Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

Blog Prontidão Total

Blog Prontidão Total

Este espaço é primeiramente dedicado a DEUS, a PÁTRIA, a FAMÍLIA e a LIBERDADE.

Vamos contar VERDADES e impedir que a esquerda, pela repetição exaustiva de uma mentira, transforme mentiras em VERDADES.

Escrevemos para dois leitores: “Ninguém” e “Todo Mundo” * BRASIL Acima de todos! DEUS Acima de tudo!

NOS VISITE!!! ENTRAR!!! CONTINUAR>>>


COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Governo diz que não vai propor revisão da Anistia – ex-terrorista é contra a revisão da Lei da Anistia e que muitos ex-companheiros pararam no tempo e vivem obcecados



A revanchista e ex-ministra Maria do Rosário continua obcecada pela revogação da Lei da Anistia = extinção do Estado Democrático de Direito
Após a presidente Dilma Rousseff ter dito na segunda-feira que reconhece e valoriza “os pactos políticos que nos levaram a redemocratização”, a Secretaria de Comunicação da Presidência informou que o governo não pretende tomar iniciativa para propor mudanças na Lei da Anistia, mas que também não interditaria o debate sobre sua revisão. Nesta terça-feira, ao assumir a Secretaria Especial de Direitos Humanos, a ministra Ideli Salvatti também afirmou que cabe ao Congresso decidir se quer revisar a lei que anistiou crimes cometidos durante do regime militar.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS), que passou o posto a Ideli, anunciou que volta para a Câmara justamente para tentar rever a Anistia. — O governo nunca obstruiu esse debate. Ele é um debate, no entanto, que deve estar nas mãos da sociedade e que cabe ao Congresso, não é iniciativa do Poder Executivo. O Congresso também precisa ocupar o seu lugar, valorizando a própria democracia de quem ele é fruto. Por isso, eu concordo totalmente com a presidenta Dilma em seu pronunciamento, mas como parlamentar as tarefas do Congresso devem fazer o Brasil avançar num novo sentido — explicou Rosário.

— Tenho uma responsabilidade como integrante da equipe da presidenta Dilma de colocar da forma como a presidenta colocou no dia de ontem (segunda-feira). Agora, a responsabilidade do país de fazer esse debate, de alterar, se for o caso, aquilo que foi produzido a partir de acordos, como a própria presidenta colocou no seu discurso, isso é uma responsabilidade do Congresso Nacional — reforçou Ideli.

Na solenidade de transmissão de cargo, Maria do Rosário afirmou que não acredita que “possamos mais no Brasil manter as marcas e os efeitos da Lei da Anistia como ela foi produzida em 1979.” A deputada do PT do Rio Grande do Sul ainda citou o Supremo Tribunal Federal (STF), dizendo que a Corte “não pode continuar tratando esses crimes como crimes políticos”. Ela defende que os crimes cometidos durante o regime foram hediondos e devem ser punidos.

Essa não foi a primeira vez que integrantes do primeiro escalão do governo se pronunciaram sobre a revisão da Lei da Anistia. Em maio do ano passado, um dia após a Comissão Nacional da Verdade ter defendido punição para agentes da ditadura, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que o governo descartava enviar projeto de lei ao Congresso para rever a lei. E disse na ocasião que, como o Supremo Tribunal Federal já havia se posicionado contra a revisão em 2010 (ao julgar uma ação da OAB), a questão, “do ponto de vista jurídico” estaria “sacramentada e decidida”.

Em outubro, o ministro da Defesa, Celso Amorim, também reiterou que o governo não cogitava propor alterações na lei. No Congresso, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) subiu a tribuna para condenar o depoimento do coronel da reserva do Exército Paulo Malhães, que, em depoimento à Comissão Nacional da Verdade, detalhou as torturas praticadas durante da ditadura. Ele defendeu a revisão da Lei da Anistia. — Não é possível que qualquer Lei da Anistia possa poupar esse assassino de pagar por seus crimes contra a humanidade — afirmou o senador.

Decisão sobre mudanças na lei deve parar no STF
Dois são os caminhos para uma eventual revogação da Lei da Anistia, em vigor desde 1979, e ambos devem ter como destino o Supremo Tribunal Federal. O primeiro deles é pelo ingresso no STF de uma nova ação questionando a constitucionalidade. A Corte já deu parecer contrário à alteração. No entanto, com sua nova composição do Tribunal, surge a hipótese de mudanças. O outro caminho é a aprovação no Congresso de um projeto que revogue os efeitos da Anistia, mas ele pode ser considerado inconstitucional.

Professor de Direito Penal da Fundação Getulio Vargas Direito Rio, Thiago Bottino avalia que mudanças na Lei da Anistia esbarrariam na inconstitucionalidade. Segundo ele, leis que instituem punição ou penas mais rigorosas não podem ser retroativas. Já uma Proposta de Emenda Constitucional esbarraria em causas pétreas, que a Constituição não prevê alterações. Thiago alerta para reflexos que a discussão pode provocar no trabalho das comissões da Verdade. Com o risco de punição, muitos deixariam de contar o que sabem. — Estamos reescrevendo a História, o momento é o da informação. Saber a verdade e punir culpados são incompatíveis neste momento. A punição é uma resposta imediata, mas no Brasil a verdade demorou vir à tona.

Para Oscar Vilhena, professor de Direito Constitucional da FGV, no caso de consulta ao STF seria recomendado que o autor da ação apresentasse fatos novos em relação à decisão de abril de 2010, que rejeitou o questionamento da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre a constitucionalidade da lei. No mesmo ano, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil a fazer a investigação penal da operação do Exército para erradicar a Guerrilha do Araguaia.

Vilhena lembra que o STF não precisa seguir a decisão da Corte Interamericana, mas o fato de quatro ministros terem sido trocados desde a rejeição da ação pode levar a uma nova posição. Para ele, o caminho legislativo também pode acabar no STF: — O Congresso poderia fazer uma lei revogando a Lei da Anistia, mas isso provavelmente traria um litígio constitucional que seria resolvido pelo Supremo.

Dois ministros do STF já declararam que a Corte pode mudar o entendimento sobre a Anistia. Com a nova composição, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, e o ministro Luís Roberto Barroso consideram possível uma decisão oposta. Aguarda hoje veredicto do STF um recurso da OAB no mesmo processo. A ordem entrará com uma nova ação questionando a amplitude da anistia.

Ex-guerrilheiro, Alfredo Sirkis é contra a revisão da Lei de Anistia
O deputado federal Alfredo Sirkis (PSB-RJ) foi da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) - de Carlos Lamarca -, atuou na luta armada e participou de dois sequestros de embaixadores que resultaram na libertação de 110 presos políticos. E viveu oito anos o exílio. Mas Sirkis é contra a revisão da Lei de Anistia. Para ele, é inócuo fazer hoje julgamento desses "coronéis e generais de pijama" passados 40 anos desses episódios.

 Para o parlamentar, muitos de seus ex-companheiros de enfrentamento à ditadura pararam no tempo e estão obcecados com ideia de rever a Lei de Anistia. — Acho que uma revisão da Lei de Anistia a essa altura do campeonato traz vários problemas. É inócuo porque não cabe no nosso ordenamento jurídico. Um autor de crime bárbaro, como do jornalista Tim Lopes, em quatro ou cinco anos, com progressão da pena, está solto. Julgar alguns generais ou coronéis de pijama, já septuagenários e passados mais de 40 anos, é totalmente impossível que resulte em cadeia. A não ser por alguma lei de exceção — disse Alfredo Sirkis ao GLOBO.

Sirkis atuou nos sequestros dos embaixadores alemão Ludwig Von Holleben e do suíço Giovanni Bucher. O deputado afirmou que os militares que atuaram nos anos de chumbo são pessoas existencialmente miseráveis e que boa parte já morreu de "morte morrida". Para ele, trazê-los ao noticiário é dar palco e holofote a esses antigos oficiais e atender ao interesse da mídia.

O deputado discorda dos que defendem a revisão da Lei de Anistia e disse que eles não se desapegam desse passado. — As pessoas não se desapegam desses fatos de 40 anos atrás. Participei de duas ações de guerrilha, de dois sequestros que libertaram 110 presos políticos. Mas não sou mais o jovem de 19 anos daquela época. Hoje tenho 63 anos. Tinha ilusões e pouco conhecimento da realidade e da história. Algumas pessoas pararam no tempo. Aquilo foi o mais importante que fizeram na vida. Depois disso (dessa época) já fiz muitas coisas interessantes. Me perdoem meus colegas, mas muitos revivem a ditadura de uma forma obsessiva — afirmou Sirkis.


Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada