Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

IMPOSTÔMETRO

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

A quarta vitória de Lula = a quarta derrota do Brasil



Numa campanha milionária e feia, indigna de um ex-presidente, dizendo tudo que lhe vinha à cabeça porque o importante era a vitória de dona Dilma, não por ela, nem pelo Brasil, mas por ele mesmo que, em 2018, quer de volta a faixa presidencial, Lula venceu mais uma vez.  Em um vídeo gravado anteontem no Instituto Lula, o ex-presidente além de queixar-se amargamente das agressões sofridas pelo angelical PT, fala em tom calmo e civilizado, com palavras bem escolhidas, num linguajar em tudo diferente do usado nos palanques. Devemos ser justos: que grande ator é o Lula! 

Veja bem, ilustre eleitor: Lula mal conseguiu sua quarta vitória, já está a caminho da quinta. E disso parece não fazer segredo. Desta vez, apesar de todos os truques mirabolantes, a vitória foi apertadíssima. Coisa pouca, mesmo. Como será daqui a quatro anos, é o que me pergunto. Numa reviravolta tipicamente lulesca, ele transformou a candidata ‘coração valente’ em doce e frágil avó e mãe quando Aécio Neves, referindo-se à calma com que dona Dilma tirava da cartola números e dados sem base na realidade, disse que ela estava sendo leviana.

Lulão achou isso o cúmulo! Um homem agredir assim uma avozinha! De Aécio Neves ele podia dizer tudo que queria, afinal falava de um homem. Foi o momento macho-man dos debates!  Assustando o povo que não é bobo, ele e dona Dilma insistiram que Aécio e Fraga, admiradores de juros altos e dos bancos, elevariam os juros de imediato, coisa que o PT, com seu amor aos pobres, abomina.

Lembra de quando o Lula ia acabar com a poupança, mas quem acabou foi o Collor? Pois é... a três dias da reeleição, a taxa Selic foi a 11,25%! Surpreso, leitor? Não fique: o inacreditável ministro Mantega não disse que a vitória do PT se deve à aprovação da política econômica do Governo?

Voltemos à avozinha, que vamos encontrar na festa do PT.  Dona Dilma leu direitinho o Discurso da Vitória, apesar da plateia desinteressada que a interrompia com gritos de Lula! Lula! Deixou de mencionar a oposição e de cumprimentar Aécio Neves que, por pouco, muito pouco, não lhe tirou a faixa. Comprometeu-se, outra vez, ao diálogo: com os seus, naturalmente. Disse não acreditar no Brasil dividido, mas ressaltou que vai lutar pela união! (Creio que ela se referia a unir o Legislativo ao Executivo, tarefa muito maior do que ela).

Falou do tal plebiscito que traria a mudança para, no dia seguinte, dizer que tanto faz plebiscito ou referendo!  No palco, onde podíamos ver os mais variados tipos da fauna política deste país, uma ausência chamou minha atenção: a de Marisa Letícia. Petista de primeira hora e aguerrida defensora do marido e do partido, foi intrigante a sua ausência. Espero revê-la no parlatório no dia da quarta posse. 

 Fonte: Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa – O Globo

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada