Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

Blog Prontidão Total

Blog Prontidão Total

Este espaço é primeiramente dedicado a DEUS, a PÁTRIA, a FAMÍLIA e a LIBERDADE.

Vamos contar VERDADES e impedir que a esquerda, pela repetição exaustiva de uma mentira, transforme mentiras em VERDADES.

Escrevemos para dois leitores: “Ninguém” e “Todo Mundo” * BRASIL Acima de todos! DEUS Acima de tudo!

NOS VISITE!!! ENTRAR!!! CONTINUAR>>>


COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

quinta-feira, 13 de março de 2014

Meio século do dia em que João Goulart tentou o golpe e perdeu


50 anos do golpe: o dia em que Jango apostou tudo e perdeu
Comício da Central pelas reformas foi tentativa frustrada de garantir sobrevivência do governo
Há exatamente 50 anos, milhares de pessoas se espremiam na Central do Brasil, no Rio, para ouvir as palavras do então presidente João Goulart, à época envolvido com a tentativa de implementar as reformas de base que vinham sendo bloqueadas pelo Congresso. Não à toa, o evento convocado para mobilizar as massas em apoio ao presidente e suas iniciativas entrou para a História como o Comício das Reformas ou Comício da Central.
O ato foi marcado para acontecer três dias antes da abertura do ano legislativo no Congresso, ocasião em que Jango mandaria uma mensagem aos parlamentares. O edital de convocação para o comício deixava claro seus objetivos: demonstrar a disposição do governo em implementar as reformas agrária, bancária, administrativa, universitária e eleitoral. Há divergências sobre quantos atenderam à convocação, e a estimativa de público variou de 100 mil a 300 mil pessoas.
Autor do livro “João Goulart, uma biografia” e professor de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), Jorge Ferreira lembra que, com a legislatura que se iniciou em 1963, Jango tinha uma base que equivalia a 57% das 409 cadeiras da Câmara. Eram parlamentares do partido do presidente, o PTB, e do PSD. Quando o projeto de emenda constitucional a fim de que houvesse reforma agrária foi para o Congresso, em maio de 1963, os dois partidos não se entenderam. O PTB não queria que os proprietários de terra fossem indenizados. Já o PSD julgava que deveria haver alguma indenização. Sem o entendimento na base, a reforma foi rejeitada.
Jango, então, tentou pressionar o Congresso com a ajuda do povo. Foi programada uma série de comícios. O primeiro deles, o da Central, foi o único a acontecer. O último, agendado para o Dia do Trabalho em São Paulo, assim como os outros, ficou no papel. — Quando ele faz o Comício da Central do Brasil, está sinalizando que vai governar com as esquerdas, e, para as direitas, isso é inadmissível. Aí, elas partem para o golpe — explica Ferreira.
Durante o processo de organização do comício, o governador do estado da Guanabara, Carlos Lacerda, e outros tantos setores da sociedade se mobilizavam contra sua realização. Na madrugada do dia do evento, houve uma tentativa de incendiar o palanque. Ao todo, 2.500 homens da Polícia do Exército foram escalados para fazer a segurança do comício.
Em cima do palanque, estavam figuras como o deputado Leonel Brizola e os governadores Miguel Arraes (Pernambuco), João Seixas Dória (Sergipe) e Badger da Silveira (Estado do Rio). O presidente chegou ao comício às 19h44m, depois de ter assinado, no Palácio Guanabara, dois decretos: o que dava início às expropriações fundiárias e o que permitia a encampação de refinarias. Ao lado da primeira-dama Maria Teresa Goulart, Jango iniciou seu discurso às 20h daquele histórico 13 de março de 1964. Dias depois, ele seria deposto pelos militares. — Quem foi ao comício jamais poderia imaginar que dentro de 20 dias iria ter um retrocesso. O evento foi muito bem organizado, com muita participação — afirmou o jornalista Pedro Porfírio, de 70 anos.
Em sua fala, o presidente defendeu as reformas agrária e eleitoral, além da revisão da Constituição de 1946. Vez ou outra, o chefe do Gabinete Civil da Presidência, professor Darcy Ribeiro, soprava algo no ouvido de Jango, e o presidente passava a falar sobre outro tema ainda não abordado no discurso. Jango anunciou que regulamentaria o preço extorsivo de apartamentos e residências desocupados. No dia seguinte, o presidente assinou o decreto estipulando o tabelamento do preço de aluguéis e imóveis em todo o país.
Ele estava altamente apoiado. Ali, naquele comício, era o povo de verdade — afirmou Fernando de Santa Rosa, de 80 anos, que foi ao evento a serviço, como capitão-tenente da Marinha, quando era assessor do superintendente da Companhia Nacional de Navegação Costeira. — Foi uma pena aquilo não ter vingado porque houve uma interferência exógenacompletou o ex-militar, cassado das Forças Armadas pelo AI-1 e preso por duas vezes, em 1964 e 1965.
Os setores mais conservadores reagiram com indignação às palavras e aos gestos do presidente. Poucos dias depois, em 26 de março, centenas de marinheiros liderados pelo marinheiro José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, recolheram-se ao Sindicato dos Metalúrgicos, no Rio, em protesto contra restrições impostas à categoria. As autoridades civis recusaram-se a punir os sublevados, atitude que desnutriu ainda mais o governo Goulart. Em 31 de março de 1964, os militares tomaram o poder.
Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada