Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

Blog Prontidão Total

Blog Prontidão Total

Este espaço é primeiramente dedicado a DEUS, a PÁTRIA, a FAMÍLIA e a LIBERDADE.

Vamos contar VERDADES e impedir que a esquerda, pela repetição exaustiva de uma mentira, transforme mentiras em VERDADES.

Escrevemos para dois leitores: “Ninguém” e “Todo Mundo” * BRASIL Acima de todos! DEUS Acima de tudo!

NOS VISITE!!! ENTRAR!!! CONTINUAR>>>


COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

quarta-feira, 12 de março de 2014

Sem espaço para dois impérios em paz



Não há no mundo lugar para dois Impérios Romanos e se existirem não permanecerão em paz. Após longa queda de braço as contradições do comunismo implodiram a União Soviética e durante curtas três décadas o mundo viveu a Pax Americana, sucessora da Pax Britânica, que havia sucedido a Pax Romana. Nesse interregno agiganta-se o colosso chinês anunciando ser o próximo desafiante do atual “Hegemon” e a Rússia é retirada do caos por um líder nacionalista e corajoso capaz de jogar tudo para não perder a posição de seu país.

Os EUA, país ainda hegemônico, também defende seus interesses com garra, respondem a ameaças à sua moeda com invasões se for necessário e jogam com tudo para trocar os governos que lhes são hostis. Bem sucedidos em atrair algumas das “repúblicas” da antiga  URSS, no momento procuram atrair a Ucrânia para a OTAN, enfraquecendo a posição da Rússia, que reage com audácia arriscando mesmo a uma nova guerra. Os EUA procuram também mudar o governo da Venezuela. 

O Caso do Sudeste europeu
Poucas dúvidas restam que a Ucrânia se dividirá, ficando o núcleo ucraniano aliado à OTAN e a Criméia, talvez mais alguma parte incorporada à Rússia ou ao menos autônoma. Para evitar a secessão, a Ucrânia teria que concordar com todas as exigências russas, mas as amargas lembranças tornam o entendimento muito difícil, na verdade a Ucrânia teve muito pouco tempo de independência e nunca chegou a constituir uma unidade nacional. Habitada originalmente por população etnicamente búlgara, esses se fundiram com invasores mongóis formando o povo tártaro, de onde saíram os famosos guerreiros cossacos, quase sempre a serviço do Império Russo.

Ainda que romantizados por Hollywood, os cossacos nunca tiveram a confiança do exército do Czar, que preferia utilizá-los em missões de reconhecimento, mas os monumentos existentes demonstram que teriam prestado excelentes serviços ao Império na conquista da Sibéria. Na revolução bolchevista os cossacos se posicionaram contra os comunistas e foram massacrados. Só a lembrança desse fato já justificaria a animosidade dos povos, mas pior, sob Stalin os comunistas resolveram exterminar os ucranianos pela fome, confiscando-lhes todos os mantimentos, num genocídio que certamente superou em crueldade o genocídio turco sobre os armênios ou o nazista contra os judeus. A partir daí a amizade entre os dois povos se tornou impossível. Naturalmente os ucranianos receberam os invasores alemães como libertadores, mas com a derrota foram entregues pelo ocidente à União Soviética, onde constituiu contra a vontade uma das “repúblicas” daquele Império. Nessa situação recebeu o território da península da Criméia, até então parte da “república” da Rússia e habitada predominantemente por russos étnicos.

A História e a etnia da Criméia indicam que ela voltará a fazer parte da Rússia.  Se os EUA e seus aliados quiserem atrair o que restar da Ucrânia terão que arcar com um apoio econômico, difícil na atual conjuntura. Quanto a declarar guerra à Rússia por causa da invasão, como fez a Inglaterra quando da invasão da Polônia, consideramos  fora de cogitação, as circunstâncias são outras. Nesse choque de vontades tende a vencer a vontade mais forte e parece ser a da Rússia. E será uma batalha defensiva.

O Caso da América do Sul
É onde é mais fácil para os EUA de manter ou mesmo ampliar sua posição. Tendo o nosso País se metido onde não devia na política interna do Paraguai, era previsível a aproximação daquele país com os EUA, como já o fazem a Colômbia e secundariamente o Chile e o Peru. Os governos hostis, mais por serem maus governos do que por influência norte-americana estão ameaçados de substituição e coopera para isto o inconcebível apoio à Cuba, em detrimento de seus próprios povos, motivados por uma ideologia que já se revelou nefasta.

Contudo, na defesa de seus interesses, os EUA não descansam. Através de ações diplomáticas, pressões econômicas e domínio da imprensa desenvolvem a “guerra de 4ª geração” para minar não só quem o hostiliza, mas também a quem poderia ensaiar o libertar-se do semi protetorado existente.

Na Venezuela intensifica a atuação com suas Forças Especiais e certamente auxiliará a derrubar o governo do Presidente Maduro, que governa com a mesma incompetência mas sem o carisma do Chavez. A imprensa anuncia que Cuba mandará tropas em apoio a Maduro. Forças Especiais e agentes subversivos já o faz há décadas. Tropas, se for verdade, serão mal recebidas pelo exército venezuelano que se voltará contra o Governo. Os povos sul-americanos, na maioria, não compartilham dos ideais esquerdistas de seus dirigentes. Ao que pese as justas restrições a atuação dos Estados Unidos e dará a este o pretexto que precisam para intervir, mas e a UNASUL não vai reagir militarmente? Claro que não; a UNASUL é apenas uma ficção. Limitar-se-á a fazer discursos.

No Nosso País
Quanto a nós, ao que parece, os EUA (como peça de manobra da oligarquia financeira internacional) já decidiu tirar o PT do governo, aliás, em boa hora, porque vai mal. Claro, não podemos esperar coisa melhor, talvez venha alguém mais entreguista ainda, mas pelo menos que não tenha o mesmo amor pela Cuba e seu regime.

Se fosse apenas essa interferência em nossa política interna já deveríamos estar com as barbas de molho em relação aos EUA, mas a situação ainda é pior, no receio que possamos um dia a fazer-lhes sombra procuram nos dividir em nações étnicas. Usam de todas as falsidades com suas malditas ONGs, apelam para a defesa da democracia (só quando interessa, jamais na Arábia Saudita), na defesa do meio-ambiente aqui  (farms here, Forest there), forçam o afastamento das Forças Armadas da Direção Nacional, bloqueiam o avanço industrial e científico e quem sabe explodem nossos foguetes e com eles nossas tentativas de entrar no clube espacial.

O cenário brasileiro torna-se assustador. Além da interferência estrangeira a insegurança pública atinge a nível alarmante, com a população alarmada implorando uma intervenção. A causa da insegurança não está somente na inadequação das leis, mas é também um efeito colateral da campanha do desarmamento, que orientada do estrangeiro visa acovardar o povo de forma a acostumá-lo a ceder a qualquer ameaça sem pensar em reagir. Uma vez “domesticado” o povo, a Nação também não reagirá as ameaças externas. Isto faz parte da guerra de 4 ª geração, ainda que a população não o compreenda.

O nosso medo da inflação leva o mau governo a aumentar os juros, o que faz baixar o crescimento, os programas governamentais são incompetentes, deficitários e inflacionários. O ideal socializante do governo já acabou com a indústria nacional e com ela com os empregos e agora tenta acabar com o agronegócio e ainda teremos que pagar a Copa e as Olimpíadas.  É difícil saber em qual dos Três Poderes a podridão é maior.  A dívida do país está chegando à casa dos 3 trilhões...  2015 será de uma recessão braba. Contudo, temos um Governo escolhido pelo povo. [pessimamente escolhido e que obteve votação maior em estados em que predomina a miséria, a ignorância e o voto de cabresto via bolsas.] Foi uma má escolha, mas não sabemos se a outra alternativa seria ainda pior. Somente as Forças Amadas ainda são respeitadas e para elas se voltam as esperanças de correção dos rumos.

Claro, não cabe a nenhum Exército o ditar em qual regime o País deve viver, nem tampouco estabelecer o nível  de corrupção, mas nenhum Exército pode assistir impassível ao desmanche de sua nação. Entretanto, os episódios conflituosos envolvendo indígenas em vários estados, não deixam dúvida: ou a sociedade brasileira se decide a interromper o avanço do “indigenismo” estimulado do exterior ou o País verá multiplicarem-se de forma explosiva os conflitos entre estes últimos e os não-indígenas, com sérias ameaças para a ordem social e no extremo, até mesmo para a sua integridade territorial, ainda mais do que a situação da economia, do que a estéril discussão política, do que a corrupção desenfreada e do que o revanchismo suicida da Comissão da “Verdade” é a questão indígena que forçará o Exército a intervir novamente.

A Nação Brasileira está sendo esquartejada. O inimigo divide para vencer.
Sabemos que teremos que intervir. Já o fizemos outras vezes. Certamente  não cabe ao Exército escolher em qual regime o País deve viver, mas não assistiremos impassíveis ao desmanche de nossa nação.

Orgulho e vergonha
Tenho orgulho do nosso Exército. Emociona-me a Epopéia dos Guararapes, as lutas no Sul, os lances da Guerra no Paraguai, a FEB e tantas figuras heróicas, avultando a personalidade sem jaça de Caxias, transformando adversários em colaboradores e ex-inimigos internos em camaradas de armas.

Também tenho vergonha de alguns episódios. Não me envergonha a ação de 64. O Exército fez o que tinha que ser feito. Envergonha-me a quartelada que proclamou a República, encerrando o melhor governo que já tivemos e jogando o nosso País no caos. Envergonha-me do episódio de Canudos onde exterminamos nossa gente, além de ter demonstrado uma incompetência dificilmente igualada por outro Exército. Finalmente me envergonho do apoio dado aos órgãos traidores da Funai e Ibama no despovoamento da Amazônia e da traição ao dificultar ao máximo a fabricação de armas no Pais.

Talvez nossos militares, nos diversos níveis da hierarquia, tenham recebido ordens superiores de expulsar brasileiros de suas terras para entregá-las até mesmo a índios vindos do exterior; a impedir a agricultura e a indústria para preservar bagres e sapos, tudo a comando de ONGs estrangeiras dirigidas pelo capital internacional. Eles sabem que estão agindo contra a Pátria, mesmo assim cumprem as ordens.

Com tal atuação o Exército está perdendo sua única vantagem: a confiança da população. A FAB, antigamente considerada benemérita na Amazônia, já perdeu, quando por falta de combustível passou a voar para a Funai e o Ibama, os inimigos do progresso. Agora é a vez do Exército. Pode ser que ideologicamente cooptados, alguns militares o façam com prazer. Neste caso são traidores. Mais provavelmente o fazem por covardia, escudando-se, em nome da disciplina, numa distorcida lealdade que deveria ser primeiro para com a Pátria. Para estes ofereço simbolicamente uma pena branca. Eles sabem o que isto significa. 

Que Deus ilumine nossas decisões!  

Por: Gelio Fregapani é escritor e Coronel da Reserva do EB;  atuou na área do serviço de inteligência na região Amazônica, elaborou relatórios como o do GTAM, Grupo de Trabalho da Amazônia.

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada