Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

sábado, 31 de julho de 2010

Alvaro Uribe tem razão

Impregnado de soberba pelos altíssimos índices de popularidade ao longo de quase oito anos de governo, o presidente Lula tem dado inúmeras demonstrações de que pensa estar acima de tudo e de todos. A Justiça eleitoral que o diga.

São conhecidas suas tiradas e improvisos em declarações oficiais e de campanha, bem-humoradas umas, exageradas algumas, despropositadas outras. Ao longo do tempo, a reação passou a ser “mais uma do Lula”, e deixa para lá. Mas, na política externa, as declarações do presidente têm causado estragos.

É o que aconteceu com afirmação sobre o incidente entre Venezuela e Colômbia. Lula disse não ver ali um confronto, apenas “um conflito verbal” e pediu paciência até a posse do presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, dia 7.

Ele ignorou solenemente que o cerne do problema não é o presidente colombiano Alvaro Uribe, em despedida do cargo, nem o presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Mas, sim, a presença de 1.500 homens das narcoguerrilhas colombianas Farc e ELN em território venezuelano, conforme alerta de Bogotá. Uribe denunciou o fato de o governo da Venezuela nada fazer para impedir que essas forças terroristas, que lutam para desestabilizar a Colômbia, permaneçam em solo venezuelano, fora do alcance do Exército colombiano. Em resposta, Chávez rompeu as relações com Bogotá.

O pior para o governo brasileiro é que Uribe criticou publicamente as afirmações, deplorando “que o presidente Lula se refira à nossa situação com a Venezuela como se fosse um caso de assuntos pessoais (...)”.

Neste final de mandato, o governo brasileiro acentuou o caráter ideológico de sua política externa, com péssimo resultado para a credibilidade do país, principalmente como interlocutor confiável na resolução das divergências entre os países sul-americanos.

Nesse caminho, a diplomacia brasileira abre mão de parâmetros éticos quando finge não ver grave desrespeito aos direitos humanos em Cuba; quando finge ver “excesso de democracia” (nas palavras de Lula) na Venezuela; quando finge que as Farc não são uma organização narcoterrorista; quando finge acreditar nos propósitos nucleares da ditadura do Irã, quando deseja apenas espicaçar os Estados Unidos, e ainda faz vista grossa ao atropelamento dos direitos humanos por Ahmadinejad.

Uma das características da diplomacia lulista foi ressuscitar o viés esquerdista e antiamericano de alguns líderes populistas do chamado Terceiro Mundo de 50 anos atrás. Um dos exemplos disso é a Unasul, organização criada para se contrapor à OEA, e que por isto exclui os Estados Unidos.

Tão artificial é a idéia de que os problemas no continente possam passar ao largo de Washington que a própria reunião da Unasul sobre o conflito entre Venezuela e Colômbia foi esvaziada.

Ao criticar o comportamento brasileiro no episódio, o presidente Uribe chama indiretamente a atenção para o fato de, desde o primeiro mandato, Lula ter mantido uma relação próxima com a Venezuela e fria com a Colômbia. Pena, porque a primeira está cada vez mais próxima de uma ditadura efetiva — a chavista. E a segunda, apesar dos inúmeros problemas internos, tem conseguido aperfeiçoar sua democracia.

O lulismo prefere más companhias, por simples viés ideológico.

O Globo - Editorial

Collor! cometeu muitos erros e foi acusado de outros. Mas o mais grave e imperdoável de todos foi e continua sendo o de apoiar Lula e a Dilma

Collor, o valentão

Elle voltou. Bravo, elegante, refinado, o notório Fernando Collor recrudesceu na quinta-feira (29), invadindo corajosamente – pelo telefone - a sucursal em Brasília da revista IstoÉ. Seu alvo era o repórter Hugo Marques, que ousou relembrar a dificuldade do senador do PTB em conseguir um “nada consta” na Justiça para confirmar sua candidatura ao governo de Alagoas.Irritado como sempre, desbocado como nunca, Collor avisou:

Se eu lhe encontrar, vai ser para enfiar a mão na sua cara, seu filho de uma puta!...

O mimo foi gravado pelo repórter e o doce recado collorido ganhou a internet para relembrar aos brasileiros que elle voltou, com toda sua graça, charme e veneno.

Collor perdeu a compostura, outra vez, pela tensão da campanha alagoana, onde a Justiça Eleitoral acaba de proibir o jingle onde faz uma geléia geral misturando velhos adversários para surfar na onda de popularidade do presidente da República: “’É Lula apoiando Collor/ e Collor apoiando Dilma / pelos mais carentes / e os três para o bem da gente”, diz a letra da música vetada pelos juízes.

O valentão Collor cerrou o punho contra o jornalista porque, numa edição anterior, Marques ouviu a ex-mulher do senador, Rosane Malta, dizer entre outras coisas que o ex-marido sonegava impostos. Collor, qualificado por Rosane na entrevista como “prepotente e arrogante”, fica especialmente injuriado diante de jornalistas altivos e independentes.

Um ano atrás, ele cometeu um dos mais inacreditáveis discursos da história do Senado. Incomodado com um artigo do colunista da revista Veja Roberto Pompeu de Toledo, um dos mais respeitados profissionais da imprensa brasileira, Collor tomou o microfone para confessar ao país, em termos indecorosos, o que vinha fazendo: “Eu tenho obrado em sua cabeça nesses últimos dias, venho obrando, obrando, obrando em sua cabeça".

Ninguém, na Mesa Diretora ou no complacente plenário do Senado, exigiu a imediata assepsia do texto − e a escatológica frase expelida pela cabeça desarranjada de Collor ficou depositada, para sempre, nos anais daquela Casa do Congresso.

No desbocado telefonema para o repórter da IstoÉ, Collor diz que ele é um “mau jornalista”, prova de que, além de mal educado, o senador é mal informado. Hugo Marques é um excelente repórter, com passagens por algumas das principais redações do país.

A coragem que Collor bravateou pelo telefone lhe faltou, em 1992, quando o Senado aprovou o impeachment pelas malfeitorias pilotadas em seu meteórico governo pelo ex-tesoureiro PC Farias. Momentos antes do julgamento, Collor tentou renunciar à presidência para escapar à sentença pela porta dos fundos. O Senado obrou em sua cabeça, manteve a sessão e concluiu o juízo político que o manteve oito assépticos anos longe da política.

Se os eleitores de Alagoas agora o deixarem só, como temia no auge da crise do impeachment, Collor voltará ao Senado para concluir seu mandato. Ali certamente terá a oportunidade de cruzar casualmente com o repórter Hugo Marques, que tem no Congresso também o seu espaço de trabalho. Collor poderá enfim consumar sua fanfarronice e meter a mão na cara do repórter. Mas terá que fazer o mesmo com todos os outros jornalistas, colegas de profissão de Marques, que compartilham com ele sua dignidade, sua independência, sua altivez.

Na democracia brasileira, não deve existir espaço para valentão que acredita na força bruta e que desacredita da boa educação para afirmar suas idéias, até as malcheirosas. O bravo povo das Alagoas tem agora a chance de enfiar o seu voto na cara de Fernando Collor. Educadamente. Democraticamente.

Por: Luiz Cláudio Cunha - jornalista que declara não votar em Collor

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Dossiê Gemini prova que houve omissão da Dilma Rousseff em apurar as denúncias

O inédito caso do Dossiê Gemini

Não há como desconhecer a realidade: quando se fala da existência de um dossiê, os apontados como prováveis autores do conjunto de documentos se apressam em negar sua participação na montagem do mesmo. Por outro lado, os apontados como envolvidos nos fatos que deram origem ao dossiê se antecipam à divulgação dos documentos passíveis de comprometê-los, e tentam desqualificar as notícias vazadas pela mídia.

Normalmente, aqueles que são o alvo das acusações afirmam que as alegadas comprovações de ilícitos são falsas, e desafiam os anônimos autores do dossiê a desmenti-los. E, diante da batalha de desmentidos, quase sempre, o dossiê é abortado. Essa rotineira seqüência de fatos, na grande maioria das vezes, faz com que a apuração de graves crimes contra o interesse público não se realize.

Por contrariar tudo que está acima descrito, o caso do Dossiê Gemini é inédito, como será esclarecido ao final. Tal dossiê tem esse nome porque trata de problemas relativos à Gemini – sociedade formada pela Petrobras com uma empresa pertencente a um grupo norte-americano para produzir e comercializar gás natural liquefeito (GNL).

No caso em pauta, dois procedimentos impressionam sobremaneira: o de Dilma Rousseff e o do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo (Sindipetro-RJ). O Sindipetro foi a entidade que denunciou explicitamente a ocorrência de “corrupção mesmo” no caso Gemini. Além das contundentes matérias publicadas em seu jornal, deve ser destacada a categórica entrevista concedida por seu diretor-geral Emanuel Cancella ao jornal do Sindisprev. Acontece que o Sindipetro não toca mais no assunto. Isso é por demais sintomático, pois a principal bandeira da entidade é a campanha “O petróleo tem que ser nosso”, e a Gemini vai contra tudo que a campanha prega.

Quanto à Dilma Rousseff, ela – na condição de presidente do Conselho de Administração da Petrobras – foi colocada a par de todas as graves acusações relativas à Gemini, e não se manifestou a respeito. Tal fato é absolutamente inadmissível, porque referida sociedade foi arquitetada no período em que ela, além comandar o Conselho de Administração da Petrobras era a Ministra de Minas e Energia. As diversas correspondências protocoladas para Dilma Rousseff fazem parte dos documentos anexos ao referido dossiê.

A seguir, o esclarecimento sobre os fatos que permitem afirmar porque é inédito o caso do Dossiê Gemini. Em primeiro lugar, diferentemente da maioria dos dossiês, o Dossiê Gemini tem um autor, e esse autor, há anos, se apresenta para discutir abertamente seu conteúdo. Em segundo lugar, nunca apareceu qualquer pessoa disposta a contestar as acusações contidas no Dossiê Gemini (que vem sendo distribuído e atualizado desde 2007). Em terceiro lugar, a demonstração definitiva do ineditismo: O Dossiê Gemini será publicado, e ficará disponível na internet.

Apresentação do dossiê

O Dossiê Gemini: Julho de 2010 é uma versão atualizada do Dossiê Gemini, elaborado em 2007, e revisto em 2008 e em 2009. Por meio de tal conjunto de documentos, fica comprovado de maneira incontestável que a constituição da Gemini (sociedade formada pela Petrobras com uma empresa cuja totalidade das quotas pertence a um grupo norte-americano)
foi um autêntico crime de lesa-pátria.

A Gemini, cujo objetivo é a produção e comercialização de gás natural liquefeito (GNL), entrou em operação em 2006, depois de ter sido – de modo por demais suspeito – aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). Desde o início de 2004, época em que foi anunciada a negociação entre as partes, tal sociedade tem sido acusada de ser
altamente lesiva ao interesse nacional.

Após a divulgação do Dossiê Gemini, no início de 2007, as denúncias contra a sociedade foram se acumulando, o que provocou suas revisões e atualizações. Denúncia explícita de “corrupção mesmo” (aquela na qual se mostra a inconfundível mala recheada de dinheiro, contendo o nome do doador) foi tornada pública pelo próprio jornal do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Petróleo (Sindipetro/RJ).

Correspondências denunciando os diversos atos lesivos ao interesse público que tornaram um grupo privado o grande beneficiário de nosso GNL foram protocoladas ao longo dos anos diretamente para a presidente do Conselho de Administração da Petrobras, Dilma Rousseff. Preocupações manifestadas sobre o envolvimento da empresa escolhida para sócia majoritária da Gemini com malversação de recursos públicos – apesar de desconsideradas pela Petrobras – foram julgadas pertinentes pelo Ministério Público Federal (MPF). Categóricas comprovações de formação de cartel levaram a Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça (SDE) a propor ao CADE pena máxima à sócia escolhida pela Petrobras.


Alertas sobre o risco corrido pelo dinheiro público diante do fato de a Gemini ter contratado a preços sigilosos sua sócia majoritária para a prestação de todos os serviços necessários à produção e comercialização do GNL apresentavam questionamentos preocupantes, como, por exemplo: a empresa que havia superfaturado contra o Exército Brasileiro (fato comprovado pelo TCU), havia lesado a ABIN (fato comprovado pela Justiça Federal, que veio a condená-la) e participava de cartel para fraudar licitações e superfaturar contra nossos miseráveis hospitais públicos (fato comprovado pela SDE), agiria honestamente com a Petrobras?

Em decorrência da total omissão da Petrobras diante das denúncias contra a sociedade, ficou constatada a necessidade de ser montado o conjunto de documentos, que, agora, é apresentado com o título Dossiê Gemini: Julho de 2010. Para melhor entendimento, esta última versão foi dividida em onze itens. Por questão de disponibilidade de espaço, os onze itens serão divididos em cinco partes, que serão publicadas no Alerta Total, conforme a programação a seguir detalhada.

Programação de publicação

Sábado (31): Parte I (Item 1 – Breve histórico; Item 2 – Considerações sobre o gás natural liquefeito).

Domingo (1): Parte II (Item 3 – A suspeitíssima aprovação da sociedade pelo CADE; Item 4 – A sócia que ainda não teve condenação transitada em julgado).

Segunda-feira (2): Parte III (Item 5 – A sócia majoritária como prestadora de serviços; Item 6 – A Gemini e Dilma Rousseff).

Terça-feira (3): Parte IV (Item 7 – A Gemini e o Conselho de Administração da Petrobras; Item 8 – A tentação dos preços sigilosos; Item 9 – A desastrosa opção: constituir uma sociedade).

Quarta-feira (4): Parte V (Item 10 – Conclusões; Item 11 – Relação de anexos (ANEXO I a ANEXO XXIII).

Por: João Vinhosa - ex-conselheiro do extinto Conselho Nacional do Petróleo.

e-mail: joaovinhosa@hotmail.com


Seleção da Coreia do Norte teria passado por humilhação pública após fracasso na Copa

O péssimo desempenho da Coreia do Norte durante a Copa do Mundo da África não passou incólume. Os jogadores teriam sido submetidos a um ritual de humilhação pública por cerca de seis horas na capital Pyongyang, segundo a Rádio Free Asia.

Os jogadores teriam sido criticados em frente de cerca de 400 pessoas no Palácio de Cultura do Trabalhador. Na sequência, cada um dos atletas teria sido forçado a criticar Kim Jong Hun, técnico da seleção. Segundo rumores, Kim Jong Hun teria sido expulso do Partido dos Trabalhadores e estaria agora trabalhando na construção civil.

Dois jogadores não participaram do acontecimento: Jong Tae Se e An Yong Hak, que estariam no Japão. A Coreia do Norte acabou na última posição da Copa, sem ter somado um ponto sequer. O time perdeu por 2 a 1 para o Brasil, foi arrasado por Portugal (7 a 0) e levou 3 a 0 da Costa do Marfim.

Caso Bruno = espetáculo próximo do fim

Buscas pelo corpo vão continuar mesmo com fim do inquérito

Depois de um trabalho de quase quarenta dias a Polícia Civil divulgou os detalhes do inquérito que o delegado Wagner Pinto chamou de “trama criminosa”. Segundo o delegado Edson Moeira as buscas pelo corpo de Eliza Samudio vão continuar mesmo com o encerramento do inquérito e decretação de prisão dos acusados. Todos os envolvidos foram indiciados por ocultação de cadáver, entre outros crimes. Segundo o chefe do Departamento de Investigações, a modelo foi morta por asfixia pelo ex-policial Marcos Aparecido, o Bola, dentro da casa em Vespasiano, na Região Metropolitana de BH. O delegado ainda afirmou que mais investigações serão feitas para levantar provas adicionais.

Durante o mês de junho e julho a Polícia Civil, em conjunto com o Corpo de Bombeiros, realizou buscas pelo corpo da modelo parananense. A procura por Eliza começou no sítio do goleiro Bruno, no Residencial Turmalina, em Esmeraldas. Depois de uma denúncia anônima, de que haveria um corpo no local, a equipe começou os trabalhos. Lá peritos recolheram materiais com presença de sangue, fraldas, vestidos, passagens aéreas outros elementos que comprovaram a estadia da moça no local.

Outro foco de buscas foi a Lagoa Suja, no Bairro Liberdade II, em Ribeirão das Neves. Um cão farejador foi usado para vasculhar a mata que circunda a represa. Dez bombeiros fizeram as buscas nas águas usando um barco para agitar a água e um bastão para procurar pistas no fundo da lagoa.

O terceiro local de buscas foi a casa de Bola, no Bairro Santa Clara, em Vespasiano, onde os policiais acreditavam estarem enterrados os restos mortais de Eliza. Deste local foram retirados 10 cães que, segundo o adolescente envolvido no crime, comeram partes do corpo da modelo.

O sítio alugado por Bola, em Esmeraldas, também foi alvo de buscas. No local também não foi encontrado o corpo da modelo. A polícia ainda apura as informações de que o terreno teria sido usado para treinamento de policiais do Grupo de Resposta Especial (GRE), em 2007.

Por: Luana Cruz – Estado de Minas

[vale lembrar – a reportagem omite – que o menor retirou a afirmação de que assistiu a morte da modelo, tendo alegado que fez o depoimento sob pressão da polícia;

outro aspecto interessante é que o chefe do GRE na época dos alegados treinamentos realizados no sitio alugado por Bola era um irmão do delegado Edson Moreira.

Clique aqui, para ler sobre mais uma ‘eficiente’ atuação do delegado Edson Moreira.- Delegado do caso Bruno forjou provas para incriminar inocente.]


Caso Bruno: inquérito conclui que jogador aproveitou intervalo da Copa do Mundo para assassinato de Eliza

O goleiro Bruno premeditou o assassinato de Eliza Samudio, aproveitando a suspensão dos campeonatos durante a Copa do Mundo, quando as atenções estariam voltadas para a África do Sul, para executar o plano. Essa foi uma das conclusões do inquérito apresentadas, nesta sexta-feira, pelo delegado Edson Moreira, em entrevista coletiva para explicar as conclusões do inquérito que a Polícia Civil mineira apresentou hoje ao Ministério Público sobre o caso de Eliza. Moreira pediu a transformação da prisão temporária de todos os envolvidos em prisão preventiva, ou seja, até o julgamento do caso.

Segundo o delegado, os vestígios de sangue de homem encontrados na Range Rover do goleiro Bruno - dirigida por seu amigo e braço direito, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, quando Eliza Samudio foi levada do hotel em que estava hospedada, na Barra, na noite do dia 4 de junho, para Minas Gerais - é do menor de 17 anos, primo do jogador. O fato, segundo o delegado comprova que o menor e Eliza estavam no carro e tiveram a briga relatada por ele em seu primeiro depoimento à polícia, no inquérito que trata do desaparecimento da ex-amante de Bruno. Para identificar o sangue na Range Rover, a polícia usou a saliva contida em um copo de água bebido pelo menor e fez a confrontação com o DNA do sangue no veículo.

Moreira afirmou que, apesar de o menor ter mudado a versão para o caso várias vezes, o primeiro depoimento do adolescente foi confirmado cientificamente, tanto pelo DNA, quanto pelo GPS do veículo, que mostra que o carro percorreu o mesmo caminho declarado pelo menor na sua primeira versão. - No dia 10, o derradeiro, por volta das 19h, Macarrão e o menor colocaram Eliza no interior do Eco Sport com a criança e uma mala vermelha. Eles a levaram para a Região da Pampulha para encontrar com Bola, já contactado desde fevereiro, o que mostra premeditação. Os telefones celulares dos três estavam nesta área: o do menor, o do Macarrão e o do Bola - disse o delegado, acrescentando que, de lá, Eliza foi levada ao sítio de bola, onde foi executada por asfixia.

Ainda segundo o delegado, foi encontrado no computador de Macarrão um contrato preparado para que Eliza assinasse, aceitando o acordo de receber R$ 3.500 de pensão mensal - valor considerado baixo anteriormente por ela.

Só pode ser gozação...

PSDB chama Marco Aurélio TOP TOP Garcia de aloprado de direita

Aliados de Serra reagem a ataque e dizem ainda que petista é "embaixador do governo Lula junto às Farc"

A cúpula da campanha do tucano José Serra se reuniu ontem para preparar e divulgar uma resposta aos ataques desferidos na véspera pelo assessor especial do presidente Lula e coordenador do programa de governo da presidenciável Dilma Rousseff, Marco Aurélio TOP TOP Garcia, que previu o fim melancólico da carreira do tucano já no primeiro turno, em 3 de outubro.


O ex-ministro e atual secretário da Educação de São Paulo, Paulo Renato de Souza, disse ter havido falta de solidariedade e deslealdade de Marco Aurélio, que teria sido livrado da prisão no Chile por Serra. Os tucanos se referiram ao petista como aloprado de direita.


No mesmo tom de Marco Aurélio, que acusou Serra de estar correndo rumo à direita mais raivosa, o coordenador informal da campanha Jutahy Junior (BA) e o senador Álvaro Dias (PR) devolveram a agressão dizendo que ele é um aloprado de direita: Assim como José Eduardo Dutra (presidente do PT), Marco Aurélio é um aloprado de direita porque defende governos que apedrejam mulheres e condenam jornalistas à prisão.


Além disso, seus precedentes conhecidos, que o diga o ex-embaixador Luiz Felipe Lampreia, nos autorizam a dizer que o senhor Marco Aurélio TOP TOP Garcia está muito mais para embaixador do governo Lula junto às Farc do que para analista político contra-atacou Álvaro Dias.


Ele reproduziu a versão de que no governo Fernando Henrique, num encontro com o então chanceler Luiz Felipe Lampreia, Marco Aurélio TOP TOP Garcia se ofereceu para intermediar um encontro de representantes do governo com líderes das Farc.


Os três tucanos fizeram também duros ataques a pontos da política externa do governo Lula, da qual Marco Aurélio TOP TOP Garcia é um dos assessores principais. Para Paulo Renato, a política externa é um desastre e uma constante tentativa de afirmação pueril perante os Estados Unidos e alguns países europeus, atendendo a interesses de países com ideologias próximas à do PT.
Esses políticos não lembram das relações com as Farc , com Cuba, com Chávez , Evo e outros?Só pode ser gozação, dizer que ele é de direita ...

O espetáculo continua...

Polícia indicia Bruno por cinco crimes
A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu ontem o inquérito sobre o desaparecimento de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno. Segundo reportagem do Estadão, o inquérito será encaminhado hoje à justiça. Bruno foi indiciado por homicídio, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e corrupção de menores. Se condenado por todos os crimes, o atleta pode pegar no mínimo 18 e no máximo 51 anos.

Bruno é indiciado por 5 crimes na morte de Eliza

Outras sete pessoas também vão responder por homicídio, sequestro, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e corrupção de menores

O ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes foi indiciado por homicídio, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e corrupção de menores. Concluído ontem pela Polícia Civil de Minas, o inquérito sobre o desaparecimento da ex-amante de Bruno, Eliza Samudio, tem oito volumes e cerca de 1,6 mil páginas. Se condenado por todos os crimes, o atleta pode pegar no mínimo 18 e no máximo 51 anos.

Também foram indiciadas pelos mesmos crimes sete pessoas: Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão; Flávio Caetano de Araújo; Wemerson Marques de Souza, o Coxinha; Dayane Rodriques do Carmo Souza, mulher de Bruno; Elenilson Vitor da Silva; Sérgio Rosa Sales; e Fernanda Gomes de Castro. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, foi indiciado por homicídio qualificado, formação de quadrilha e ocultação de cadáver.

Na opinião do delegado Edson Moreira, chefe do Departamento de Investigação de Homicídios (DIHPP), não há dúvidas de que Bruno é o mandante.

Cabelo.

No presídio de Contagem, Bruno raspou a cabeça nesta semana e os agentes prisionais queimaram o cabelo do atleta na sua frente, para garantir que não fosse usado em exames de DNA. O goleiro se recusa a fornecer material para o teste. Outros seis homens presos por envolvimento no caso também tiveram a cabeça raspada, segundo a Secretaria de Defesa Social.

Na manhã de ontem, Bruno e os outros suspeitos foram levados ao DIHPP para que a polícia coletasse as impressões digitais, procedimento preparatório para o indiciamento. A ação foi criticada pela advogada Cintia Ribeiro, representante da Ordem dos Advogados do Brasil em Minas (OAB-MG). Para ela, a coleta era desnecessária.

O único suposto envolvido que não foi levado ao departamento foi o primo adolescente do goleiro. Por ter menos de 17 anos, seu processo está separado e ele aguarda julgamento pelo Juizado da Criança e do Adolescente de Contagem.

Pai

Na manhã de ontem, o pai de Eliza, Luiz Carlos Samudio, esteve no DIHPP e disse estar satisfeito com o trabalho da polícia. Ele afirmou que pretende entrar com ação contra o governo do Rio, por acreditar que o Estado não deu proteção adequada à modelo após as primeiras denúncias contra o goleiro.

O pai de Eliza disse ainda que vai processar o defensor de Bruno, Ércio Quaresma, pelas declarações de que a modelo pode estar viva e por ter incluído a jovem como testemunha no processo referente ao sequestro e lesão corporal - no qual ela é vítima - no Rio.

Ele quer ainda que o Flamengo deposite em juízo o dinheiro que o clube supostamente deve a Bruno - cerca de R$ 1 milhão em salários atrasados, segundo o advogado do jogador.

Fonte: O Estado de São Paulo

[para o pai da Eliza, que responde a processo por estupro contra uma menor de dez anos, a suposta morte de sua filha se transformou em uma mina de ouro que ele quer explorar à exaustão.

A propósito os crimes que geraram os indiciamentos realmente foram cometidos?

E se foram, quais as provas contra os indiciados?]

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Recordando: PT e FARC sempre aliados

PT e FARC: Recordar é viver...

Até figuras como Alborghetti, Merval Pereira e Raul Reyes falaram dos vínculos entre o PT e as Farc. Por que o PT quer processar só o PSDB?

Se o PT quiser processar todo mundo que os liga aos narcotraficantes, vai faltar tribunal. Pois além dos pioneiros Constantine Menges, Olavo de Carvalho, Graça Salgueiro, Heitor de Paola e outros articulistas do MSM, que há anos escrevem rotineiramente das conexões entre o PT, as Farc e outros grupos terroristas e do narcotráfico latino-americano, outras pessoas já denunciaram os fatos que só agora, após anos de devastação petista, Índio da Costa, seguido pela tucanada (José Serra, Sérgio Guerra, Geraldo Alckmin) resolveu comentar.


Então, considerei útil agregar alguns links, vídeos e comentários a respeito. Encontrei-os rapidamente, clicando web afora, interessado que estava para ler a respeito. Bem, o PT já não pode mais processar Raul Reyes, o segundo das Farc, abatido pelos bravos militares colombianos numa operação que também capturou o notebook do traficante, que continha informações sobre... Bem, para não restar dúvidas, segue trecho da entrevista do ex-vice das Farc, realizada pelo jornalista Fabiano Maisonnave, lá atrás, em agosto de 2003, na não menos revolucionária Folha de S. Paulo:
Folha de S.Paulo - Qual é a sua avaliação do governo Lula?
Reyes - Tenho muita esperança em que o governo Lula se transforme num governo que tire o povo brasileiro da crise. Lula é um homem que vem do povo, nos alegramos muito quando ele ganhou. As Farc enviaram uma carta de felicitações.

Folha de S.Paulo - Vocês têm buscado contato com o governo Lula?
Reyes - Estamos tentando estabelecer - ou restabelecer - as mesmas relações que tínhamos antes, quando ele era apenas o candidato do PT à Presidência.

Folha de S.Paulo - O sr. conheceu Lula?
Reyes - Sim, não me recordo exatamente em que ano, foi em San Salvador, em um dos Foros de São Paulo.

Folha de S.Paulo - Houve uma conversa?
Reyes - Sim, ficamos encarregados de presidir o encontro. Desde então, nos encontramos em locais diferentes e mantivemos contato até recentemente.


Folha de S.Paulo - Qual foi a última vez que o sr. falou com ele?
Reyes - Não me lembro exatamente.


Folha de S.Paulo - Fora do governo, quais são os contatos das Farc no Brasil?
Reyes - As Farc têm contatos não apenas no Brasil com distintas forças políticas e governos, partidos e movimentos sociais..

Folha de S.Paulo - O sr. pode nomear as mais importantes?
Reyes - Bem, o PT, e, claro, dentro do PT há uma quantidade de forças; os sem-terra, os sem-teto, os estudantes,
sindicalistas, intelectuais, historiadores, jornalistas...

Folha de S.Paulo - Quais intelectuais?
Reyes - [O sociólogo] Emir Sader, frei Betto [assessor especial de Lula] e muitos outros.

Folha de S.Paulo - No Brasil, as Farc têm a imagem associada ao narcotráfico, em especial com o traficante Fernandinho Beira-Mar. A Polícia Federal concluiu que ele esteve na área das Farc junto com Leonardo Dias Mendonça. O sr. confirma?

Reyes - Não sou um policial, sou um revolucionário. A Colômbia não é tão grande como o Brasil, mas tem 1.142.000 km2, e as Farc estão presentes em todo o país. Qualquer um que chegue do Brasil, da Europa ou dos EUA a qualquer um dos Departamentos da Colômbia, pode vir a ter contato com a guerrilha.


Fica a pergunta: Raul Reyes pôde falar das conexões PT-Farc. Por que Índio da Costa, não?


Adiante. Em março de 2005, como se publicasse grande novidade, a revista Veja apresentou a reportagem Laços Explosivos: Documentos secretos guardados nos arquivos da Abin informam que a narcoguerrilha colombiana Farc deu 5 milhões de dólares a candidatos petistas em 2002. Para quem já lia o Mídia Sem Máscara, a revista chovia no molhado.

Em 2008, até Merval Pereira [ver nota] tocou no assunto (valeu, Aluizio Amorim). Sabemos, Merval Pereira pode ser acusado de tudo, menos de conservador, de anti-esquerdista, de inteligente, etc.

O velho Alborghetti (bem lembrado, kamaradas do Vanguarda Popular) também não deixou por menos. No mesmo ano, lia em seu programa de tevê matéria da jornalista Juliana Castro, que tratava de uma atitude de militares da reserva brasileiros: com base nas informações apuradas pela revista Cambio, falavam das conexões entre o PT e o grupo narcoguerrilheiro auto-intitulado Farc. O PT quer ferrar os militares a todo custo, mas jamais processou o falecido Luiz Carlos Alborghetti.

O jornalista Políbio Braga comentou ontem no Twitter, que as Farc foram recebidas pelo então governador Olívio Dutra, do PT, no próprio palácio do governo do Rio Grande do Sul. Olavo de Carvalho comentou o episódio na época, não sem antes citar uma declaração de George Bernanos que adquire cada vez mais uma inegável dimensão profética. Em suas palavras:
Georges Bernanos, um profeta que tinha o péssimo hábito de acertar, disse na década de 40
que "o Brasil é um país maravilhoso, mas infelizmente destinado a ser palco da mais sangrenta das revoluções".

Se depender das autoridades gaúchas, isso é para já. Receber líderes das FARC para conversações secretas, dar-lhes proteção estatal para que ensinem até a crianças de escola as metas e métodos da narcoguerrilha colombiana é o mínimo que o governo do sr. Olívio Dutra se permite.

Ainda há mais. Como a nomeação da esposa do pseudo-padre articulador das Farc Olivério Medina, para uma "boquinha" na Secretaria Especial de Agricultura e Pesca, a pedido de Dilma Roussef. Saiu na Gazeta do Povo:


“A Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca, órgão do governo federal com status de ministério, emprega desde 2006, em um cargo de confiança, a paranaense Ângela Maria Slongo, mulher do ex-guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) Francisco Antônio Cadenas Collazzos, conhecido como Oliverio Medina. num pedido feito pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.

Acusado de homicídio e terrorismo na Colômbia, Medina viveu em prisão domiciliar em Brasília entre 2005 e março do ano passado, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) extinguiu o pedido de extradição para o país vizinho”.


Reinaldo Azevedo também escreveu artigo relembrando de alguns desses fatos, e tem mais informações por aí. Elenquei algumas, dando ênfase aos veículos de comunicação bem conhecidos da patuléia, para não aparecer nenhum bobalhão dizendo que se trata de mais uma "teoria da conspiração".
Sabe como é. Estamos lidando com brasileiros.
Gente que vota em tucanos e petistas.

Nota de esclarecimento:
É útil lembrar que quando Olavo de Carvalho foi demitido do Globo, o editor dos seus artigos era Merval Pereira, que também ocupava um cargo na diretoria e assinava uma coluna semanal. Enquanto Olavo denunciava os fatos que comprovavam a articulação do PT com as Farc através do FSP, Merval tratava de amenidades. Em julho de 2005, Olavo foi dispensado do trabalho, sem aviso prévio, única e exclusivamente porque suas denúncias estavam criando um desconforto insuportável no ambiente do jornal. Em outras palavras, Merval é um dos responsáveis por Olavo ter perdido o emprego, e, com muitos anos de atraso, copia o colunista que ele próprio demitiu por denunciar a mesma matéria que ele repete na gravação da GloboNews.


Transcrito do Blog: AntiForo de São Paulo

Vice x vice

Duelo de vices

Compare os gastos da verba indenizatória feitos por Índio da Costa, (DEM-RJ) vice do tucano José Serra e Michel Temer, (PMDP-SP) vice da petista Dilma Rousseff.

Embora a verba indenizatória possa atender vários gastos, se destaca os realizados pelo vice da candidata petista no item destinado ao uso para aluguel e estadia, onde o vice de Dilma fica na ponta de cima da tabela. Temer gastou nada menos que R$ 310.184,25 com o pagamento de aluguel de imóveis para escritório e despesas referentes a eles, além da manutenção desta sala de apoio à atividade parlamentar, o que lhe colocou em 3º lugar entre os que mais gastam com essa categoria.

Indio da Costa gastou R$ 144.295, 56, ficando na 105º colocação. A média dos 513 deputados fica em R$ 87.232,53.

Fonte: Eleições 2010

Bruno raspa a cabeça e queima os cabelos dentro da cela

Bruno raspa a cabeça em penitenciária e acompanha seus fios de cabelo serem queimados dentro da cela

O goleiro Bruno, acusado de ser o mandante do sequestro e morte de Eliza Samudio, raspou a cabeça e teve os fios de cabelo queimados na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem. De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais, o corte é um procedimento padrão no sistema penitenciário. Já a queima dos cabelos foi feita a pedido do atleta para evitar que o material seja usado em exames de DNA. Segundo a secretaria, o procedimento ocorreu dentro da cela, na presença de Bruno. O goleiro chegou a usar máquina com pente de número três, mas ele não teria gostado do resultado, e pediu para passarem pente um, deixando os cabelos ainda mais curtos.

Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e os outros quatro homens presos por suspeita de envolvimento no caso (o ex-policial civil, Marcos Aparecido dos Santos, Bola; Wemerson Marques, Coxinha; Flávio Caetano; e Elenilson Vitor da Silva) também já tiveram os cabelos cortados.

Suspeitos de envolvimento na morte de Eliza estão no Departamento de Investigações

Os oito suspeitos de envolvimento no desaparecimento de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno, chegaram no início da manhã desta quinta-feira ao Departamento de Investigações de Belo Horizonte. Serão colhidas impressões digitais para identificação criminal, fechamento do inquérito e indiciamento.

Bruno; Macarrão; a mulher do atleta, Dayanne Souza; o primo de Bruno, Sérgio Rosa Sales; Marcos Aparecido dos Santos, o Bola; além de Flávio Caetano de Araújo, Wemerson Marques e Elenilson Vitor da Silva estão no local à disposição da polícia, que pode tentar ouvi-los novamente. A operação para levar os suspeitos para o DI envolveu nove viaturas e 32 policiais do Comando de Operações Especiais da Polícia Civil de Minas Gerais.

O pai de Eliza Samudio, Luiz Carlos Samudio, está em Belo Horizonte e deve comparecer ao Departamento de Investigações. Foi revelado que o exame de DNA realizado no IML (Instituto Médico Legal) de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, indicou que o corpo carbonizado encontrado em Cachoeira Paulista, não é de Eliza, mas sim de um homem. Agora, uma perna encontrada no Rio Tietê, em Botucatu, no interior de São Paulo, será submetida a um exame de DNA para que o material genético seja comparado ao de Eliza. A perna esquerda, com esmalte rosa, foi achada em 3 de julho.

Também o Ministério Público do Rio de Janeiro informou que vai contestar a lista de testemunhas apresentadas pela defesa do goleiro . Entre as testemunhas, os defensores do atleta indicaram a própria Eliza (considerada morta pela polícia de Minas); o pai dela, Luiz Carlos Samudio; o atual diretor de futebol do Flamengo, Zico; a presidente do clube, Patrícia Amorim, e os jogadores Vágner Love e Adriano, ambos morando no exterior.

Segundo o promotor Eduardo Paes, a defesa não indiciou o motivo pelo qual relacionou "pessoas que nada tem a ver com o caso", como jogadores que estão fora do país. Para ele, seria uma tentativa de procrastinar o processo:

- Ele (o advogado de defesa) não alegou nada. Estou questionando esse rol de testemunhas.

Ao abrigar as FARC em seu território, a Venezuela já agrediu a Colombia

Onde as Farc vão ganhar força

Quando em 2008, a Colombia atacou um acampamento guerrilheiro na Fronteira com o Equador, o protesto mais estridente partiu de Caracas e não de Quito. O presidente venezuelano Hugo Chávez lamentou a morte do comandante Raul Reyes, das Farc, a quem chamou de "um bom revolucionário". O mandatário queixou-se pela violação da soberania equatoriana e determinou que 10 batalhões de tanques fossem mobilizados para a fronteira entre a Venezuela e a Colômbia, advertindo o presidente Álvaro Uribe: "Não pensem em fazer isto aqui... seria muito sério... seria a declaração de guerra!"

Na Quinta Feira, a Colômbia explicou, mesmo sendo de forma indireta, porque Chávez lançou tanta fumaça sobre a operação de 2008. Numa apresentação de duas horas diante do Conselho Permanente da OEA, o embaixador Luis Alfonso Hoyos mostrou fotografias, vídeos, mapas, imágens de satélite e documentos que, segundo a Colombia, mostram os guerrilheiros usando o territorio venezuelano como refúgio, como faziam no Equador. Hoyos também denunciou que a Venezuela sabe da existência dos acampamentos guerrilheiros, alguns dos quais estão em seu território há muito tempo, sem oposição. De fato, algumas vezes a Guarda Nacional Venezuelana confraterniza com os rebeldes, disse Hoyos.

Com esta informação, a reação de Chávez à incursão colombiana no Equador em 2008, parece lógica. Bogotá justificou a operação porque os pedidos a Quito para perseguir os gurrilheiros em seu território, foram ignorados. Agora temos razão para acreditar que Chávez seria o próximo. Mas Uribe lançou uma ofensiva diferente. Reuniu dados de inteligência sobre a presença das Farc na Venezuela e os lançou como uma bomba, sobre o Conselho Permanente da OEA.

Os fatos não são novos. Há anos a Colômbia se queixa, com provas suficientes, sobre o tratamento amável que a Venezuela da aos guerrilheiros das Farc. Mas apresentando as evidências do modo como fez, Uribe colocou Chávez no meio do furacão. Mais ainda, colocou o problema envolvendo os seguidores de Chávez no hemisfério.

Hoyos revelou à OEA que a Venezuela abriga cerca de 1.500 guerrilheiros em mais de 75 acampamentos. Alí eles se reagrupam depois dos ataques, se organizam, treinam e preparam explosivos. As condições deste refúgio facilitam sequestros e tráfico de drogas em ambos os lados da fronteira. E mais mortes na Colômbia. Imágens cruéis das vítimas dos guerrilheiros apareceram na tela enquanto o diplomata falava. Hoyos não pediu sanções contra a Venezuela. Pediu que uma comissão internacional verificasse, no terreno, as denúncias da Colômbia. Prometeu que seu governo pode fornecer as "coordenadas exatas" de chácaras e fazendas onde os guerrilheiros se escondem. Argumentou:
"Se lá existe apenas uma escolinha e humildes camponeses, não há problema para uma comissão internacional verificar a correção da denúncia colombiana, não é verdade?"

Isto é razoável. Mas, antes mesmo do fim da reunião da OEA, Chávez, incapaz de conter a frustração de ser envergonhado por Uribe na arena política, rompeu relações diplomáticas com a vizinha Colômbia. Disse que era o mais indicado para manter a "dignidade". É uma tristeza para os venezuelanos, que qualquer resquício de dignidade de seu governo tenha desaparecido há muito tempo. A copiosa documentação revelada pela Colombia, foi a
última humilhação sobre a credibilidade de Chávez no cenário global.

