqui a pouco, a Justiça Eleitoral diz que estou fazendo campanha", declarou. "Isso aqui é ato institucional. Quero essa compreensão para que a gente possa continuar viajando o Brasil independente do partidos dos governadores e dos prefeitos",
reiterou.

O presidente afirmou que não faz distinção entre prefeituras e governos administrados por partidos da base aliada ou pela oposição. Como exemplo, Lula, que é torcedor do Corinthians, admitiu ter torcido para o Palmeiras ontem na primeira partida da final do Campeonato Paulista contra a Ponte Preta. Tudo por causa de seu filho caçula, que também é corintiano mas está trabalhando com Wanderley Luxemburgo, atual técnico do clube alviverde.
"Todo mundo sabe que eu sou corintiano e, por incrível que pareça, eu torci ontem para o Palmeiras ganhar. Vejam o que um filho pode fazer com o pai"
, brincou.

Obras
Durante o evento, o presidente disse que as obras do PACo devem ficar prontas entre 2010 e 2012, mas sugeriu o lançamento de um novo PACo com obras que sejam concluídas até 2016. De acordo com ele, trabalhar com planos de longo prazo é a melhor forma de resolver os problemas do País. "Se pensarmos só no mandato da gente, vamos fazer apenas curativos, e não uma cirurgia", declarou.

Lula disse também que a criação da Universidade Federal de Osasco só foi possível em função da insistência do deputado João Paulo Cunha (PT), ex-presidente da Câmara e um dos 40 réus no caso do mensalão.
"Se não fosse pelo companheiro João Paulo, essa universidade não saía. Ele ia todas as semanas infernizar o ministro Haddad em seu gabinete"
, disse.

Serra parecia bem à vontade ao lado de Lula, que o chamou de "meu caro amigo". Lula disse que o governador foi a Osasco por sua insistência, pois tinha outros compromissos marcados. Serra retribuiu os elogios com cordialidade. "O presidente sabe que eu e Emídio somos de partidos diferentes, mas ele, como eu, é palmeirense, e torcemos para que o Corinthians volte para a primeira divisão", declarou.

Lugo sabe que o FORO de SÃO PAULO o apoia

Paraguai não abre mão de renegociar energia de Itaipu

Em visita ao Brasil, o vice-presidente paraguaio eleito, Federico Franco, se disse favorável ao diálogo para renegociar o preço da energia produzida pela Usina Hidrelétrica de Itaipu, mas em discurso duro, afirmou que o Paraguai não vai abrir mão da renegociação. "Esse é o princípio das conversas", disse Franco. "Quando o Brasil vir que a autoridade paraguaia não se vende, vai mudar seu temperamento. Não vamos nos submeter, não vamos trair a vontade do povo", completou.

Apesar de não falar em valores, o vice-presidente paraguaio disse que o objetivo é buscar um preço justo pela energia. "O preço justo vai surgir no diálogo. É óbvio e natural que não se pretende chegar a um preço justo de um dia para o outro", disse. Franco se reuniu, nesta terça-feira (29/04), com o vice-presidente José Alencar no Palácio do Planalto e com deputados e senadores do Paraná (região de Itaipu) no Congresso Nacional. Apesar das declarações de Franco, José Alencar negou que o assunto principal da reunião tenha sido Itaipu. "Ele fez uma visita de cortesia", disse. "Eu não conheço o pleito deles porque não se tocou nisso [no assunto Itaipu]", completou.

Alencar disse também que o Acordo de Itaipu é intocável. "O Brasil sempre foi generoso com o Paraguai. O acordo é intocável e não foi objeto de tratativa entre nós", comentou. Segundo Federico Franco, na reunião com parlamentares, tratou-se também da possível construção de uma segunda ponte entre os dois países e da simplificação de tributos em Ciudad del Este e Foz do Iguaçu.
(Alencar, por inocência ou má fé, considera o acordo de Itaipu intocável; o assunto já foi decidido pelo Foro de São Paulo (FSP) que tem no presidente eleito do Paraguai o seu décimo presidente de um país da América Latina e com certeza a decisão do FSP é pelo desrespeito aos contratos – nos moldes do que o cocalero Morales fez com a PTROBRAS. Tanto que não será surpresa, se tropas paraguaias, ocuparem setores viutais de ITAIPU e o "Nosso guia", seguindo diretrizes do FSP, aceitar as imposições extorsivas do ex-bispo a pretexto de evitar um conflito entre o poderoso exército do Paraguai e as FF AA do Brasil)

A verdade está na cara mas não se impõe

A verdade está na cara mas não se impõe

Arnaldo Jabor

O que foi que nos aconteceu? No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor, "explicáveis" demais. Toda a verdade já foi descoberta, todos os crimes provados, todas as mentiras percebidas. Tudo já aconteceu e nada acontece. Os culpados estão catalogados, fichados, e nada rola. A verdade está na cara, mas a verdade não se impõe. Isto é uma situação inédita na História brasileira. Claro que a mentira sempre foi a base do sistema político, infiltrada no labirinto das oligarquias, claro que não esquecemos a supressão, a proibição da verdade durante a ditadura, mas nunca a verdade foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente, desfigurada, broxa.

Os fatos reais: com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e ficar no poder 20 anos. Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes , as provas irrefutáveis, mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo. Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por suas ações. Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se vingar. O outro não existe para ele e não sente nem remorso nem vergonha do que faz. Mente compulsivamente, acreditando na própria mentira, para conseguir poder. Este governo é psicopata.

Seus membros riem da verdade, viram-lhe as costas, passam-lhe a mão na bunda. A verdade se encolhe, humilhada, num canto.

E o pior é que o Lula, amparado em sua imagem de "povo", consegue transformar a Razão em vilã, as provas contra ele em acusações "falsas", sua condição de cúmplice e comandante em "vítima". E a população ignorante engole tudo.

Como é possível isso? Simples: o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na fortaleza da lentidão e da impunidade. Só daqui a dois anos serão julgados os indiciados - nos comunica o STF. Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem. A Lei protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização. Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua. O que dizemos não se escreve, o que escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse governo. Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas tem de ser escrito....

Está havendo uma desmoralização do pensamento. Deprimo-me: "Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?". A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a nossa língua. Este neocinismo está a desmoralizar as palavras, os raciocínios. A língua portuguesa, os textos nos jornais, nos blogs, na TV, rádio, tudo fica ridículo diante da ditadura do lulo-petismo. A cada cassado perdoado, a cada negação do óbvio, a cada testemunha, muda, aumenta a sensação de que as idéias não correspondem mais aos fatos! Pior: que os fatos não são nada - só valem as versões, as manipulações.

No último ano, tivemos um único momento de verdade, louca, operística, grotesca, mas maravilhosa, quando o Roberto Jefferson abriu a cortina do país e deixou-nos ver parte dos intestinos de nossa política.

Depois surgiram dois grandes documentos históricos: o relatório da CPI dos Correios e o parecer do procurador-geral da República. São verdades cristalinas, com sol a pino. E,no entanto, chegam a ter um sabor quase de "gafe".Lulo-petistas clamam: "Como é que a Procuradoria Geral, nomeada pelo Lula, tem o desplante de ser tão clara! Como que o Osmar Serraglio pode ser tão explícito, e como o Delcídio Amaral não mentiu em nome do PT? Como ousaram ser honestos?".

Sempre que a verdade eclode, reagem. Quando um juiz condena rápido, é chamado de "exibicionista". Quando apareceu aquela grana toda no Maranhão (lembram, filhinhos?), a família Sarney reagiu ofendida com a falta de "finesse" do governo de FH, que não teve a delicadeza de avisar que a polícia estava chegando...
Mas agora é diferente. As palavras estão sendo esvaziadas de sentido. Assim como o stalinismo apagava fotos, reescrevia textos para coonestar seus crimes, o governo do Lula está criando uma língua nova, uma novi-língua empobrecedora da ciência política, uma língua esquemática, dualista, maniqueísta, nos preparando para o futuro político simplista que está se consolidando no horizonte. Toda a complexidade rica do país será transformada em uma massa de palavras de ordem, de preconceitos ideológicos movidos a dualismos e oposições, como tendem a fazer o populismo e o simplismo. Lula será eleito por uma oposição mecânica entre ricos e pobres, dividindo o país em "a favor" do povo e "contra", recauchutando significados que não dão mais conta da circularidade do mundo atual. Teremos o "sim" e o "não", teremos a depressão da razão de um lado e a psicopatia política de outro, teremos a volta da oposição mundo x Brasil, nacional x internacional.


A esquematização dos conceitos, o empobrecimento da linguagem visa à formação de um novo ethos político no país, que favoreça o voluntarismo e legitime o governo de um Lula 2 e um Garotinho depois.

Assim como vivemos (por sorte...) há três anos sem governo algum, apenas vogando ao vento da bonança financeira mundial, só espero que a consolidação da economia brasileira resista ao cerco político-ideológico de dogmas boçais e impeça a desconstrução antidemocrática. As coisas são mais democráticas que os homens.

Alguns otimistas dizem: "Não... este maremoto de mentiras nos dará uma fome de verdades!". Não creio. Vamos ficar viciados na mentira corrente, vamos falar por antônimos. Ficaremos mais cínicos, mais egoístas, mais burros.

O Lula reeleito será a prova de que os delitos compensaram. A mentira será verdade, e a novi-língua estará consagrada.

Lula não quer ninguém do PT o sucedendo

Receita rápida para fritura

Por Jorge Serrão
Jorge Serrão agora é a favor do PT: Pastéis para Todos. E vida que segue!


Pegue 250g de farinha de trigo, 2 colheres de sopa de óleo, 1 colher de sopa de conhaque, 1 gema de ovo, salmoura fria e 1 pitada de fermento em pó. Peneire a farinha com o fermento. Faça uma cova no centro e coloque a gema, o óleo e o conhaque. Amasse juntando a salmoura até obter uma massa lisa e de boa consistência. Amasse bem, cubra e deixe repousar por uma hora. Depois, abra a massa bem fina e prepare os pastéis com o recheio que preferir. Sirva, com cerveja Kaiser, a preferida de Lula, para comemorar mais um estupendo índice de popularidade obtido por ele nas pesquisas amigas da Confederação Nacional da Indústria.

