Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

INsegurança Pública no DF - violência aumentou na periferia mas também em áreas nobres e centrais como Sudoeste - Ministro da Justiça condena operação tartaruga de policiais



Governador do DF diz não admitir que PMs coloquem em risco a vida da população

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, 67 homicídios e latrocínios foram registrados apenas em janeiro
Janeiro foi um mês violento no Distrito Federal. Números atualizados no último dia 29 pela Secretaria de Segurança Pública do DF mostram que ocorreram 67 homicídios e roubos seguidos de morte, um crescimento de 26,4% em comparação com todo o mês de janeiro de 2013, quando 53 pessoas foram assassinadas. Quem mais sofre com a onda de violência é periferia de Brasília. Na manhã desta sexta, o governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz convocou a cúpula da segurança pública do Distrito Federal para uma reunião com o objetivo de ações para conter a onda de violência. - Eu não vou admitir em hipótese alguma que meia dúzia de pessoas possa desmoralizar a Polícia Militar do Distrito Federal e colocar em risco a vida do cidadão de bem e do nosso povo. Isso é inadmissível - afirmou o governador, sobre a operação tartaruga deflagrada por policiais militares. 

O DF é dividido em 31 regiões administrativas (RAs). A mais importante delas é RA de Brasília, o chamado Plano Piloto, onde fica a maior parte da administração federal e dos postos de trabalho da capital federal. Em janeiro do ano passado, foram registrados dois homicídios na região. Até o dia 29 de janeiro de janeiro de 2014, o número de assassinatos ficou igual: foi um homicídio e um latrocínio (roubo seguido de morte). Na RA de Brasília, o principal problema foi o aumento do número de tentativas de latrocínio. Em janeiro de 2013, não houve nenhuma. Em 2014, já foram cinco.

Na periferia de Brasília, o cenário é pior. Em Ceilândia, a mais populosa das regiões administrativas, com mais de 400 mil habitantes, foram oito assassinatos em janeiro de 2013, e 11 em janeiro de 2014. Planaltina teve crescimento parecido, passando de sete casos em janeiro do ano passado para 11 em janeiro deste ano. Sobradinho II, também na periferia, viu o número de assassinatos pular de um em janeiro de 2013 para quatro em 2014.
No DF, policiais militares começaram há dois meses uma operação tartaruga, para pressionar o governo a atender suas exigências. Para cobrar reajuste salarial, eles inclusive colocaram outdoor na cidade, deixando claro que tinham deflagrado a operação. 

O tom de Agnelo, após a reunião, foi parecido à da nota oficial publicada nesta sexta-feira na capa dos principais jornais da cidade. O governo do Distrito Federal (GDF) disse reconhecer o direito de reivindicar democraticamente, mas que não negociará com o movimento enquanto as operações policiais não voltarem ao normal. "Como já é do conhecimento geral, parte dos Policiais Militares e dos Bombeiros Militares do Distrito Federal está realizando um movimento, eminentemente político, para pressionar o Governo a atender suas exigências. Eles se recusam a cumprir integralmente suas obrigações, e se omitem diante de um quadro que vem se agravando e espalhando a insegurança no Distrito Federal", diz a nota.

O comandante-geral da PM, Anderson Moura, informou que cinco PMs já estão respondendo processos administrativos disciplinares. Segundo Moura, esses PMs estão influenciando o comportamento dos outros policiais, principalmente por meio das redes sociais, para que eles deixem de cumprir suas obrigações. De acordo com ele ele, o processo pode resultar até mesmo em prisão. - As pessoas que nós já identificamos e que sabemos que tenham outros interesses que não o atendimento do pleito da instituição (aumento salarial), mas que sim a gente já sabe que existem interesses eleitoreiros, interesses políticos, essas pessoas nós estamos separando e elas estão respondendo aos conselhos - disse o comandante.

Ele prometeu uma ação enérgica para garantir a segurança das ruas de Brasília. - Aumenta (a partir de agora) a fiscalização, o controle, o número de policiais. Acredito que a partir dessa fala do governador, conseguiremos restabelecer a ordem - afirmou Moura.

Além dos assassinatos, cresceu o número de tentativas de homicídio e latrocínio. Em janeiro de 2013, foram 102 casos registrados. Até o dia 29 de janeiro deste ano, já foram 160, um crescimento de 56,9%. Já o número de roubos, furtos, assaltos e crimes contra o patrimônio no Distrito Federal aumentou 22%. Em 2013, o índice de homicídios foi de 25,4 casos por 100 mil habitantes. 

Em quatro regiões administrativas de renda elevada - Lago Sul, Lago Norte, Park Way e Jardim Botânico - não houve nenhum assassinato nem em janeiro de 2013 nem em janeiro deste ano. Nas áreas mais nobres e centrais de Brasília, houve aumento da violência no Sudoeste e no Cruzeiro. Essas duas regiões não tinham registrado nenhum assassinato em janeiro de 2013. Em 2014, elas registraram um caso cada.

Dados do censo de 2010 do IBGE, tabulados pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), mostram que Planaltina e Ceilândia têm respectivamente renda per capita mensal de R$ 560,51 e R$ 611,29. Sobradinho II tem uma renda maior: R$ 1.203,35. A Região Administrativa de Brasília tem a quarta maior renda per capita do DF: R$ 3.835,27, atrás apenas do Lago Sul (R$ 5.420,62), Sudoeste (R$ 4.792,33) e Lago Norte (R$ 4.297,96).

Ministro da Justiça condena operação tartaruga de policiais
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, condenou nesta sexta-feira que policiais coloquem seus interesses pessoais, como aumento de salários, antes do combate à criminalidade. Ao comentar a escalada de violência no Distrito Federal, fruto de uma Operação Tartaruga da Polícia Militar, o ministro defendeu os agentes que não aderem a essas manifestações. - O bom policial, e o Brasil tem muitos bons policiais, é aquele que independentemente de suas reivindicações corporativas luta contra a criminalidade, contra o ilícito. E não festeja situações penais. O Brasil tem no seu quadro a maior parte de excelentes policiais, mas tem infelizmente uma minoria que parece que coloca seu espírito corporativo acima do interesse da sociedade. Isso é triste - afirmou Cardozo.

Cardozo afirmou que o governo federal está à disposição dos estados para ajudar em medidas de segurança pública. Ele afirmou que a quem pedir o auxílio do governo federal, se possível, será dado.

Nós estamos à disposição de qualquer estado brasileiro quando se fala do aumento da violência. Temos dialogado muito com o governo do Distrito Federal. E se nos for feito solicitação de auxílio dentro de nossas possibilidade, estará deferido. Temos conversado com o governo de Goiás e do DF, sobre o entorno, com medidas nessa área, como envio da Força Nacional. Qualquer outras coisas que possamos fazer e forem solicitadas serão atendidas.
O ministro também comentou as manifestações recentes no país, contra a Copa do Mundo no Brasil. Ele voltou a reforçar que o direito a protestar e se manifestar será garantido aos cidadãos, mas que não serão toleradas práticas ilícitas e violações do direito das outras pessoas. Cardozo ainda destacou que não pode haver prejuízo aos jogos e ao turismo no país.



Gilberto Carvalho endossa proposta absurda do “ninja” Capilé que cria território livre na Cinelândia



Ditadura esquerdista No vácuo de muitos acontecimentos e refém da inoperância declarada do desgoverno de Dilma Vana Rousseff, o Fórum Social Mundial (FSM) perdeu visibilidade, até porque as reivindicações sociais que marcaram o evento nas edições anteriores não mais encontram respaldo da incompetente e inócua equipe palaciana. Apesar disso, o FSM recebeu, em Porto Alegre, Pablo Capilé, idealizador do coletivo “Fora do Eixo”, que deu origem à mídia ninja, rede alternativa de jornalismo que ganhou as manchetes durante os protestos e de junho e julho de 2013.  

Em um dos debates, ao lado do petista Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República, Capilé apontou o próximo passo do grupo que atua como braço financiado da esquerda verde-loura, a quem interessa a instalação do caos no País. Falando sobre o futuro da democracia pós-manifestações, o ativista disse que o objetivo do momento é organizar a ocupação de uma área na Cinelândia, no Rio de Janeiro, onde seria instalada uma “república”. Uma espécie de zona livre para a discussão de propostas sociais, com sua própria Constituinte, inclusive.

O País ainda vive sob o manto da democracia e é inimaginável que alguém ouse criar uma área restrita e imune à legislação vigente. Que o Partido dos Trabalhadores trabalha diuturnamente para promover um golpe todos sabem, mas o silêncio obsequioso de Gilberto Carvalho diante de tamanha sandice deve ser considerado como crime de lesa-pátria. Não se pode concordar com uma ideia esdrúxula como a apresentada por Pablo Capilé, pois trata-se de um atentado contra o Estado Democrático de Direito. 

Como na seara política nada acontece por acaso, a proposta de Capilé surge depois que o governo do PT, por meio do Ministério da Defesa, editou um compendio dos procedimentos das três Armas (Aeronáutica, Exército e Marinha) em caso de manifestações e protestos. Transferindo às Armas o poder de polícia, o governo da presidente Dilma Rousseff tenta evitar que as manifestações programadas para o período da Copa do Mundo acabem interferindo em seu projeto de reeleição. Por conta disso, o PT palaciano criou um padrão de ação policial para conter os manifestantes. 

Por questões óbvias a zona livre proposta por Pablo Capilé ficaria de fora das eventuais intervenções das forças militares, até porque o grupo comandado pelo ativista reza pela cartilha do Palácio do Planalto e de toda a horda que diariamente passa pela sede do Executivo federal. 

As declarações utópicas de Capilé não repercutiram da forma planejada, mas é preciso que os brasileiros de bem fiquem atentos aos movimentos desse grupo de baderneiros de aluguel, que insiste em desrespeitar o conjunto legal do País e vilipendiar a democracia brasileira, como se no Brasil não existissem pessoas dispostas a defender a nação da peçonha que escorre do projeto totalitarista de poder capitaneado pelo PT. 

No momento em que Gilberto Carvalho cala-se diante de uma sandice, recheada da mais acintosa ilegalidade, fica patente que o objetivo do partido é avançar rumo ao regime de exceção, nos moldes do que foi criado pelo delinquente socialista Hugo Chávez e que vem dilapidando a vizinha e conturbada Venezuela. 


Agnelo reprime líderes do sindicalismo policial - policiais e bombeiros militares NÃO esqueçam a PEC 300



Desafiado por uma ‘operação tartaruga’da Polícia Militar, o governador petista do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, ensaia uma reação. Reuniu-se com a cúpula da segurança na noite passada. Na manhã desta sexta, 31, coordenou nova reunião, dessa vez no quartel general da PM. Ao final, o coronel Anderson Carlos de Castro Moura, comandante-geral da corporação, anunciou um lote de providências. Fez isso com um atraso de mais dois meses, já que a PM opera em marcha lenta desde outubro.

Eis o que ficou decidido:
1) Os líderes da ‘operação tartaruga’ responderão a inquéritos disciplinares. As punições vão de mera advertência à demissão. Por ora, identificaram-se cinco.
2) Os policiais militares trabalharão além do expediente até que seja “restabelecida a ordem”. Para assegurar a normalização dos serviços de segurança, vão às ruas também os oficiais da PM.  
[detalhe: pelo número de processos que responde, Agnelo deve ter ligações no mundo do crime e será fácil combinar com os bandidos até que hora via o expediente dos criminosos – para que a polícia possa encerrar o dela 30 minutos após.;
O difícil é se os bandidos não cumprirem o combinado e apelarem para horas extras.]
3) Quanto às reivindicações salariais da corporação, não ficou claro se o governo se dispõe a atendê-las.

Em meio às divergências entre a PM e o GDF, prolifera a violência na Capital da República. Neste primeiro mês de 2014, houve 68 homicídios. Somando-se os cinco latrocínios (roubos seguidos de morte), a pilha de cadáveres vai a 73.

Fonte: Blog do Josias

O que são “advogados ativistas”? Seriam o contrário de “advogados passivistas”? Ou: Os “New Kids on the black bloc” do direito



Ai, ai, que pitoresco!
O advogado é, em larga medida, um técnico das leis. Por que digo isso? Quando um criminalista decide advogar para um assassino, por exemplo, não quer dizer que ele concorde com o assassinato ou que o tenha como um norte moral. Quer dizer apenas que vai lutar ou para que seu cliente seja absolvido no caso de ter agido, por exemplo, em legítima defesa, ou que vai se esforçar para que tenha uma pena condizente com as circunstâncias em que se deu o fato. Se ninguém se dispuser a fazê-lo, o estado está obrigado a fornecer um defensor público.

Advogados podem e devem ter convicções — mas têm um compromisso com o estado de direito, não é? Numa democracia, então, essa técnica também vem revestida de um valor. Eles haviam decidido adotar a causa de Fabrício Proteus Chaves, aquele envolvido num ato de resistência à prisão. A família do rapaz os destituiu — com a concordância, certamente, dos próprios. 

 “Polícia montar ratoeira para prender manifestantes”.
Ratoeira supõe que a polícia agiu de forma sorrateira, escondendo-se nos becos para surpreender manifestantes. A metáfora só faz sentido se entre o objeto ou situação designados e o termo de referência houver um nexo. A ratoeira só funciona porque o rato não sabe que, ao tocar no alimento, o mecanismo dispara e pimba! Era uma vez um ratinho. Os ditos “manifestantes”, que decidiram botar pra quebrar — como sabe a mochila de Proteus —, sabiam que a polícia estava lá. Decidiram mais do que enfrentá-la. Eles decidiram atacá-la. Há imagens dos policiais fazendo o tradicional “teto” com os escudos para se defender das pedras e dos coquetéis molotov. De resto, sorrateiros são aqueles que primeiro marcham pacificamente, com  a mochila nas costas, para, na hora certa, usar seus badulaques contra o estado de direito e ordem pública.