Apesar do incômodo, os chavistas e seus aliados já esperavam algo assim. Na Quarta Feira, o embaixador do Equador na OEA, que ocupava a presidência rotativa do Coselho Permanente, renunciou. Disse que o fazia porque não podia cumprir a ordem de seu governo para bloquear a apresentação da denúncia da Colombia. O ministro de relações exteriores, Ricardo Patiño, íntimo aliado da Venezuela, que aparentemente não está familiarizado com as normas institucionais, passou a Sexta Feira atacando o Secretário Geral da OEA, José Migual Insulza, por permitir que a Colombia usasse seu direito de apresentar o caso diante da OEA.

O Departamento de Estado dos EUA, declarou que a decisão de Chávez romper relações com a Colômbia era petulante e que apoiaria a proposta da Colombia. Isto abre a possibilidade de que se forme um comitê de verificação na OEA. E também explica porque o Equador e a Argentina defendem que o caso seja levado para a Unasul, um foro sulamericano onde Uribe será superado pelo número de tiranos esquerdistas.
[a UNASUL é na realidade o embrião da URSAL – União das Repúblicas Socialistas da América Latina - , que representa um projeto do Foro de São Paulo – FSP de substituição da extinta URSS.

O que tem retardado a efetivação do projeto do Foro de São Paulo é que Putin está envidando esforços em busca de fortalecer a Rússia ainda que sem voltar a usar a sigla URSS.]

A Colombia tem outras opções, como solicitar ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, que invoque a resolução 1373, que proibe seus membros de dar refúgio a terroristas. Na semana passada o promotor geral da Colombia sugeriu que o assunto poderia ser levado à Corte Internacional de Haia.

Os seguidores de Chávez fingem estar preocupados com uma possível guerra. Mas, se a Venezuela oferece refúgio às Farc, já cometeu uma agressão contra seu vizinho.
Esta é uma verdade inconveniente e difícil de escapar.

Fonte: "El Diário Exterior", 28/07/2010

Por: Mary Anastasia O'Gradyé Articulista de América Latina do Wall Street Journal

Tradução: A. Montenegro

Justiça Eleitoral vai decidir se o deputado Paulo Maluf poderá disputar as eleições.

MP pede impugnação de Maluf com base na Lei da Ficha Limpa
O Ministério Público Eleitoral de São Paulo solicitou no final da tarde de ontem a impugnação do registro de candidatura do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP). De acordo com reportagem do G1, o pedido foi baseado na condenação do deputado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo por suposta participação em uma compra de frangos superfaturada pela Prefeitura de São Paulo.


Maluf foi condenado por colegiado por improbidade administrativa.

O Ministério Público Eleitoral de São Paulo pediu a impugnação da candidatura à reeleição do deputado federal Paulo Maluf (PP). O pedido tem como base a Lei da Ficha Limpa, que proíbe a candidatura de políticos condenados em decisão colegiada. Caberá agora à Justiça Eleitoral decidir se Maluf poderá se candidatar.

No texto protocolado pelo MP, o argumento para decretar a inelegibilidade de Maluf foi uma condenação do Tribunal de Justiça do estado de São Paulo por improbidade administrativa.

A ação diz respeito à época em que Maluf era prefeito de São Paulo. A irregularidade teria sido a compra superfaturada de frangos. A compra de 1,4 tonelada de frangos custou R$ 1,39 milhão ao município. O deputado foi condenado a devolver os recursos referentes à compra aos cofres públicos e a perder os direitos políticos.

A Lei da Ficha Limpa enquadra os políticos condenados por improbidade se houver dolo (intenção de praticar a irregularidade). Para o MP, o caso de Maluf se enquadra nesta situação. "O ato reconhecidamente irregular, por sua própria natureza, não poderia se aperefeiçoar senão por determinação direta do gestor público", argumentam os procuradores Pedro Barbosa Neto e André de Carvalho Ramos, que assinam o pedido de impugnação. O G1 tentou contato com a assessoria de Maluf e com o próprio parlamentar e aguarda retorno.

[já passa mais do que da hora do STF ser provocado e se manifestar sobre a retroatividade da Lei da Ficha Limpa que o MP quer aplicar. A condenação de Maluf, assim como de vários outros, ocorreu antes da promulgação da Lei da Ficha limpa.]

Corpo encontrado em Cachoeira Paulista não é de Eliza

O corpo carbonizado encontrado em Cachoeira Paulista, interior de São Paulo, não é de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno. Segundo reportagem do Estadão, o laudo foi enviado para a polícia na noite de ontem pelo Instituto de Criminalística. De acordo com a delegada seccional de Guaratinguetá, Sandra Vergal, foi confirmado que o corpo é de um homem.

Corpo carbonizado encontrado no interior de SP não é de Eliza

De acordo com a delegada seccional de Guaratinguetá, foi confirmado que corpo carbonizado é de um homem

O corpo carbonizado encontrado no dia 26 de junho, em Cachoeira Paulista, no interior de São Paulo, não é de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno, segundo informou a Secretaria de Segurança Pública (SSP). O laudo foi enviado para a polícia na noite desta quarta-feira, 28, pelo Instituto de Criminalística. De acordo com a delegada seccional de Guaratinguetá, Sandra Vergal, foi confirmado que o corpo é de um homem.

Os exames foram feitos baseados em partes do corpo enviadas para o Instituto Médico legal (IML) de Guaratinguetá. Foram enviados para análise o fêmur e um dente do corpo.

Senadores utilizam recursos públicos - incluindo servidores - em campanha política

Senadores utilizam servidores públicos em campanhas
Levantamento feito pelo
Estadão mostra que diversos assessores pagos pelo Senado e que deveriam trabalhar apenas cumprir expediente nos gabinetes estão trabalhando na campanha dos senadores candidatos nos Estados. Segundo a reportagem dos 53 senadores que disputam as eleições, 33 aumentaram o quadro de servidores de confiança entre julho de 2009 e julho de 2010 e transferiram até o momento 175 assessores para os Estados. Entre os senadores que utilizaram a manobra ilícita estão os candidatos Renan Calheiros (PMDB-AL), Marcelo Crivella (PRB-RJ), Heráclito Fortes (DEM-PI), Marconi Perillo (PSDB-GO) e Paulo Paim (PT-RS).

[sempre os mesmos: o conhecido Renan, o famoso bispo Crivella, o Heráclito e como é praxe que em qualquer ilegalidade tenha alguém do PT o Paulo Paim é um dos representantes.

Esses são os que a imprensa relata, mas com certeza são bem mais.]

Senadores põem na campanha assessores pagos pelo Congresso

Levantamento feito pelo 'Estado' identifica uma intensa transferência de servidores registrados em Brasília para os redutos eleitorais dos parlamentares; reportagem flagrou auxiliares que recebem salário do Senado atuando na campanha

Uma tropa de cabos eleitorais pagos pelo Senado está trabalhando na campanha dos senadores candidatos nos Estados. São assessores que, oficialmente, deveriam apenas cumprir expediente nos gabinetes, mas estão nas ruas pedindo voto, coordenando e ajudando na corrida eleitoral dos parlamentares. Levantamento feito pelo Estado identificou uma intensa transferência de servidores registrados em Brasília para os redutos eleitorais dos senadores e a reportagem flagrou assessores que recebem salário do Senado atuando na campanha.

A reportagem constatou que, dos 53 senadores que disputam as eleições, 33 aumentaram o quadro de servidores de confiança entre julho de 2009 e julho de 2010 e transferiram a maioria para os Estados. Quem não aumentou adotou a segunda manobra e tirou seus funcionários de Brasília. Só nos últimos 23 dias, desde o início oficial da campanha, 53 assessores foram realocados, segundo dados do sistema interno de Recursos Humanos, para os "escritórios de apoio" dos senadores, entre eles os dos candidatos Renan Calheiros (PMDB-AL), Marcelo Crivella (PRB-RJ), Heráclito Fortes (DEM-PI), Marconi Perillo (PSDB-GO) e Paulo Paim (PT-RS). Desde início de fevereiro, foram cerca de 175, uma média de uma transferência por dia.

Os senadores aproveitaram a calmaria no Congresso - serão realizadas apenas duas semanas de votações até as eleições de outubro - para esvaziar seus gabinetes em Brasília. Hoje, há cerca de 1,1 mil assessores espalhados pelo País recebendo salários do Senado sem nenhum tipo de fiscalização por perto que os impeça de atuar como cabos eleitorais.

Velho hábito. O Senado regulamentou no ano passado a antiga prática dos senadores de ter assessores de confiança nos escritórios regionais com um controle de frequência quase nulo. A campanha eleitoral deste ano é a primeira em que é possível saber o número oficial de funcionários do Senado à disposição dos parlamentares nos Estados durante a disputa, uma vantagem estrutural em relação aos demais adversários.

Candidato a governador do Paraná, Osmar Dias (PDT) tem apenas três servidores oficialmente registrados em Brasília, informação confirmada ontem pela reportagem em visita a seu gabinete. Outros 21 estão como assessores no Estado. Primeiro-secretário do Senado e candidato à reeleição, Heráclito Fortes colocou 25 servidores no Piauí e deixou apenas 8 em Brasília.

Os campeões são Efraim Morais (DEM-PB) e Mão Santa (PMDB-PI). O paraibano tem, oficialmente, 52 servidores lotados em seu Estado durante a campanha, enquanto o peemedebista conta com 34. Em Santa Catarina, os dois senadores postulantes ao governo encheram seus escritórios de apoio no Estado. Dos 26 assessores de Raimundo Colombo (DEM), 20 trabalham em Santa Catarina. Entre os 22 funcionários de Ideli Salvatti (PT) no Estado está Claudinei do Nascimento. Além de secretário de finanças do diretório do PT, é um dos coordenadores de campanha de Ideli. Oficialmente, recebe salários do Senado como assessor no escritório de apoio dela, que tirou licença durante a campanha.

São Paulo

Os dois senadores paulistas que disputam a eleição de outubro têm mais assessores nos Estados do que em Brasília. Candidato ao governo, Aloizio Mercadante (PT) tem 16 servidores em São Paulo e apenas cinco no Congresso. O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) faz parte do grupo que tem transferido assessores para o Rio nos últimos meses. São 20 até o momento ao lado do parlamentar.

Um dado curioso: o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) não tem nenhum funcionário lotado em Brasília, mas 29 estão em seu Estado. A artimanha foi colocar servidores que vivem na capital federal como funcionários da liderança do PSB - o regimento permite que apenas gabinetes de senadores tenham assessores nos Estados. O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, é o suplente na chapa de Valadares ao Senado.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), pôs 16 assessores em Roraima.

Crise sul-americana

Uribe 'deplora' declarações de Lula sobre crise entre Colômbia e Venezuela

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, considerou nesta quinta-feira "deploráveis" os comentários feitos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a crise com a Venezuela. Em breve comunicado, o governo de Bogotá diz que o líder brasileiro ignora a ameaça para a região representada pela "presença de terroristas" em território venezuelano. Lula não comentará o comunicado assinado por Uribe, disse o porta-voz da Presidência .

- O presidente da República deplora que Lula, com quem cultivou as melhores relações, se refira a nossa situação com a Venezuela como se fosse um caso de assuntos pessoais, ignorando a ameaça que representa para a Colômbia e o continente a presença dos terroristas das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) nesse país - afirma a nota oficial.

Na quarta-feira, após receber em Brasília o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, Lula reiterou que tentará conversar com Colômbia e Venezuela, que têm relações diplomáticas rompidas desde a semana passada. Para o presidente brasileiro, até o momento o único conflito que há entre os dois países é verbal. - Ainda não vi conflito. Eu vi conflito verbal, que é o que ouvimos mais aqui na América Latina - disse Lula, que prometeu conversar com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, sobre o conflito.

Para Uribe, no entanto, Lula "desconhece o esforço" da Colômbia "para buscar soluções através do diálogo".

- Repetimos com todo o respeito ao presidente Lula e ao governo do Brasil que a única solução que a Colômbia aceita é que não se permita a presença dos terroristas das Farc e do ELN (Exército de Libertação Nacional) em território venezuelano - conclui o comunicado, colocado no site da Presidência.

As críticas de Uribe a Lula chegam momentos antes da reunião de chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que acontece nesta quinta, em Quito, com o objetivo de resolver a crise bilateral. O chanceler colombiano, Jaime Bermúdez, disse, no entanto, esperar pouco desse encontro no Equador. O rompimento das relações bilaterais, já marcadas nos últimos anos pela tensão, se deu na semana passada após a Colômbia levar à Organização dos Estados Americanos (OEA) denúncias de que a Venezuela tolera a presença de grupos guerrilheiros em seu território, o que é rejeitado por Caracas.

[o presidente Uribe deve ter em conta que o senhor Lula é pau mandado do Foro de São Paulo – FSP, organização que tem entre seus fundadores as FARC e, claro, o Apedeuta.]

Advogado de Bruno convoca como testemunhas: Eliza Samudio, Zico e Adriano

MP contesta lista de testemunhas do goleiro Bruno

O Ministério Público do Rio de Janeiro informou, nesta quarta-feira, que vai contestar a lista de testemunhas apresentadas pela defesa do goleiro Bruno no processo do suposto sequestro e lesão corporal contra Eliza Samudio em outubro de 2009. Entre as testemunhas, os defensores do atleta indicaram a própria Eliza (considerada morta pela polícia de Minas); o pai dela, Luiz Carlos Samudio; o atual diretor de futebol do Flamengo, Zico; a presidente do clube, Patrícia Amorim, e os jogadores Vágner Love e Adriano, ambos morando no exterior.

Segundo o promotor Eduardo Paes, a defesa não indiciou o motivo pelo qual relacionou "pessoas que nada tem a ver com o caso", como jogadores que estão fora do país. Para ele, seria uma tentativa de procrastinar o processo:

- Ele (o advogado de defesa) não alegou nada. Estou questionando esse rol de testemunhas.

Também nesta quinta-feira, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) confirmou que foi aceito o pedido de quebra de sigilo telefônico de Bruno e Macarrão. O Ministério Público havia solicitado o procedimento para os aparelhos utilizados por Bruno e Macarrão nos dias 12 e 13 de outubro.

Em outubro do ano passado, Eliza, que estaria grávida do jogador, afirmou que fora agredida por Bruno, seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e mais duas pessoas, e obrigada a ingerir um líquido abortivo . Um exame de urina, concluído somente oito meses depois, quando Eliza já havia desaparecido, indicou a presença de substâncias que podem ser encontradas em remédios abortivos e plantas.

O desembargador Júlio Cezar Gutierrez, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou liminares em pedidos de habeas corpus para Flávio Caetano Araújo, Elenílson Vitor da Silva e Wemerson Marques de Souza, o Coxinha, presos por suspeita de envolvimento no sequestro e morte de Eliza.

Apesar de os habeas corpus serem nominais aos três amigos de Bruno, o goleiro e outros suspeitos constavam nos pedidos como interessados e seriam beneficiados caso a medida fosse concedida. A Justiça mineira já negou 14 habeas corpus em favor do goleiro.

Ao todo, oito pessoas estão presas, suspeitas de envolvimento no crime, além de um primo do atleta, de 17 anos, que foi apreendido após confessar sua participação no caso.

A CEF agora é a principal acionista da PETROBRAS - via empréstimos

Caixa dá mais à Petrobras do que para saneamento: crédito para estatal chega a R$ 5,6 bi em dois anos

PETROBRAS se endivida junto a Caixa em valor superior a todas aplicações da CEF em saneamento

A Caixa Econômica Federal emprestou para a Petrobras R$ 5,6 bilhões em menos de dois anos, somando o crédito de R$ 2 bilhões concedido no mês passado. Foram R$ 3,6 bilhões no segundo semestre de 2008 (um de R$ 2 bilhões e outro de R$ 1,6 bilhão). Os números mostram que a dívida total da empresa equivale a quase três vezes o total da carteira de aplicações em saneamento, conforme o balanço da Caixa do primeiro trimestre de 2010, que foi de R$ 1,982 bilhão.

Ainda de acordo com o balanço, os recursos correspondem a 17,86% do total da carteira de crédito de pessoas jurídicas, que é de R$ 31,346 bilhões (balanço do primeiro trimestre de 2010). Além disso, aproxima-se do volume de contratações dentro do programa "Minha Casa, Minha Vida", que atingiu R$ 6,6 bilhões para financiar 96 mil empreendimentos.

Os recursos tomados da Caixa, conforme consta das explicações do balanço anual do banco, seriam pagos com vencimento de contrato em 25 meses, em parcela única, ao fim do prazo. Ou seja, está vencendo agora. No documento, a estatal aparece como o principal devedor da instituição.

Para se ter uma ideia do peso da Petrobras na carteira da Caixa, o montante de crédito direcionado às indústrias era de apenas R$ 1,614 milhão, segundo balanço de 2007. Em 2008, pulou para R$ 3,607 bilhões.

Uma superintendência só para cuidar da Petrobras

Segundo fontes ligadas à Caixa, por serem valores elevados, os empréstimos concedidos à Petrobras passaram pela aprovação da Superintendência Regional, onde o pedido foi formalizado pelos Comitê de Crédito e o Conselho de Administração do banco. A assessoria da instituição informou que não comentaria as operações de crédito realizadas com a estatal por motivo de sigilo bancário. Mas confirmou que o banco criou, há seis meses, uma Superintendência Regional (Rio) "destinada ao relacionamento institucional com a Petrobras".

Um executivo diretamente envolvido no processo de capitalização da Petrobras avalia que, às vésperas de fazer uma megacapitalização, que pode movimentar US$ 50 bilhões e envolverá investidores estrangeiros, a estatal teria recorrido ao banco federal para poder fechar seu caixa no curto prazo, tomar R$ 2 bilhões em junho na forma de Nota de Crédito à Exportação. A operação com a Caixa pode ter sido necessária porque o aumento de capital, marcado para setembro, já deveria ter ocorrido.

- Como a Petrobras está preparando a capitalização, não tem porque recorrer ao mercado externo agora, que será importante no aumento de capital. É gastar energia, porque no Brasil ela tem linhas (de crédito) abertas com todos os bancos - disse a fonte.

Para o executivo, como a estatal vai receber muito dinheiro na capitalização, ela deve ter fechado uma cláusula de adiantamento de pagamento com a CEF no empréstimo feito em junho. - Assim que receber os recursos, a Petrobras deve quitar o empréstimo (com a CEF). Deve ser coisa de dois a três meses.

Por causa dos elevados custos de captação de recursos no mercado interno, dificilmente a Petrobras conseguiria o crédito em condições tão vantajosas quanto as da Caixa, dizem analistas do mercado. Tanto assim, que a Caixa foi a saída encontrada pelo estatal para tomar dinheiro em 2008, quando estourou a crise financeira internacional. Naquele momento, no entanto, a justificativa do governo para os empréstimos à Petrobras era a escassez das linhas de crédito internacionais.

Petrobras garante estar com boa situação de caixa

A Petrobras explicou em nota que devido ao seu crescimento e expansão dos negócios, "tem se empenhado em explorar" todas as oportunidades de financiamento oferecidas pelo mercado. Assim, a estatal justifica a obtenção do empréstimo de R$ 2 bilhões junto à CEF no mês passado. A Petrobras destacou que o financiamento é de longo prazo e com taxas e condições atraentes, sem revelar detalhes.

A Petrobras garantiu, contudo, estar com uma situação confortável de seu caixa, e que a operação é normal dentro de suas atividades. A estatal destacou ainda que os seus negócios rotineiros são divulgados no seu balanço trimestral e por isso a nota desta quarta-feira foi meramente informativa. Portanto a nota não deve ser usada como base para qualquer decisão do mercado.

O especialista Gustavo Gattas do BTG Pactual considerou normal a captação. Segundo ele, a Petrobras deve ter obtido o financiamento na CEF para manter seu forte programa de investimentos, enquanto aguarda a operação de capitalização até setembro. Para Gattas, a Petrobras não está com problemas de caixa. No primeiro trimestre do ano, o fluxo de caixa da companhia era de US$ 17,4 bilhões:

- Não faria sentido fazer uma captação externa, que é mais complexa, a poucos meses da operação de capitalização. E não acredito que o empréstimo obtido na Caixa trará reflexos negativos à operação.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

A Lei das Palmadas. Mais uma inutilidade do (des)governo Lula

“Lei das Palmadas” é uma bobabem

Quanto mais converso com as pessoas, mais me convenço de que esta história de que os pais precisam de uma “Lei das Palmadas” para saber como devem educar seus filhos não passa de uma grande bobagem. Sem nem entrar no mérito do projeto de lei enviado pelo governo federal ao Congresso no começo de julho, cabe uma simples pergunta: se por acaso esta proposta for aprovada, como poderá ser cumprida na prática?

É mais um não-assunto que está gerando uma polêmica danada no momento em que a campanha presidencial deveria discutir os rumos e as propostas para o futuro do país. Virou manchete de jornal, capa de revista, tema de pesquisa, tudo isso para quê? Como pai e avô que se orgulha da educação das filhas e dos netos, acho até graça.

Alguém pode imaginar uma criança indo à delegacia de polícia mais próxima para denunciar os próprios pais por ter levado um tapa na bunda? E o delegado vai lá prender os pais? A Justiça vai processá-los e tirar-lhes o pátrio poder?

O texto da lei defende “o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos corporais ou de tratamento cruel ou degradante”. Até aí estamos todos de acordo, mas são duas situações bem diferentes, convenhamos. “Tratamento cruel e degradante” contra qualquer pessoa é crime já previsto em lei desde sempre. Mas de que tipo de “castigo corporal” estamos falando?

A julgar pelos resultados da pesquisa Datafolha sobre a “Lei das Palmadas” divulgados nesta segunda-feira, 72% dos pais brasileiros deveriam estar na cadeia porque foi este o percentual de entrevistados que declararam já ter sofrido algum castigo físico na vida. Eu mesmo confesso que já dei e levei algumas (poucas) palmadas.

A mesma pesquisa mostra que os pais estão batendo menos nos filhos: se 72% já levaram uns cascudos, apenas 58% declararam que também já bateram nos filhos, ou seja, de uma geração para outra, a criançada está apanhando menos para andar na linha.

Nem por isso a violência diminuiu. Ao contrário, todas as estatísticas indicam que, de ano para ano, os brasileiros estão respeitando menos a vida alheia, ficando mais violentos, matando mais por qualquer motivo ou sem motivo nenhum.

Fico pensando de que cabeça desocupada pode ter saído esta idéia, que só serve para atiçar os adversários do governo federal, dando-lhes munição para acusá-lo de querer acabar com as liberdades individuais ao intrometer o Estado na relação entre pais e filhos. Tem cabimento?

O que estamos percebendo hoje é uma clara contradição entre o mais longo período na nossa história recente de respeito às liberdades públicas _ de expressão, de organização político-partidária, religiosa e social _, enquanto se engendram restrições às liberdades individuais, como se leis deste tipo pudessem nos fazer mais felizes e saudáveis.

É claro que todos nós somos contra qualquer violência praticada contra crianças, sejam nossos filhos ou não, mas para isso já existe o Código Penal, que pune severamente estes crimes. Daí a querer tirar dos pais o direito de saber o que é melhor para educar seus filhos vai uma longa distância. Em todas as classes sociais, o que tem acontecido é uma crescente leniência dos pais ao estabelecer parâmetros sobre o que seus pimpolhos podem ou não fazer, quais os direitos e os deveres para se viver em sociedade, respeitando as leis já existentes.

A maior prova disso é o desrespeito aos professores, vítimas até de agressões dos alunos, que se sentem protegidos pelos pais para fazer o que bem entendem. É isso que acaba levando a assassinatos como o que vitimou o filho da atriz Cissa Guimarães, atropelado durante um racha num túnel interditado no Rio de Janeiro.

Cada um tem seu jeito de educar os filhos. Isso varia muito até dentro de uma mesma família. Pais e mães muitas vezes discordam sobre os corretivos que devem aplicar quando os filhos não os obedecem, não querem estudar ou comer, não cumprem horários, não saem da frente da televisão ou do videogme.

Dar um beliscão ou um tapa na bunda, colocar de castigo ou cortar a mesada? Não existe uma receita pronta que sirva para todos. Antes de mais nada, é preciso ter bom senso, dedicar mais tempo a conversar com os filhos e educá-los pelo exemplo, o que os pais que vivem nas grandes cidades têm feito cada vez menos, deixando tudo por conta das escolas.

Assim, muitas vezes, o último recurso, que é o castigo, acaba sendo o primeiro. E as crianças vão descontar suas frustrações e revoltas em cima dos professores, que nada podem fazer, criando-se um círculo vicioso que nenhuma lei vai cortar. Não sei qual a melhor solução, mas não é, certamente, punindo os pais com a “Lei das Palmadas” que vamos melhorar o nível educacional dos nossos jovens e construir uma sociedade menos violenta, mais fraterna.

Fonte: Do blog Balaio do Kostcho

Pesquisa personalizada