Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

IMPOSTÔMETRO

sábado, 22 de novembro de 2014

Agonia de Dilma = pior do que ontem e melhor do que amanhã

A crise é um Everest


À presidente, resta fazer o que está fazendo: vivendo biblicamente a

A um interlocutor recente, que lhe perguntou se não temia nomear alguém para seu novo ministério e, na sequência, vê-lo preso pela Operação Lava-Jato, a presidente Dilma Roussef garantiu estar “absolutamente segura” quanto às suas escolhas.  Da declaração, deduz-se que está informada dos nomes que constam das delações premiadas em curso, que, em tese, ainda não deveriam ser de seu conhecimento. Detalhes, claro.

Alguns, como o do ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, já são conhecidos. Mas esse, independentemente de estar ou não no índex, não consta dos planos da presidente. A crise energética exige alguém, digamos, mais especializado e mais ortodoxo com a chamada coisa pública. Dilma garantiu a esse interlocutor que terá um ministério de primeira grandeza. Tomara. Em política, querer nem sempre é poder – mesmo quando se está no poder. Até aqui, o querer da presidente ainda não se mostrou autossuficiente. Nem seu discurso de candidata, que condenou banqueiros, capitalistas e exploradores do povo, afinou-se com o de reeleita.

Sabe-se que se empenhou, sem êxito, em levar para o Ministério da Fazenda um banqueiro, Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco. E convidou dois representantes de entidades patronais – os senadores Kátia Abreu, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), e Armando Monteiro, da Confederação Nacional da Indústria (CNI) – respectivamente para as pastas da Agricultura e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
Everest iluminado pelo sol (Imagem: Arquivo Google)
O Everest da Dilma é escuridão total e abismos

A presidente sabe que seu partido, o PT, não dispõe de quadros técnicos para funções que envolvem produção e verba – e com isso não se brinca. Tem que buscar nomes na seara que, ao tempo das eleições, considera, ainda que de mentirinha, inimiga. Nem por isso, deixa de tensionar ainda mais suas relações com a banda mais radical de seu partido. Não é crível que o MST ou a Funai absorvam, sem ranger de dentes, a escolha da senadora Kátia Abreu para o Ministério da Agricultura.

Mas terão que conviver. O agronegócio, afinal, é hoje o setor de ponta da economia, responsável pelos superávits na balança comercial do país e por 30% dos empregos formais. Essa não é a única contradição do futuro governo – mas é emblemática. De um lado, o governo, via Foro de São Paulo, chancela convênio entre MST e governo venezuelano, para que este treine aquele (treine para quê?). De outro, prestigia uma entidade patronal da agricultura para assumir o comando da política do setor. Terá a seu lado, assim, invasores e invadidos.

Mas a caixa-preta da Petrobrás, em que pese a segurança transmitida pela presidente quanto ao desfecho das investigações, continua sendo um nervo exposto. Há uma fila de mais de dez delações premiadas, que tende a aumentar. Já se fala em fornecer senha aos que postulam a delação, tendo em vista o tamanho da fila. Ninguém quer virar Marcos Valério, que, quando se decidiu por delatar os comparsas, já não era mais necessário. Pegou cana dura, de quase 20 anos.

É preferível cumpri-la em casa, mesmo com coleira eletrônica na perna, sem direito a saídas noturnas. Diante disso, e da disposição do TCU de considerar inidôneas as empreiteiras enquadradas – o que as baniria das obras públicas por pelo menos cinco anos -, não se sabe o que dirão os delatores dessas empresas no confessionário judicial que os aguarda.

O anúncio da equipe econômica, que se aguarda para as próximas horas, pode momentaneamente tranquilizar o mercado. Mas as investigações em curso e as que se prenunciam, como desdobramento, em outras estatais Eletrobras, BNDES e fundos de pensão, por exemplo mantêm acesa a chama da instabilidade. À presidente, resta fazer o que está fazendo: vivendo biblicamente a agonia de cada dia. Sobreviveu ao de ontem; sobreviverá ao de hoje – e assim por diante. Se olhar o abismo em toda a sua dimensão, talvez desista. O jeito é olhar para cima e continuar sua escalada. A crise.

Fonte: Ruy Fabiano, jornalista - Blog do Noblat


Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada