Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

IMPOSTÔMETRO

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Comissão Nacional da OMISSÃO da Verdade quer investigação por militares



Ideia do grupo que apura crimes da ditadura é obrigar Forças a apresentar nova versão sobre episódios do período
Colegiado tem pouco apoio dos militares, que vêm destacando oficiais para acompanhar os depoimentos
A Comissão Nacional da Verdade quer que as Forças Armadas investiguem os próprios crimes praticados durante a ditadura (1964-85). A proposta, que será discutida hoje em reunião do colegiado em São Paulo, tem o objetivo de forçar os militares a apresentar nova versão sobre alguns episódios do período. Diante dos empecilhos criados por Exército, Marinha e Aeronáutica nas investigações dos crimes de lesa humanidade, a decisão visa, sobretudo constrangê-los.  Mas não só. A Folha apurou que a comissão quer dividir responsabilidades nas investigações, já que não terá todas as respostas sobre os crimes até o fim do ano, quando conclui seu trabalho. A investigação militar, contudo, não anulará outras em curso, até porque espera-se pouca disposição das Forças Armadas em colaborar. 

A comissão pretende ainda envolver militares na investigação do destino de arquivos das três Forças. Documentos revelam a existência de acervo desconhecido com ao menos 1,2 milhão de páginas, mas as Forças dizem não ter conhecimento dos papéis.  O argumento é que, como a comissão é ligada à Presidência da República, as Forças Armadas, por questão hierárquica, deveriam acatar o pedido de investigação. [mais uma palhaçada revanchista da  nojenta “comissão nacional da ‘omissão’ verdade”; o fato da comissão ser ligada à Presidência da República não  torna as FF AA subordinadas àquela excrescência revanchista.
A prosperar entendimento tão sórdido, qualquer um dos 39 “ministeriozinhos”  do desgoverno Dilma Rousseff terá, por ser ligado à Presidência da República, autoridade sobre as Forças Armadas.
Membros dessa nojenta comissão, leiam, releiam e, caso ainda necessário, peçam para alguém desenhar, o artigo 142 de Constituição Federal.]

Pedro Dallari, coordenador da comissão, não quis falar da proposta que, segundo ele, não tem procedência.  Desde que iniciou trabalhos, em 2012, a omissão da Verdade tem encontrado pouco apoio dos militares, críticos da atuação do grupo por só olhar a ação do Estado. Em encontro dos comissários com Dilma em maio de 2013, a presidente garantiu que militares não atrapalhariam as investigações. Ela teria chegado a brincar, dizendo que iria "tocar o rock do terror neles [militares]". Mas a animosidade não arrefeceu. 
Militares da ativa vêm sendo destacados para acompanhar, às vezes fardados, depoimentos públicos e privados de militares da reserva convocados pela comissão. No Rio, em 2013, o Comando Militar do Leste destacou o tenente-coronel André Luís para uma sessão que ouviu um militar da reserva acusado de crimes nos anos 1970. 

O mesmo ocorreu no depoimento reservado que o general Álvaro Pinheiro prestou em novembro, no Rio. Pinheiro apareceu com 16 militares, da ativa e da reserva. E dois militares da reserva acompanharam o depoimento do coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, que chefiou o antigo DOI-Codi paulista de 1970 a 74.  A Folha questionou o Ministério da Defesa sobre os acompanhamentos e sua motivação, mas a pasta afirmou que não se pronunciaria. O Exército não respondeu.

Fonte: Folha de São Paulo – Lucas Ferraz


Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada