Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

Blog Prontidão Total

Blog Prontidão Total

Este espaço é primeiramente dedicado a DEUS, a PÁTRIA, a FAMÍLIA e a LIBERDADE.

Vamos contar VERDADES e impedir que a esquerda, pela repetição exaustiva de uma mentira, transforme mentiras em VERDADES.

Escrevemos para dois leitores: “Ninguém” e “Todo Mundo” * BRASIL Acima de todos! DEUS Acima de tudo!

NOS VISITE!!! ENTRAR!!! CONTINUAR>>>


COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

A estupidez de um petista que diminui a importância do cargo que ocupa e a burrice pretensiosa de um ministro do governo da “doutora em nada”, que confunde focinho de porco e tomada



Paralelas se cruzam no infinito
Nos bancos escolares, o professor de geometria punha estridência na voz: duas retas paralelas se cruzam no infinito. O postulado é uma riqueza na cachola de meia dúzia de privilegiados, eis que para milhões de pessoas a imagem de retas correndo pelo infinito continua sendo um ponto obscuro no universo da abstração. Por isso, continua a desafiar não especialistas a curiosidade de saber quando e onde se cruzam traços paralelos, mesmo aqueles que, escapando da linha geométrica, entram na paisagem político-institucional.  

Eis alguns deles.
Sobranceiro, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas, eleva o punho fechado, forma de “cumprimentar os companheiros”, por ocasião da abertura do ano legislativo. Ao seu lado, o ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, que comandou a Ação Penal 470, o mais longo da história da Corte e que condenou importantes quadros do PT, hoje presos no presídio da Papuda, em Brasília.

No evento solene, o gesto não combinava com a liturgia, ainda mais pelo fato de Vargas portar o segundo cargo mais importante da Casa do Povo. Muitos enxergaram na expressão estética, a par da solidariedade aos companheiros apenados, um cruzado paralelo do paranaense na cara do ministro Joaquim e o aviso de que, mesmo sentados juntos, só vão se encontrar nas lonjuras infinitas. Aviso, convenhamos, escasso de polidez.

Do alto de seu domínio na matéria, o ministro Edison Lobão garantia, segunda-feira passada, que o risco de faltar energia este ano é zero. Valia-se de dados que mostram uma sobra de energia de 1.773 MW, “valor que deve dobrar esse ano”. No mesmo dia, lia-se que o déficit de energia passará este ano de 20% nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.  No dia seguinte, um apagão deixou sem energia 6 milhões de pessoas nessas regiões, incidente que, segundo o governo, não teve vinculação com a sobrecarga do sistema nem com os baixos níveis de reservatório. Será verdade?

Anuncia-se, ainda, que o setor elétrico pode se transformar num dos maiores riscos fiscais de 2014 por conta do buraco de R$ 10 bilhões no Orçamento para cobrir despesas com o corte de tarifas em 2013. Já a situação das represas do Sudeste é a pior desde 1953, com 39,98% de sua capacidade, alerta o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Essas abordagens paralelas vão ter de brigar muito quando se encontrarem no infinito.

A dualidade chega, agora, aos campos daquela que, por anos a fio, foi chama de civismo e símbolo de grandeza do país: a Petrobras. Que, no ano passado, registrou a maior perda de valor de mercado, em termos nominais, passando de US$ 124,7 bilhões no fim de 2012 para US$ 90,6 bilhões semana passada, em um recuo de US$ 34,1 bilhões. Portanto, o momento não é de comemorar, brindar o sucesso. Ao contrário, o clima é de velório. E o que se vê? Pesada campanha na TV, em comemoração aos 60 anos da empresa. A Petrobras fez aniversário em 3 de outubro do ano passado, quando a fornada publicitária foi lançada. Há motivo, quatro meses depois, para se fazer loas à ex-primeira empresa brasileira, cujas ações derretem na Bolsa de Valores?

As paralelas realmente não se cruzam sobre os campos de petróleo, mesmo sob a garantia da presidente Graça Foster, perfil qualificado. Mas, convenhamos, “o mar não está pra peixe”, ou melhor, o nosso óleo do mar não chega no solo em proporções almejadas. E haja gasolina importada. Em tempo: o governo Lula fez ecoar pelo território nossa autossuficiência em matéria desse hidrocarboneto. Mais um furo n’água.

A liturgia dos Poderes recomenda respeito e obediência aos ritos, normas, gestos e ações inerentes às funções que exercem. O Poder Judiciário, por exemplo, deve ser exemplo de recato. Bacon, por volta de 1620, já pregava que os “juízes devem ser mais instruídos que sutis, mais reverendos que aclamados, mais circunspectos que audaciosos”. Bela lição sobre as virtudes da magistratura. Por isso, é de estranhar quando altos magistrados deixam a toga de lado para usar verbos que mais condizem com o palanque político.

O ministro Gilmar Mendes, um dos mais preparados da Suprema Corte, acaba de sugerir investigação sobre as doações feitas aos apenados na Ação Penal 470, por meio de campanhas por eles acionadas nas redes sociais, nas quais vê indícios de lavagem de dinheiro. É verdade que as altas arrecadações surpreenderam, principalmente quando se tem em conta o esforço de candidatos, como a presidente Dilma, que alcançaram resultados pífios quando tentaram angariar recursos pela internet. Mesmo assim, o sucesso da operação não justifica que um alto magistrado abra a boca para criar polêmica.

Antigamente, se dizia que o “juiz se pronuncia nos autos”. Hoje, a máxima se expandiu: o juiz fala pelo bem do país, pela defesa da Justiça. É evidente que o juiz, antes do escopo funcional que defende, é um cidadão e, portanto, cumprindo o preceito aristotélico de defender a polis, veste também o manto da política. Porém, continua valendo a lição do velho Francis Bacon sobre recato, integridade da função, postura de recolhimento, virtudes que dignificam a magistratura. Essa é a razão pela qual os operadores do Direito que se elevam ao altar do Judiciário precisam evitar transtornos, polêmicas, querelas, fechando a torneira do vocabulário usado pelos atores das casas congressuais.

O juiz é aquele que prepara o caminho para a sentença justa, e nessa direção, qualquer verbete mal colocado ameaça abalar o pedestal da Justiça. Guardar-se de conclusões duras e evitar inferências dúbias são normas que honram a toga. As paralelas entre os espaços da Justiça e as Cortes dos juízes precisam se cruzar, aqui e agora, e não na vastidão do infinito. Por último, a presidente Dilma reitera compromisso com a responsabilidade fiscal. Ora, esse é o nó que expande desconfiança e afasta investidores. Multiplicam-se paralelas que não se cruzam.

Por: Gaudêncio Torquato, jornalista, professor titular da USP, consultor político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada