Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

Blog Prontidão Total

Blog Prontidão Total

Este espaço é primeiramente dedicado a DEUS, a PÁTRIA, a FAMÍLIA e a LIBERDADE.

Vamos contar VERDADES e impedir que a esquerda, pela repetição exaustiva de uma mentira, transforme mentiras em VERDADES.

Escrevemos para dois leitores: “Ninguém” e “Todo Mundo” * BRASIL Acima de todos! DEUS Acima de tudo!

NOS VISITE!!! ENTRAR!!! CONTINUAR>>>


COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

terça-feira, 11 de março de 2014

Cá e lá



A comparação com a Suprema Corte dos Estados Unidos, o modelo de Corte constitucional em que se baseia nosso Supremo Tribunal Federal, que fiz nas colunas do final de semana suscitou várias reações dos leitores, e acho, por isso, que vale a pena prosseguir. Como cá, nos EUA, os presidentes da República nomeiam os ministros. Mas a diferença fundamental é que, lá, o Congresso faz uma sabatina realmente aprofundada dos candidatos, recusando mesmo certas indicações ou criando constrangimentos tais que o próprio presidente da República retira sua indicação.

Além disso, o cargo de ministro é vitalício, o que faz abrir pouquíssimas vagas nos oito anos de mandato de um presidente que se reeleja. Aqui, a idade-limite de 70 anos faz com que os ministros tenham que sair da Corte em meio a um processo, como aconteceu no mensalão. Também o sistema de aposentadoria pública estimula a aposentadoria precoce.
 
Dificilmente nos Estados Unidos haverá o caso de um processo ser julgado por novos ministros que não participaram da primeira fase, como ocorreu com os ministros Luis Roberto Barroso e Teori Zavascki no caso do mensalão. Mas, sempre que podem, os presidentes tentam, com suas nomeações, dar uma tendência à Suprema Corte de acordo com seu próprio credo político. Diego Werneck Arguelhes, professor da Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas e especialista no sistema judiciário americano, avalia que, “assim, mudanças eleitorais vão se traduzindo, ao longo do tempo, em mudanças de jurisprudência”.

Ele cita como exemplo os longos governos Bush, na década passada, e Reagan, nos anos 80, que levaram diversos conservadores para o Judiciário federal e para a Suprema Corte, produzindo significativas guinadas conservadoras no Direito constitucional do país sobre temas como aborto, ação afirmativa, imigração, poderes regulatórios do Executivo federal e direitos de réus em processo penais.

Um dado em comum permanece, destaca Diego Werneck: “Com o passar dos anos, esses valores ecoam das eleições até o STF, da política para a decisão judicial, por meio do mecanismo de indicação”. Mas, mesmo nesse cenário, ressalta Diego Werneck, não se pode prever, nem explicar uma decisão de um ministro simplesmente perguntando qual presidente o indicou. “Nunca é demais lembrar que os ministros, uma vez empossados, têm garantias de independência: vitaliciedade, irredutibilidade de salários, inamovibilidade. Essas garantias procuram neutralizar quaisquer incentivos que existiriam para agradar às autoridades que o indicaram e aprovaram no cargo de ministro. Na ausência desses incentivos, os ministros têm uma inegável liberdade.”
O próprio mensalão mostrou, inúmeras vezes, que os ministros e as ministras do STF podem, com suas decisões, surpreender e até desagradar a quem os indicou. Se de um lado os ministros Lewandowski e Toffoli votaram previsivelmente na grande maioria das vezes a favor dos mensaleiros, outros ministros nomeados por Lula e Dilma votaram com independência.
Na Suprema Corte dos EUA há bons exemplos de ministros que em determinadas circunstâncias votam em desacordo com o governo que os indicou. O advogado Leonardo Correa relembra o exemplo mais recente, por ocasião do julgamento do chamado “obamacare” — reforma da saúde proposta pelo atual presidente americano e aprovada pelo Congresso. John Roberts, Chief Justice da Suprema Corte americana (equivalente ao presidente do nosso Supremo Tribunal Federal, mas com cargo vitalício e indicado pelo presidente da República), fez um voto em que, apesar de críticas veladas ao novo sistema, desempatou a favor do governo Obama, afirmando que “os membros desta Corte possuem a autoridade de interpretar a lei; não detemos a expertise nem a prerrogativa de proferir julgamentos sobre políticas. Essas decisões são atribuídas aos líderes eleitos de nossa nação, que podem ser expulsos de seus cargos se o povo discordar deles. Não é nossa função proteger o povo de suas escolhas políticas”.
O detalhe é que Roberts foi nomeado por George W. Bush por seu perfil conservador, mas, nesse caso, ele votou contra seus colegas de tendência política Scalia, Thomas, Alito e Kennedy, resultando na aprovação do “obamacare”.
 Fonte: Merval Pereira, O Globo

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada