Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

Blog Prontidão Total

Blog Prontidão Total

Este espaço é primeiramente dedicado a DEUS, a PÁTRIA, a FAMÍLIA e a LIBERDADE.

Vamos contar VERDADES e impedir que a esquerda, pela repetição exaustiva de uma mentira, transforme mentiras em VERDADES.

Escrevemos para dois leitores: “Ninguém” e “Todo Mundo” * BRASIL Acima de todos! DEUS Acima de tudo!

NOS VISITE!!! ENTRAR!!! CONTINUAR>>>


COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

sábado, 24 de maio de 2014

Ameaça vermelha - mais um movimento criminoso orientado pelo Foro de São Paulo

Ameaça vermelha


Aproveitando-se da proximidade do Mundial, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto torna-se o principal protagonista das manifestações, bloqueia avenidas de São Paulo e promete "Copa de sangue" se não tiver reivindicações atendidas

[primeira medida é tirar o primeiro T da sigla, já que representa TRABALHADORES e esses vagabundos do MST urbano, digamos assim, podem ser tudo, MENOS trabalhadores.
São substitutos dos facínoras do Movimento dos Sem Terra - com a fartura de bolsas do desgoverno Dilma,  aqueles marginais concluíram ser bem mais vantajoso ser 'bolsista' do que viver em acampamento de lona.]

O rol de preocupações do governo federal com a miríade de grupos dispostos a usar a Copa do Mundo para transformar em realidade as mais variadas demandas sociais e trabalhistas ganhou um protagonista de peso na quinta-feira 22. Com mais de 20 mil pessoas a travar as principais avenidas de São Paulo em uma noite chuvosa, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) deu uma demonstração de força e de mobilização popular rara. Ao contrário das manifestações de junho, que levaram milhões de pessoas às ruas há um ano, o MTST tem uma pauta clara e definida – moradia para as populações de baixa renda – e um controle absoluto sobre seus integrantes. Demandas difusas e ausência de liderança, marcas registradas da onda de protestos que tomou conta do País nos últimos 12 meses, não fazem parte do cardápio do movimento dos sem-teto. O que pode ser bom e ao mesmo tempo ruim para o governo, às vésperas da Copa do Mundo.
 
                            

ELE COMANDA

Líder do MTST, Guilherme Boulos: um jovem de classe média alta formado em filosofia pela USP
Neutralizando esse Guilherme o resto fica fácil
O MTST tem um líder disposto a negociar e, se não for atendido, partir para o enfrentamento: trata-se de Guilherme Boulos, um jovem de classe média alta formado em filosofia pela USP. Na quinta-feira 22, ele deixou claro que está determinado a promover o caos nas ruas de São Paulo para ter as demandas dos sem-teto atendidas. Do alto de um carro de som parado no meio da Ponte Estaiada, um dos cartões-postais da cidade, ameaçou: “Se não atenderem nossas reivindicações, no dia 12 de junho de não teremos Copa do Mundo. Teremos um junho vermelho, porque vamos tomar as ruas da cidade”, disse ele, para o delírio das mais de 20 mil pessoas que marcharam sob seu comando, por mais de cinco quilômetros, com uma disciplina quase militar.  

Clique aqui para ler a íntegra do POST



O coordenador do movimento também fez ameaças à possibilidade de a Justiça ordenar a reintegração de posse dos terrenos invadidos pelo movimento em São Paulo, em especial o batizado de “Copa do Povo”, localizado a menos de três quilômetros do estádio Itaquerão, onde Brasil e Croácia abrem o Mundial no dia 12. “Se tentarem nos tirar à força, teremos uma Copa de sangue”, ameaçou. “Se a opção da construtora e dos governos for tratar a questão como caso de polícia e buscar garantir posse sem nada para as famílias, vai haver resistência”, prometeu Boulos. [existe a LIBERDADE DE EXPRESSÃO que autoriza o tal Guilherme vociferar ameaças.

Mas, no momento em que as ameaças  são acompanhadas de outros atos que as tornam possíveis de ser executadas, o interesse da sociedade autoriza que seu autor ou autores sejam presos.
Passa da hora da Dilma conseguir aval do Foro de São Paulo e mandar prender, preventivamente, esse provocados Guilherme.]


O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto vem promovendo manifestações com frequência em São Paulo. Nas últimas semanas, milhares de integrantes do MTST fecharam ruas e avenidas da cidade. Mas nada se compara ao ato promovido pelos sem-teto na noite da quinta-feira 22. Além do número de pessoas, a direção dos sem teto demonstrou um grande poder de organização e um controle absoluto sobre os integrantes do movimento. [nada que uma tropa bem treinada, disciplinada,  não consiga neutralizar.] Ao comando dos coordenadores, os manifestantes liberavam calçadas para os pedestres, fechavam ruas ou simplesmente trancavam a passagem para quem quisesse ir e vir. O ato, que começou no largo da Batata, zona oeste de São Paulo, passou pelas avenidas Faria Lima, uma das mais importantes da cidade, e Cidade Jardim e terminou na ponte Estaiada. A manifestação tinha o apoio do Comitê Popular da Copa, que, na semana passada, reuniu 1.500 pessoas num ato que acabou em confronto entre manifestantes e PMs. Há duas semanas, o MTST já havia invadido sedes de empresas que construíram estádios que receberão jogos da Copa. “Os empresários e a Fifa tiveram seu pedaço do bolo. O trabalhador agora quer sua fatia”, afirmou Boulos.

Após meses de manifestações que não conseguiram mobilizar a população contra a Copa do Mundo, o MTST chega às vésperas do Mundial como candidato a ser o principal protagonista na disputa que será travada fora dos gramados. Para o governo, a notícia boa é que há com quem dialogar e negociar. A ruim é que os sem-teto parecem ter uma visão muito mais pragmática do que ideológica a respeito do que representa o Mundial e seu sucesso para o governo de Dilma Rousseff ou, em âmbito estadual, para Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT) na cidade de São Paulo. Entre as reivindicações das dezenas de milhares de homens, mulheres e crianças que pararam São Paulo na noite da quinta-feira 22 está a reforma urbana, com foco em moradia, emprego, saúde e educação.

O MTST, segundo seus líderes, seria um reflexo da incapacidade das políticas de proteção social do governo em melhorar de fato a vida da população de baixa renda nas metrópoles. Ao contrário do Brasil rural e das pequenas cidades, onde programas como o Bolsa Família, por exemplo, ampliaram a qualidade de vida de uma parcela significativa da população, nas metrópoles a vida tem se tornado mais complicada ao longo dos últimos anos. Aos problemas de transporte e violência somou-se a inflação no preço dos imóveis e o consequente aumento no preço dos aluguéis. Em cidades como Rio e São Paulo, a variação foi, em alguns casos, superior a 100%, fazendo com que muitas pessoas tivessem que se deslocar para áreas ainda mais periféricas.
“Se tentarem nos tirar à força, teremos uma Copa de sangue” Guilherme Boulos, líder do MTST

Apesar de faltar menos de um mês para o início da Copa, ainda é cedo para saber se Boulos e os sem-teto cumprirão as ameaças. Por enquanto, o movimento se aproveita da proximidade do início do Mundial para pressionar os governos a estabelecer compromissos. Mas, em um momento de inflação alta, contas públicas desequilibradas e eleições à vista, promessas vagas podem servir apenas como a fagulha necessária para eclodir o incêndio. Combustível, há de sobra.

Gangsterismo sindical

Em meio à investigação sobre as greves, surge um personagem que constrange o prefeito Fernando Haddad: o petista Luiz Moura, aliado do secretário de Transportes

A greve dos cobradores e motoristas de ônibus que impôs o caos e o tumulto na maior cidade do País na última semana está sob investigação da ­Polícia Civil e do Ministério Público de São Paulo. Sem qualquer aviso e, aparentemente, sem a participação do sindicato, a paralisação conturbou a vida de um milhão de paulistanos. O MP e a polícia suspeitam de uma grande articulação de patrões e empregados para pressionar o governo municipal a aumentar o repasse dos subsídios às empresas, que só este ano injetará R$ 1,65 bilhão nos cofres das empresas de viação. Ao todo, os grevistas bloquearam 16 dos 28 terminais urbanos da cidade, afetando cerca de 200 linhas. O saldo da greve deixou um rastro de 71 coletivos danificados (cinco incendiados), cerca de cinco mil ônibus sem circular, milhares de passageiros afetados – muitos expulsos à força dos coletivos sob a mira de revólver.

Em meio ao caos instalado na cidade, a atuação da Polícia Militar durante os protestos, classificada de “omissa” pelo secretário de Transportes da cidade, Jilmar Tatto (PT), ao não garantir, de acordo com ele, “o direito de ir e vir da população”, deflagrou uma troca de acusações entre os governos estadual e municipal e trouxe à tona um personagem conhecido no PT: o deputado estadual petista Luiz Moura. Não bastasse a inoperância do prefeito Fernando ­Haddad, que, na última semana, além de ter sido surpreendido pela greve, assistiu impassível à ação dos manifestantes, o surgimento de Moura o deixou numa situação constrangedora, para dizer o mínimo.


Aliado de Jilmar Tatto, secretário de Haddad, Moura é dono de quatro linhas de peruas e participou de um encontro, no dia 17 de março, ápice dos incêndios a ônibus em São Paulo, na sede da Cooperativa Transcooper, em Itaquera, na zona leste, em que membros do PCC planejavam as ações criminosas. A Transcooper tem permissão da prefeitura para explorar linhas de ônibus em três áreas da cidade. No encontro, monitorado pela Polícia Civil, estariam, em tese, sendo discutidos temas de interesse dos cooperados. Porém, segundo a investigação, 11 desses suspeitos de ligação com o PCC não participam formalmente de atividades do setor. De acordo com o boletim de ocorrência da ação, cerca de 40 pessoas se reuniam para “ajustar condutas teoricamente infracionais”. De acordo com o subsecretário estadual de Comunicação, Márcio ­Aith, o motivo não era “nada republicano”. Além do petista Luiz Moura, entre os participantes havia um homem procurado pela Justiça: Carlos Roberto Maia, conhecido como Carlinhos Alfaiate, acusado de participar do furto do Banco Central, no Ceará, em 2005, quando foram levados R$ 164,8 milhões.

 FOLHA CORRIDA
O deputado Luiz Moura, ligado ao secretário de Haddad, participou
de reunião em que membros do PCC planejavam ações criminosas



Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada