Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

quinta-feira, 31 de julho de 2008

ChaveS se vinga do Rei da Espanha

Hugo Chávez anuncia nacionalização da unidade venezuelana do Santander

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou em entrevista transmitida pela rádio e pela televisão nesta quinta-feira (31) que vai nacionalizar o Banco da Venezuela, que pertence ao grupo espanhol Santander.

"Disseram-me que não queriam vender, mas agora lhes digo que vamos nacionalizá-lo", afirmou Chávez, segundo o site "Globovisión". O presidente referia-se à ocasião em que o Santander anunciou a negociação com um banqueiro venezuelano e o governo vetou, demonstrando interesse no negócio.

Ainda segundo o "Globovisión", Chávez disse que o governo quer recuperar o Banco da Venezuela porque é o 'Banco da Venezuela'. "Queremos recuperá-lo para que ele sirva ao povo", disse.

Chávez chamou os donos do banco para negociar e previu que uma "guerra midiática" deve começar. "Não vai demorar a aparecer na Espanha os que dizem que Chávez atenta contra os interesses espanhóis, para complicar uma relação que já curada", advertiu.

No último dia 25, Chávez se encontrou com o rei da Espanha, Juan Carlos, e afirmou que os dois sempre foram "bons amigos". Na ocasião, o presidente disse que "o rei é um senhor muito brincalhão, faz travessuras, e então me disse que ia me dar um presente", explicando sobre a camisa que recebeu do monarca espanhol com a famosa frase "¿Por qué no te callas?" (Por que não se cala?).

A frase que foi dita pelo rei durante a reunião da Cúpula Ibero-americana do Chile, em novembro de 2007, e estremeceu as relações diplomáticas entre espanhóis e venezuelanos, tornando-se alvo de brincadeiras por todo o mundo.

Esta lista cita apenas alguns

Esta lista não está meticulosamente atualizada e nem a ordem é rigorosamente alfabética. Alguns dos citados já morreram.

Mas se a trupe revanchista conseguir revogar a Lei da Anistia e o Judiciário determinar que os militares se sentem no banco dos réus - por terem combatido maus brasileiros que pretendiam usando meios covardes e cruéis, entre elas a guerrilha e o terrorismo com atentados covardes contra inocentes – os abaixo citados também terão que ser recolhidos em sua maior parte a presídios para cumprimento das penas a que foram condenados.

E os condenados à pena de morte a sentença deverá ser executada.

Se é para revogar a Lei da Anistia julguem os militares = que são acusados e os já condenados que cumpram a pena.

UMA SIMPLES QUESTÃO DE JUSTIÇA.

A Lei da Anistia, de 1979, permitiu que os terroristas regressassem e se reintegrassem à vida política nacional. Foram transformados de criminosos em heróis e passaram a ocupar cargos públicos nos governos. Apesar do que representou a queda do muro de Berlim, continuam a defender o comunismo. E, alimentando-se do próprio fel, perseguem todos aqueles que lutaram contra eles, num odioso revanchismo.
Mas, afinal de contas, ONDE ELES ESTÃO?.

Muitos servem ao (des)governo do senhor Lula e estão a espreita, tal qual aves de rapina que são, foram e sempre serão, da oportunidade para atacar.

DILMA VANA ROUSSEFF LINHARES ("ESTELA", "LUIZA", "PATRICIA", "WANDA")

- Em 1967, era militante da Política Operária (POLOP), em Minas Gerais, junto com seu marido, Claudio Galeno de Magalhães Linhares ("Aurelio", "Lobato"). Saiu da POLOP e,também com seu marido, ingressou no Comando de Libertação Nacional (COLINA), tendo sido eleita, em Abr 69, quando atuava na então Guanabara, membro do seu Comando Nacional.
- Acompanhou a fusão entre o COLINA e a Vanguarda Popular Revolucionária, que deu origem à Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P). Em Set 69, participou como convidada - só com direito à voz - do I Congresso da VAR-P, realizado numa casa em Teresópolis. Nessa ocasião, Darcy Rodrigues, um ex-sargento do Exército oriundo da VPR, tentou agredi-la , sob a ameaça de Dilma não mais poder participar das ações armadas. Na ocasião, recebeu a proteção de Carlos Franklin Paixão de Araújo e com ele foi viver e militar no Rio Grande do Sul e, logo depois, em São Paulo, onde foi presa em 16 Jan 70.
- Foi Secretária de Estado de Minas, Energia e Comunicações do Governo do Rio Grande do Sul.;
-Ex-ministra de Minas e Energia.
-Atualmente é Ministra Chefe da Casa Civil Notícias sobre a posse na Casa Civil

FERNANDO DAMATTA PIMENTEL ("OSCAR", "CHICO", "JORGE")
- Mineiro, foi militante, sucessivamente, do COLINA, da VAR-P e da VPR, onde atuou na Unidade de Combate "Manoel Raimundo Soares", no Rio Grande do Sul.- Participou de diversas ações armadas, das quais se podem destacar a de 02 Mar 70, quando chefiou o assalto a um carro do Banco do Brasil que transportava dinheiro para a Companhia Ultragás, e a de 04 Abr 70, quando participou da fracassada tentativa de seqüestro do cônsul dos EUA em Porto Alegre/RS (Ver "Recordando a História)
- O Fracassado Seqüestro do Cônsul dos EUA"), tendo sido preso nove dias depois.
- Atualmente, é o Prefeito de Belo Horizonte/MG.

FRANKLIN DE SOUZA MARTINS ("WALDIR", "FRANCISCO", "MIGUEL", "ROGERIO", "COMPRIDO", "GRANDE", "NILSON", "LULA")
- Filho de um senador, ingressou no PCB em 1966, atuando no Comitê Secundarista da então Guanabara.- Foi militante da DI/GB e do MR-8. Foi presidente do DCE/UFRJ e vice-presidente da UNE.
- Em Out 68, foi preso no Congresso da UNE, em Ibiúna
.- Em Abr 69, foi eleito para a Direção Geral do MR-8 e, em meados desse ano, participou do seqüestro do embaixador dos EUA.- Em fins de 1969, fugiu do Brasil no esquema da ALN, indo fazer curso em Cuba.
- Refugiou-se em Santiago do Chile, onde, em Dez 72, foi eleito para a nova Direção Geral do MR-8; regressou ao Brasil em Fev 73, indo estruturar o Comitê Regional de São Paulo
- Trabalhou, por muitos anos, como comentarista político da Rede Globo de TV e já foi diretor da sucursal do jornal "O Globo" em Brasília/DF
Atualmente está no Palácio do Planalto,a convite de Lula, cuidando do setor de imprensa , propaganda e porta-voz do Governo, com "status" de ministro e não pode pisar em território americano.

THEODOMIRO ROMEIRO DOS SANTOS ("MARCOS", "THEO")

- Foi militante do Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR).
- Na noite de 27 de outubro de 1970, em Salvador/BA, após ter sido preso, matou com um tiro nas costas o sargento da Aeronáutica Walder Xavier de Lima e feriu o agente da Polícia Federal Amilton Nonato Borges.
Foi condenado à morte.
- Em 17 de agosto de 1979, fugiu da penitenciária da Bahia, conseguindo asilo na Nunciatura Apostólica e obtendo salvo-conduto para o exterior;
- Regressou ao Brasil em setembro de 1985, sendo recebido como "herói", ingressando no PT e afirmando que não se arrependia do crime que havia praticado e que faria tudo de novo;
- Atualmente, é juiz do Tribunal Regional do Trabalho, no Recife/PE.

CARLOS MINC BAUMFELD ("JAIR","JOSE","ORLANDO")
- Em 31 Mar 69, Carlos Minc Baumfeld, Fausto Machado Freire e outros assaltaram o Banco Andrade Arnaud, na Rua Visconde da Gávea, 92, na GB/RJ, roubaram a quantia de 45 milhões de cruzeiros e onde foi assassinado o comerciante Manoel da Silva Dutra.

- Em 16 Out 69, preso na Rua Ana Neri, 332, na GB, informo - Em 18 Jul 69, como militante da VAR-PALMARES, participou da" Grande Ação", assalto ao "Cofre do Adhemar", ( Ver Recordando a História) em Santa Teresa/RJ.u o local do aparelho da VPR, na Rua Toroqui, 59, em Vila Kosmos, na GB, onde residia com sua amante Sônia Eliane Lafoz e Eremias Delizoikov, que, resistindo a tiros à voz de prisão, morreu no local .
- Alguns dias depois, a VPR distribuiu um panfleto clamando por vingança aos seus mortos, particularmente o Eremias, e, ameaçando os militares do Exército:"... podem esperar, nós vamos enchê-los de chumbo quente"
- Em 15 Jun 70, foi um dos 40 militantes comunistas banidos para a Argélia, em troca do Embaixador da Alemanha.
- Em fins de 70 a Ju ( Ver Recordando a História)l 71, fez curso em Cuba, onde permaneceu durante 2 anos.
-Foi Deputado Estadual pelo PV/RJ
Atualmente é ministro do governo(?)Lula

ANTONIO PALOCCI FILHO - MINISTRO DA FAZENDA

-Filho de "D.Toninha",que, na década de 80, foi mlitante da Organização Trotskista Convergência Socialista-CS;
- DN: 1960 - Ribeirão Preto/SP;
- Foi militante da OSI (LIBELU), Organização Trotskista;
- Médico pela USP de Ribeirão Preto;
- Flautista e violonista;
- Primeiro casamento: LEILA, Militante da OSI (LIBELU);
- 80: Filiou-se ao PT;
- 88: Eleito Vereador;
- 90: Eleito Dep estadual;
- 92: Eleito Prefeito de Ribeirão Preto;
- 98: Eleito Dep Federal;
- 00: Eleito Prefeito de Ribeirão Preto, prometeu e registrou emcartório que levaria seu mandato até o fim;
- Nov 02: Foi Coordenador da Equipe de Transição de Lula;
- Foi Ministro da Fazenda e o "homem forte" do Governo em função dos resultados da economia que, basicamente, segue a mesma linha da conduzida pelo governo FHC.
-Envolveu-se no escândalo da casa de "orgia' denunciada por um jardineiro e junto às denúncias de improbidade administrativa em Ribeirão Preto pediu demissão do Ministério da Fazenda.
-Atualmente é Deputado Federal pelo PT.

AGNELO QUEIROZ -

- Médico e militante do PC do B/DF;
- A partir de 1991,teve 3 mandatos comoDep Fed pelo PC do B / DF;
-Foi Ministro dos Esportes e se candidatou a Deputado mas não foi eleito.

ADEMIR ANDRADE

- Anos 80: Militante do PC do B e depois do PRC/Pará;
Voltar


ALOYSIO NUNES FERREIRA("BETO", "MATEUS")

- Como presidente do Centro Acadêmico XI de agosto, da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, São Paulo, participou da ocupação da Faculdade, ameaçando incendiá-la caso fosse invadida pela polícia. Contava para isso com mais de 100 coquetéis molotov.
- Em 1964 ingressou no Partido Comunista Brasileiro.
- Descontente com a linha pacífica do Partidão, optou pela luta armada, ingressando na Ala Marighela, mais tarde Ação Libertadora Nacional (ALN).
- Dentre muitas ações terroristas, a Ação Libertadora Nacional (ALN) participou do assassinato do Cap. do Exército dos EUA, Charles Rodney Chandler e do seqüestro do Embaixador americano Charles Burke Elbrick.
- Seu líder, Carlos Marighela, de quem era motorista, ficou famoso pela pregação da violência, sendo o autor do Minimanual do Guerrilheiro Urbano, livro de cabeceira das Brigadas Vermelhas, na Itália, e do grupo terrorista Baader-Meihoff, da Alemanha.6- Em 10/08/1968 participou do assalto ao trem pagador da Santos-Jundiaí e, em outubro desse mesmo ano, ao carro pagador da Massey-Ferguson.
- Tentou viajar para Cuba com a finalidade de fazer um treinamento militar, no que foi impedido por Carlos Marighela.8- Em novembro de 1968, com o passaporte falso, viajou para Paris onde passou a coordenar as ligações de Cuba com os comunistas brasileiros. 9- Após três anos em Paris filiou-se ao Partido Comunista Francês.
- Negociou com o Presidente argelino Houri Chedid Boumedienne para que comunistas brasileiros recebessem treinamento militar na Argélia.
- Regressou ao Brasil após a Lei da Anistia, de 1979, ingressando na política.
- Foi eleito pela esquerda deputado estadual, vice governador e deputado federal.
- Foi escolhido pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para Secretário Geral da Presidência da República.
- Como Secretário Geral da Presidência da República viajou à Cuba, na semana de 08 à 13/10/01, onde manteve conversações com seu velho e fraternal amigo Fidel Castro, o mais sangrento ditador do continente que mandou fuzilar no "paredon" 17 mil e prendeu trinta mil opositores ao Partido Comunista Cubano.
- No dia do seu retorno ao Brasil, como deferência ao seu passado revolucionário, Fidel Castro foi ao seu embarque no aeroporto e fez questão de acompanhá-lo até o avião para as despedidas.
- Foi Ministro da Justiça do Brasil, no Gov FHC.
-Em 2002, reassumiu a cadeira de Deputado Federal.


BRUNO DAUSTER MAGALHAES E SILVA ("AFONSO", "LEOPOLDO", "VITORIO")

- Em 1968, como estudante de Economia da UFRJ, ingressou, no Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), onde chegou a integrar o Comando Político Militar Regional da Guanabara, órgão responsável pela condução da luta armada.- Preso em 02 Mar 70, foi, quase um ano depois, em 13 Jan 71, um dos 70 militantes comunistas banidos para Santiago/Chile, em troca da vida do embaixador da Suíça.- Em 06 Nov 79, beneficiado com a anistia, regressou ao Brasil, acompanhado de sua nova companheira, Vera Maria Rocha Pereira ("Andrea", "Isabel", "Tania"), também militante do PCBR e também banida.
- Atualmente, é executivo da Linha Amarela S.A. (LAMSA), no Rio de Janeiro


BRUNO COSTA DE ALBUQUERQUE MARANHÃO ("CARLOS", "FABIANO", "FRED", "HENRIQUE", "MARCIO", "PAULO", "ROQUE", "TIÃO", "VALMIR", "CECI", "MARINHO", "ROBSON")

Nasceu em 1939, filho de usineiros de Pernambuco.

Formou-se como engenheiro mecânico eletricista e casou-se com Suzana Helena de Britto Maranhão.

Iniciou sua militância na antiga Ação Popular (AP).

Desejando tomar posições mais radicais, participou, em 01 Out 67, em Niterói, da 1ª Reunião Nacional da "Corrente Revolucionária".

Em 11/12 Abr 68, compareceu à I Conferência Nacional da "Corrente Revolucionária", realizada num sítio próximpo a Niterói/RJ, quando foi fundado o Partido Comunista Revolucionário Brasileiro (PCBR), organização de linha militarista. Nessa ocasião, BRUNO MARANHÃO foi eleito membro efetivo do Comitê Central (CC) e membro da Comissão Executiva (CEx).

Depois de uma breve passagem pela Guanabara, foi dirigir o PCBR em Pernambuco, dirigindo diversas ações armadas.

Em 25 de Mai de70, participou do assalto ao Banco da Bahia.

De 23 Jan ao início de Fev 71, participou como convidado - representando o PCBR - do II Congresso da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P), realizado na praia de Piedade, em Recife. Antes do final do conclave clandestino, numa hora de almoço, com medo de que chegasse a polícia, pulou o muro da casa e saiu correndo.

No início da década de 70, fugiu para o exterior - sem nunca ter sido preso - e foi residir no Chile e em Paris.

Com a anistia, retornou ao Brasil em 29 Ago 79.

Ajudou a fundar o PT e, desde o início, vem integrando seu Diretório Nacional.

De 1983 a 1985, foi presidente do PT em Pernambuco. Em Nov 82, foi derrotado nas eleições para senador, pelo PT/PE. Em Nov 85, foi derrotado nas eleições para prefeito de Recife, ainda pelo PT.

Em 17/18 Mar 90, participou de uma reunião com os remanescentes do CC/PCBR.

Em 1997, em Luiziânia/GO, participou da fundação do "Movimento pela Libertação dos Sem Terra" (MLST).

Em Jul 04, BRUNO e outras lideranças do MLST foram recebidos pelo Presidente da República, que anunciou a liberação de R$ 9 milhões para o movimento.

Nos primeiros anos da fundação do PT, quando ia à Recife, Lula se hospedava na casa de Bruno Maranhão.

Maranhão também já se hospedou na Granja do Torto, residência oficial da Presidência da República, como convidado de Lula.

Até o dia 07/06/06, tinha assento na executiva nacional do PT. Ocupava o cargo de secretário de Movimentos Populares

Foi Bruno Maranhão quem comandou a gang de facínoras integrantes do MLST que invadiu e depredou em 2006 a Câmara dos Deputados.


CESAR DE QUEIROZ BENJAMIN ("MENININHO" ; "CESINHA" ; "FIDELIS" ; "EDUARDO" ; "GILBERTO" ; "GIL" ; "DOMINGOS" ; "RIBAMAR" ; "JULINHO" ; "CABRAL" ; "FLORIANO" ; "FLO"; "PARAIBA" ; "PARAIBINHA" ; "LAERTE ABREU JUNIOR" ; "LAERTE").

- Organização Terrorista : MR-8
- Dez 69, com 16 anos, era integrante do Grupo de Fogo (GF) do MR-8/ RJ.- 12 Nov 70, tentativa de prisão de 3 militantes do MR-8, (Cesar de Queiroz Benjamin, Sonia Eliana Lafoz e Caio Salome Souza de Oliveira), no Jardim da Igreja do Divino Salvador, no Encantado/GB.Eles receberam a policia à bala e fugiram sob os olhares de dezenas de populares; largaram um bornal com uma pistola e um cano de chumbo cheio de dinamite.Foram feridos os detetives José Evaristo da Silva e Valter Modesto Dias. Foi a 1ª fuga.
- 06 Ago 71, à tarde cobriu ponto com José Carlos de Souza ( ROCHA ) no centro de Salvador/BA ; policiais deram voz de prisão aos dois . "Menininho" atracou-se com os agentes, chegou a atirar e fugiu. Foi a 2ª fuga.
- José Carlos foi preso e começou a denunciar diversos companheiros.- 21 Ago 71, às 19:00 H, logo depois de passar um telegrama do Rio de Janeiro para Iara Iavelberg ( sem saber que ela já estava morta ), "Menininho", num Volks, com Ney Roitman, Alberto Jak Schprejer ("SOUZA" ; "BETO") e Teresa Cristina de Moura Peixoto ( TETÊ ), é detido por uma "Operação Pára- Pedro", na Avenida Vieira Souto, na altura do Jardim de Alá. Ao serem solicitados os documentos, "Menininho" saiu rapidamente do carro, fugindo correndo entre os transeuntes. Foi a 3ª fuga.
- No veículo, o diário de Lamarca e cartas para Iara Iavelberg forneceram, aos orgãos de segurança, a certeza de onde deveriam procurar e concentrar esforços. Sem saber do acontecido e sentindo-se "queimado" no Rio de Janeiro," Menininho" retornou a Salvador, sendo preso em 30 de agosto, num "ponto" delatado por Jaileno, no Rio Vermelho.
- Após longa série de assaltos e ter escapado de três choques com a polícia, o "terrível Menininho", com apenas 17 anos, mostrou-se extremamente dócil nos interrogatórios. Suas extensas declarações, todas de próprio punho, desvendaram a linha política e as ações do MR-8. Muitos militantes foram, então, identificados. Chegou, inclusive, a fazer uma análise dos métodos de interrogatório aplicados, declarando-se surpreso com o bom tratamento recebido e com o nível de seus interlocutores.Com essa nova e importante fonte, os orgãos de segurança, que já haviam retirado boa parte de seus efetivos da região de Brotas de Macaúba, retornaram ao local, iniciando-se nova caçada a Lamarca e a Zequinha.
- Atualmente, "Menininho" é Pesquisador da Fundação Getulio Vargas (FGV) e editor da "Contraponto"

CHIZUO OSAVA ( "FERNANDO", "MARIO JAPA")
-Organização terrorista: VPR/SP;
- Em 26 Jul 68, participou da tomada da Rádio Independência, em São Bernardo do Campo/SP, para leitura de mensagem subversiva redigida por Carlos Marighella.- Em Set 69, participou do I Congresso da VAR-P ( Vanguarda Armada Revolucionária- Palmares), "Congresso do Racha", numa casa em Teresópolis, como convidado, só com direito a voz, chegou no meio do Congresso.
- Membro do "Racha dos 7", restaurando a VPR.- Em Nov 69, foi fazer curso de guerrilha na Argélia.- Conhecendo Chizuo Osava, Manoel de Lima disse-lhe que possuía o Sítio Palmital, na região de Barra do Azeite, na altura do Km 254 da BR-116,antiga BR-2, rodovia que ligava São Paulo a Curitiba. Eram 40 alqueires de terras, 30 Km ao sul de Jacupiranga, que poderiam ser vendidas desde que seu sócio, Flozino Pinheiro de Souza, concordasse.
- Levado por Chizuo, Celso Lungaretti adquiriu o Sítio Palmital por 3.500, registrando-o em seu nome falso," Lauro Pessoa".
- Em 27 Fev 70, Chizuo Osava, militante da VPR, sofreu um acidente na Estrada das Lágrimas, em São João Climaco/SP. Ao ser socorrido, foi encontrada farta documentação e armamento dentro do seu carro, o que provocou sua prisão. Lamarca e o comando da VPR, ao tomarem conhecimento do fato, ficaram apreensivos. "Mario Japa" já tinha estado na área em Registro, e poderia, ao ser interrogado, "abrir" a preparação guerrilheira da organização. Era necessário liberta-lo rapidamente para preservar o sigilo das operações no Vale da Ribeira. Era preciso, urgentemente, fazer um operação que o libertasse, ação concretizada em 11 Mar, o seqüestro do do Consul japonês em São Paulo.( Ver Recordadndo a História
)- Em 14 Mar 70, foi um dos 5 militantes comunistas banidos para o México, em troca do Consul do Japão.- Logo após o banimento de Chizuo, Almir Dutton Ferreira envia um de seus contatos, Maria Adelaide Valadão Vicente, aeromoça da BRANIFF, ao México, a fim de saber o que Chizuo havia falado. Num "ponto", ao qual também compareceu Diógenes José Carvalho de Oliveira, Maria Adelaide entrega 8.000 cruzeiros a Chizuo e fica sabendo que a "repressão"pensava que a área era em Goiás. Transmitida a notícia, a VPR ficaria tranqüila por mais um mês.- Curso em Cuba, Chile e Paris.
- Atualmente, é correspondente da Interpress Service.
Voltar
line.gif (1878 bytes)-

CID QUEIROZ BENJAMIM ( "VÏTOR", "BILLY", "MIRO", "LEVI")
-Em 12 Out 68, preso durante o XXXº congresso da UNE em Ibiuna/SP.- Em 15 Fev 69, participou do assalto ao Hospital Central da Aeronáutica.
- Em Abr 69, participou da IIIª conferência do MR-8.- Em Set 69, participou do seqüestro do Embaixador dos EUA.
- Em Dez 69, eleito para a DG/MR8; assumiu a direção do Grupo de Fogo (GF )
- Em 16 Fev 70, estouro do aparelho da Rua Montevideu, 391 / 201, Penha/GB; baleado o policial Daniel Balbino de Menezes; fugiram: José Roberto Spiegner, Cid de Queiroz Benjamin, Vera Sílvia Araújo Magalhães, Carlos Augusto da Silva Zílio e mais um não identificado.
- Em 15 Jun 70, foi um dos 40 militantes comunistas banidos para a Argélia, em troca do Embaixador da Alemanha ( Ver Recordando a História), sequestrado em 11Jun 70, no RJ, pela VPR e pela ALN.
- Em Nov 72/Chile, participou da assembleia do racha do MR/8, não aceitou as idéias de nenhum dos grupos, desligando-se das duas facções
.- Atualmente, Prof. da Faculdade Helio Alonso e Jornalista da área política do "Globo".

DANIEL AARÃO REIS FILHO ("PLÍNIO"-"DJALMA"-"LUCIANO"-"SANDRO")
- Organização Terrorista : AP, DI/GB,MR-8;
- Ex- Dirigente da AP, foi Presidente da UME;
- Em 69, integrante do Grupo de Ação da DI/GB;
- Em 15 Fev 69, participou do assalto ao Hospital Central da Aeronáutica ;
- Em Abr 69,participou da III Conferência do MR-8,eleito para a Direção Geral ;
- Em Jan 70, integrante da Direção Geral(DG) DO MR-8 e assistente da Frente Operária(FO) ;
- Em 16 Fev 70, à noite: estouro do "aparelho" da Rua Montevideu, 391/201, Penha/GB, baleado o policial Daniel Balbino de Menezes; fugiram: Aarão Reis, José Roberto Spiegner, Cid de Queiroz Benjamin, Vera Sílvia Araujo Magalhães, Carlos Augusto da Silva Zílio e mais um não identificado ;
- Em 06 Mar 70, preso, falou bastante;
- Em 15 Jun 70, foi um dos 40 militantes comunistas banidos para a Argélia, em troca do Embaixador da Alemanha( Ver Recordando a História ), em em seguida foi para o Chile ;
- Daniel Aarão Reis e Sonia Yessin Ramos tiveram, no Chile, a filha Tatiana ;
- Em Nov 72, no Chile, participou da Assembléia do Racha do MR-8; ficou com o Grupo Militarista (MR-8) CP, Construção Partidária, que veio a dissolver-se em 73 ;
- Na década de 90, casou-se com Denise Rollemberg Cruz, Historiadora, com quem teve o filho Samuel, separaram-se e Derly - Em 23.09.01, em entrevista ao Jornal O Globo, declarou que o projeto das organizações de esquerda que defendiam a luta armada era revolucionária, ofensiva e ditatorial. Pretendia-se implantar uma ditadura revolucionária. Não existe um só documento dessas organizações em que elas se apresentassem como instrumento de resistência democrática
- Atualmente, é professor titular de História Contemporânea da UFF.

DERLY JOSÉ DE CARVALHO ("Rui","Alonso","Antonio")
- No início de Fev 69, participou, com mais 15 militantes, de uma reunião realizada num sítio próximo a São José dos Campos, em São Paulo, na qual a Ala Vermelha deixou de se considerar como uma Ala do PC do B, assumiu o foquismo e constituiu-se numa nova organização militarista independente, agora oficialmente denominada de Ala Vermelha. Derly por seu preparo marxista, foi eleito um dos onze membros da Direção Nacional Provisória(DNP) e um dos cinco integrantes da Comissão Executiva Nacional(CEN).
-Estruturada e com o nome definido, Grupo Especial Nacionalista Revolucionário/ Ala Vermelha (GENR/AV) reiniciou a sua série de ações armadas em São Paulo, no 1º semestre de 1969:
- em 15 Mar: seqüestro do soldado da FPESP, Vandeir Gomes.
- em 17 Mar: assalto ao Banco F. Barreto, em Osasco, com o roubo de NCr$ 8.486,50.
- em 24 Mar: assalto frustrado ao carro-pagador do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Rua Manoel da Nóbrega.
- em 07 Abr: assalto ao Banco Francês-Italiano, na Av. Utinga, em Santo André, com o roubo de NCr$ 17.396,00.
- em 05 Mai: assalto ao Banco de Crédito Nacional, na Rua Pacaembu, na Vila Paulicéia, em São Bernardo do Campo, quando roubaram NCr$ 248.000,00; durante a ação, feriram, com coronhadas na cabeça, um guarda bancário e trocaram tiros com a segurança da Fábrica Mercedes Benz, localizada ao lado da agência.
- em 14 Mai: ato de sabotagem contra a Empresa de Onibus Jurema, no Jardim Santo Amaro, com o lançamento de "Coquitéis Molotov"e disparo de rajadas de metralhadora.
-Das ações desse período, entretanto, pode-se destacar, como o mais sangrento, a de 14 Abr 69, quando Derly e seus irmãos Daniel e Devanir participaram do assalto a um carro-pagador do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Alameda Barão de Campinas, com o roubo de 20 milhões de cruzeiros antigos e o assassinato do motorista, Francisco Bento da Silva e do guarda bancário, Luiz Ferreira da Silva.
- em 26 Mai foram presos oito militantes expulsos da Ala Vermelha/AV, dentre os quais quatro dos "Irmãos Metralha"( Ver Recordando a História ), Derly e seus irmãos Daniel, Jairo e Joel.-Atualmente, Derly José de Carvalho é assessor da Associação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Auto Gestão ( ANTEAG)



-DIÓGENES JOSÉ CARVALHO DE OLIVEIRA ("LEANDRO", "LEONARDO", "LUIZ" e "PEDRO")
- o mais sanguinário dos sanguinários, o mais covarde dos covardes, eis Diógenes do PT

-A revolução de Mar 64 o encontrou como militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Sentindo-se perseguido, fugiu para o Uruguai, onde ingressou, em 1966, no recém-criado Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR) de Leonel Brizola.
-Ainda nesse ano, arranjado por Brizola, foi fazer curso de guerrilha em Cuba, onde ficou um ano e se destacou como especialista em explosivos.
-Em 1967, já no Uruguai, tomou consciência de que Brizola era muito de falar e pouco de agir. Diógenes queria, ardentemente, exercitar o que aprendera na ilha de Fidel
-Retornou ao Brasil e, em Porto Alegre, conheceu Almir Olímpio de Melo ("Paulo Melo"), que o conduziu a Onofre Pinto, em São Paulo, que também se havia desiludido com o comandante Brizola.

-Em Mar 68, concretizou-se o congresso de fundação da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) - organização comunista criada para derrubar o regime pela luta armada - cuja primeira direção ficou constituída por Wilson Egídio Fava, Waldir Carlos Sarapu e João Carlos Kfouri Quartim de Morais, pelo grupo dissidente da Política Operária (POLOP), e Onofre Pinto, Pedro Lobo de Oliveira e Diógenes José Carvalho de Oliveira, pelo núcleo de remanescentes do MNR.

-Pôde assim, Diógenes, iniciar uma longa trilha de sangue, realizando algumas dezenas de ações terroristas na capital paulista, dentre as quais assaltos a bancos, explosões de bombas e assassinatos. O que se segue é, apenas, uma pequena, uma pálida idéia do que praticou esse militante comunista.

-No início da madrugada de 20 Mar 68, participou do atentado que fez explodir uma bomba-relógio na biblioteca da USIS, no consulado dos EUA, localizado no térreo do Conjunto Nacional da Avenida Paulista. Três estudantes amigos, que caminhavam pelo local, foram feridos: Edmundo Ribeiro de Mendonça Neto, Vitor Fernando Sicurella Varella e Orlando Lovecchio Filho, que perdeu o terço inferior da perna esquerda.

-Na madrugada de 20 Abr 68, preparou mais uma bomba, desta vez lançada contra o jornal "O Estado de São Paulo", que funcionava na esquina da Rua Major Quedinho com a Rua Martins Fontes; do mesmo modo que a anterior, a explosão feriu três inocentes

-Na madrugada de 22 Jun 68, participou do assalto ao Hospital do Exército em São Paulo, localizado no Cambuci. Fardados de tenente e soldados, cerca de 10 militantes da VPR renderam a guarda e roubaram nove fuzis FAL, três sabres e quinze cartuchos 7,62 mm

-Na madrugada de 26 Jun 68, fez parte do grupo de 10 terroristas que lançou um carro-bomba contra o Quartel General do então II Exército, no Ibirapuera, matando um dos sentinelas, o soldado Mario Kosel Filho, e ferindo mais seis militares. (VER "RECORDANDO A HISTÓRIA" - "ATENTADO AO QG DO II EXÉRCITO")

-Em 01 Ago 68, participou do assalto ao Banco Mercantil de São Paulo, localizado na Rua Joaquim Floriano, 682, no bairro do Itaim, com o roubo de NCr$ 46 mil.

-Em 20 Set 68, participou do assalto ao quartel da Força Pública, no Barro Branco. Na ocasião, foi morto a tiros o sentinela, soldado Antonio Carlos Jeffery, do qual foi roubada a sua metralhadora INA.
-Em 12 Out 68, participou do grupo de execução que assassinou o capitão Chandler, do Exército dos EUA. Foi Diógenes quem se aproximou do capitão - que retirava seu carro da garagem, na frente da mulher e filhos - e nele descarregou os seis tiros de seu revólver Taurus calibre .38. (VER "JUSTIÇAMENTOS" - "ASSASSINATO DO CAP CHARLES RODNEY CHANDLER")

-Em 27 Out 68, participou do atentado à bomba contra a loja Sears da Água Branca.

-Em 06 Dez 68, participou do assalto ao Banco do Estado de São Paulo (BANESPA) da Rua Iguatemi, com o roubo de NCr$ 80 mil e o ferimento, a coronhadas, do civil José Bonifácio Guercio.

-Em 11 Dez 68, participou do assalto à Casa de Armas Diana, na Rua do Seminário, de onde foram roubadas cerca de meia centena de armas, além de munições. Na ocasiao, foi ferido a tiros o civil Bonifácio Signori.

-Diógenes foi o coordenador do assalto realizado em 24 Jan 69, ao 4º RI, em Quitaúna, com o roubo de grande quantidade de armas e munições e que marcou o ingresso de Carlos Lamarca na VPR.(VER "RECORDANDO A HISTÓRIA" - "LAMARCA: A TRAJETÓRIA DE UM DESERTOR")

-Em 02 Mar 69, Diógenes e Onofre Pinto foram presos na Praça da Árvore, em Vila Mariana.

-Um ano depois, em 14 Mar 70, foi um dos cinco militantes comunistas banidos para o México, em troca da vida do cônsul do Japão em São Paulo. (VER "RECORDANDO A HISTÓRIA" - "O SEQÜESTRO DO CÔNSUL DO JAPÃO")

-Diógenes ficou pouco tempo no México, indo rever seus amigos em Cuba, onde ficou por cerca de um ano. Em 25 Jun 71, saiu de Cuba e foi para o Chile, que havia se tornado, com Allende, a nova "Cuba sul-americana". Com a queda de Allende, em Set 73, retornou ao México e daí foi para a Europa, onde esteve em diversos países, dentre os quais a Itália e a Bélgica.

-Em fins de 1974, radicou-se em Lisboa, onde permaneceu um ano.
-Em Jan 76, iniciou seu périplo africano, onde foi para Angola e Guiné-Bissau, sempre junto com sua então companheira Dulce de Souza Maia, a "Judith" da VPR.

-Em 1979 e em 1981, representando o governo de Guiné-Bissau, esteve no Brasil por alguns dias.

-Em 1986, era o assessor do vereador do PDT Valneri Neves Antunes, antigo companheiro da VPR e fazia parte do movimento "Tortura Nunca Mais".
-Na década de 90, ingressou nos quadros do PT/RS, sempre assessorando seus líderes mais influentes.

-Era o Diógenes da VPR. Hoje, é o Diógenes do PT

-Atualmente é o presidente do Clube de Seguros da Cidadania, em Porto Alegre, órgão encarregado de coletar fundos para o PT e faz parte da trupe de Olívio Dutra.


ELIZABETH MENDES DE OLIVEIRA ("ROSA", "BETE MENDES")
- Era militante da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P) em São Paulo.
Atuava no Setor de Inteligência e não foram poucas as reclamações de diversos dirigentes dessa organização comunista de que, em vez de bem desempenhar suas funções, costumava levar, para dentro do seu setor, seus próprios problemas pessoais.
- Foi presa em 29 Set 70.
- Em Ago 85, já como deputada federal, enviou uma carta ao então Presidente da República, José Sarney, denunciando que, 15 anos antes, havia sido torturada pelo então adido do Exército no Uruguai, Cel Carlos Alberto Brilhante Ustra.( Ver Revanchismo)
- Atualmente, é artista da TV GLOBO


FRANCISCO ROBERVAL MENDES
- Era militante da ALN no Rio de Janeiro.
- Participou de diversos assaltos, dentre os quais pode ser citado o de 19 Ago 70, à agência Ramos do Banco Nacional de Minas Gerais, quando foi assassinado o guarda de segurança Wagner Luciano Vitorino da Silva.- Em 13 Jan 71, foi banido para o Chile, em troca da vida do embaixador da Suíça.- Retornando ao Brasil, passou a ser dirigente regional do Partido Socialista Brasileiro (PSB) no Rio de Janeiro e professor de História de diversos colégios, dentre os quais o Santo Agostinho.- Atualmente, continua pregando suas idéias comunistas e revolucionárias.



FERNANDO PAULO NAGLE GABEIRA ("MATEUS", "HONORIO", "BENTO", "JOAO", "INACIO")
- Mineiro de Juiz de Fora, foi militante da DI/GB e do MR-8.
- Em meados de 1969, pediu demissão do Jornal do Brasil, para participar do seqüestro do embaixador dos EUA
.- Em 31 Jan 70, foi preso em São Paulo; cinco meses depois, foi um dos 40 militantes comunistas banidos para a Argélia, trocados pelo embaixador da Alemanha.
- No 1º semestre de 1971, fez curso de guerrilha em Cuba, usando o codinome de "Inácio".
- Na sessão do Tribunal Bertrand Russel, de 01 Abr 74, foi um dos que apresentou seu testemunho, aquinhoado que foi, dentre outros, com elevada compensação financeira conseguida pelo Comitê Italiano da Amnesty International.
- Em 01 Set 79, regressou ao Brasil, ingressando na vida política no PV/RJ;
- Em 1994 foi candidato a Presidente da República, pelo PV;
- Em 1998 foi reeleito Deputado Federal;
-Atualmente, é Deputado Federal pelo PV/RJ.
.Voltar


FLAVIO KOUTZII ("LAERTE")
- Em meados da década de 60, era militante do PCB no Rio Grande do Sul. Empolgado pela luta armada para derrubar o regime, aderiu à Corrente Revolucionária que surgiu dentro do PCB e, em Out 67, compareceu ao encontro dessa dissidência que, em Abr 68, daria origem ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR).
- Entretanto, partiu para outros caminhos e, em Abr 68, em Santos/SP, participou do congresso de fundação do Partido Operário Comunista (POC), formado pela fusão da Dissidência Leninista do PCB gaúcho (DL/PCB/RS) com dissidentes da Política Operária (POLOP). Nesse congresso, foi eleito membro efetivo do Comitê Nacional do POC e seu dirigente no RS. Em Jun 69, participou da Reunião Ampliada Nacional do POC, realizada numa casa de praia em Tramandaí/RS.
- Planejou e participou de diversas ações armadas, dentre as quais pode-se citar a 1ª ação do POC no RS, o assalto ao Banco Industrial e Comercial do Sul, em Porto Alegre, em 23 Jul 69.
- Em Abr 70, Flavio Koutzii e sua companheira, a também militante Maria Regina Jacob Pilla ("Carmen"), fugiram para a França.
- Em Jul 71, já no Chile, abandonou o POC e filiou-se ao trotskismo, ingressando na Tendência Combate, organização do Secretariado Unificado da IV Internacional.
- Regressando ao Brasil sem nunca ter sido preso, ingressou no PT, sendo eleito deputado estadual.
-Atualmente, é do "staff" do Ex-Min. das Cidades Olívio Dutra.


- GILNEY AMORIM VIANA ("AUGUSTO")
-Nascido em 1945, em Minas Gerais, estudou Medicina em Belo Horizonte, quando foi membro do Comitê Municipal do Partido Comunista Brasileiro (PCB).

-Achando que o PCB era muito pouco para atender às suas intenções de violência, ingressou, em 1968, na Corrente Revolucionária que deu origem à Ação Libertadora Nacional (ALN). Foi, inclusive, um dos quatro redatores do documento-base da Corrente/MG, denominado "Orientação Básica para Atuação: 20 Pontos".

-Participou de diversas ações terroristas da Corrente/MG e da ALN/SP, das quais algumas são destacadas a seguir.

-Em 25 Out 68, comandou a ação de roubo de um auto Simca preto, com o qual assaltou a Drogaria São Félix, na Avenida Amazonas, em Belo Horizonte, com o roubo de Cr$ 2 mil.

-Em 01 Dez 68, às 0430h, planejou e comandou a 2ª ação armada da Corrente/MG, com o violento assalto à boite "Seis às Seis", na Avenida Nossa Senhora do Carmo, em Belo Horizonte, quando foram baleados três civis. Durante o assalto, o militante Nelson José de Almeida ("Beto"), que entrara na boite através da cozinha, atirou e feriu no peito o cozinheiro Antonio Joaquim de Oliveira. O freguês Wellington Gadelha Campelo foi ferido na região lombar por um tiro disparado por Gilney. "Beto", já dentro da boite, atirou pelas costas no gerente Antonio de Almeida Ribeiro, que estava na copa. Além dos ferimentos à bala, várias pessoas foram espancadas e roubadas em jóias e em dinheiro. Na fuga, roubaram o carro de um notívago que estava chegando na boite. O dinheiro roubado foi entregue a José Adão Pinto ("Luiz Carlos", "Evaldo"), depositário fiel da organização, e os vários relógios roubados foram partilhados entre os militantes que não os possuíam.

-Em 17 Jan 69, Gilney furtou uma caminhonete C14-16, da firma Motorauto, em Belo Horizonte. José Alfredo ("Henrique"), quando trabalhava nessa firma, tirou cópia das chaves da caminhonete, que se encontrava em reparos na oficina e as entregou a Gilney, juntamente com as informações sobre o local de guarda do veículo.

-Em 20 Jan 69, participou da frustrada tentativa de roubo de explosivos na Pedreira Belo Horizonte, localizada no bairro São Geraldo.

-Em 31 Mar 69, planejou e roubou o automóvel usado no assalto à Caixa Econômica Federal da Avenida Alfredo Balena, 181, em Belo Horizonte.

-Foi preso em 1970, sendo liberado com a anistia, em 1979.

-Foi residir em Cuiabá/MT, onde fundou o PT, em 1980.

-Em 1994, foi o 1º deputado federal eleito pelo PT/MT.

-Em 1996, vivia maritalmente com Iara Xavier Pereira ("Bia"), que também participou de diversas ações armadas pela ALN.

-Em 1998, foi eleito deputado estadual pelo PT/MT.

-Professor da Universidade Federal de MT, escreveu o livro "Massacre da Chácara São Bento", que trata da morte de seis militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), fato ocorrido em 08 Jan 73.

-É o coordenador da ONG "Flor do Cerrado"

-No ano de 2002, participou da elaboração do programa de Governo de Lula na área de Meio Ambiente.

-Em outubro, não conseguiu reeleger-se deputado estadual e hoje, Nov 02, foi indicado para a equipe de transição do presidente eleito.
Voltar

line.gif (1878 bytes)

HENRY PHILLIPE REICHSTUL
- Foi militante da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), tendo sido preso em maio de 1970.
- Sua irmã francesa, Pauline, mais conhecida por "Silvana", também era militante da VPR.Morreu em tiroteio no Grande Recife, em janeiro de 1973, quando, vinda de um guerrilha em Cuba, tentava reestruturar a VPR no Brasil.
- Foi presidente da Petrobrás, deixando o cargo em 2001;

JAIME WALWITZ CARDOSO ("MARCELO")
- Em meados da década de 60, como estudante secundarista na então Guanabara, ingressou na Ação Popular (AP)
. Em Mar 68, foi um dos líderes de uma dissidência surgida no setor secundarista que rompeu com a AP e que, dois meses depois, foi criar o Núcleo Marxista Leninista (NML), tendo sido eleito um dos três membros do comando.
- Em Mar 69, participou da fusão do NML com o Comando de Libertação Nacional (COLINA). Posteriormente, ainda em processo de fusão - agora com a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) - incorporou-se à Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P).
- Em 13 Jan 71, foi um dos 70 militantes comunistas banidos para o Chile, em troca da vida do embaixador da Suíça
.- Em Dez 00, foi condecorado com a medalha da Ordem do Mérito Policial Militar, pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro
- Atualmente, é Secretário de Estado de Trabalho, do governo do Estado do Rio de Janeiro, nomeado pelo Governador Garotinho.

JESSIE JANE VIEIRA DE SOUZA
- Militante da ALN/RJ.- Em 01 Jul 70, levando armas escondidas no baixo ventre simulando gravidez, tentou seqüestrar o avião Caravelle da Cruzeiro do Sul, no Galeão. Jessie Jane foi presa com mais três militantes da ALN, um dos quais seu marido, Colombo Vieira de Souza, que levava uma arma escondida no sapato. Os outros dois, os irmãos Fernando e Heraldo Palha Freire, morreram na ação. Durante o frustrado seqüestro, o Cmt do avião, Harro Cyranka, foi ferido.
- Atualmente,Jessie Jane é Diretora do Arquivo Público do Estado, onde estão arquivados todos os documentos do antigo DOPS.

JOÃO CARLOS BONA GARCIA ( " ANDRE " )
- Foi um dos fundadores do POC em Passo Fundo.
- Em dezembro de 69, era membro da Unidade de Combate da VPR no RS, denominada " Manoel Raimundo Soares"(UC/MRS).
- Em 01 Mar 70, no Rio Grande do Sul, a fim de desviar de S.Paulo a atenção dos orgãos de segurança, a UC/MRS da VPR, inicia as ações armadas. Na noite de domingo, 01 de Mar, Reinholdo Amadeu Klement e Irgeu João Menegon, com a cobertura de João Carlos Bona Garcia e Luiz Carlos Dametto, roubam um Gordini marrom que estava estacionado na Rua 24 de Outubro, em frente ao Cine Coral, em Porto Alegre.
- Na manhã de 02 Mar 70, esses mesmos quatro militantes da VPR sob o comando de Fernando Damatta, assaltaram ainda, um Volks do Banco do Brasil que transportava dinheiro da Companhia Ultragas, levando 65.000 cruzeiros. Para esta ação, usaram o Gordini roubado na noite anterior e um Volks bege, de propriedade de Irgeu, denominado "Velho Cancheiro" e que seria utilizado em todos os assaltos daquele ano. Foi a primeira ação armada de Bona Garcia.
- Participou do assalto a um carro pagador do Bradesco.
- Em Porto Alegre/RS, em 11 Abr 70, a prisão de Eliana Lorentz Chaves possibilitou as "quedas", nos dois dias seguintes, do comandante da UC/MRS - Felix Silveira Rosa Neto, de Fernando Damatta Pimentel e de Irgeu João Menegon, que haviam participado da fracassada tentativa de seqüestro do cônsul norte-americano, além de João Carlos Bona Garcia e de Elvaristo Teixeira do Amaral, este no dia 26 de abril. As declarações dos militantes presos, particularmente as de João Carlos,possibilitaram o desvendamento da tentativa de seqüestro e da identifcação dos demais militantes que integravam a UC gaúcha, além da localização de 5 "aparelhos" da organização em Porto Alegre.
- Em 13 Jan 71, foi um dos 70 militantes comunistas banidos para Santiago/Chile, em troca do Embaixador da Suiça ( Ver Recordando a História ).
- Em 89 foi SubChefe da Casa Civil do governo Pedro Simon no RS.
- Em 96, Sec Geral do PMDB gaúcho. - Em 13 Mai 96 , tomou posse no Conselho de Diretores do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (BANRISUL).
- Em Jan 97, assumiu a presidência do Sindicato dos Bancos do RS.
- Atualmente, é Juiz da Justiça Militar do RS.

JOAO CARLOS KFOURI QUARTIM DE MORAIS ("MANOEL", "MANÉ", "MANECO")
- Formado em Direito e em Filosofia pela USP, foi militante da Política Operária (POLOP)
. Em 1968, após regressar depois de dois anos de estudos na França, foi um dos fundadores da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), onde chegou a participar de algumas ações armadas.
- Em Set 68, integrou o "Tribunal Revolucionário" que condenou à morte o Cap Chandler, "justiçado" em 12 Out 68 (ver "Justiçamento, O assassinato do Cap Chandler") , (ver "A Grande Farsa").
- Em Dez 68, por divergências políticas, foi expulso da VPR. Quatro meses depois, com nome falso, fugiu para o Uruguai.
- Em Out 70, foi para Paris, onde viveu dez anos, mas também passou pela Inglaterra, Itália, Iugoslavia e Chile.
- Em Fev 70, no Chile, foi um dos fundadores da revista "Debate", posteriormente também editada na Europa e que defendia, basicamente, a constituição de uma "plataforma para a união dos comunistas brasileiros".
- Com a anistia de 1979, regressou ao Brasil, onde passou a atuar na ABI/SP e foi contratado para ser professor da UNICAMP. Em 1983, foi nomeado Secretário de Imprensa do governo de São Paulo, pelo governador Franco Montoro.
- Atualmente, é professor titular do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP.

JOSÉ DIRCEU ("Daniel")
- O mineiro José Dirceu de Oliveira e Silva tinha 19 anos por ocasião da Revolução de 1964. Nessa época, era estudante secundarista na cidade de São Paulo e já participava do movimento estudantil, filiado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB).Dois anos depois, já universitário, José Dirceu estava totalmente impregnado pelas idéias radicais de seu líder no PCB, Carlos Marighella, e o acompanhara na denominada "Corrente Revolucionária", criada dentro do partidão a fim de defender a luta armada. No final desse ano de 1966, ingressou na "Ala Marighella", tranformada, um ano depois, no Agrupamento Comunista de São Paulo (AC/SP).
- Em 1968, José Dirceu exercitava sua liderança como presidente da União Estadual dos Estudantes (UEE) insuflando os jovens a pegarem em armas, nem que fossem uns contra os outros. Foi assim que, no início de outubro, constituiu-se num dos líderes do conflito no qual se envolveram, na Rua Maria Antonia, cerca de um mil estudantes universitários da Faculdade de Filosofia da USP e do Mackenzie. Armados de correntes, porretes, revólveres e coquetéis molotov, os estudantes digladiaram-se numa verdadeira guerra campal, finda a qual um estudante morto (baleado na cabeça), dez outros feridos e cinco carros oficiais incendiados atestavam a virulência do ocorrido.Entretanto, a prisão de José Dirceu - então mais conhecido como "Daniel"
- Em 12 Out 68, durante a realização do 30º Congresso da UNE, em Ibiúna, impediu que ele prosseguisse nas suas estrepolias.Além da UEE/SP, quem mais sentiu a sua prisão foi a "Maçã Dourada", jovem plantada junto dele pelo DOPS, para colher informações.Ainda na prisão, acompanhou a transformação do AC/SP na Ação Libertadora Nacional (ALN).
- Em 05 Set 69, menos de um ano após sua prisão, foi um dos 15 militantes comunistas banidos para o México, em troca da vida do embaixador dos EUA, que havia sido seqüestrado no dia anterior, no Rio de Janeiro, pela ALN e pelo MR-8.Do México, "Daniel" seguiu para Cuba, onde, durante o ano de 1970, a partir de maio, participou de um Curso de Guerrilhas, no denominado "III Exército da ALN" ou "Grupo da Ilha" ou, ainda, "Grupo Primavera". Esse grupo, sentindo-se órfão com a morte de Marighella, rachou com a ALN (os divergentes passaram a ser conhecidos como o "Grupo dos 28"), dando origem à Dissidência da ALN (DI/ALN), mais tarde transformada no Movimento de Libertação Popular (MOLIPO).O MOLIPO foi uma organização de curta e triste história. A maioria do "Grupo dos 28" regressou ao Brasil, a fim de exercitar seu treinamento de ações terroristas. Entretanto, logo após chegarem ao país, os militantes foram caindo um a um, como peças de um dominó, cujo "armador", dizem, está vivo até hoje.
No total, José Dirceu permaneceu em Cuba durante 18 meses quando teria feito uma operação plástica nos olhos e no nariz, para voltar ao Brasil com segurança. Apesar dessa operação não ter sido confirmada - muitos dizem ser uma mentira deslavada -, José Dirceu só voltou ao Brasil em Abr 75, quando a luta armada já havia terminado.
Com o falso nome de "Carlos Henrique Gouveia de Mello", radicou-se em Cruzeiro d'Oeste, no Paraná, onde casou-se com uma ricaça da região, com quem teve um filho.No final de 79, regressou a Cuba, dizem que para retificar a antiga operação plástica (??).Depois de ter uma filha com uma portuguesa e ter mais uma filha em um relacionamento desconhecido, José Dirceu casou-se pela terceira vez, agora com sua atual mulher.
-Durante sua gestão na Casa Civil, em 2005, surgiram várias crises de corrupção como o Caso Waldomiro (Auxiliar direto de Dirceu) e "Mensalão" (compra de Deputados para votarem com o governo e /ou mudar de sigla partidária.
-Denunciado pelo Pres. do PTB Roberto Jefferson, como chefe do esquema de corrupção na compra de votos de parlamentares, juntamente com líderes do PT (Genuino, Delubio ,Marcelo Sereno e Silvio Pereira ) e o empresário Valério (Publicitário).
-Ex-Ministro Chefe da Casa Civil cuja função se viu forçado a pedir demissão. Está diretamente envolvido na corrupção da manipulação de verbas federais em favor de um projeto de tomada do poder pelo PT.
-Foi cassado por falta de decoro parlamentar.
-Atualmente é membro da Executiva do PT e é "lobista".
- responde a processo no Supremo Tribunal Federal como chefe da GANG DOS QUARENTA




JOSE GENOINO NETO ("GERALDO")
- Organização Terrorista : PC do B;
- Aos 14 anos, foi estudar em Fortaleza;
- Formado em Filosofia; iniciou Direito;
- Em 1967 :ingressou na UFCE e no PC do B;
- Em 1967/68:Presidente do DCE/UFCE (0 Vice Pres/DCE era BERGSON GURJÃO FARIAS ("JORGE"), PC do B / ARAGUAIA);
- Em 12 Out68: Preso no Congresso da UNE em Ibiúna/SP
- Em 1969/70: Diretor da UNE;
- Em Jul 70: Foi ara o Araguaia morar com “OSVALDÃO”e João Amazonas;
- Guerrilheiro do Dst B, Ch Gp Gameleira;
- Companheiro de ANTONIO GUILHERME RIBEIRO RIBAS ("FERREIRA", "GORDO", "JOSE FERREIRA", "ZE FERREIRA");
-Em 17 Abr 72: Logo no início da 1ª campanha, nessa manhã, às 0500h,saiu para avisar o Dst C dos ataques;às 17 h chegou no Dst C, que já havia fugido, dormiu no mato sob chuva;
- 18 Abr 72: Ao retornar pela estrada foi preso por um bando de “bate-pau” (uns 10)."CURIÓ" Declarou que Genoíno foi preso por ele em 22 Abr 72;
- Foi algemado com as mãos para frente e a mochila amarrada nas costas.Saiu correndo, tentando fugir.Atiraram (um tiro raspou o braço).
- SET 72:Na 2ª campanha. O EB distribuiu cópias de uma carta de José Genoíno Neto (“GERALDO”) ao GLENIO FERNANDES DE SA ("PAULO", "ALBERTO"),ambos do Dst B/GP GAMELEIRA; dizia que estava sendo bem tratado e pedia para que ele se entregasse; trazia foto dele, GENOÌNO e de DAGOBERTO ALVES DA COSTA ("GABRIEL", "MIGUEL", "ERNESTO");
- Em Mai 73,o Dst C realizou uma ação punitiva contra a fazenda e a casa de comércio de NEMER KOURI (OU CURI) ("PAULISTA"). Este fazendeiro ajudou o Exército a JOSE GENOINO NETO ("GERALDO"),no início da luta e tinha se apossado de um burro que pertencia aos guerrilheiros. A Operação foi feita à noite. Sua fazenda foi cercada.Encontravam-se lá NEMER, sua mulher e mais treze trabalhadores. NEMER foi preso. Aos 13 peões, os guerrilheiros explicaram o motivo da ação e os objetivos da luta.Nada se fez contra eles.Os guerrilheiros confiscaram 400 cruzeiros, um revólver 38, roupas, alimentos e remédios."
- Em 1975: Julgado e condenado a 5(cinco) anos;
- Em Abr 77: Libertado.
- Divergências com o PC do B; foi para o PRC.
- Na prisão casou-se com RIOCO KAYANO, Militante do PC do B/SP.
- Publicou o livro "GUERRA DE GUERRILHAS NO BRASIL" ("GGB");
- PAG 133: ENTREVISTA DE 1977;
- PAG 197: CARTA DE FEV 75.
-Em 2002 candidatou-se ao governo de S. Paulo, perdendo no 2º turno.
-Envolvido num grande esquema de corrupção ( compra de votos de parlamentares) e empréstimos vultuosos para o PT, sem conhecimento de membros da executiva do Partido, foi obrigado a renunciar ao mandato de Presidente do PT.
-Está sob investigação do próprio partido e do STF.
-Atualmente é Deputado Federal pelo PT e responde a processo no STF como um dos integrantes da GANG DOS QUARENTA


LADISLAS DOWBOR ( " ABELARDO ", " JAMIL ", " NELSON ")
- VPR ; VAR-P;
- Francês, filho de pai polonês.
- Em 21 Fev 63, naturalizou-se brasileiro quando residia em Recife; - Foi dirigente da VPR 1, da VAR-P e da VPR 2 ( CN );
- Em 68, membro do " Tribunal Revolucionário " da VPR que condenou à morte o Cap. Chandler, morto em 12 Out 68 ( Ver Justiçamento).
- Nov 69, Congresso Nacional da Reestruturada VPR, foi designado membro do CN (Comando Nacional ). Depois substituiu José Raimundo da Costa como Cmt da UC/SP.
- Em 11 Mar 70, participou do seqüestro do Consul do Japão, em SP.
- Em Abr 70, o CN/VPR realizou uma reunião com os seus CMT/UC, numa casa em, Peruibe, cidade do litoral Sul paulista, a qual compareceram Carlos Lamarca, vindo da área de treinamento, Ladislas Dowbor, membro do CN e CMT/UC em São Paulo e Maria do Carmo Brito, membro do CN, além dos dois CMT/UC da Guanabara, Juarez Guimarães de Brito e José Ronaldo Tavares de Lira e Silva.
- Em 21 Abr 70, preso em São Paulo com Joaquim dos Santos e Lizst Benjamin Vieira, em ponto entregue por Maria do Carmo Brito ( presa em 18 Abr 70 ).
- Em 15 Jun 70, foi um dos 40 militantes comunistas banidos para a Argélia, em troca do Embaixador da Alemanha ( Ver Recordando a História );
- Com a chegada na Argélia dos quarenta banidos, trocados pelo Embaixador alemão, a FBI ( FRENTE BRASILEIRA DE INFORMAÇÕES ), criada exclusivamente para denegrir a imagem do Brasil no exterior, passou a ser dirigida por um colegiado composto por Miguel Arraes, Apolonio de Carvalho, do PCBR, Ladislas Dowbor, da VPR, Jean Marc Friedrich Wan Der Weid, da AP e José Maria Crispim, do PCB.
- Em Fev 71, Ladislas Dowbor e Apolonio de Carvalho, membros do colegiado da coordenação internacional da FBI, dirigiram-se para a cidade de Lund na Suécia onde se encontrava asilado o militante do MAR, Elio Ferreira Rego. Das conversações, resultou a decisão de criar-se uma sucursal da FBI em Lund, sob a supervisão de Elio Rego.
- Atualmente, Prof. Titular de Economia da PUC/SP; trabalha no Instituto de Economia da UNICAMP.


LAERTE DORNELES MÉLIGA ("AMAURI", "FLAVIO", "SEBASTIÃO")
- Foi ativo militante da organização comunista Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), no Rio Grande do Sul, onde participou de diversos assaltos. Preso em 12 Dez 69, foi liberado logo depois, pois os órgãos de segurança ainda desconheciam sua atuação.
- Em Mar 70, foi para São Paulo, onde integrou-se a uma das Unidades de Combate da VPR, continuando a participar das ações armadas. Em Jan 71, participou dos levantamentos que culminariam, em 15 Abr, com o assassinato do industrial Henning Albert Boilesen.- Em 02 Fev 71, foi preso em Porto Alegre, quando fora buscar mais munição para a VPR/SP. Falou bastante e, inclusive, entregou o "ponto" que teria com o militante Gregório Mendonça ("Fumaça", "Leônidas", "Marcos"), preso dois dias depois em São Paulo. Nada falou, entretanto, sobre o projetado assassinato do industrial Boilesen.
- Foi liberado em Dez 74 e ingressou no PT.
-Atualmente, é do "staff" do Ex-Min. das Cidades Olívio Dutra.


-LUIZ SOARES DULCI
- Anos 70:Militante da OSI (LIBELU) Organização Trotskista;
- Nasceo em S.Dumont / MG;
- Formado em Letras;
- 80: Foi um dos fundadores do PT:
- 1983/86: Dep Fed pelo T / MG;
- Presidente da Fundação PERSEU ABRAMO, do PT;
- Foi Secretário- Geral do PT;
-Atualmente é o Secretário-Geral da Presidência da República.



LUIZ GUSHIKEN
- Militante da OSI (LIBELU), Organização Trotskista;
- Formado em Adm de Empresas pela FGV / SP;
- 1986/90/94: Dep Fede pelo PT/SP;
-Ex-Secretário de Comunicação da PR, visto que seu nome está envolvido num esquema de troca de favores com verba de publicidade do governo

- Envolvido na crise da corrupção sobre o uso de verbas de publicidade, sofreu dois baques. O primeiro, deixou de ser ministro passando a ser subordinado à Casa Civil e a atual ministra Dilma Roussef. O segundo baque foi a saída da esfera de Dilma passando a ser subordinado a Luiz Dulci. Seu gabinete agora é fora do Palácio .Provavelmente terá que se explicar na CPMI dos Correios.
Foi exonerado das funções e responde a processo no STF como um dos chefes da GANG DOS QUARENTA LADRÕES

LÚCIO BORGES BARCELOS ("RAUL")
- Era militante da Fração Bolchevique Trotskista (FBT), no Rio Grande do Sul, tendo participado, no carnaval de 1970, da sua II Conferência Nacional.- Foi preso em Abr 70.
- Era Secretário Municipal de Saúde da prefeitura de Porto Alegre/RS, até Dez de 2000.

LISZT BENJAMIN VIEIRA ("BRUNO", "FRED")
- LISZT BENJAMIN VIEIRA, também conhecido por "BRUNO" e "FRED", foi, sucessivamente, a partir de Jun 68, militante das seguintes organizações comunistas: Comando de Libertação Nacional (COLINA), Vanguarda Armada Revolucionária - Palmares (VAR-P) e Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).
- Em 30 Jan 69, conseguiu fugir de um cerco policial ao seu aparelho na Rua Timbiras, 296, São Francisco, Niterói/RJ, quando foi presa a militante Vera Wrobel ("Ana").
- Em Mar 69, por razões de segurança, a COLINA decidiu deslocá-lo para Porto Alegre, junto com o também militante Claudio Galeno de Magalhães Linhares ("Aurelio", "Lobato"). Como delegado do Rio Grande do Sul da já então formada VAR-P (fusão da COLINA com a VPR), participou, em Set 69, numa casa em Teresópolis/RJ, do I Congresso da VAR-P, conhecido como o "Congresso do Racha", que provocou o aparecimento do "racha dos 7" e o ressurgimento da VPR.LISZT permaneceu na VAR-P somente por mais alguns dias, quando, escrevendo o documento "Nada se nega à coluna", aderiu a um novo "racha", o "racha dos 4", e ingressou na VPR.No início de novembro de 1969, na Barra da Tijuca, participou do Congresso que reestruturou a VPR.
- Em 11 Mar 70, em São Paulo/SP, participou ativamente do seqüestro do cônsul do Japão, Nobuo Okuchi.
- Em 21 Abr 70, LISZT foi preso em SP, juntamente com os militantes Ladislas Dowbor ("Abelardo", "Jamil", "Nelson") e Joaquim dos Santos ("Monteiro", "Antoninho", "Toninho", "Joca", "Martins")
- Em 15 Jun 70, foi um dos 40 militantes comunistas banidos para a Argélia, em troca da vida do embaixador da Alemanha.Regressando ao Brasil após a anistia, LISZT, formado em Direito e em Ciências Sociais, foi eleito, em 1972, deputado estadual pelo T/RJ.Exagerando na apologia a Carlos Lamarca, o deputado LISZT, em pronunciamento na assembléia em 25 Ago 83, disse que seu ex-chefe na VPR havia sido o primeiro aluno da Escola Militar - quando, na realidade, foi um dos últimos.Durante a ECO/92, realizada no Rio de Janeiro, foi um dos coordenadores do Fórum Global.

É professor da PUC/Rio e da UFF. É, também, defensor público.

- MARIA AUGUSTA CARNEIRO RIBEIRO ("GUTA", "ZAZÁ")
Nascida em 1947, a mineira de Montes Claros foi aos EUA em 1964, num intercâmbio de estudantes.

Ao regressar, ingressou na Faculdade Nacional de Direito e foi participar do movimento estudantil no Centro Acadêmico Candido de Oliveira, o "CACO", iniciando sua militância no PCB.

Defensora da luta armada, ingressou na Dissidência do PCB na então Guanabara (DI/GB), mais tarde transformada no MR-8.

Em Out 68, foi presa pelo DOPS.

Em 06 Set 69, foi a única mulher dentre os 15 militantes comunistas banidos para o México, em troca da vida do embaixador dos EUA, que havia sido seqüestrado dois dias antes.

Do México, foi para Cuba, onde fez um curso de guerrilha.

Em Nov 72, já morando no Chile, participou de uma assembléia do MR-8, que terminou num "racha": de um lado os "massistas", que continuaram (e até hoje continuam) com a sigla MR-8, e do outro, os "militaristas", defensores da continuação da luta armada, que adotaram a sigla "MR-8/CP", de "Construção Partidária". Este último grupo, mais radical, teve a liderança de "GUTA" e de Vladimir Palmeira, mas veio a dissolver-se no ano seguinte.

Passou pelos seguintes países: Itália (onde fez uma cirurgia dentária), Argélia e Suécia, onde teve um filho e formou-se em Pedagogia pela Faculdade de Artes e Ciências da Universidade de Upsala.

Regressou ao Brasil após a anistia de 1979 e foi trabalhar na Companhia Vale do Rio Doce.

Em 1999, trabalhava com seu marido na Editora da Rio Graphis.

.

Em 2002, era a diretora de Produção e Comercialização da Fundação Santa Cabrini, um órgão da Secretaria de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, que atua no sistema prisional.

Em 08 Jan 03, a ex-guerrilheira foi nomeada Ouvidora Geral da Petrobrás, com um polpudo salário.


MARCIO MOREIRA ALVES ("MARCITO")
- Em 66, Deputado Federal- Em Abr 66, recebeu carta de Arraes- Em 12 Mai 68-SP, participou da reunião de fundação do MOVIMENTO POPULAR DE LIBERTAÇÃO (MPL)- "Prosseguindo as atividades de aliciamento, o advogado e jornalista Sebastião de Barros Abreu foi contatado por Dejaci Florêncio Magalhães, do MPL, através do jornalista D'Alembert Jorge Jaccoud, então chefe da sucursal de Brasília do "Jornal do Brasil". A intenção do MPL, na realidade, era a de fazer contato com José Porfírio, o mesmo da "guerrilha" de Trombas e Formoso, de quem Sebastião de Barros Abreu já fora advogado e ainda era amigo. Dejaci desejava entregar a José Porfírio um documento de Arraes e Almino Afonso, no qual eram expostas as linhas básicas do MPL. Arraes pretendia acelerar o processo revolucionário e via, na figura de Porfírio, o líder para desencadear uma guerrilha rural em extensa área a Este do rio Tocantins, nos estados de Goiás e do Maranhão. Esse documento foi explicado aos jornalistas Sebastião Barros de Abreu e D'Alembert Jorge Jaccoud pelo deputado federal Márcio Moreira Alves, em seu próprio apartamento."
- Em 03 Dez 68, O DEP FED Marcio Moreira Alves profere discurso no "PINGA-FOGO" da Câmara injuriando as Forças Armadas e qualificando seus quartéis como "Valhacouto de Gangsters"
.- Em 12 Dez 68, Câmara dos Deputados rejeita pedido do Executivo de processar o Dep Fed Marcio Moreira Alves
- Em 13 Dez 68, Ato Institucional Nº 05 (AI-5); Governo Costa e Silva.- Cassado o Dep Fed Marcio Moreira Alves - Em início 69 participou da reunião do MPL na fazenda de seu pai, no RJ, para analisar o AI 5 de Dez 68- Em Out 69 Arraes, Marcio Moreira Alves, Almery Bezerra e Everaldo Noroes criaram, em Paris, a Frente Brasileira de Informações (FBI).
- Em 72, foi encarregado de restabelecer as atividades da FBI na Inglaterra, enquanto se definia a expansão da distribuição dos boletins da FBI a todos aqueles que pudessem colaborar com a sórdida campanha de difamação do Brasil.
- Em 15 Mar a 09 Abr 72, na Igreja São Clemente, em Nova York: A FBI realizou uma extensa promoção contra o Brasil, englobando conferências, debates, filmes e representações. O evento contou com a participação do teatrólogo Augusto Boal, do cineasta Gláuber Rocha e do ex-deputado Márcio Moreira Alves, dentre outros.
- Em 07 JUL 72, o comitê alemão da Amnesty International patrocinou, em Hamburgo, uma conferência de Márcio Moreira Alves, ocasião em que foi feita a propaganda de um de seus livros, contendo injúrias contra o Brasil.
- Em Out 74: Com a Revolução dos Cravos, foi morar em Lisboa, Portugal.
- Articulista do Jornal "O Globo", utilizando sua coluna, muitas vezes, na defesa de terroristas e do terrorismo.
-Está inativo em sua residência por motivo de doença.

- MARINA OSMARINA DA SILVA FILHO- MINISTRA DO MEIO AMBIENTE
- Ex-seringueira e analfabeta até seus 16 anos;
- Foi militante das Comunidades Eclesiais de Base, ligadas à Igreja;
- Anos 80: Ingessou na Faculdae de História quando passou a militar no PRC-Partido Revolucionário Comunista;
- 84: Com CHICO MENDES, Fundou a CUT / AC;
- 85: Fliou-se ao PT, mas não conseguiu eleger-se Dep Fed;
- 88: Eleita Vereadora pelo PT em Rio Branco / AC;
- 90:Eleita Dep Est pelo PT em Rio Branco / AC;
- 94:Eleita Senadora pelo PT em Rio Branco / AC;
- ex-Ministra do Meio Ambiente;



MARIA DO AMPARO ALMEIDA ARAUJO
- Militante da ALN no Rio de Janeiro.- Era irmã do também militante Luiz Almeida Araujo e companheira do dirigente Thomaz Antonio da Silva Meirelles Netto ("Luiz").- Participou de diversas ações armadas, dentre as quais o "justiçamento" do professor Francisco Jacques Moreira de Alvarenga, assassinado em 28 Jun 73, dentro do Colégio Veiga de Almeida, por seu companheiro Thomaz e por outros dois militantes nunca identificados. (Ver "Justiçamento - O Assassinato do Professor Francisco Jacques Moreira de Alvarenga")
- Atualmente, é a presidenta do Grupo Tortura Nunca Mais de Pernambuco.
É réu confessa em um 'JUSTIÇAMENTO' e, ironicamente, preside o Grupo Tortura Nunca Mais - PE


MARÍLIA GUIMARÃES FREIRE ("MIRIAM")
- Foi militante do Comando de Libertação Nacional (COLINA) e da Vanguarda Armada Revolucionária - Palmares (VAR-P).- Era casada com FAUSTO MACHADO FREIRE ("RUIVO". "WILSON"), militante do COLINA, que participou de diversos assaltos e foi preso em 28 Mai 69 (banido em 15 Jun 70).
- Em 01 Jan 70, levando seus dois filhos menores, participou, com outros 5 militantes da VAR-P, do sequestro do avião Caravelle da Cruzeiro do Sul, sequestrado logo apos decolar de Montevideu e levado para Cuba.-

NILMARIO DE MIRANDA ("AUGUSTO", "GUSTAVO")
- Mineiro, participou, em Abr 68, em Santos/SP, do Congresso de Fundação do Partido Operário Comunista (POC), quando foi eleito membro suplente do Comitê Nacional (CN), passando para membro efetivo ainda nesse ano. Em Jun 69, participou da Reunião Ampliada Nacional, realizada numa casa de praia em Tramandaí/RS.
- Em Fev 70, contrário à luta armada, passou a integrar um "racha" do POC, denominado de Tendência Proletária. Dois meses depois, participou do Ativo Nacional dessa Tendência, que deu origem à Organização de Combate Marxista Leninista - Política Operária (OCML-PO), da qual foi eleito suplente do CN. Passou a atuar em São Paulo, onde foi preso em 1972.
- Eleito Deputado Federal pelo PT/MG, sempre se destacou pela defesa dos comunistas: entre 1991 e 1994, no Congresso, foi o presidente da Comissão Externa dos Desaparecidos Políticos e, em 1996, por ser o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, foi nomeado membro da Comissão Especial dos Mortos e Desaparecidos Políticos.
- Em Ago 99, aproveitando os dados levantados pela Comissão dos Desaparecidos, lançou o livro "Dos Filhos deste Solo", escrito em parceria com o jornalista Carlos Tibúrcio.
- Deputado Federal-PT e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Deputados

-No bojo de uma crise política o Presidente , para atender ,a base aliada, "despetizou" o ministério e reduziu o status de ministro de algumas Secretarias.

Atualmente foi substituído na Secretaria dos Direitos Humanos , o que diminui sobremaneira sua influência.


- RAFTON NASCIMENTO LEÃO ("GORDO", "MENDES")
- Originado de Goiás, militou no Comando de Libertação Nacional (COLINA) e, posteriormente, na Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P), onde participou, em Set 69, do seu I Congresso, realizado numa casa em Teresópolis.- Em Nov 70, fugiu para o Chile e, posteriormente, esteve em diversos países, como a Argentina, a Suécia e Moçambique. Regressou ao Brasil em Set 80, sem nunca ter sido preso.
- Em 2002 era o Assessor Chefe de Planejamento e Controle da Secretaria de Estado de Trabalho, do governo do Estado do Rio de Janeiro, nomeado pelo então Governador Garotinho.
Voltar


RAUL JORGE ANGLADA PONT ("RENE")
- Era militante do Partido Operário Comunista (POC), tendo atuado no Rio Grande do Sul e em São Paulo, onde foi preso em 29 Ago 71.
- Era prefeito de Porto Alegre/RS, até Dez de 2000.
-Faz parte da executiva do PT

TARSO FERNANDO HERZ GENRO ("CARLOS, "RUI")
- Gaúcho de Santa Maria, onde foi Aspirante R2 de Artilharia.
- Em 1966, atuava na UNE e era militante do PC do B. Atraído para a luta armada, saiu do PC do B e ingressou, em 1968, na Ala Vermelha. Em 1970, ficou preso durante três dias no DOPS; solto, fugiu para o Uruguai. Na década de 80, foi militante do clandestino Partido Revolucionário Comunista (PRC). Ingressou no PT, onde foi deputado federal e vice-prefeito de Porto Alegre.
-Ex- prefeito de Porto Alegre.Candidatou-se ao governo do RGS, tendo perdido em 2º turno.
-Ex-ministro da Educação
- Foi presidente do PT, em substituição a José Genuino, no escândalo do Mensalão e espréstimos do PT.

Táticas criminosas

Os sem-terra em Genebra

ESTADÂO.COM.BR

"Se o governo não nos ouvir, vamos usar nossas táticas, que todos conhecem."

Há um equívoco nessa frase do coordenador nacional de Política Agrícola da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf), Gilmar Pastorio, um dos seis representantes de "movimentos sociais" do setor rural que foram a Genebra acompanhar as negociações da Rodada Doha. O erro está na condicional "se o governo não nos ouvir", pois, mesmo que o governo as ouça - como tem feito invariavelmente -, essas entidades assemelhadas ao MST continuarão a usar, à exaustão, as táticas que todos conhecemos muito bem.

E que táticas são essas? São o desrespeito sistemático à lei: o esbulho possessório, a depredação de sedes de fazendas produtivas, a matança de animais, a destruição de material de pesquisa, a colocação de funcionários em cárcere privado, a ocupação de prédios públicos ou de empresas privadas, o bloqueio de rodovias e ferrovias, os saques e vandalismos praticados contra cabines de pedágio e um sem-número de formas de manifestação de violência, contra pessoas e patrimônios. Essa é a substância real desses movimentos.

A declaração do militante da Fetraf teve como pretexto a eventual aceitação, por parte da diplomacia brasileira, de algum acordo no âmbito da OMC sobre a liberalização do comércio agrícola. Entre outros assuntos, discute-se lá a redução das barreiras e subsídios concedidos a produtos agrícolas pelos países ricos - uma forma de protecionismo que tanto prejudica os países em desenvolvimento. Mas a fala do sr. Pastorio em Genebra se aplicaria a qualquer outro assunto. "Estamos aqui para atrapalhar e evitar a qualquer custo que haja um acordo." É que esses chamados "movimentos sociais" são visceralmente arredios a acordos, pois é do confronto que eles obtêm dividendos políticos, seja aparecendo na mídia, seja levando o governo às cordas.

O governo afirma de pés juntos que aumentou muito o número de assentados e realizou melhorias substanciais nos programas de crédito destinados a eles, construção de moradias e assistência técnica, dentro de seu plano de reforma agrária.
Além disso, nunca antes, na História deste país, um presidente da República havia recebido em seu gabinete a diretoria de uma entidade fora da lei, como fez o presidente Lula, que chegou a colocar na cabeça o boné da entidade ilegal. Mas para o MST nada disso vale, pois "as políticas do governo nessa área são tímidas e ineficientes".

Agora, com as novas ameaças que faz, em razão do acordo que possa surgir na Rodada Doha, o MST e bandos coligados aspiram conquistar o status de grupos de pressão internacionais.
Os bonés e bandeiras vermelhas da entidade ainda não apareceram nas sessões plenárias da ONU. Mas esses símbolos certamente serão desfraldados quando o MST cumprir a promessa de levar à Comissão de Direitos Humanos da OEA denúncias sobre as ações iniciadas contra ele pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul. Até agora impunes por todas as violências que praticaram, os militantes emessetistas classificam como intolerável "criminalização" a cobrança enérgica, que faz o Ministério Público gaúcho, de que sejam punidos os que cometeram o que a legislação define como crime.

Agora,
poderão acrescentar à lista a denúncia mais bombástica contra a Justiça Federal de Marabá, no Pará, que, não podendo condenar o MST a pagar uma alta indenização à mineradora Vale, por descumprir decisão judicial que proibira a interdição da ferrovia de Carajás, pelo simples motivo de o MST "não existir" legalmente, encontrou uma forma de não deixar esse "movimento social" sem punição: condenou três de seus líderes, na região, a pagar multa de R$ 5,2 milhões, dentro de 15 dias. O MST havia fechado a linha férrea por duas vezes, no decorrer de 2007, impedindo o transporte do minério de ferro do Pará até o Porto de Itaqui, no Maranhão. Certamente os líderes condenados - Luis Salomé de França, Eurival Carvalho Martins e Raimundo Benigno Moreira - não terão patrimônio suficiente para arcar com essa indenização. Mas a decisão judicial é uma boa advertência aos líderes emessetistas - de que suas atitudes ilegais porão em risco, inclusive, o patrimônio que tiverem.

Chanceler de ficção: AMORIM Chanceler de fato: Marco TOP TOP Garcia

O desastre Amorim

"Considero o ato do seu protegido como de alta traição" do general Ludwig, ministro da Educação e Cultura, para o chefe da Casa Civil do governo Figueiredo, general Golbery do "Colt" e Silva, antes de demitir Celso Amorim da Embrafilme.

Como escrevi em algum lugar, Celso Amorim, o antigo Celsinho da Embrafilme, é o diplomata de "carrière" que o Brasil teria obrigação de desterrar, mas que nenhum país democrático do mundo desejaria receber. Amorim, como se sabe, é um desastre diplomático: por onde passa deixa a marca letal da incompetência, má-fé e arrogância. O seu (dele, lá) mentor intelectual - com o qual se envolveu como assistente de direção nos tempos do Cinema Novo - foi o cineasta comunista Leon Hirszchman, introdutor do leninesco "centralismo democrático" nas relações político-institucionais do cinema brasileiro.

Nomeado ministro das Relações Exteriores pelo aéreo Itamar Franco, Celsinho, digo, Amorim, viu-se às voltas em 1993 com a ação terrorista da Farc, que fez explodir 200 quilos de dinamite (pura) na embaixada do Brasil em Bogotá, num atentado no qual morreram 43 colombianos e saíram feridas cerca de 350 pessoas, entre as quais oito funcionários e diplomatas lotados na nossa representação. Mesmo assim, instado a responder em data recente se considerava a guerrilha colombiana uma organização terrorista, o vosso chanceler tergiversou do seguinte modo: "O Brasil não faz classificação de quais organizações são terroristas e, por isso, não iria discutir se as Farc entram ou não nesta categoria".

A posteriori, durante o primeiro mandado do sindicalista Lula, sempre dando a entender aos Estados Unidos que laborava em favor da criação da Alca, a Área de Livre Comércio das Américas, segundo ele num "formato à la carte", o ministro do Itamaraty Vermelho passou a sabotar as negociações que nos abriria mercado de mais de 800 milhões de pessoas. E para sepultar de vez a perspectiva de uma zona de livre comércio, depois de procrastinar o quanto possível acordo que nos levaria a participar de um PIB (Produto Interno Bruto) continental na ordem de US$ 12 trilhões, o chanceler de Lula, no seu antiamericanismo doentio, deixou que um funcionário do MRE associasse a Alca ao fulgor de uma "odalisca de cabaré barato".

Agora, em Genebra, mais insolente do que nunca, o desastrado diplomata, no afã de sair-se como líder voluntarioso do emergente G-20, procurou detonar no âmbito da OMC (Organização Mundial do Comércio) a chamada Rodada Doha, que se arrasta há sete longos anos e que tem por objetivo estabelecer negociações multilaterais entre países ricos e pobres (cujos governos estão ficando mais ricos do que os dos países ricos), a partir da eliminação de subsídios e barreiras que dificultam o livro trânsito das commodities agrícolas, serviços e produtos industrializados.

Ligado o dispositivo totalitário, Amorim de saída acusou os países ricos de adotarem na Rodada uma estratégia nazista na condução das negociações, que incorporaria a máxima de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler, segundo a qual "uma mentira muitas vezes repetida torna-se verdade". A coisa pegou mal, na mesa em que a presença de vítimas do nazismo é bem nítida. Na ordem prática das coisas, no entanto, o chanceler de Lula diz que os países desenvolvidos protelam a redução dos seus subsídios agropecuários - o que impediria as nações emergentes de comercializarem seus produtos agrícolas.

Os países desenvolvidos, por sua vez, ao anunciarem cortes de subsídios na área da agricultura, acusam os países membros do G-20, dos quais Amorim é uma das lideranças, de não promoverem, em reciprocidade, a respectiva abertura nas áreas industriais e de serviços. Mesmo levando em consideração que a Rodada não é apenas sobre agricultura, Amorim atravanca as negociações, "fincando o pé" na velha posição de que só cortando mais subsídio na área agrícola poderia aventar alguma coisa no terreno industrial, numa manobra onde o saldo de confiança é zero. Agora me digam:
quem diabo topa, numa Rodada de hienas, fazer negócio assim?

Ao citar a máxima de Goebbels sobre a mentira, o ministro do Itamaraty Vermelho esqueceu de mencionar a recomendação do estrategista Lenin, segunda a qual, instalado o quadro de conflito, o comunista deve "acusar o outro do crime que ele mesmo comete ou pensa". Com efeito, para aplicar o golpe sobre o Governo Provisório de Kerensky e dos ex-aliados mencheviques, na Rússia de 1917, o mentor da sangrenta revolução aconselhava aos súditos a adoção sem limites da mentira como arma, imputando aos adversários as tramas criminosas que praticava.

De fato, para chegar à vitória dos seus objetivos, Lenin era capaz de empreender qualquer tipo de trapaça, tais como calúnias, fraudes, delações, atentados, chantagens, aliciamentos e falsificação de documentos. Marxista de carteirinha, ele acreditava, como de resto todo comunista, que em nome do porvir revolucionário o militante pode cometer todos os crimes possíveis, tendo como álibi a mentirosa verdade (utópica) revolucionária.

Para estudiosos isentos da história moderna, não há mais dúvida: a única diferença entre os objetivos do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nazi) e dos diversos partidos comunistas é que o primeiro prega a implantação do socialismo nos limites nacionais e o segundo o quer estabelecido internacionalmente. Para dominar a propriedade privada e o controle dos meios de produção, os nazistas fizeram do judeu (na Alemanha) o bode expiatório, enquanto os comunistas apontam os "burgueses capitalistas" como alvo de suas inculpações. O próprio Hitler, quando entre pares,
costumava revelar que aprenderá muito, para atingir o poder, lendo Marx e observando Lenin e Mussolini.

Quanto à Rodada Doha, que se encerrou ontem, decerto que ela, em essência, foi inútil. Pois para o Itamaraty Vermelho a pendenga não é de caráter comercial, mas, sim, ideológica. E aí vale tudo, inclusive o uso da mentira revolucionária.

Nem um delegado da Polícia Federal obedece ao senhor Lula

Tarso e Vanucchi defendem punição a torturadores do período da ditadura

RENATA GIRALDI
da Folha Online,
O ministro Tarso Genro (Justiça) e o ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vanucchi, defenderam nesta quinta-feira a punição aos torturadores do período militar. Para ambos, as discussões devem ser realizadas sob as óticas jurídica e política. Tarso e Vanucchi classificaram os crimes cometidos na época da ditadura como comuns, uma vez que envolveram torturas, estupros e demais tipos de violência física e psicológica.
"É uma análise que deve ser baseada em uma visão universal: que é do extravasamento do mandato dado pelo Estado e a responsabilização do agente que extravasa esse mandato e comete tortura", disse Tarso, que participou de uma audiência pública promovida pelo Ministério da Justiça e pela Comissão de Anistia para discutir o assunto.
O debate sobre eventuais punições aos torturadores do período militar provocou uma série de polêmicas colocando em lados opostos os militares e os defensores da proposta. Para evitar o agravamento do mal-estar, o governo federal defendeu, por meio da Comissão de Anistia, a realização de audiências públicas com especialistas para tratar do assunto.
Na abertura do seminário, Tarso apelou para que a sociedade não se deixe levar por debates que ele considera infundados, que estimulariam as divergências. "Não nos importemos com visões que andam circulando em blogs ou que tentam aterrorizar a sociedade brasileira para que não faça essa discussão."
Em seguida, o ministro afirmou: "Essa é uma discussão de fundo, da democracia, é uma discussão de fundo sobre todos. É uma discussão sobre as instituições da república, portanto, uma discussão sobre o nosso futuro".

Impasse

Na tentativa de encerrar o impasse e buscar consenso, Vanucchi afirmou que a discussão sobre a possível punição aos torturadores não envolve exclusivamente militares, mas todos os que violaram os direitos humanos na época da ditadura. Diplomaticamente, o secretário disse que indivíduos militares não devem ser tomados como uma representação das Forças Armadas como um todo.

Vanucchi lembrou episódios recentes, como o que envolveu os três jovens mortos no morro da Providência (no centro do Rio de Janeiro), depois de serem entregues por um grupo de militares do Exército a traficantes da favela vizinha, e o do assassinato do menino João Roberto, que envolveu supostamente um policial militar, também no Rio de Janeiro.
"É preciso que a gente deixe de colocar que não pode pesar sobre os ombros de um militar honrado aquilo que o tenente Vinícius fez no morro da Providência", disse o secretário, referindo-se ao oficial que chefiou a operação no morro carioca. "É preciso separar, não apenas de revanchismos, mas de ação de direitos humanos."
Em seguida, Vanucchi disse: "É fundamental evitar falácias, muitas vezes presentes, de que ao fazer a responsabilização [defender a punição de torturadores] judicial ou política dos criminosos estejam atacando as Forças Armadas. Estamos defendendo as Forças Armadas porque elas não pertencem ao general-chefe, mas a nós a cada cidadão e cidadã brasileira, que tem orgulho das Forças Armadas".

Judiciário

O presidente da comissão, Paulo Abrão, afirmou nesta quinta-feira que os debates servirão para definir posições, mas que a última palavra caberá ao Judiciário. Abrão disse ainda que o fato de o Estado pagar indenizações e reconhecer as vítimas não significa que deve haver responsabilização dos culpados.

"Cabe promover um processo de reparação que não concorre com o processo de responsabilização", disse Abrão. Segundo ele, é necessário desfazer "falácias" sobre o tema, como as posições que afirmam que o assunto é "um tema do passado" e debater a questão seria "ruim para democracia".

Como definição de período, para a análise de casos, a Comissão de Anistia considera a fase de 1964 a 1985.

[os componentes desse circo que está montado para REVOGAR a Lei da Anistia devem ter em conta que antes da pretensão de sentar os BRASILEIROS DO BEM - que com risco da própria vida impediram que maus brasileiros, muitos hoje participando do (des)governo e mesmo do circo, transformassem o Brasil em um satélite da URSS – no banco dos réus para responder sobre hipotéticos crimes cometidos no cumprimento do dever é necessário que a JUSTIÇA se pronuncie.

E se tal pronunciamento for favorável a que os militares sejam julgados, pode ser considerado como a revogação, pelo PODER JUDICIÁRIO, da Lei da Anistia e com isso o imediato recolhimento de TODOS que foram condenados por crimes contra a SEGURANÇA NACIONAL para o cumprimento integral da sentença, incluindo os que foram condenados à pena de morte.

O secretário Vanucchi busca confundir quando mistura a possibilidade de julgamento de militares acusados da prática de supostos crimes com o caso do tenente que entregou três desordeiros aos traficantes do morro da Mineira – traficantes que continuam soltos.

Também seria cômico, se os verdadeiros objetivos não fossem nojentos, o ato daquele secretário em pretender a colocação no mesmo rol dos PMs que assassinaram o garoto João].

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Farc estão infiltradas na alta esfera do Brasil, segundo revista colombiana
Agência EFE
A presença das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Brasil "chegou até as mais altas esferas" do Governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao PT, aos líderes políticos brasileiros e ao Poder Judiciário, publicou hoje a revista colombiana "Cambio".

A conclusão foi tirada de supostos e-mails encontrados no computador do ex-porta-voz internacional das Farc "Raúl Reyes", afirma a última edição da revista, que entrou em circulação hoje.

O Governo colombiano, no entanto, "usou seletivamente os arquivos do computador de 'Raúl Reyes'".

A publicação acrescenta que com "Equador e Venezuela, (os arquivos) foram usados para colocar em contradição (o presidente venezuelano Hugo) Chávez e (o presidente equatoriano Rafael) Correa, hostis a (o chefe de Estado colombiano Álvaro) Uribe".

Com o Brasil,
"a articulação foi feita embaixo da mesa para não comprometer Lula, que se mostrou mais hábil e menos combativo com a Colômbia",
destacou a revista "Cambio".

Nos e-mails de "Reyes" - cujo nome verdadeiro era Luis Edgar Devia e que foi morto por tropas colombianas em solo equatoriano em primeiro de março - são mencionados "cinco ministros, um procurador-geral, um assessor especial da Presidência, um vice-ministro, cinco deputados, um vereador e um juiz superior" brasileiros, acrescentou a revista.

Algumas mensagens foram escritas durante o processo de paz da Colômbia entre 1998 e 2002 em San Vicente del Caguán, durante o Governo do então presidente colombiano Andrés Pastrana,
"e envolvem um prestigioso juiz e um alto ex-oficial das Forças Armadas brasileiras".

A mesma reportagem diz que
"a expansão das Farc na América Latina não incluiu apenas funcionários dos Governos de Venezuela e Equador, mas também comprometeu importantes dirigentes, políticos e altos membros do PT".

A "Cambio"
cita o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, o ex-ministro de Ciência e Tecnologia Roberto Amaral, a deputada distrital Erika Kokay e o chefe de Gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho.

Também são
mencionados nesses e-mails o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, o assessor especial de Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, o subsecretário de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Perly Cipriano, o secretário de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, e o assessor presidencial Selvino Heck.

A "Cambio" disse que teve acesso aos 85 e-mails de "Reyes" entre fevereiro de 1999 e fevereiro de 2008 enviados e respondidos pelo líder máximo das Farc, "Manuel Marulanda" ou "Tirofijo", cujo nome verdadeiro era Pedro Antonio Marín e que morreu este ano.

Ainda segundo a "Cambio", há mensagens de "Reyes" para o chefe militar das Farc, "Mono Jojoy" - cujo nome verdadeiro é Jorge Briceño -, e para Francisco Antonio Cadena Collazos - conhecido como padre Olivério Medina e "Cura Camilo" e que atua como delegado das Farc no Brasil - e de todos eles com dois homens identificados como "Hermes" e "José Luis".

"Cura Camilo", preso em São Paulo em agosto de 2005, vivia no Brasil há oito anos e foi beneficiado com uma proteção especial por ser casado com uma brasileira.

Em 2006, o Comitê Nacional para Refugiados (Conare) concedeu a "Cura Camilo" o status de refugiado, decisão que pesou bastante para o Supremo Tribunal Federal (STF) negar seu pedido de extradição para a Colômbia.

"Cura Camilo" foi "chefe de imprensa" da guerrilha colombiana no início dos frustrados diálogos de paz em San Vicente del Caguán.

O chamado
"dossiê brasileiro" diz que estas mensagens "revelam a importância do Brasil na agenda externa das Farc (...) para dar suporte à estratégia continental da guerrilha".

As Farc, acrescenta a "Cambio",
aproveitaram "a conjuntura criada pela chegada de Lula e do influente PT ao poder para chegar até as mais altas esferas do Governo".

A "Cambio" também disse que, "apesar de os e-mails serem apenas indícios de um possível comprometimento do Governo Lula com as Farc - pois nenhum dos funcionários enviou mensagens pessoais a algum dos membros do grupo guerrilheiro
- despertam muitas dúvidas que exigem uma resposta do Governo" brasileiro.

Em depoimento à Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados em abril, Garcia disse repudiar os métodos usados pelas Farc, como seqüestros, ataques terroristas e uso de dinheiro do narcotráfico.

Naquela oportunidade, Garcia afirmou que o Brasil tem que assumir uma posição de não interferir no conflito colombiano, mas que também não pode ficar indiferente.

Recentemente, Garcia classificou como "irrelevantes" as mensagens encontradas no computador periciado pelo Governo colombiano.

Consultada pela Agência Efe, a assessoria da imprensa da Presidência da República disse que desconhecia o conteúdo da matéria da "Cambio".
[Lula já sabemos que vai dizer que nada sabia; quanto a resposta da assessoria de imprensa da presidência da República é só lembrar que tal assessoria é subordinada ao ex-guerrilheiro Franklin Martins].
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Responsabilização de crimes da ditadura não é provocação às Forças Armadas, diz ministro da Justiça

Cláudia Andrade

O ministro da Justiça, Tarso Genro, ressaltou nesta quinta-feira (31) a importância do debate sobre a responsabilização de crimes cometidos durante a ditadura e disse que a discussão passa por uma visão democrática e não é "provocação ou revanchismo às Forças Armadas".

"Não são as Forças Armadas que estão em jogo. Estamos discutindo a atitude do agente público nessa questão",
falou na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

Genro comparou o caso brasileiro com a forma como foi tratado o Apartheid na África do Sul, onde foi instituída uma Comissão da Verdade e Conciliação. "Na África do Sul, as pessoas que torturaram e mataram deveriam declarar a verdade sobre o seu comportamento durante o regime para serem anistiadas. Se expuseram publicamente. No Brasil, não houve uma ruptura, nem sequer negociada. Houve uma transição conservadora em direção a democracia", disse.

Já o secretário especial de Direitos Humanos, Paulo Vanucchi, foi bem mais incisivo ao falar do envolvimento dos militares na discussão. "Temos que evitar a falácia de que ao fazer esse debate estamos atacando as Forças Armadas. Na verdade, estamos defendendo as Forças Armadas, porque elas não pertencem ao general-chefe ou ao brigadeiro. Elas pertencem a nós", afirmou, estendendo a análise aos casos recentes com envolvimento de militares e policiais: "Não pode pesar sobre os ombros de um militar honrado aquilo que o tenente Vinícius [Ghidetti] fez no morro da Providência. Não pode pesar sobre a Polícia Militar aquilo que o assassino do menino João Roberto fez no Rio de Janeiro".

Ele também defendeu a abertura dos arquivos da ditadura e a busca pelos desaparecidos políticos. "A idéia de responsabilização política passa pelo reconhecimento da legitimidade da exigência de abertura de todas as informações e a localização dos restos mortais de cerca de 140 brasileiros cujas famílias não tiveram oportunidade de encerrar um ciclo simbólico da vida", declarou.

Ação civil em São Paulo
O Ministério Público Federal de São Paulo já tem desde maio uma ação civil contra os coronéis Carlos Alberto Brilhante Ulstra e Aldir dos Santos Maciel, comandantes do DOI/CODI (Departamento de Operações de Informações/Centro de Operações de Defesa Interna) no Estado.

Os dois militares estão sendo acionados por crime contra a humanidade.
A ação pede uma indenização de R$ 9 milhões, voltariam aos cofres públicos, e prevê que eles fiquem impossibilitados de ocupar função pública.

"Já pedi para o departamento responsável que adote as mesmas medidas no plano penal", afirmou Eugênia Fávero, procuradora pública federal, autora da ação. Segundo ela, os crimes que podem incidir sobre torturadores são "seqüestro, no caso de quem nunca teve o corpo encontrado, falsidade ideológica, no caso de corpos identificados com outros nomes, homicídio, quando o corpo foi encontrado, lesão corporal, estupro e até mesmo formação de quadrilha para realizar essas ações".

Eugênia considera que esses crimes não prescreveram por serem considerados uma "ofensa a humanidade". "Nesse caso não é necessário um genocídio para caracterizar ofensa a humanidade. Basta uma perseguição sistemática. E esse tipo de crime não prescreve", explicou.

O advogado e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Thiago Bottino do Amaral, no entanto,
defende que os crimes prescrevem quando completaram 20 anos. Ele é a favor de uma punição não necessariamente criminal. "Podemos punir administrativamente, porque o mais importante é o resgate histórico do Brasil, onde o direito a verdade é infinitamente mais importante que a criminalização", falou.

[pergunta a digna procuradora Eugênia Fávero: se seqüestro é crime que pode ser imputado aos militares que combateram os terroristas e guerrilheiros, então o cometido pelo atual ministro Franklin Martins também deve leva-lo ao banco dos réus – aliás, há um precedente no Direito Internacional pois aquele seqüestrador, e seus cúmplices, não podem pisar em solo dos EUA;

se a senhora acusa os militares que combateram os maus brasileiros de formação de quadrilha e quer julga-los por tal crime, o já citado ministro também cometeu o delito de formação de quadrilha e deve ser preso e processado;

o mesmo principio vale para a mãezona do PACo, que também cometeu os crimes de formação de quadrilha, roubo qualificado;

se os militares que no estrito cumprimento do dever de defender o Brasil da covardia de maus brasileiros que desejavam que nosso País se transformasse em uma Cuba, tiveram que matar alguns desses elementos – na maior parte das vezes para não serem mortos – devem ser, sob sua ótica muito peculiar, senhora procuradora julgados, então o assassino Diógenes do PT, autor de vários homicídios deve ser preso, julgado e condenado; o Theodomiro Romeiro, hoje Juiz trabalhista em PE, que assassinou o sargento Xavier, da FAB, deve ser preso e executado – já que foi condenado no devido processo legal à pena de morte].

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Desafio sem resposta

Jarbas Passarinho

Governador, ministro de Estado e senador

O delegado da Polícia Federal, querendo ou não, criou um problema mal resolvido que tem várias facetas obnubiladas. A Polícia Federal, ao que tudo indica, tem alas independentes que se hostilizam dentro do órgão. Em documento devidamente encaminhado à Procuradoria Geral da República, o delegado Protógenes denuncia obstrução da apuração. Noutro, informa que seus subordinados, que o acompanhavam na investigação do affair Daniel Dantas, foram seguidos e espionados.

É normal que o diretor-geral da Polícia Federal exigisse de Protógenes a informação dos nomes dos alvos da investigação, um dia antes da realização da operação, com a ameaça de retirar-lhe todos os meios e afastá-lo se não obedecido? Corro o risco de julgar errado se a pressão para saber os nomes dos que seriam presos espetacularmente no dia seguinte seria curiosidade profissional apenas, ou dever não observado pelo delegado? Seria por falta dessa natureza que levou o seu chefe a considerá-lo insubordinado?

Não conheço o dr. Teixeira e não posso fazer julgamento de suas intenções em cobrar do subordinado, em termos ásperos e embutidos em ameaça de interromper a operação. Não aprecio invadir o campo vasto da leviandade. Outra vertente nublada é o Ministério Público, que está empenhado em esclarecer a possível sabotagem ao trabalho do delegado Protógenes, sonegando-lhe meios, prontamente dados assim que ele deixou a chefia da operação. Também quer saber como se deu o suposto vazamento dos dados sigilosos da operação. E o autor.

O delegado Protógenes, por seu turno, não inventa metodologia de trabalho, quando chama a televisão para documentar as prisões, já que essa tem sido a forma pela qual vem procedendo a Polícia Federal. O presidente da República, que certamente tem muito melhores e abundantes informações, não gosta do que ele chama de pirotecnia, das operações casadas com os holofotes das televisões. Isso foi considerado uma das provas da indisciplina do delegado demitido. Demitido, escrevi eu?

Não foi o que informou a nota oficial dos superiores do delegado. Exaltado, disse o mesmo, ante as câmaras de TV, o presidente Lula. Entre irado e desafiador, afirmou que o delegado Protógenes deixou a função porque pediu para deixar. Desafiou-o a dizer o contrário, desafio que ficou sem resposta. Houve reunião inusitada, por várias horas, com o desafiado e seus superiores hierárquicos imediatos, do que resultou um resumo de três minutos como informação ao público. Pois o delegado, no dia seguinte, reafirmava ter sido dispensado da investigação.

Não chego a afirmar, como o fez um grande jornal, que o desafio do presidente foi uma farsa. Eu, chamar o presidente de farsante? Nunca praticaria tal ignomínia, mas se meus ouvidos ainda me permitem ser ouvido, como atesta meu último mapa audiométrico, digo que ouvi o presidente dizer, com ênfase de quem está tomado do que Bobbio chamava de santa indignação, que o delegado Protógenes deveria continuar na missão. Ora, indisciplinados, os superiores do delegado já o haviam substituído na Operação Satiagraha (Ah! Louvores à erudição da PF).

Protógenes, que vai ilustrar-se no curso que lhe falta para alcançar o mais alto posto na corporação, se ainda pretendia envolver Luiz Greenhalgh e o filósofo Mangabeira Unger, a sua substituição o terá frustrado. O advogado, referência da esquerda petista, começou a aumentar seus bens defendendo presos de motivação político-ideológica e polpudas indenizações a outros heróis. Dedica-se, agora, a missões mais tranqüilas e mais rendosas: aluga seu prestígio para manter contato com poderosos ocupantes de gabinetes do Executivo. Simples e afetuosas conversas podem ser-lhe bem mais úteis nos tempos de ouro atuais que nos de chumbo, perigosos, do passado recente.

O filósofo, apurou Protógenes, advogou para a Brasil Telecom, da rede Dantas, por módicos US$ 2 milhões e, agora, manteria patriótica ligação pessoal para desenvolver a Amazônia. Por meio do lobista que o declarou, indica projetos para Dantas. Mangabeira, genial estrategista do aqueduto Amazônia/Nordeste, com que acabará as secas imemoriais que infernizam os nordestinos, diz que o delegado não tem disso senão ilações. Quer provas do que o lobista de Dantas chama de “a turma do Mangabeira”.

Ilações são um perigo. Por elas César repudiou Pompéia, inocente. Ademais, as provas materiais são de difícil obtenção. Até a confissão do réu, o seu advogado manda que, diante do juiz, diga que a fez submetido a tortura. Não é à toa que juízes se sentem obrigados a absolver o criminoso por falta de provas. E eles podem, depois, vir a pertencer a um governo honrado.

Pesquisa personalizada