Aprecie os pastéis com moderação. A cerveja você pode tomar no mesmo ritmo do nosso popular chefão, cada dia mais embriagado com sua capacidade de angariar mais confiança do restrito e seleto público que é pesquisado para indicar que Lula tenha quase 70% de aprovação pessoal. Os índices de confiança só reforçam, na cabeça de Lula, a tese de que o melhor candidato para sucedê-lo seria ninguém menos que: ele mesmo!

Não foi à toa que ontem, ao inaugurar obras do PACo, em Osasco, na Grande São Paulo, Lula reclamou que 10 anos seriam pouco tempo para fazer alguma coisa concreta em termos de governo. Talvez o chefão esteja dando ouvidos às premonições da famosa Mãe Diná. A vidente já previu recentemente, ao engraçado programa CQC, que Lula ficaria 18 anos no poder.

O Alerta Total já antecipou. Se Lula não conseguir viabilizar o terceiro mandado que jura não querer, sua tacada de mestre será uma renúncia seis meses antes deste segundo mandato presidencial. Assim, poderá concorrer e conquistar facilmente uma das duas vagas de senador pelo Estado de São Paulo, em 2010. Seu sucessor virá do PMDB, partido aliado a qualquer um que ocupar o Palácio do Planalto.

Tudo indica que o candidato será Aécio Neves, governador mineiro, neto de Tancredo Neves, apoiado pelos banqueiros internacionais, prestes a abandonar o ninho tucano, cuja cúpula vai investir na candidatura do governador paulista José Serra – que ontem, na obra do PACo, ao lado de Lula, foi vaiado e recebeu até um consolo público do popular presidente.

No seu íntimo, Lula não quer ninguém do PT o sucedendo, a não ser que seja ele mesmo. Elementar, meu caro pasteleiro! Eleito senador, Lula deseja voltar ao poder a partir de 2014, nos braços do povo, como o presidente que trouxe a Copa do Mundo para o Brasil. Se a seleção brasileira levar o caneco, melhor ainda para os planos do craque petista. Poderá comemorar com seu povo, tomando todas e todos os votos possíveis. Quem viver beberá.
A pedra no caminho de Lula seria apenas um ensaio de crise econômica mundial. Lula reza que os problemas de inflação mundial, pela alta nos preços das commodities e dos alimentos, demore um pouco para atingir o Brasil. Pelo menos até ele se retirar temporariamente do Palácio do Planalto. O jogo político dele é contra o tempo.

O polêmico terceiro mandato só se torna realidade se for interessante para o PMDB, que comanda as votações no Congresso. Se o partido não tiver um candidato viabilizado nos próximos seis meses, vai apostar no golpe do terceiro mandato, para continuar no poder e ampliar ainda mais sua participação no desgoverno Lula. Caso o PMDB viabilize a vertente Aécio, tendo até o apoio do atual presidente, Lula vem para o Senado e fica no banco de reservas para retornar a campo depois da Copa de 2014.

A situação econômica será o fiel da balança eleitoral para 2010. Fique de olho nos preço dos ingredientes para a massa de pastel e na cotação da cerveja. Se eles subirem demais, Lula terá problemas. Se Lula sofrerá uma fritura na panela de uma eventual crise ou se vai fritar os pastéis para comemorar com sua cerveja predileta, eis o enigma mais próximo de nossa conjuntura atual.

De qualquer forma, o desgoverno Lula, como continuidade do desgoverno FHC, consolidou as perdas internacionais de nossa economia para felicidade dos banqueiros daqui e de fora. Apesar dos discursos triunfais, a economia brasileira é sempre a que menos cresce entre os países emergentes (na verdade, subdesenvolvidos e cheios de corrupção sistêmica, comandados por governos do crime organizado).

Os brasileiros só acham que tudo está uma maravilha com Lula porque a farra do crédito nada fácil a juros altos permite um aumento do consumo das classes D e E, e até mesmo da classe média. Para as classes A e B a situação é boa também, porque nunca se ganhou tanto dinheiro com negócios especulativos como neste segundo mandato de Lula.

Os mais favorecidos economicamente podem não gostar do sindicalista no poder. Mas apreciam os lucros que vêm obtendo com a política econômica tocada por seu desgoverno que é contra a soberania nacional, contra o progresso, contra a paz social, contra a integridade do patrimônio nacional e, sobretudo, contra a democracia – pois não temos a mínima Segurança do Direito Natural.

Vide a recente prisão de um "perigoso bandido" no interior de São Paulo. o ajudante de motorista de caminhão Valmes Pereira da Silva, de 25 anos, foi preso sob acusação de tentar furtar cinco galinhas em uma granja na cidade de Ibitinga. Como punição pelo grave delito, foi jogado numa cela superlotada junto com 25 presos. Para a mesma cadeia foram levados, nos últimos dias, um homem acusado de furtar dois potes de sopa e outro que teria tentado furtar frascos de desodorante. Um país em que as leis criminais foram feitas para os pobres merece reeleger Lula presidente-eterno. Viva a ignorância!

Afinal, poucos conseguem perceber que Lula é aquele pai que joga o País pela janela todos os dias, mas que jura que não matou a criança. E as pesquisas amestradas de opinião não só colaboram para sua absolvição prévia, como ainda emprestam popularidade ao algoz da Nação Brasileira. Em um quadro conjuntural como este, o melhor é comer pastéis e esperar para ver o que vai acontecer nos próximos dois anos. O pastel com cerveja pode ser indigesto ou não. Vai depender do recheio econômico. Aprecie com moderação. País de bêbedo só tem um dono de verdade: a Oligarquia Financeira Transnacional que manda no mundo.

Até quando o MST agirá impunemente?

Ameaça à vista

Por DENIS LERRER ROSENFIELD - O GLOBO

São inúmeras as ações de apoio do governo atual em relação aos movimentos ditos sociais e ao MST em particular. A lei não é a eles aplicada, de tal maneira que podem gozar de uma impunidade total. E gozam de todos nós! A lei que impede a vistoria e a desapropriação das propriedades invadidas e retira da lista dos assentáveis os invasores não é observada. Propriedades são invadidas com violência; o uso de foices e facões são armas brancas de uso corriqueiro. E isso é chamado de "ocupações pacíficas". O politicamente correto parece não ter mais limites, embora seja uma forma travestida dos regimes totalitários, socialistas, do século XX e dos seus êmulos do século XXI. A reforma agrária é nada mais do que um pretexto, que tem a função de justificar essas ações junto à opinião pública.

Os proprietários rurais e, agora, também os urbanos, são vítimas dessa violência. Não se trata de reforma agrária, mas da eliminação do capitalismo, mediante a relativização preliminar da propriedade privada. Eis por que a bandeira do "latifúndio improdutivo" desapareceu do horizonte, pela razão de que ele não mais existe no país, senão marginalmente. O Brasil já efetuou a reforma agrária, a da moderna propriedade rural e do agronegócio. O que o MST procura atingir são empresas símbolos do que o país tem de mais avançado, como a Aracruz e a Vale. Embora tenham decisões judiciais em seu favor, estas parecem não ter nenhum valor, pois o MST e as organizações congêneres suas não consideram o estado de direito e a democracia representativa como dignos de respeito.
As coisas, no entanto, tendem ainda a piorar. Uma prova disso é o recente documento da Ouvidoria Agrária Nacional, datado de 28 de fevereiro deste ano, intitulado "Diretrizes Nacionais para Execução de Mandados Judiciais de Manutenção e Reintegração de Posse Coletiva". Com efeito, a Ouvidoria quer se arrogar o direito de determinar as condições de execução de reintegração de posse como se fosse um poder independente. Sua pretensão consiste em impor condições às Polícias Militares para a execução desses mandados. Trata-se de uma nítida usurpação dos governos estaduais. Na prática, equivaleria também a colocar-se na posição de um Poder Judiciário. A situação seria a seguinte: caberia a simpatizantes ou militantes dos movimentos sociais decidirem a respeito de uma invasão. O MST e a CPT seriam os novos juízes deste país.
Segundo consta das "Diretrizes", a unidade policial, ao receber a ordem de desocupação, deveria articular com os demais "órgãos da União, do estado e do município (Ministério Público, Incra, Ouvidoria Agrária Nacional, Ouvidoria Agrária Estadual, Ouvidoria do Sistema de Segurança Pública, Comissões de Direitos Humanos, Prefeitura Municipal, Câmara Municipal, Ordem dos Advogados do Brasil, Delegacia de Polícia Agrária, Defensoria Pública, Conselho Tutelar e demais entidades envolvidas com a questão agrária/fundiária) para que se façam presentes durante as negociações e em eventual operação de desocupação". Uma ordem judicial seria submetida à avaliação, para o seu cumprimento, de um número enorme de instâncias, cada uma devendo dar sua opinião e estar presente durante o processo dito de desocupação. Na verdade, nenhuma reintegração de posse seria cumprida em nosso país.
Outro item, próprio de uma comédia de mau gosto, se não fosse essa a própria realidade, é o de que não caberia à força pública a "destruição ou remoção de eventuais benfeitorias erigidas no local da desocupação". Ou seja, um grupo que age violentamente, destruindo as propriedades invadidas, deveria ser recompensado por suas "benfeitorias". É surrealista: um grupo que destrói as benfeitorias privadas que encontra em seu caminho deveria ter assegurada as suas "benfeitorias".
O documento faz também menção aos cuidados que deveriam ser tomados com mulheres, crianças e idosos. Interessante. Nenhuma palavra é dita sobre o fato de que o MST utiliza crianças e adolescentes como escudos para suas invasões, num desrespeito flagrante ao Estatuto da Criança e do Adolescente. Agora, vem a Ouvidoria Agrária dar um respaldo aparentemente jurídico a essa situação, numa inversão completa da realidade. Se assim continuar, amanhã as invasões serão feitas sob proteção policial!
DENIS LERRER ROSENFIELD é professor de filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

FORO de SÃO PAULO elege décimo presidente na AL

O Foro de São Paulo elege seu 10º Presidente na América Latina
por Graça Salgueiro em 26 de abril de 2008

Quando o Dr. Constantine Menges tentou alertar o Brasil em 2002 sobre o "Eixo do Mal" latino-americano – Cuba-Venezuela-Brasil -, que se fortalecia através do Foro de São Paulo, foi alvo de injustas e abjetas críticas por parte da imprensa venal brasileira e do maior interessado em desqualificar e ocultar as graves denúncias que o Dr. Menges fazia, o então candidato Luis Inácio da Silva, que o rotulou junto ao ex-preso político cubano Armando Valladares de "picaretas".

Em 2005, no 15º aniversário do Foro de São Paulo (FSP), disse Lula em seu discurso: "Eu que, junto com alguns companheiros e companheiras aqui, fundei esta instância de participação democrática da esquerda da América Latina, precisei chegar à Presidência da República para descobrir o quanto foi importante termos criado o Foro de São Paulo". E mais adiante: "Foi assim que nós pudemos atuar junto a outros países com os nossos companheiros do movimento social, dos partidos daqueles países, do movimento sindical, sempre utilizando a relação construída no Foro de São Paulo para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política"

http://www.info.planalto.gov.br/download/discursos/pr812a.doc


A esta altura não havia mais necessidade de fingir que o FSP era uma "invenção de uns picaretas de Miami" porque seu trabalho já estava, senão consolidado, bastante fortalecido.

Desde a criação do FSP em 1990, somente Cuba era governada por um comunista, o ditador vitalício Fidel Castro, que com o fim da Guerra Fria havia perdido o apoio financeiro da ex-URSS. Era necessário então criar algo que substituísse aquela preciosa ajuda além de expandir o comunismo para um outro continente a fim de "recuperar na América Latina o que foi perdido no Leste Europeu".
Com um persistente trabalho, tendo à frente Fidel, Lula, Marco Aurélio Garcia (MAG) e o pseudo-frei Betto, o FSP ajudou a eleger Hugo Chávez na Venezuela em 1998.
Seguiram-se à Venezuela o Brasil com Lula; a Argentina com Néstor Kirchner; o Equador, primeiro com Lucio Gutiérrez, - ungido pelo FSP e em seguida defenestrado por este mesmo Foro como traidor, por aceitar acordo de cooperação com os Estados Unidos contra o narcotráfico -, e depois com Rafael Correa;
a Bolívia com o cocalero Evo Morales; a Nicarágua com Daniel Ortega; o Uruguai com Tabaré Vazquez e o Chile com Michele Bachelet.
Hoje, o 10º ungido do FSP é o ex-bispo comunista Fernando Lugo, do qual eu já havia comentado no artigo Por que o governo brasileiro não condena as FARC? - Parte II.

A imprensa brasileira falou muito pouco a respeito deste candidato e, quando o fez, foi mostrando-o como um "ex-bispo" que havia se afastado de suas funções religiosas para ingressar na política. Candidamente isto. Todavia, há mais coisas acerca deste senhor e de seus planos que o governo brasileiro propositalmente não quer dar a conhecer e a imprensa, toda ela com o rabo preso, não investiga e, se investiga e descobre, diligentemente joga no fundo do baú do esquecimento.

Fernando Lugo é adepto da Teologia da Libertação, aquela cujo evangelho é o marxista, e mantém estreitos e fraternos laços de amizade com os pseudo-freis Betto & Boff.
Betto esteve no Paraguai acompanhando a eleição presidencial ao lado de seu amigo candidato. Por determinação do XIII Encontro do Foro de São Paulo ano passado em El Salvador, ele fez parte da "comissão de observadores" que agora participará de todas as eleições que ocorrerem no continente latino-americano.

O carro-chefe da campanha de Fernando Lugo foi algo que mexe com os brios dos paraguaios há tempo: a revisão do Tratado de Itaipu, daí – provavelmente – ter recebido o apoio expressivo da população que acabou dando-lhe a vitória. No princípio do ano passado, em encontro do Mercosul no Paraguai, Lula teria sido rude e enfático ao afirmar que "o Tratado de Itaipu não estaria na pauta de discussões", conforme denunciei no artigo Brincando com fogo, e suas relações com o presidente Nicanor Duarte eram apenas "toleráveis", considerando que este não pertence ao FSP. Agora, entretanto, começa a mudar o rumo da prosa...

Como todos sabem, Itaipu foi criada em 1973, de comum acordo entre os presidentes Médici e Stroessner. O Brasil entrou com toda a infra-estrutura e, por isso, ficou acordado no Tratado que durante 50 anos o Paraguai, que só entrou com a água, cederia seu excedente a preço de custo ao Brasil como pagamento da dívida. Os paraguaios acham este acordo injusto porque o Brasil consome 95% de toda a energia produzida na hidrelétrica e o Paraguai só recebe 300 milhões de dólares quando podia, se vendida a preço de mercado (como o Brasil faz na venda à Argentina), receber entre 1.5 a 2 bilhões de dólares.

Durante todos esses anos, nem Lula, nem seu Partido-Estado nem nenhum parlamentar da base governista jamais viu nesse acordo qualquer "injustiça" mas, como agora o presidente eleito é um "companheiro", chovem críticas de todos os lados! Lula nega que vá rever os termos do acordo alegando que "apesar de compartilhar princípios ideológicos com Lugo, nada muda o tratado", acrescentando que a agenda bilateral "vai além da hidrelétrica".

Entretanto, através das declarações de membros do seu partido e governo – o que dá no mesmo -, deixa claro uma benevolência para com o novo presidente-companheiro.
O chanceler Celso Amorim declarou que "não está descartado um eventual reajuste dos valores pagos mas [o Brasil] não pretende rediscutir o tratado que define a fórmula do cálculo". Ora, como é possível reajustar os valores sem alterar a fórmula do cálculo que faz parte do Tratado? Será mais uma mágica, tipo "recursos não contabilizados"?

O vice-presidente do Parlasul (Parlamento do Mercosul), Dr. Rosinha (PT), afirmou que "O fato de o governo do Paraguai vir a questionar o tratado é natural e legítimo. Se provar que há injustiças, é preciso rever o tratado", acrescentando que "o documento em questão foi assinado em 1973, quando ambos os países eram presididos por regimes ditatoriais, sem nenhum debate público", acreditando que a eleição de Lugo "facilitará" o ingresso da Venezuela – leia-se Chávez - no bloco como membro pleno. E agora, meu senhor, por acaso há "debate público"? E, só agora, com a eleição de um "companheiro", esse Tratado torna-se injusto porque foi feito por presidentes militares? O pseudo-frei Betto foi mais longe e mais claro: "O Brasil pagava muito pouco pelo gás da Bolívia, que reclamou, e Lula ponderou. Vai se passar o mesmo com o Paraguai na questão da água, da energia. Não é só uma questão de fé; conversei com gente do Governo e sinto que Lula simpatiza com Lugo e estaria disposto a revisar o tratado". Quer dizer, como no caso da Bolívia, há intenção clara – embora como sempre negada - em ceder às pressões do novo governo paraguaio que já avisou que fará de tudo, inclusive recorrer à Corte Internacional de Justiça de Haia para conseguir o que deseja, se preciso for, pois como reza a cartilha do Foro de São Paulo, os países ricos têm que ajudar os países pobres do bloco, mesmo que isto signifique prejuízo para o nosso povo que é quem vai acabar pagando a conta. É só aguardar para ver!

Há ainda outros aspectos relevantes nas propostas do mais novo presidente do FSP. Logo após saber de sua vitória, Lugo declarou: "Continuo sonhando com a Pátria Grande, com uma América Latina integrada, sem fronteiras". (...) "Quero seguir sonhando com os povos da América Latina, com os povos de Correa, de Bachelet, de Tabaré. Também com os de Evo, que nos telefonou às duas da manhã assim que se inteirou do resultado de domingo e se pôs à nossa disposição". (...) "O mesmo com Kirchner, com Chávez... e com a Nicarágua". Ou seja, com todos os presidentes membros do Foro de São Paulo aos quais ele é grato por esta vitória, e que efetivamente deram-lhe seu apoio!

E o sonho dessa "Pátria Grande Bolivariana", encarnada no projeto da "União de Nações Sul-Americanas" (UNASUR) já apoiada por Lula e o Foro de São Paulo, foi saudada por Chávez por telefone ao novo presidente eleito do Paraguai. Chávez disse que reconhece "a impecável jornada democrática a qual demonstra a maturidade política alcançada por este povo irmão sul-americano". E, em seguida, sua "admiração pela história heróica do povo paraguaio, digno herdeiro da memória do Marechal Francisco Solano López, e a necessidade de seguir construindo a União das Nações Sul-Americanas, sobre a base da reivindicação da história de luta de nossos povos".

E assim vai-se fechando o cerco do Eixo do Mal no continente sul-americano, onde, excetuando as Guianas, o Peru e a Colômbia, todos os demais países têm presidentes comunistas elegidos pelo Foro de São Paulo. É importante salientar o que disse o ideólogo do bolivarianismo, Heinz Dieterich: "É necessário consolidar urgentemente a estrutura política (OEL), militar (Conselho de Defesa da América do Sul) – que já foi aprovado por Lula e Nelson Jobin para ser implantado em outubro de 2008, e será tratado por mim num próximo artigo -, econômica (ALBA) e financeira (Banco do Sul) – do qual o Brasil é signatário e "contribui" com 40% dos fundos -, do nascente Bloco Regional de Poder Latino-americano, o triunfo de Fernando Lugo é de grande importância para manter uma correlação de forças positivas na América Latina".

Este elemento peçonhento, que é tratado como "um religioso que pediu afastamento de suas funções eclesiásticas" por motivo de saúde, não passa de mais um embusteiro comunista que inclusive é casado com dona Emilia Alfaro; que foi saudado pela mãe do ódio e do terror, Hebe de Bonafini e toda a rafaméia comunista do continente sul-americano; que vai estabelecer relações diplomáticas com a China comunista, rompendo as relações com Taiwan, por exigência da China;
que, como Chávez, Morales e Correa, vai propor uma Assembléia Nacional Constituinte que já se mostrou danosa à democracia e às liberdades individuais, como tem provado a Venezuela.
É este elemento que vem com o clichê da "mudança" (que o povo nem sabe para quê mas repete e apóia, como papagaio), como vieram Lula, Morales e também Barak Obama nos Estados Unidos.

Que Deus se apiede do pobre povo paraguaio que não faz idéia do crime que acaba de cometer contra si mesmo!

Graça Salgueiro é jornalista independente, estudiosa do Foro de São Paulo e do regime castro-comunista e de seus avanços na América Latina, especialmente em Cuba, Venezuela, Argentina e Brasil.

A tropa serve ao Estado

Tropa do desgoverno ou do Estado?
Por Jorge Serrão

"Foi uma vitória da persistência e da persuasão, que deve ser creditada ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, o aumento do soldo dos militares, numa média percentual de 47%, variando do recorde histórico de 137,8% para os recrutas e 35,5% para os generais. Empenhado em reequilibrar o soldo dos militares, defasado durante vários governos, o ministro Jobim teve os esforços recompensados com o decreto presidencial. A tropa, em continência, agradece".

O texto acima, de fazer inveja ao falecido Pravda soviético ou ao Gramma cubano, foi atribuído a militares que o receberam via Internet ao CComcex (o Centro de Comunicação Social do Exército). O belo exemplo de puxa-saquismo editorial teve direito até a foto de Nelson Jobim, o poderoso genérico de 4 estrelas, patente conquistada depois que vestiu a farda de General, contrariando a lei sobre o fardamento militar, mas não foi punido por isso. Se tal texto veio mesmo do setor oficial de comunicação do EB, só foi divulgado com autorização do Alto Comando.

É difícil de acreditar que o Informex tenha veiculado um elogio tão rasgado a Nelson Jobim. No site oficial do EB não tem texto algum sobre tal elogio. Na Internet, um e-mail recebido por um militar, vindo do site Reservaer, indica que o texto elogioso saiu na resenha do CComsex. Só pode ser piada de caserna. Ou, então, os gênios que publicaram isso perderam completamente a noção doutrinária que estabelece a diferença entre o governo e o Estado. O primeiro é transitório na democracia. O segundo é permanente.

O conceito correto é fácil de ser explicado. Embora pareça uma abstração, o Estado é uma instituição organizada de forma política, social e jurídica. Em tese, o Estado deve representar a realização do interesse geral. No entanto, o Estado é a forma pela qual os interesses da parte mais forte e poderosa da sociedade ganham a aparência de "interesses de toda a sociedade".

O Estado é a expressão política da sociedade, enquanto dividida em classes. Mas, nem por isso, se deve incentivar a "luta de classes" – como fazem nossos desgovernantes. O Estado é uma comunidade ilusória. Ele aparece como comunidade porque é assim percebido pelos sujeitos sociais. O Estado não deve ser um poder distinto da sociedade. Precisa ser ordenado e regulado para o interesse geral definido pela sua sociedade - não pelo próprio Estado, enquanto poder teoricamente separado e acima das particularidades dos interesses de classe.

O Estado deve ser dirigido por um Governo (e não por Organizações Não-Governamentais – as ONGs -, como virou moda no mundo globalizado). A legitimação do chamado Terceiro Setor é uma forma de esvaziar o papel do Estado, eximindo-o de suas responsabilidades. As chamadas "entidades da sociedade civil organizada" (ONGs, OSCIPs e afins) são uma forma sutil que o Poder Mundial utiliza para intervir no Estado para favorecer os grupos hegemônicos.

O Estado Nacional ocupa um território definido. O Estado é uma figura unificada e unificadora. A dominação do Estado é exercida de forma impessoal e autônoma, através do mecanismo das leis e do Direito. Graças à lei, o Estado parece um poder que não pertence a ninguém. Por isso, o Estado é regido por uma lei máxima. Geralmente, uma Constituição escrita.

A Constituição é a soma dos fatores reais do poder que regem um país. Na verdade, é um código que rege o "condomínio" da Nação. Mas persiste um problema prático. Em todo sistema político existe uma certa distância entre o que o prussiano Ferdinand Lassalle (1825-1864) chamou de "constituição escrita", que figura nos papéis e "constituição real", que impera nos fatos objetivos.

A tradição institucional brasileira segue bem essa linha. É bastante diferente da tradição anglo-saxã. Lá fora impera a palavra "enforcement" - que provém do verbo "to enforce" ou "fazer cumprir". Para nós, latino-americanos é diferente. Uma lei existe quando é anunciada. Para os anglo-saxões, uma lei só existe quando se cumpre. Independe de estar escrita. Por isso, nossas 181 mil leis hoje em vigor tendem a virar letras mortas. Não são cumpridas devidamente.

Aristóteles observou em "A Política" que uma lei não é lei quando é promulgada formalmente, mas quando se cumpre e termina por incorporar-se na sociedade como um hábito coletivo. Só então passa a ser uma verdadeira lei. Aristóteles aconselhou aos legisladores que não aprovassem leis sem estarem seguros de que seriam cumpridas. Caso contrário só conseguiriam desprestigiar o conceito mesmo de lei. Na verdade, as leis utópicas ou fora da realidade psicossocial só valem no papel. No mundo real viram letra morta.

Pautado por sua Constituição, um Estado tem poder de decidir seu destino. Isto se chama soberania, que é a capacidade de decisão do poder estatal. Um Estado soberano trabalha para o Progresso, a manutenção da Soberania, a Paz Social, a Integração Nacional, a Integridade do Patrimônio Nacional e a Democracia. Estes são os Objetivos Nacionais Permanentes. Sem eles a completa soberania fica inviabilizada. Não há meio termo. Soberania: ou se tem, ou não tem.

O Estado tem de possuir soberania - reconhecida internamente e externamente.No campo interno, a soberania se manifesta, principalmente, através da constituição de um sistema de normas jurídicas, a partir da Constituição. Tais normas são capazes de estabelecer as pautas fundamentais do comportamento humano. Soberania também é o direito exclusivo de uma autoridade suprema sobre uma área geográfica, grupo de pessoas, ou de um indivíduo.

Também se entende por soberania a qualidade máxima de poder social, através da qual as normas e decisões elaboradas pelo Estado prevalecem sobre as normas e decisões emanadas de grupos sociais intermediários, como família, escola, empresa, igreja etc. Tal soberania se manifesta e consolida a partir de um "acordo" ou pacto de equilíbrio entre a sociedade e o Estado.

Se existe desequilíbrio nesta relação, temos uma relação de conflito e antagonismos. Quando a sociedade subjuga o poder do Estado, a partir de agentes de influência que manipulam a mídia, as ONGs, os "movimentos sociais organizados" e forças subterrâneas (agentes criminosos), tendemos a uma anarquia (ou desgoverno). Quando o Estado subjuga a sociedade, empregando seus aparelhos ideológicos e repressivos para usurpar o poder, tendemos a uma ditadura ou totalitarismo.

O curioso e perigoso é que ambas as situações ocorrem em regimes falsamente considerados "democráticos". Em ambos os casos, a democracia não existe de fato. Apenas são empregados mecanismos que seriam democráticos, como o direito ao voto (no caso do Brasil um direito obrigatório) e as consultas populares em referendos manipulados (no resultado das urnas e no processo de marketing que gera tendências seguidas pela massa moldável).

O Brasil fornece um perigoso exemplo de desequilíbrio. Basta analisar o problema histórico de relacionamento da nossa sociedade com o Estado. Por aqui impera uma total falta de controle democrático. O Brasil desconhece o verdadeiro conceito de democracia capaz de promover um equilíbrio na mão-dupla do relacionamento entre a Sociedade e o Estado. Aqui não se exercita a razão pública. Nem se promove a segurança do Direito.

Sem tal controle social, ficam inviabilizados todos os objetivos nacionais. O Estado descontrolado fica refém da verdadeira face do crime organizado. Abre-se caminho para uma perigosa relação, na qual o Estado explora e abusa da sociedade, e a sociedade se aproveita de tal relação, aceitando-a, passivamente, pois pequenos grupos organizados também tiram proveito dela.

O caos social é resultado deste pacto da mediocridade. Seu inverso, a Paz Social, depende diretamente de um outro princípio fundamental para o funcionamento do Estado Democrático. Todos deviam saber que a Ordem Pública é o patrimônio jurídico mais importante para a sociedade, porque é a garantidora da própria vida e da liberdade dos cidadãos.

O Estado será um garantidor da Ordem Pública se nele for praticada a verdadeira Democracia. Fundamental é empregar o conceito certo. Democracia é a prática Segurança do Direito Natural, através do exercício da razão pública, na ação da cidadania. Esta é a definição pós-moderna de democracia, adequada ao Brasil.

O chefão Lula da Silva, coitadinho, não estudou na disso. Eis o motivo pelo qual ficou muito irritado e pediu a cabeça do General Augusto Heleno, porque ele declarou que servia ao Estadoe não ao governo brasileiro. Lula não sabe a diferença entre os conceitos. Não sabe simplesmente porque não lhe interessa e nem lhe convém saber. Melhor, para o projeto dele de poder, é que ambos se confundam.

O raciocínio tosco é bem simples. Exemplo: quem está no governo pode usar e abusar do cartão de crédito corporativo que é chancelado pelos recursos do Estado. Deu para entender?

Pesquisa personalizada