“Realizar abordagens sem tentar matar os cidadãos”.
Para os “advogados ativistas”, um dos objetivos da Polícia Militar é matar cidadãos. O que essa gente sabe de uma polícia que realizou 168.808 prisões em 2013, que apreendeu 18.844 armas de fogo, que realizou 43.556 flagrantes no combate ao tráfico? O que autoriza esses fedelhos a falar desse modo? “Fedelhos?” Reinaldo nos ofende! Não! Vocês ofendem mais de 100 mil homens, que se arriscam todos os dias, chamando-os de assassinos. Tratam pais de família como criminosos.

“Colheita ilegal do depoimento de Fabrício no hospital”.
Ilegal uma ova! Ilegal não é o que os “advogados ativistas” dizem ser ilegal, mas o que viola leis. O depoimento foi colhido com Fabrício Proteus plenamente consciente, na presença da família e de um defensor público: Carlos Weis.

“Quando se tornou público que os advogados ativistas estavam atuando em defesa da vítima, Fabrício, um dos advogados do grupo recebeu uma ameaça de morte para que saíssemos do caso e da atuação nas ruas”.

Estes senhores cumpriram a sua obrigação e fizeram um Boletim de Ocorrência sobre as ameaças? Que provas ou evidências têm de que a polícia ou qualquer órgão do estado respondem por elas — sim, porque é essa a sugestão implícita?

“Atitudes como a da Polícia, a do governador do estado de São Paulo e do secretário do Estado de São Paulo nos remetem aos duros tempos da ditadura”.

A fala é de uma estupenda irresponsabilidade e de uma ignorância que não pode ser desculpada nem pela juventude. Essa gente deveria trocar esse arzinho enfezado e arrogante por livros, já que nenhum deles viveu o período da ditadura. Falam do que não sabem. Falam do que não conhecem. Esses caras não têm ideia do que é fazer uma reunião política clandestina num período em que não se tinha nem direito a habeas corpus porque o AI-5 acabara com ele no caso de “crimes políticos”. Posso estar enganado, mas sinto daqui um cheirinho de PSOL, de PSTU, quiçá de coisas ainda mais radicais e mais nanicas.
 
Que “duros tempos da ditadura” o quê, seus manés! Façam um favor a si mesmos: envelheçam depressa, como recomendava Nelson Rodrigues. Não me refiro à idade. Refiro-me aos livros. Eu apanhei da ditadura lutando por democracia. Quem vai à rua para quebrar e atacar policiais, em 2014, está lutando CONTRA a democracia.

“Percebe-se que as investigações mal começaram, e os órgãos deslegitimados já estão até condenando.
Basta reler os fragmentos da fala dos “advogados ativistas” para perceber quem se considera investigador e juiz de quem. Com que legitimidade?
“Parece claro que o secretário está legitimando a polícia a agir de forma desproporcional, o que ocorre tanto nas favelas quantos (sic) nas ruas e, agora, nas manifestações populares”.

“Manifestações populares”? Era o “povo” que estava depredando bens públicos e privados no sábado? Uma ova! Na verdade, o “povo” decidiu foi linchar um black bloc — salvo por seguranças. O verdadeiro “povo” que estava nas ruas no sábado eram os policiais, não os barbudinhos mimados, alimentados com sucrilho e Toddynho comprado pelo, como é mesmo, Félix?, “pápi poderoso”. Estudem e apareçam!

“Não nos renderemos a essa agenda de repressão estatal”. “A gente não vai sair da rua”.

Ah, bom! Agora, sim! Falem como “manifestantes”, não como pretensos operadores do direito. De resto, consultem especialistas antes de falar asneiras. A administração hospitalar de morfina, o suficiente para tirar a dor, não altera a consciência de ninguém. Há coisas que “advogados ativistas” não conseguem fazer, ainda que queiram:
a) convencer que as leis não existem;
b) mudar a ciência.

Para encerrar
“Que é, Reinado? Quer proibir agora “os meninos” de falar?” Eu não! Que falem à vontade! Mas que fique claro que o fazem como militantes políticos que estão furiosos porque perderam uma bandeira de luta, não como advogados.

Fonte: Blog do Reinaldo Azevedo

Pesquisa personalizada