Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

Blog Prontidão Total

Blog Prontidão Total

Este espaço é primeiramente dedicado a DEUS, a PÁTRIA, a FAMÍLIA e a LIBERDADE.

Vamos contar VERDADES e impedir que a esquerda, pela repetição exaustiva de uma mentira, transforme mentiras em VERDADES.

Escrevemos para dois leitores: “Ninguém” e “Todo Mundo” * BRASIL Acima de todos! DEUS Acima de tudo!

NOS VISITE!!! ENTRAR!!! CONTINUAR>>>


COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

terça-feira, 4 de março de 2014

A inócua linha vermelha de Obama para Putin

Presidente dos EUA ignora que presidente russo correria quase qualquer risco para não perder a Ucrânia
Estaria o Ocidente a ponto de ir à guerra com a Rússia pelo destino da Ucrânia? A pergunta se responde sozinha. Não posso imaginar muitos americanos ou europeus dispostos a gastar “sangue e dinheiro” para deixar Kiev fora das mãos de Moscou. Então por que o presidente Obama avisou publicamente Vladimir Putin de que a agressão armada contra a Ucrânia levaria a “consequências”? Que consequências fariam Putin (ou qualquer líder russo) mudar de comportamento, ou alterar seu cálculo de custo-benefício, quando se fala da Ucrânia? 
Sem medo. De gravata, o presidente russo, Vladimir Putin, acompanha exercícios militares com oficiais do Exército Mikhail Klimentyev/REUTERS

Putin pode enfrentar um mês ruim na imprensa mundial e talvez algumas sanções por usar a força bélica da Rússia para esmagar protestos, derrubar o Parlamento e restaurar algo parecido com o governo anterior. Mas, em sua cabeça, isso é nada comparado à ideia de perder a Ucrânia. Afinal, Putin lamentou a dissolução da União Soviética como “a maior catástrofe geopolítica” do século XX. Ele considera a Ucrânia como um território russo (e disse isso ao presidente George W. Bush em 2008). E a península da Crimeia é ucraniana apenas no nome. A Marinha russa mantém uma importante frota lá; a maioria dos habitantes fala russo e se considera russa. Putin mandou, sim, tropas para tomar a Crimeia, mas poucos locais reclamaram.

Sim, a Rússia assinou um acordo garantindo as fronteiras da Ucrânia, e o secretário de Estado americano, John Kerry, notou que Putin não poderia insistir na soberania da Síria enquanto viola a ucraniana. Nada disso importa para Putin ou importaria para qualquer líder russo. Putin poderia citar os pedidos do povo da Crimeia para restaurar a ordem na região, e poderia achar alguém para fazer o mesmo no Leste da Ucrânia, pró-Rússia. “Não estou invadindo a Ucrânia; estou apenas respondendo a chamados de ajuda de cidadãos em perigo”, ele poderia dizer.

Claro, se trata de racionalizações, não motivos de verdade. A principal motivação de Putin é reafirmar a hegemonia russa. A Ucrânia é muito mais importante para a Rússia que para os EUA ou qualquer país da Europa Ocidental. A Ucrânia faz fronteira com a Rússia; Putin vê o país como um mercado vital e, mais importante, como um abafador contra pressões ocidentais. Nada disso implica apoio à posição de Putin. Apenas descreve os fatos: os interesses, o que está em jogo e os riscos e opções dos atores.

O que leva à pergunta inicial: por que Obama disse publicamente que uma agressão à Ucrânia teria “consequências”? Claramente, estava dizendo a Putin para recalcular os potenciais custos e benefícios de uma invasão. Mas Obama ignora um fato simples: Putin incorreria em praticamente qualquer risco para não perder a Ucrânia. Não há consequências — nenhuma que os EUA poderiam usar de forma crível — que impediriam Putin de fazer o que seja para segurar a Ucrânia.

Obama costuma adotar uma política externa realista. Mas, nas declarações públicas sobre a Ucrânia nos últimos dias, não o fez. Ao contrário, traçou outra “linha vermelha” diante da qual a parte ameaçada crê que vale a pena arriscar-se e ignorá-la. Na semana passada, Obama conversou 90 minutos com Putin, e Kerry deve estar falando com o chanceler russo, Sergei Lavrov. Agências de notícias russas noticiam que a ex-premier ucraniana Yulia Timoshenko (rival do presidente deposto Viktor Yanukovich) está indo a Moscou para conversar com Putin. Todas essas pessoas entendem o que estrategistas soviéticos chamavam de “correlação de forças” — os interesses, riscos, possibilidades (e impossibilidades) deste momento histórico.

Nenhum lado quer uma escalada de violência e desordem. A pergunta é quanto cada lado está disposto a aceitar uma escalada na busca de seus interesses. Nesta equação, Obama e a União Europeia (UE) não têm força. Nestas circunstâncias, Obama deveria buscar interesses comuns. Um deles seria evitar um banho de sangue. Mesmo Putin não quer mandar tropas para o centro da Ucrânia. O Exército russo não está exatamente em forma: poderia fazer uma invasão, mas sabe-se lá por quanto tempo poderia manter uma ocupação, ainda mais frente a insurgentes nacionalistas que têm um ódio feroz da Rússia.

Talvez Obama pudesse dar garantias de que não oferecerá à Ucrânia uma vaga na Otan (o que não é uma questão no momento), ou de que não vai pressionar para ressuscitar o plano para a adesão ucraniana à UE. Essa oferta seria grande: os protestos na Ucrânia começaram quando Yanukovich suspendeu os planos para uma associação formal com a UE, depois que Putin o atraiu com US$ 15 bilhões em ajuda. Em troca dessas garantias, Putin retiraria suas tropas, reconheceria a deposição de Yanukovich (de quem nunca gostou) pelo Parlamento ucraniano e permitiria a realização de eleições na Ucrânia em maio. Obama poderia apresentar este acordo como uma vitória para a democracia (o povo ucraniano decidirá!). Putin engoliria o acordo, acreditando que um candidato pró-Rússia possa vencer. De qualquer forma, os políticos ucranianos já terão visto o que Putin pode fazer.

No entanto, talvez eles não estejam conversando nestes termos. Putin pode exagerar seu jogo para não parecer fraco em seu quintal, e talvez com a crença de que líderes ocidentais não o isolarão porque precisam de sua ajuda na Síria e no Irã. Ou então Obama e Putin podem chegar a um acordo, mas manifestantes e policiais em Kiev e outros lugares podem ter uma outra ideia sobre uma solução — e, com isso, aumentando a violência. (Há alguns dias, vale lembrar, Yanukovich e os líderes da oposição apertaram as mãos em um acordo que não satisfez manifestantes e autoridades.)

A crise pode estar quase no fim, ou pode estar apenas começando — um jeito insatisfatório de encerrar uma coluna, mas o povo ucraniano teve uma longa e insatisfatória História, e muitos não vão querer voltar a descansar após os primeiros sinais de uma nova e engajada vida política em décadas.

Por: Fred Kaplan é escritor e colunista de política internacional da revista online Slate

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada