Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

IMPOSTÔMETRO

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Dilma, o resultado das urnas do dia 26 vão acabar com você

Dilma credita liderança em pesquisa à mobilização popular

É justamente o tom da propaganda eleitoral da presidente-candidata. Petista, contudo, evitou comemorar: 'Vantagem só se consolida na urna'
A presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) disse nesta quinta-feira que “houve uma virada” na eleição presidencial nas últimas semanas de campanha, motivada pela mobilização popular. “Está havendo uma espécie de virada, visível nas ruas. Acontece isso nas eleições, amplia a consciência das pessoas e a convicção. É um movimento mais popular do que partidário”, afirmou Dilma durante entrevista coletiva no hotel onde se concentra para o debate da TV Globo, no Rio de Janeiro.

Foi justamente esse o tom da propaganda da petista na noite de quarta-feira. O programa mostrou o PT como um partido que costuma insuflar a militância na reta final da campanha.
Cautelosa, Dilma evitou comemorar a vantagem mostrada nesta tarde pela pesquisa Datafolha, que apontou a petista seis pontos à frente do tucano Aécio Neves. “Eu só acho que está consolidada [a vantagem] a hora que fechar a última urna e começar a apuração. O que estiver dentro da urna está consolidado”.

A presidente, que no primeiro turno subiu no palanque na Zona Sul de São Paulo para dizer que a vitória de seus adversários levaria ao fim do Bolsa Família, afirmou que não tem informações sobre o terrorismo eleitoral petista na última semana de campanha. 

 Mensagens apócrifas distribuídas por celular ligam Aécio Neves à extinção do programa.
“Se for feito por pessoas do governo, teremos todo interesse em saber quem está fazendo uma coisa dessas. Agora, estamos num momento pré-eleitoral numa situação de conflito. Tenho escutado coisas estarrecedoras que chegam para mim que dizem da minha pessoa e da minha família. Vamos ver direitinho de onde vem, quem fez e como é que fez. Boato é o que não está faltando por aí”, disse a presidente.

Questionada sobre confrontos entre cabos eleitorais petistas e tucanos nas ruas, a presidente pediu “tranquilidade” e evitou vincular as brigas entre eleitores e militantes aos ataques que tomaram conta da propaganda eleitoral na TV e na internet. Ela esquivou-se de responder se as desqualificações do ex-presidente Lula a Aécio Neves – tachado de “filhinho de papai”, "agressivo com mulheres" e "sem educação"– não incitaria os desentendimentos. “Você deveria perguntar isso ao Lula. Você acha correto alguém me chamar de leviana? Eu sou presidente da República, mãe e avó. Vamos ter calma.” [é leviana, mentirosa e incomPTente.]

Fonte: Veja OnLine

 

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada