Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Ministros militares enquadram Lula, Tarso e os demais revanchistas

Lula recua e finalmente as Legiões se impõem
Decreto que cria Programa Nacional de Direitos Humanos abre crise entre ministros

O decreto assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada criando o Programa Nacional de Direitos Humanos provocou uma crise no governo e levou o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e os três comandantes militares a entregar uma carta de demissão ao presidente. Os militares ficaram irritados com o trecho do programa que prevê a investigação dos atos cometidos por agentes do Estado durante a ditadura e abre espaço para revisão da Lei de Anistia, que pode levar à condenação de oficiais daquela época.

Lula não aceitou o pedido de demissão, argumentou que não tinha conhecimento do completo teor do programa e prometeu rever a parte do decreto que gerou o descontentamento.[como sempre o "Nosso guia" nunca sabe de nada.]

Lula ainda prometeu adiar o envio ao Congresso do projeto que cria a comissão encarregada de fazer as investigações sobre abusos durante a ditadura.

Jobim reuniu-se com Lula na Base Aérea de Brasília na terça-feira passada, um dia após o presidente lançar o plano. No encontro, não apenas manifestou a insatisfação da caserna como entregou a carta de renúncia coletiva. Antes de reunir-se com Lula, Jobim esteve com os comandantes Enzo Peri (Exército) e Juniti Saito (Aeronáutica). O comandante da Marinha, o almirante Júlio Moura Neto, não estava na cidade, mas apoiou a iniciativa.

Com a garantia de Lula de que o texto seria alterado, Jobim, no dia seguinte, seguiu para o Rio, onde reuniu-se com o Alto Comando. O ministro transmitiu a promessa de Lula aos generais, que, assim como os três comandantes, ficaram satisfeitos com as explicações e deram o assunto como encerrado.

Criação da Comissão de Verdade irritou militares

Duas diretrizes do programa irritaram profundamente os militares: a criação da Comissão Nacional da Verdade e a possibilidade da revisão da Lei de Anistia. A comissão, cuja criação depende de aprovação do Congresso Nacional, terá amplos poderes para investigar fatos ocorridos na ditadura e colaborar com a Justiça para auxiliar na apuração de supostos crimes. O projeto deverá ser encaminhado ao Congresso até abril de 2010, mas Lula prometeu aos militares suspender o envio da proposta.

Os militares também argumentaram que o texto trata com desigualdade os dois lados e não prevê qualquer punição ou apuração dos atos cometidos por guerrilheiros e ativistas políticos contra agentes do Estado.

Jungmann: episódio fortalece Nelson Jobim

No capítulo que trata do "Direito à memória e à verdade", o programa diz que o Brasil ainda processa com dificuldade o resgate sobre o que ocorreu com as vítimas da repressão. "A investigação do passado é fundamental para a construção da cidadania. Estudar o passado, resgatar sua verdade e trazer à tona seus acontecimentos caracterizam uma forma de transmissão de experiência histórica que é essencial para a constituição da memória individual e coletiva".

O documento lembra que tramita no STF uma ação que contesta a interpretação de que a Lei de Anistia não permite a punição de militares que atuaram na repressão. "A ação solicita um posicionamento formal para saber se, em 1979, houve ou não anistia dos agentes públicos responsáveis pela prática de tortura, homicídio, desaparecimento forçado, abuso de autoridade, lesões corporais e estupro contra opositores políticos".

Se confirmada a decisão de Lula em rever o decreto, o ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, sai enfraquecido.[o aloprado do Vanucchi tem que sair é do governo, melhor ainda do Brasil.... que vá para Cuba.] Ele é o mentor e coordenador do programa, que reúne centenas de ações em várias áreas, como segurança pública e educação. Vannuchi foi procurado pelo GLOBO, mas não retornou às ligações. Em entrevista à Agência Brasil, estatal, no lançamento do programa, Vannuchi disse que o debate sobre esclarecimentos do que ocorreu na ditadura avançou no governo Lula e citou a discussão sobre limites e impunidades de torturadores.

- Uma interpretação correta da Lei de Anistia de 1979, não o senso comum que foi forjado e que tenta ser imposto até hoje - disse Vannuchi à Agência Brasil.

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE), presidente da Frente Parlamentar de Defesa Nacional, disse que o episódio fortalece Jobim.

- Ele chamou para si a crise e fez prevalecer sua autoridade - disse Jungmann.

Jobim, procurado nesta terça-feira, não quis se manifestar. O coronel da reserva João Batista Fagundes, representante das Forças Armadas na Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, afirmou que não existem arquivos que possam trazer novas revelações sobre o período da ditadura.

- Sou testemunha que, por parte do Comando do Exército, sempre houve a maior boa vontade em trazer esses fatos à tona. Já falei com o general Enzo, que deu ampla carta branca para buscarem essas informações.

domingo, 27 de dezembro de 2009

UM FELIZ 2010


Os editores, leitores e amigos do Blog da UNR desejam um Feliz Ano Novo, um Maravilhoso 2010, repleto de MUITA PAZ, SAÚDE, FELICIDADE, SUCESSO e PROSPERIDADE, com a realização plena de TODOS os nossos desejos.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

FELIZ NATAL

Férias do Blog da UNR

Brasileiros e Brasileiras,


Aos que visitam o Blog da UNR – União Nacional Republicana, comunicamos que apesar do título ‘blog em férias’ na realidade se trata de um breve recesso e no próximo dia 2 o Blog estará no ‘ar’, ocupando seu espaço na Blogosfera.


Entendemos conveniente alguns comentários sobre o que a UNR fez neste ano que está findando e também apresentarmos as razões que levaram à criação da UNR e por extensão a do seu porta-voz: o Blog da UNR. Vale lembrar que o a UNR foi criada em Agosto 2007 e o Blog lançou seu primeiro POST em setembro do mesmo ano.


A União Nacional Republicana – UNR, surgiu em conversas, reais, realizadas por um grupo de amigos, formado por militares e ex-militares, policiais e alguns civis, residentes no Distrito Federal – havendo também a participação de brasileiros e brasileiras residentes em outros estados do Brasil, estes sim, participavam e ainda participam das reuniões mais via internet, embora vez ou outra ocorram encontros com a presença física dos mesmos.


A unir este grupo de amigos, os mais velhos beirando os 70 anos e, felizmente, os mais novos na faixa dos vinte anos, existe o AMOR PELO BRASIL, o REPÚDIO às ESQUERDAS, o NOJO dedicado ao COMUNISMO e a VONTADE de consertar este estado de coisas, esta calamidade que atualmente assola o Brasil.


A maior parte dos integrantes do Grupo são militares, ou ex-militares, sendo que entre os ex-militares nenhum foi expulso, nenhum foi desertor, nenhum foi traidor nos moldes do imundo desertor Carlos Lamarca – cuja família foi devidamente indenizada e pensionada pelo atual governo (governo minúsculo, portanto, grafado em minúsculas mesmo). Os ex-militares que integram a UNR deixaram as Forças Armadas por razões honestas e sempre de livre e espontânea vontade.


O Grupo que foi o embrião da UNR era formado por homens de ação e logo houve a percepção de que além das palavras, das conversas, havia necessidade da prontidão para a ação. Decidiu-se então pela criação de uma sociedade civil sem fins lucrativos, sido escolhido o nome União Nacional Republicana – UNR e cujo primeiro passo seria o de agir, pacificamente enquanto possível, defendendo os superiores interesses do Brasil. Assim, surgiu a UNR que tem entre seus objetivos o de ser o embrião de um partido político da direita.


Não sendo formada por políticos – preferimos outra forma de combate e muitos dos nossos integrantes já combateram com coragem, honestidade e firmeza os porcos terroristas e guerrilheiros que tentaram de 1964 para cá transformar o Brasil em um país satélite da União Soviética – o crescimento político ainda não se efetivou.


Todos perceberam que o (des)governo atual, que tanto mal faz ao Brasil, sendo um legítimo representante das esquerdas, inclusive tendo entre seus membros muitos ex-terroristas e ex-guerrilheiros, envidava todos os esforços para ‘vender’ aos brasileiros e brasileiras, especialmente os nascidos de 1970 para cá a imagem falsa, mentirosa, de que a esquerda é o BEM e que os terroristas e guerrilheiros que explodiram quartéis, assaltaram bancos, assassinaram policiais e civis inocentes, eram jovens idealistas, democráticos e que buscavam o melhor para o Brasil.


Tentava o (des)governo na execução dos seus planos mentirosos passar a imagem falsa e mentirosa que os militares das Forças Armadas e Auxiliares, assim como os policiais civis e outros que combateram os terroristas e guerrilheiros, eram, na imagem vendida pela esquerda, os bandidos, os facínoras – na realidade a propaganda esquerdista (tanto a de autoria do (des)governo quanto a feita por setores esquerdistas e comunistas) buscou transformar, felizmente sem o êxito pretendido, os que defenderam o Brasil, dentro da Lei e da Ordem e nos estrito cumprimento do DEVER LEGAL, exatamente no que os esquerdistas eram quando de forma covarde e abjeta assaltavam, matavam, explodiam.


Então a UNR decidiu como primeira e imediata providência – outras ações da UNR ocorreram e continuarão a ocorrer se e quando necessário se tornar - contar a VERDADEIRA HISTÓRIA do glorioso Movimento Revolucionário de 31 de Março e assim desmentir as esquerdas.


Fatos para contar não iriam faltar para a UNR cumprir sua missão primeira, haja vista que a UNR dispõe da 'memória viva' daqueles tempoes, pelo fato de que muitos dos seus membros participaram de forma ativa, presente, do combate aos guerrilheiros e terroristas que traidores pretendiam fazer do Brasil uma Cuba continental.


Aí tornou-se necessário a criação do Blog da UNR. A idéia era contarmos o passado vivido por muitos dos integrantes da UNR.


Só que quando começamos a analisar a situação vimos que as esquerdas, os comunistas e coisas da mesma laia continuam tão atuantes quanto eram no período que pretendíamos passar a limpo ao contar e mostrar que a covardia, a vilania, a traição esteve sempre presente e representada, muito bem representada, pelos que hoje são classificados como ex-terroristas e ex-guerrilheirosnão podendo ser esquecido que muitos deles ocupam cargos importante no governo do senhor Lula e um deles, a ‘stela’, é a escolhida pelo atual presidente para sucede-lo.


Essa constatação fez com que o Blog da UNR fosse forçado a se tornar mais um blog de atualidadessempre denunciando à roubalheira, a corrupção, a confusão feita propositadamente entre o público e o privado praticada pela trupe petista, pela corja esquerdista e comunista, pelo que chamamos de NOMENKLATURA.


Esta situação da esquerda atual continuar tão criminosa quanto a do período do Governo Militar faz com que muitos POSTs publicados no Blog da UNR, sejam transcrições de artigos publicados na Imprensa - incluindo Jornais OnLine, Revistas OnLine e outros Blogs e sites. Optamos pela transcrição da notícia - sempre citando a fonte e indicando, quando possível, o LINK.

Assim procedemos por ter o Blog da UNR o entendimento de ser interessante, útil e oportuno para os nossos visitantes e a Nação brasileira a divulgação da matéria objeto da transcrição e ao publicarmos sob a forma de um POST estamos facilitando sua divulgação e, convenhamos, é bem mais prático, lógico e correto transcrever a notícia (citando os créditos) do que reescreve-la apenas para dar uma nova roupagem na apresentação do mesmo fato.


Atualmente a NOMENKLATURA, tanto sua cúpula quando os seus lacaios, não pegam em armas, mas seu objetivo não é apenas o de transformar o Brasil em uma nova Cuba, agora eles querem é transformar toda a América Latina na sucessora da extinta URSS. Para tanto criaram a tal de UNASUL, que em breve será denominada URSAL = União das Repúblicas Socialistas da América Latina, tudo em um movimento bem orquestrado pelo Foro de São Paulo – FSP, que tem entre seus fundadores o atual presidente do Brasil.


Não se iludam. Agora as esquerdas atuam desarmadas, mas estão armadas e prontas para o embate em toda a América Latina, pois contam além dos círculos bolivarianos, que estão presentes em todos os rincões da América do Sul e Centralcontam também com as FARC, o PCC, o MST e as milícias venezuelanas, todos prontos a sufocar a democracia no momento em que o Foro de São Paulo – FSP, assim determinar.


Por enquanto a UNR está mais ativa no Blog, denunciando, narrando os crimes da esquerda cometidos no passado e no presente, mas estamos prontos para outras ações se e quando forem necessárias e sem cometer os erros cometidos no passado.


2009 não foi um ano maravilhoso para os que querem o Brasil livre da corja comunista, esquerdista, lulista que assalta, trai, humilha e mesmo ridiculariza o Brasil.


Mas vitórias foram obtidas e destacamos:

- o DF e mesmo o Brasil ficarão livres, por no mínimo quatro anos, a contar do inicio de 2011, do corrupto José Roberto Arruda;

- o Brasil também ficará livre do Lula;

o atual presidente, apesar de dizer o contrário, queria o terceiro mandato e para testar a reação dos brasileiro a tão antidemocrática idéia lançou, através dos seus paus mandados, vários balões de ensaio para avaliar a aceitação de um terceiro mandato. Diante da impossibilidade de sua pretensão golpista, escolheu a ex-guerrilheira ‘stela’ – oficialmente Dilma apagão – para sucede-lo.

- com tal escolha Lula nos livrará dos petistas por vários e vários anos, pela simples razão de ninguém transfere votos e a Dilmona não será eleita - a Dilma Roussef é um caso perdido, incurável, de fracasso político e não tem conserto, não tem guru da publicidade que recupere. A Dilma é um caso de fracasso político genético, está no DNA.


E, já que o assunto inicial é FÉRIAS DO BLOG DA UNR com satisfação informamos que em 2009 o Blog da UNR ultrapassou a marca dos 100.000 acessosapesar do Blog ser anterior a 2009 o contador de acessos só foi instalado no inicio do corrente ano e partindo de ZERO ACESSO. Assim, os cem mil acessos ocorreram em 2009.


A UNR não aprova o culto de personalidades e por isso procuramos que ninguém fique sob os holofotes; mas também tem o bom senso de se curvar à máxima : "toda regra tem exceção, a regra que não tem exceção é a exceção da regra". Assim, vamos quebrar uma regra.


Foi decidido, por unanimidade, pela apresentação neste POST de um rápido perfil do Cézar Henrique, um dos idealizadores da UNR e que já foi, no inicio do Blog (agora outros o ajudam) o redator-chefe, o revisor-chefe, o editor-chefe, o digitador-chefe e tudo o mais no Blog – se trocarmos o termo chefe por único a verdade será mantida.


Cézar Henrique é brasileiro, cinqüentão, ex-militar – foi oficial do Exército Brasileiro, infante, concluiu sua formação como cadete na AMAN, no inicio do Governo MÉDICI, serviu como oficial, com dedicação e patriotismo, no Batalhão Marechal Zenóbio da Costa, 1º BPE no Rio de Janeiro - uma das unidades militares, sem desmerecer as demais, mais eficientes no combate aos terroristas e guerrilheiros.

Posteriormente serviu em São Paulo, Brasília, Ceará, Amazonas e deixou o glorioso EB no inicio do Governo COLLOR para cuidar dos negócios da família.


Mesmo sendo bem sucedido empresário é revoltado com as desigualdades sociais que assolam nosso Brasil – ser próspero empresário não é indicativo de ser a favor da miséria, da pobreza.

Defende que devemos ‘ensinar a pescar’, não devemos dar o peixe – o atual governo é contra ‘ensinar a pescar’, pelo simples motivo de que um governo como o lulo-petismo, esta praga que assola o Brasil, se mantém com a miséria, com a distribuição de cestas e bolsas mantendo a dependência dos desavisados.

Quanto mais miseráveis existirem no Brasil mais difícil será a erradicação das esquerdas.


Cézar Henrique, assim como milhões de outros BRASILEIROS do BEM odeia de forma extremada, radical e convicta o comunismo, a esquerda e todas as suas derivações, o lulismo e toda essa corja que atualmente governa o Brasil , com mais intensidade os traidores que foram terroristas e guerrilheiros e hoje ocupam cargos do primeiro escalão no governo federal. Também se arrepende, intensamente, do erro que ele e muitos outros BRASILEIROS do BEM cometeram no passado e que pode ser sintetizado em terem desperdiçado a oportunidade de erradicar de forma cabal e definitiva a esquerda e o comunismo de todo o Brasil e até mesmo da América do Sul.


Infelizmente a oportunidade foi desperdiçada e hoje temos que conviver com a esquerda, com os comunistas. Mas já foram vencidos em 35, em 64 e serão, se necessário for, vencidos mais outra vez e desta vez sem que os anticomunistas cometam os erros do passado.


FELIZ NATAL e um PRÓSPERO 2010 para todos os brasileiros e brasileiras, repleto de muita PAZ, SAÚDE, PROSPERIDADE e FELICIDADE.


São os sinceros e fraternais votos dos Editores do Blog da UNR

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Sean será entregue ao pai biológico.

Sean Goldman deverá ser entregue ao pai biológico

Pai adotivo e familiares do menino desistem de recorrer.

Decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, determinou ontem que Sean Goldman seja entregue por sua família brasileira ao pai biológico David Goldman em um prazo de 48 horas. Gilmar Mendes concluiu que a manutenção do menino no Brasil é irregular e contraria um tratado internacional. Segundo reportagem do Estado, a família de Sean no Brasil poderá recorrer da nova decisão, mas o recurso só poderá ser analisado pelo plenário do Supremo, integrado pelos 11 ministros. Como o tribunal está em recesso e somente voltará a reunir-se no início de fevereiro será muito difícil encontrar uma saída jurídica que impeça a viagem de Sean para os Estados Unidos.

Presidente do STF devolve S. ao pai

Mariângela Gallucci

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, determinou ontem a entrega do menino S., de 9 anos, para o pai, David Goldman, que vive nos Estados Unidos. Mendes restabeleceu decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região que determinou que o garoto fosse levado ao Consulado no Rio e cassou decisão tomada na semana passada pelo colega Marco Aurélio Mello, que ordenava a permanência do menino. Com isso, a partir da comunicação oficial à família, será reaberto o prazo de 48 horas para a entrega do menino ao pai.

S. veio para o Brasil em 2004 com a mãe, a estilista Bruna Bianchi. No Brasil, Bruna resolveu separar-se de David Goldman, não retornou aos EUA e, posteriormente, se casou com o advogado João Paulo Lins e Silva. Em agosto de 2008, Bruna morreu após o parto da segunda filha. De lá para cá, Goldman e Lins e Silva disputam a guarda do menino. Na semana passada, graças ao despacho de Marco Aurélio, a família tinha conseguido suspender a decisão do TRF que determinava a entrega do menino e consequente viagem para os Estados Unidos. Desse despacho recorreram o pai do garoto e a Advocacia Geral da União (AGU).

Gilmar Mendes concluiu que a manutenção do menino no Brasil é irregular e contraria um tratado internacional. "É importante considerar, inclusive, que o acórdão do TRF da 2.ª Região assentou a configuração de retenção ilícita do menor S., nos termos do tratado internacional. A repercussão jurídica, política e social - sobretudo em âmbito internacional - é de extrema gravidade. Assim, não há como se negar a ilicitude da conduta de manutenção da criança no Estado brasileiro".

Mendes ressaltou que a decisão judicial do TRF que determinou a entrega do menino ao pai assegurou um acordo de visitação entre os parentes brasileiros e americanos. Em seu despacho, ele reconheceu que a orientação do STF é no sentido de não ser possível julgar um mandado de segurança (ação movida pelo pai e pela AGU) com o objetivo de contestar um ato do tribunal (a decisão de Marco Aurélio, que determinava a permanência do garoto no Brasil). "No entanto, em hipóteses excepcionais, esta Corte já admitiu a impetração de mandado de segurança contra atos jurisdicionais irrecorríveis e exarados monocraticamente por ministros do STF".

RECURSO
A família materna do garoto S. pode em tese recorrer da decisão do presidente do STF, Gilmar Mendes. Mas um eventual recurso terá de ser analisado pelo plenário do Supremo, integrado pelos 11 ministros. O tribunal está em recesso e somente voltará a reunir-se no início de fevereiro. Como a decisão determina a entrega do garoto num prazo de 48 horas, será muito difícil encontrar agora uma saída jurídica que impeça a viagem dele para os Estados Unidos.

Fonte: O Estadão

Assassinato de governador, cruelmente degolado, Uribe volta a ter como prioridade derrotas as FARC

Após sequestro e assassinato de governador, Uribe diz que derrotará Farc
Após a morte do governador do departamento colombiano de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar, sequestrado e degolado por um grupo armado ontem, o presidente Álvaro Uribe declarou que está determinado a derrotar os terroristas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

Segundo a Folha, o grupo não assumiu a autoria do assassinato, mas as autoridades atribuem o crime às Farc, fortemente atuante em Caquetá. “Em meio à dor, ratifico ante vocês toda a nossa decisão de derrotar os terroristas. De derrotar este flagelo do sequestro”, disse Uribe, em um pronunciamento na noite de ontem na televisão.

[Álvaro Uribe vinha conseguindo substancial vitória na luta contra as FARC, inclusive vários chefões daquela organização narcoguerrilheira e ligada ao Foro de São Paulo – FSP foram presos ou abatidos.

Mas desde a libertação da Ingrid que o Uribe esqueceu os malditos guerrilheiros e passou mais a se preocupar com um terceiro mandato. Voltando a combater com firmeza as FARC com certeza o governo colombiano vencerá.]

Uribe promete derrotar "terroristas" das Farc após morte de governador

O presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, reiterou nesta terça-feira sua "determinação para derrotar os terroristas" das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) após a morte do governador do Departamento (Estado) de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar, sequestrado e degolado por um grupo armado.

As Farc não assumiram a autoria do assassinato, mas as autoridades atribuem o crime ao grupo --maior milícia do país e fortemente atuante em Caquetá.

"Em meio a dor, ratifico ante vocês toda nossa decisão de derrotar os terroristas. De derrotar este flagelo do sequestro", disse Uribe, em um pronunciamento na noite desta terça-feira na televisão.

Uribe falou ainda em "avançar até a derrota definitiva do terrorismo". "Não entendemos que enquanto este grupo terrorista realiza este teatro [prometendo libertar dois militares], que enquanto o governo dá todas as garantias, este grupo das Farc (...) decida assassinar um governador".

O presidente disse que as Forças Armadas têm a missão de derrotar a guerrilha e acabar com os sequestros.
"Precisamos derrotar os sequestradores. Oxalá possamos resgatar os reféns que ainda permanecem" em poder das Farc.

O colombiano, que empreendeu uma grande ofensiva contra as Farc em seu governo, pediu ainda que a comunidade internacional passe a classificar as Farc de "terroristas". "Há quem pretenda dar reconhecimento político aos narcoterroristas das Farc. É bom que a comunidade internacional reflita: estas ações que as Farc fazem, o martírio a que têm submetido os colombianos durante quase 50 anos, só admitem um qualificativo: terroristas".

Morte

Uribe foi quem anunciou a morte de Cuéllar nesta terça-feira, quando completou 69 anos.

"Ainda não temos a hora do assassinato, mas sabemos que foi degolado. Miseravelmente o degolaram", disse Uribe ao lamentar a morte de Cuéllar. "Os altos comandos me explicaram que como havia uma perseguição policial, seguramente os terroristas, para evitar os disparos, degolaram o senhor governador".

Uribe prestou suas condolências à família de Cuéllar, que qualificou de 'homem bondoso, entregue ao trabalho honrado e ao serviço à comunidade'.

Cuéllar, um fazendeiro que completou 69 anos na terça-feira, foi retirado de casa em Florencia - capital de Caquetá - na noite de segunda-feira por um grupo de guerrilheiros. Após queimar o veículo em que era transportado, os sequestradores degolaram o governador.

Mais cedo, a governadora interina de Caquetá, Olga Patricia Vega, informou que ao que tudo indicava, Cuéllar foi executado porque teve dificuldades para caminhar durante a fuga dos sequestradores.

O site do jornal "El Tiempo" havia informado que o corpo de Cuéllar estava "próximo a um veículo incinerado empregado no sequestro", em um local a cerca de 15 km ao sul de Florencia, "com impactos de bala e cercado de explosivos".

De acordo com o noticiário CM, o corpo não pôde ser removido imediatamente pelo Exército por estar preso a vários explosivos, em uma zona minada pelos rebeldes.

Este foi o primeiro sequestro de uma grande autoridade na Colômbia desde a posse de Uribe, em agosto de 2002, quando teve início a política de 'segurança democrática', que privilegia a estratégia militar para combater a guerrilha.

As Farc, com mais de 6.000 combatentes, são a mais antiga guerrilha da Colômbia, com 45 anos de luta armada. A guerrilha mantém 24 militares e policiais reféns, alguns com mais de dez anos de cativeiro, e sua meta é trocá-los por 500 rebeldes presos.

Fonte: Folha OnLine com Agências Internacionais

[Uribe precisa voltar a política anterior de NÃO NEGOCIAR COM AS FARC; se preciso que morram reféns, mas sem negociação, sufocar e destruir as FARC, tem que ser politica de governo na Colombia. Se preciso com incursões nos países vizinhos.
Afinal, as tropas colombianas fizeram aquele passeio no Equador, abateram vários porcos das FARC e não houve nenhuma reação, exceto os uivos do ChaveS e do Correa.]

ONG da Flávia, mulher do Arruda, é a bola da vez

ONG da Flávia, mulher do Arruda, é alvo de busca

Busca feita pela Polícia Federal (PF) apreendeu um computador e diversos documentos no Instituto Fraterna, ONG de Flávia Peres Arruda, mulher do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. A suspeita é de que o instituto estaria envolvido no escândalo do mensalão do DEM.

O escritório político do governador, onde funcionou um de seus comitês na campanha de 2006, também foi alvo de busca e apreensão.

Segundo reportagem da Folha, a nova ação da PF foi baseada nas últimas revelações de Durval Barbosa, ex-assessor de Arruda que denunciou suposto esquema de corrupção no governo do DF.

Ele voltou a prestar depoimento ao Ministério Público no início de dezembro. Reportagem publicada no site de ÉPOCA no dia 7 adiantou que a PF investigava a ONG da mulher de Arruda.


PF faz busca em ONG da mulher de Arruda

A Polícia Federal apreendeu anteontem documentos e um computador na sede do Instituto Fraterna, ONG comandada pela mulher do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (agora sem partido), e que tem entre seus dirigentes a mulher de seu vice-governador, Paulo Octávio (DEM).

A Folha apurou que a PF também cumpriu mandados de busca e apreensão no escritório político do governador, onde funcionou um de seus comitês na campanha de 2006.

A nova ação da PF foi baseada nas últimas revelações de Durval Barbosa, ex-assessor de Arruda que denunciou suposto esquema de corrupção no governo do DF. Ele voltou a prestar depoimento ao Ministério Público no início de dezembro. A assessoria de imprensa da PF confirmou a ação, mas não especificou os endereços. Disse apenas que foram apreendidos computadores e documentos.

A ONG e Arruda são investigados na Operação Caixa de Pandora.

O governador aparece num vídeo recebendo R$ 50 mil de Barbosa --que, até o esquema vir à tona, tinha um cargo chave no governo: secretário de Relações Institucionais.

Na ONG foram apreendidos um computador e documentos. No depoimento, Barbosa disse que "há aproximadamente seis meses o instituto teve algumas despesas pagas com dinheiro arrecadado" do esquema de cobrança de propina.

"O governador Arruda determinou que autorizasse o pagamento de parte das despesas de instalação do instituto com a parte correspondente a 10% da propina que o declarante [Barbosa] arrecadava das empresas de informática", diz o documento ao qual a Folha teve acesso.

Além da mulher de Arruda, Flávia Peres, presidente da ONG, um dos filhos do governador, Marcos Sant'Ana Arruda, aparece como associado ao instituto. Anna Christina Kubitschek Pereira, mulher do vice-governador, é diretora.

Por meio de nota assinada pela "direção do Instituto Fraterna", a ONG considerou "absurda a afirmação de que receberia recursos indevidos" e, sem mencionar Barbosa, afirmou que irá "ajuizar ação judicial contra essas afirmações caluniosas". "O Instituto Fraterna não recebe, e nunca recebeu dinheiro público."

Com relação ao escritório político de Arruda, Barbosa disse que R$ 5 milhões foram desviados da Codeplan, empresa de pesquisa do governo do Distrito Federal, para bancar as despesas com o local na época da campanha. A assessoria do governador disse que não comentaria a ação da PF. A Folha esteve no endereço ontem. Vizinhos disseram que o escritório ainda está funcionando.

Secretaria de Educação

Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Secretaria de Educação, na casa de Gibrail Nahib Gebrim, que comanda a unidade responsável por pagamentos na secretaria. A PF ainda agiu na agência de turismo que seria da mulher de Gebrim.

Barbosa denunciou esquema de corrupção na área que seria operado por Gebrim. No governo de Joaquim Roriz, Gebrim foi investigado pela CPI da Educação e acusado de desviar dinheiro público. A secretária de Educação, Eunice Santos, disse que o servidor foi afastado e que o órgão irá apoiar o trabalho da polícia. Ele não foi localizado pela reportagem.

Na primeira fase da investigação, desencadeada no dia 27 de novembro, foram cumpridos 29 mandados de busca e apreensão em Brasília, Goiânia e Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Federal, nesta ocasião, foram apreendidos durante a operação, cerca de R$ 700 mil, US$ 30 mil e 5 mil euros, além de computadores, mídias e documentos.

A Folha revelou no sábado que parte desse dinheiro foi encontrado pela Polícia Federal num anexo da residência oficial do governador.

O império de Paulo Octávio, o vice do Arruda

O império do vice de Arruda

A incrível trajetória de Paulo Octávio, o empresário investigado pelo Ministério Público que usou suas relações pessoais e políticas para ficar milionário

Três adolescentes que andavam juntos em Brasília nos anos 60 ficaram conhecidos de todo o país pouco mais de duas décadas depois.

Fernando Collor de Mello foi o primeiro presidente eleito depois da ditadura militar e sofreu impeachment pelo Congresso Nacional acusado de corrupção. Luiz Estevão entrou para a história como o primeiro senador cassado pelos colegas, também acusado de corrupção.

Paulo Octávio Pereira, o terceiro da turma, foi parceiro dos outros dois na Operação Uruguai, a farsa montada para tentar salvar Collor, mas que desmoralizou a defesa do então presidente. Atual vice-governador do Distrito Federal, Paulo Octávio tornou-se, até agora, um sobrevivente nesse roteiro. No mundo empresarial, ele criou um verdadeiro império em construção civil, hotelaria e comunicações, com movimento financeiro de bilhões de reais. Tornou-se um dos homens mais ricos de Brasília.

Sua carreira política também é um sucesso: foi deputado federal e senador, antes de chegar ao segundo cargo mais importante do governo local. Agora, porém, seu império poderá ruir. Paulo Octávio é alvo de duas investigações da Polícia Federal, que juntaram provas surpreendentes nas apurações sobre corrupção na capital.

Uma delas é a Operação Caixa de Pandora, que expôs ao país imagens do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, secretários, deputados distritais e empresários pagando ou recebendo dinheiro em espécie. Em alguns vídeos, o personagem é Marcelo Carvalho, principal executivo dos negócios de Paulo Octávio. Ele fala em nome do chefe, negocia valores e faz confidências sobre a prestação de contas. A defesa de Paulo Octávio diz que ele não pode ser acusado, pois não surgiu nenhuma imagem em que ele apareça recebendo dinheiro. Essa versão não resiste a outra apuração da Polícia Federal, a Operação Tucunaré, mantida sob sigilo. De acordo com os investigadores, há vídeos em que Paulo Octávio distribui dinheiro a deputados aliados de Brasília.

A Operação Tucunaré começou na Polícia Civil do DF para investigar lavagem de dinheiro e evasão de divisas por doleiros. Ela foi assumida pela PF em junho deste ano, quando a polícia grampeou uma conversa entre o doleiro Fayed Trabously – personagem citado em escândalos do PMDB e do antigo PFL – e o policial aposentado Marcelo Toledo Watson. Tucunaré é o apelido de Toledo, policial que saiu da ativa, aos 28 anos, depois de ser baleado durante o resgate da filha do senador Luiz Estevão, vítima de um sequestro em 1997.

Toledo é um dos personagens chaves dos escândalos em Brasília. Vídeos gravados pelo delegado Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do governo Arruda, exibem imagens em que Toledo entrega dinheiro a assessores de Arruda. Segundo as investigações, ele cumpria papel de leva e traz entre empresários e políticos. A Operação Tucunaré mostra que Toledo e alguns doleiros eram responsáveis por enviar parte da propina para o exterior.

Com a ajuda dos órgãos federais que rastreiam movimentações financeiras suspeitas, a Polícia Federal investigou como propinas pagas em Brasília foram parar em contas em outros países, atribuídas a Paulo Octávio. Por intermédio de seu advogado, Antônio Carlos Almeida Castro, o Kakay, Paulo Octávio disse que nunca distribuiu dinheiro para deputados. Ele afirma também que não há hipótese de aparecer em gravações com dinheiro e nega ter feito remessas ao exterior por meio de doleiros.

O DONATÁRIO
Paulo Octávio nasceu na classe média, ficou amigo de meninos ricos e se tornou senhor das terras de Brasília

Segundo Durval, Paulo Octávio e Arruda participavam do rateio da propina arrecadada

Durante as investigações, a PF tentou convencer Toledo a virar réu colaborador. Na semana passada, Toledo desistiu de ajudar. Segundo amigos de Durval, Toledo teria exigido – e conseguido – a prorrogação por mais um ano do contrato de uma agência de publicidade da qual seria sócio oculto com a Terracap, a estatal que administra as terras públicas do Distrito Federal. Há suspeitas de irregularidades nas prorrogações anteriores desse mesmo contrato, no valor de R$ 13,5 milhões, sob investigação no Tribunal de Contas do Distrito Federal.

Um pouco do império do Paulo Octávio

As investigações da Caixa de Pandora também avançaram. Na operação de busca e apreensão no escritório de um secretário do governo de Arruda, foi encontrado um caderno com a contabilidade, escrita à mão, relativa a recebimentos e pagamentos. Uma perícia grafotécnica do Instituto de Criminalística da PF atestou que o autor dos registros foi o secretário. Essa informação consta do relatório enviado pela PF na quarta-feira ao Superior Tribunal de Justiça. Ali também ficou atestado que todas as gravações sobre o escândalo de Brasília entregues à polícia são autênticas, sem montagens. “É impressionante. Tudo o que averiguamos do que Durval nos disse está sendo confirmado”, afirmou a ÉPOCA um dos investigadores da Caixa de Pandora.

E o que Durval disse aos investigadores? Em primeiro lugar, que Arruda e Paulo Octávio, depois de acirrada disputa sobre quem seria candidato a governador em 2006, fizeram um acordo que incluía o rateio do dinheiro arrecadado com quem tem negócio com o governo do Distrito Federal. De acordo com Durval, o acerto era que o vice receberia um terço. Esse dinheiro seria embolsado por Paulo Octávio e usado para pagar aliados. Os outros dois terços seriam para Arruda. A movimentação desse dinheiro dos negócios privados com o governo de Brasília ocorreria praticamente todos os dias. Durval disse que a parte de Paulo Octávio, na maioria das vezes, era recebida por Toledo. Eventualmente, Marcelo Carvalho recolhia o dinheiro. Durval diz ter entregado pessoalmente o dinheiro em algumas oportunidades a Paulo Octávio.

Em um depoimento, Durval contou aos investigadores por que, em uma das gravações, Carvalho disse que Paulo Octávio era avarento e cobrava cada centavo. Segundo Durval, a cada vez que ele levava dinheiro a Paulo Octávio, era recebido numa suíte diferente do hotel Kubitschek Plaza – uma das propriedades de Paulo Octávio. Ali, segundo Durval, Paulo Octávio sempre reclamava que recebia menos do que o combinado. A divergência seria aritmética. O esquema estaria pagando a Paulo Octávio 30% do total, quando o acerto seria um terço, o equivalente a 33%. Num depoimento, Durval descreve uma ida ao Kubitschek. Segundo o advogado Kakay, Paulo Octávio confirma que se encontrou com Durval no Kubitschek Plaza, mas nega que tenha recebido dinheiro.

Paulo Octávio nasceu no município mineiro de Lavras e mudou-se para Brasília em 1962, aos 12 anos de idade. Amigos de adolescência dizem que ele sempre teve obsessão por ficar rico. Filho de um dentista de classe média, ainda jovem buscou dois caminhos: conquistar amigos de famílias ricas e ganhar dinheiro. Deu-se bem nas duas empreitadas.

Paulo Octávio começou a vida profissional com uma pastinha debaixo do braço, vendendo seguros. Depois virou corretor de imóveis, estabelecido em uma pequena sala comercial. Dali, partiu para construir seu império. Paulo Octávio mostrou-se um bom corretor em duas imobiliárias de Brasília. O primeiro lance de ousadia nos negócios com recursos públicos ocorreu quando ele se tornou genro do almirante Maximiano da Fonseca, ministro da Marinha no governo João Figueiredo (1979-1985).

Paulo Octávio morou na casa oficial do sogro na Península dos Ministros, área mais nobre de Brasília. Na ocasião, associou-se ao empresário Sérgio Naya, que se tornou célebre por causa do desmoronamento do Edifício Palace II, no Rio de Janeiro. Juntos, os dois construíram o Hotel Saint Paul em Brasília. A Marinha comandada pelo almirante Maximiano da Fonseca comprou na planta 40 dos 272 apartamentos. Na sociedade com Naya, Paulo Octávio ficou dono de 15% do empreendimento. À época, os dois também exploravam no hotel a badalada boate Corte.

Com essas investidas, Paulo Octávio firmou-se como empresário. Seu grande salto nos negócios ocorreu anos depois, quando o amigo Fernando Collor se elegeu presidente da República. No governo Collor, Paulo Octávio indicou dirigentes na Funcef, o fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal, e conseguiu financiamento da instituição para três grandes investimentos em Brasília: o Hotel Blue Tree, o Brasília Shopping e uma superquadra em área nobre da cidade com 11 prédios residenciais, uma escola e um jardim de infância.

Auditorias internas da Caixa mostram que os negócios foram bons para Paulo Octávio e ruins para os mutuários. Segundo essas auditorias, ocorreram irregularidades em várias etapas dos empreendimentos: desde a formalização da parceria com a Funcef até a construção e venda dos imóveis, entre os anos 1994 e 1998. A avaliação dos auditores é que o prejuízo causado à Funcef deverá chegar a R$ 200 milhões. “A partir daí, ele ficou grande”, diz um dos principais concorrentes de Paulo Octávio desde aquela época. Para investigar as supostas irregularidades, foram abertos três inquéritos policiais que poderão resultar em denúncias do Ministério Público à Justiça.

Para ter uma ideia do império de Paulo Octávio, basta fazer um passeio pelas áreas valorizadas de Brasília. Algumas das mais vistosas obras da capital, como o Blue Tree, rebatizado Alvorada, o Centro de Eventos Brasil 21 e o Brasília Shopping, foram construídas por Paulo Octávio.

Uma análise detalhada desses empreendimentos feita por ÉPOCA mostra que o crescimento do patrimônio de Paulo Octávio tem relação direta com decisões tomadas pela Câmara Legislativa do Distrito Federal, a mesma que frequenta o noticiário como balcão de negócios. Mudanças na regras para o uso do solo aprovadas pelos deputados distritais permitiram ao grupo empresarial de Paulo Octávio realizar negócios milionários com terras públicas.

Em 1995, a Paulo Octávio Investimentos Imobiliários comprou, em parceria com outros empresários, um terreno de 65.000 metros quadrados onde antes existia o Estádio Rei Pelé (ou Pelezão). O lote pertencia à Federação Brasiliense de Futebol e foi comprado por R$ 4 milhões. Graças a leis votadas pela Câmara Distrital depois dessa transação, o terreno originalmente destinado a atividades esportivas tornou-se área residencial.

Pouco mais de um terço da propriedade foi vendido por Paulo Octávio, em maio do ano passado, por R$ 25 milhões a José Celso Gontijo, empresário flagrado em vídeo entregando dinheiro a Durval.

Outro exemplo é o Hotel Blue Tree. Banhado pelas águas do Lago Paranoá e vizinho ao Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente da República, o complexo hoteleiro inaugurado em 2000 consumiu cerca de R$ 140 milhões. Recentemente, a empresa de Paulo Octávio finalizou a construção do complexo Brasil 21, com mais de 800 flats e 800 salas comerciais, localizado na cobiçada área central da cidade.

Um dos principais beneficiados pelo boom imobiliário em Brasília, o grupo empresarial de Paulo Octávio divide atualmente as atenções entre o Península, um empreendimento residencial orçado em R$ 1,2 bilhão no bairro de classe média Águas Claras, nos arredores do Plano Piloto de Brasília, e o Shopping Iguatemi, investimento estimado em R$ 150 milhões, em parceria com o empresário Carlos Jereissati. O canteiro do Iguatemi fica no Lago Norte, bairro de Brasília onde há alguns anos existia o esqueleto de um centro comercial. Ele seria erguido pela LPS Empreendimentos e Participações, sociedade de empresas pertencentes a Luiz Estevão, Paulo Octávio e Sérgio Naya. A transação foi descrita por ÉPOCA na edição de maio de 2007.

Na Junta Comercial do DF, o nome de Paulo Octávio aparece atrelado diretamente a 12 empresas. As participações indiretas são mais de 30, de construtoras a concessionárias de automóveis e emissoras de rádio. A declaração de bens apresentada à Justiça Eleitoral por Paulo Octávio em 2006 soma R$ 323,5 milhões em bens, mas seu patrimônio evoluiu. Hoje, estima-se que chegue a R$ 700 milhões.

As investigações que chegaram agora a Paulo Octávio estão mais adiantadas em relação às que apuram denúncias contra Arruda. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a Lei Orgânica do Distrito Federal. Essa lei dá à Câmara Legislativa a prerrogativa de autorizar a abertura de ação penal contra o governador. Na representação, Gurgel afirma que a lei é inconstitucional, porque a competência de decidir sobre ações penais contra governadores seria do Superior Tribunal de Justiça.

Na quinta-feira da semana passada, a procuradora Raquel Dogde, responsável pela investigação da Operação Caixa de Pandora, pediu ao STJ a quebra do sigilo bancário e fiscal de pessoas físicas e jurídicas investigadas, entre elas Arruda e Paulo Octávio. Dodge entendeu que há elementos suficientes para caracterizar desvio e apropriação de recursos públicos. No caso de Paulo Octávio, se os investigadores estiverem certos, o vice corre o risco de perder o mandato e de fazer companhia aos amigos de juventude que perderam mandatos por causa de denúncias de corrupção.

Fonte:ÉPOCA

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

PAQUISTÃO: nariz por nariz, orelha por orelha

Agressores paquistaneses vão sofrer mutilação igual à da vítima

Dois homens declarados culpados de ter cortado o nariz e as orelhas de uma mulher foram condenados a ser mutilados de maneira igual por um tribunal de Lahore, a grande cidade do leste do Paquistão.

Os dois também foram condenados a prisão perpétua e a pagar uma multa de 700.000 rúpias cada (8.300 dólares), informou à AFP um dos principais funcionários do tribunal, Azhar Ameen.

Dois homens declarados culpados de ter cortado o nariz e as orelhas de uma mulher...


"O tribunal ordenou que o nariz e as orelhas de Sher Mohammed e de Ammanat Ali sejam cortadas, conforme a punição islâmico, um nariz por nariz e orelhas por orelhas", explicou.

Os dois foram considerados culpados do sequestro de uma jovem, que se recusava a casar com um deles, e de mutilação, com o corte do nariz e das orelhas da vítima. No entanto, nada indica que o castigo será executado, já que ambos devem apelar e obter a suspensão da sentença.

Os tribunais paquistaneses já ordenaram punições como esta no passado, mas nunca foram executadas. Muitas foram anuladas no julgamento da apelação.

Os castigos de mutilação estão previstos na 'sharia' (lei islâmica) e às vezes são utilizados pelos tribunais paquistaneses. Segundo a Constituição da República Islâmica do Paquistão, nenhuma lei pode estar em contradição com a sharia.

O Paquistão passa por um apogeu do conservadorismo religioso, fortalecido sobretudo pela insurgência islâmica, que critica a aliança do governo com os Estados Unidos contra o terrorismo e a Al-Qaeda. Atentados mataram mais de 2.700 pessoas no país nos últimos dois anos.

Fonte: AFP - Agencia France Press

Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT e administrador mor do mensalão, dá as cartas em Goiânia

Empresa de amigo do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares ganha contrato milionário sem licitação


Para acabar com os problemas de estacionamento em Goiânia, a prefeitura do município tirou da gaveta um projeto que parece bom demais para ser verdade. A ideia é instalar 20 000 parquímetros na cidade sem desembolsar um único tostão e, melhor, ficar com parte dos recursos arrecadados.

A empresa encarregada de fazer o serviço foi a Enatech/GDT, que, criada três meses antes da assinatura do contrato, não precisou enfrentar os processos convencionais de licitação.

Ela foi convidada a executar o trabalho de instalação, operação e manutenção dos aparelhos e receberá até 112 milhões de reais. É muito? É um terço da arrecadação prevista nos próximos cinco anos.

Nesse ponto, o que parecia bom demais para ser verdade chamou a atenção das autoridades. O belo, estranho e lucrativo negócio dos parquímetros de Goiânia tem ainda outro componente meio, digamos, fora da curva da normalidade. Quem está por trás da transação é Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT e um dos principais personagens do escândalo do mensalão.

O projeto dos parquímetros estava guardado na gaveta da administração municipal do PT desde 2004. Para apoiar o atual governo, do peemedebista Iris Rezende, os petistas reivindicaram cargos, entre os quais os da Agência Municipal de Transportes. No órgão, materializou-se a ideia - e alguém lembrou que a empresa Enatech, por coincidência, já tinha o projeto prontinho na gaveta.

Para driblar a lei das licitações, a prefeitura fez um contrato com a Câmara de Diretores Lojistas (CDL), uma entidade privada, que, por sua vez, subcontratou a Enatech. O dono da empresa, Jaime Ferreira de Oliveira, é companheiro de longa data de Delúbio Soares.

Garante Jaime: "O Delúbio é um grande amigo, mas nada tem a ver com esse negócio, que é totalmente normal". O Ministério Público de Goiás não pensa assim. "São escandalosas as evidências de irregularidades nesse contrato", diz a promotora Villis Marra, que vai ingressar com ação civil pública por improbidade administrativa contra o prefeito Iris Rezende, o presidente da estatal de trânsito, o petista Miguel Tiago, e o presidente da CDL, Melchior Abreu Filho. "Esse negócio só aconteceu por causa da força política do Delúbio", acusou da tribuna o vereador Santana Gomes, do PMDB.

O ex-tesoureiro petista não quis comentar o assunto.

Fonte: Revista VEJA

Transcrito do Site: A verdade sufocada

FARC sequestra governo de departamento colombiano

Farc sequestra governador colombiano
Luis Francisco Cuéllar, governador do departamento de Caquetá, no sul da Colômbia, foi sequestrado por integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). O político foi capturado na tarde de ontem quando sua casa sofreu um ataque dos sequestradores.

Segundo reportagem do Estado, guerrilheiros trocaram tiros com seguranças e lançaram uma granada em direção à residência do governador. Após a troca de tiros, os rebeldes dominaram o governador e fugiram. O chefe nacional de polícia, general Oscar Naranjo, deve chegar à região para comandar a operação de busca.

Governador colombiano é sequestrado pelas Farc

Um policial foi morto durante ataque promovido por supostos rebeldes colombianos

Supostos rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) sequestraram o governador de departamento (Estado) de Caquetá, no sul do país, informou a mídia local. O governador Luis Francisco Cuéllar foi capturado

na segunda-feira após um ataque a sua casa, informou a rádio Caracol, citando funcionários locais.

Uma granada foi lançada na residência do governador em Florencia, a capital estadual de Caquetá. Após uma troca de tiros com seguranças, os rebeldes dominaram o governador e fugiram.

O paradeiro de Cuéllar não é conhecido, segundo a rádio. O chefe nacional de polícia, general Oscar Naranjo, deve chegar à região para comandar a operação de busca.

As Farc foram fundadas em 1964 e atualmente mantêm pelo menos 22 policiais e soldados reféns. Os rebeldes querem trocar esses agentes de segurança por membros das Farc presos. Segundo algumas fontes, porém, há vários outros reféns em poder das Farc na Colômbia.

O grupo pelos direitos humanos País Libre afirmou que a agência antissequestro da Colômbia reconheceu que há 1.500 pessoas desaparecidas no país, sob as quais há pouca informação.

O presidente Álvaro Uribe rejeita uma negociação política com as Farc. Estima-se que haja 7 mil rebeldes da organização atuando no momento.

No ano passado, alguns dos mais importantes reféns das Farc foram resgatados do cativeiro na selva, incluindo a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt e três norte-americanos.

STJ suspende condenação de Daniel Dantas e todo o processo baseado na operação Satiagraha

Suspensão da condenação de Daniel Dantas
Decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspende a condenação do banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity, na operação Satiagraha. Segundo reportagem do Estado, toda a operação foi suspensa pelo ministro Arnaldo Esteves Lima, da 5ª Turma do STJ.


A medida tem alcance ilimitado.

Bloqueia qualquer ato relativo à Satiagraha, inclusive a ação penal que culminou na condenação de Dantas a 10 anos de prisão por crime de corrupção ativa. O hábeas corpus concedido pelo ministro em resposta ao pedido da defesa do banqueiro vale ao menos até fevereiro.

STJ suspende condenação de Daniel Dantas na Operação Satiagraha

Habeas corpus concedido pelo ministro Esteves Lima a pedido da defesa do banqueiro vale ao menos até fevereiro

Três dias depois de ser afastado do caso MSI-Corinthians - inquérito sobre suposto esquema de evasão de divisas -, o juiz federal Fausto Martin De Sanctis conheceu novo revés. Por decisão do ministro Arnaldo Esteves Lima, da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), está suspensa toda a Operação Satiagraha - investigação contra o banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity.

A medida tem alcance ilimitado. Bloqueia qualquer ato relativo à Satiagraha, inclusive a ação penal que culminou na condenação de Dantas a 10 anos de prisão por crime de corrupção ativa - sentença imposta por De Sanctis, em novembro de 2008, que era alvo de apelação da defesa perante o Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Está suspenso também o processo principal da Satiagraha - em que Dantas foi denunciado pela Procuradoria da República por crimes financeiros, evasão e lavagem de dinheiro. A acusação teve base no inquérito da Polícia Federal, inicialmente dirigido pelo delegado Protógenes Queiroz, depois restaurado pelo delegado Ricardo Saadi.

A liminar de Esteves Lima, relator do habeas corpus impetrado no dia 9 pelos advogados de Dantas, tem impacto até sobre outros três inquéritos que a PF abriu a partir de decreto de De Sanctis.

Até julgamento de mérito, a Satiagraha está congelada e De Sanctis não poderá baixar nenhum ato, nem mesmo medida cautelar - buscas, interceptação telefônica ou quebra de sigilo. Fica sobrestada ainda a cooperação internacional - os EUA estavam ajudando a rastrear supostas contas do banqueiro no exterior.

A determinação do ministro relator foi lançada no sistema eletrônico do STJ às 20h52 da sexta-feira. Por telegrama, ele comunicou sua decisão aos 35 minutos do sábado à desembargadora Marli Marques Ferreira, presidente do Tribunal Regional Federal. A mensagem é taxativa.
"Proferi decisão deferindo a liminar para determinar o sobrestamento da apelação criminal, da ação penal e de outros procedimentos sujeitos ao provimento jurisdicional do referido magistrado até o julgamento de mérito deste habeas corpus."

Por meio do habeas corpus, a defesa de Dantas alega que o juiz, titular da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, é suspeito para conduzir a Satiagraha. O embate entre os advogados de Dantas e o magistrado se arrasta desde julho de 2008, quando o banqueiro foi preso por duas vezes consecutivas -
nas duas oportunidades, o ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltá-lo.

O julgamento do mérito do habeas corpus poderá ser colocado em pauta a partir de fevereiro. Mas é provável que o caso fique mesmo com o STF, que dá a palavra final em matérias constitucionais.

O advogado Tiago Cedraz Leite Oliveira, que integra a defesa de Dantas, recebeu com cautela a liminar. "O que se tem é a suspensão das ações penais em curso. É apenas o primeiro passo para que seja apreciada a arguição de suspeição do juiz ."

[o grande problema do juiz Fausto De Sanctis foi que não resistiu à picada da ‘mosca azul’ nem a tentação dos holofotes e, assim, sucumbiu a tentação de ser maior que a lei.]

Suspensa a censura no Estadão

Desistência da ação e a esperteza de Sarney.

Fernando Sarney - diretor do jornal O Estado do Maranhão há mais de três décadas - irá desistir da ação proposta contra o jornal O Estado de S.Paulo. Nos autos dessa ação existe, pendente, uma decisão cautelar que impôs censura ao jornal O Estado de S.Paulo. Ou seja, ocorreu proibição de o jornal informar acerca de investigação, conduzida pela polícia federal, de condutas suspeitas de Fernando Sarney.

O referido Fernando Sarney encontra-se indiciado policialmente por crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de quadrilha e tráfico de influência. Esquece o indiciado que o jornal O Estado de S.Paulo já foi citado para o processo e apresentou não só defesa. Também bateu às portas do Supremo Tribunal Federal (STF). Existem, ainda, pendências recursais no Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde o jornal censurado pretende a cassação da decisão.

Só para lembrar, uma canhestra decisão do STF, recentemente, deixou de acolher, sem examinar se houve ou não censura, uma reclamação do jornal O Estado de S.Paulo por violação a princípio constitucional.

Com efeito. Como o jornal O Estado de S.Paulo já foi citado para a ação interposta por Fernando Sarney, não adianta o mesmo querer desistir. Com todas as letras, diz a lei processual, no caso de o autor da ação pedir desistência, há necessidade de concordância da parte contrária.

O jornal O Estado de S.Paulo, certamente, não irá concordar com o pedido de desistência. Ao que me parece, há um interesse de se reconhecer que a decisão, impositiva de censura, é abusiva e afronta à Constituição da República. Além disso, condenar Fernando Sarney ao pagamento de custas processuais, honorários de advogados. Não se exclui, ainda, condenação por litigância de má-fé.

Espertamente, Fernando Sarney, que é diretor de jornal, mandou uma carta à Associação Nacional dos Jornais (ANJ) onde tenta explicar o inexplicável e o insustentável, isto é, que pediu a censura do jornal O Estado de S.Paulo. Como Fernando Sarney sabe que a decisão de censura irá cair na Justiça e ele, como diretor do jornal O Estado do Maranhão, ficará muito mal, resolveu, então, trilhar o caminho da desistência.

Mais ainda, na carta à ANJ, com caradurismo absoluto, Fernando Sarney chega ao absurdo de sustentar que no STF ele encontrou o reconhecimento do seu direito. Mentira, deslavada, aliás. O STF, frise-se, não apreciou o mérito da questão (censura) e apenas entendeu que a reclamação não era o instrumento adequado.

PANO RÁPIDO. A estratégia de Fernando Sarney mostra um misto de esperteza e de covardia. Ele não quer ter uma definitiva decisão judicial a atestar que pediu, como diretor de jornal, a censura.

Por: Wálter Fanganiello Maierovitch - IBGF

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

STJ suspende processo da Satiagraha e livra Daniel Dantas da condenação

Mais um ato do juiz De Sanctis é questionado
Liminar do STJ suspende processo da Satiagraha
.

Com a medida, está suspensa até mesmo a ação penal que resultou na condenação de Dantas a dez anos de prisão por corrupção ativa e a multa de R$ 12 milhões que o banqueiro era obrigado a pagar, por ordem judicial, por "danos à sociedade", por ter tentado subornar policiais da PF.

O ministro Arnaldo Esteves Lima, STJ (Superior Tribunal de Justiça) concedeu liminar na sexta-feira em favor do banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity. A liminar determina a suspensão do processo contra o Opportunity até o julgamento do processo movido contra o juiz Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal.

O banco questiona a isenção do juiz De Sanctis
no julgamento do processso. Pela decisão, o juiz fica impedido de tomar qualquer decisão até que o STJ decida se ele é ou não suspeito para ficar à frente do processo. Dependendo da decisão, o juiz pode ser afastado do caso.

Enquanto o processo de suspeição não é julgado, o processo da Satiagraha fica parado. Não há prazo para o assunto ser decidido. A Operação Satiagraha investiga supostos crimes financeiros atribuídos ao banqueiro Daniel Dantas.

MSI/Corinthians

Na semana passada, o juiz De Sanctis foi considerado suspeito para ficar à frente do caso MSI/Corinthians - parceria em que o clube e a empresa são investigados por suposta lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

A decisão foi tomada pela desembargadora Cecília Mello, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Fonte: UOL Notícias - Globo OnLine

Alguém acredita nas palavras de Aécio?

O amigo da onça

Aécio Neves ainda não fez 50 anos. Sua retirada da sucessão presidencial, no melhor estilo do bloco do eu sozinho, sem combinar com o PSDB nem com José Serra, é gesto de efeito de um político ambicioso, carismático e jovem que não foi feito para ficar à sombra das olheiras de ninguém. Aécio cansou da tucanagem de Serra. Cansou de ser empurrado para ator coadjuvante na Vice-Presidência. Cansou de espernear pelas prévias do PSDB. Como se não soubesse que seu partido prima por ficar em cima do muro.

Alguém acredita nas palavras de Aécio? “Saí deste jogo nacional. Vou cuidar da minha vida e me dedicar a Minas Gerais.” Mineiro demais, né?

Pode ser que, até março, Aécio cuide de sua vida. Nesse meio-tempo, há Réveillon, Carnaval e bastante calor. O Réveillon pode ser no sul da Bahia, ao lado dos amigos playboys, como no ano passado. Pode ser no Rio de Janeiro, ao lado de seu irmão de fé camarada Sérgio Cabral. Pode ser em Paris, um luxo com a neve que começou a cair. Haverá champanhe, sempre há muita espuma e brilho na vida de Aécio. Ele gosta de se divertir, o bronzeado é permanente, sua simpatia contagia e, mesmo quando a festa não é para ele, Aécio acaba sendo o foco das atenções. Há sempre uma loura e uma piscina nas festas. E uma corte de amigos leais que o protegem de fofocas e maledicências.

Março é o prazo final. Aécio ainda espera que Serra possa tropeçar em si mesmo e jogar a toalha. O governador de Minas, que agora diz aspirar somente a oito anos de mandato no Senado, anuncia ter deixado a estrada livre para Serra. Um ato de “desprendimento e grandeza” para não dividir o PSDB. Promete engajar-se na campanha de Serra. Em seu texto oficial de “despedida”, não deixa nó que não possa ser desatado com elegância. Mas se solta das amarras. E joga a bola no campo de Serra, dos bispos do PSDB – e da vontade dos eleitores, que ficará mais clara em pesquisas nacionais nos próximos meses. O PT comemorou abertamente o gesto de Aécio, por apostar no “plebiscito” entre a ministra Dilma Rousseff e Serra. Não que o PT acredite tanto em Dilma. Mas acredita no poder do “cara”.

Se for tudo verdade, Aécio sai dizendo na surdina que o PSDB errou ao optar por Serra, porque o eleitorado não quer presidentes identificados demais nem com Fernando Henrique Cardoso nem com São Paulo. Ele também teria criticado a “insegurança” de Serra e a falta de ousadia do partido em buscar opções menos ligadas ao passado. Mas está claro que Aécio “renunciou” também porque mineiros e cariocas não bastam para ele subir nas pesquisas. Faltava o apoio do partido.

Serra terá dificuldade de festejar com serenidade este Réveillon. Depois de cozinhar Aécio em fogo brando todos estes meses, foi surpreendido. No fim, quem encostou o governador paulista na parede foi Aécio. Agora, é dá ou desce. Transformar uma vitória parcial numa carência seria muito ruim para Serra, que age nos bastidores como “maior abandonado”, traído pelo amigo.

Alguém acredita nas palavras de Aécio? Ele jogou a bola para Serra, mas ainda espera um tropeço

O Amigo da Onça é um personagem criado em 1943 pelo cartunista pernambucano Péricles de Andrade Maranhão. Foi publicado pela primeira vez na revista O Cruzeiro. O nome do personagem veio de uma anedota que envolve dois caçadores. Um pergunta ao outro:

– O que você faria se estivesse na selva e uma onça aparecesse na sua frente?

– Ora, dava um tiro nela.

– Mas se você não tivesse arma de fogo?

– Bom, então eu matava ela com meu facão.

– E se você estivesse sem o facão?

– Apanhava um pedaço de pau.

– E se não tivesse nenhum pedaço de pau?

– Subiria na árvore mais próxima!

– E se não tivesse nenhuma árvore?

– Sairia correndo.

– E se você estivesse paralisado pelo medo?

Então, o outro, já irritado, retruca:

– Afinal, você é meu amigo ou amigo da onça?

Os caçadores, sabemos quem são. O provocador e aquele que sobe na árvore e se irrita no final. Pode-se imaginar quem seria a onça da anedota.

Fonte: Blog da Ruth de Aquino/ÉPOCA

Pesquisa personalizada