Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

As heranças malditas de Dilma para Dilma



As heranças de Dilma
O aceno inicial de Dilma para o diálogo foi uma boa iniciativa. Só que parcial. Não mencionou governadores, Congresso e a oposição.
O governo Dilma 2 começa vergado por uma pesada carga de heranças de seu mandato primeiro. Algumas podem ser consideradas "heranças malditas", como o desgoverno fiscal. Todas, em seu conjunto, são muito importantes e devem exigir  um grau de elevada competência em vários campos. Na economia, Dilma herda um governo com credibilidade internacional débil, problemas sérios de natureza fiscal e cambial, crescimento muito abaixo das expectativas e mantendo os investidores nacionais e estrangeiros em compasso de espera a respeito da qualidade da equipe econômica que pretende escalar.

A questão econômica tangencia a sociedade quando estamos diante do possível aumento de preços de energia, de combustível e da própria carga tributária para melhorar o resultado fiscal. Atinge em cheio à sociedade quando temos um encolhimento dramático da participação da indústria no PIB e o fantasma do desemprego rondando setores importantes, como o metalúrgico e o de transportes.

Desde o início do primeiro governo Lula, o Brasil nunca iniciou uma presidência com tantos problemas e desafios no campo econômico. A diferença é que Lula operou muito bem os mercados ao acenar com uma conciliação ancorada em dois nomes com credibilidade: Antonio Palocci e Henrique Meirelles. Não é o que vemos hoje, por enquanto.

O governo Dilma deveria lembrar de Bias Fortes, político mineiro, para quem "o primeiro dever de um governo é não assustar". Para a saúde da economia, melhor seria a indicação imediata de uma equipe de altíssimo gabarito e elevada qualificação técnica. Outro aspecto crítico é a gestão. A presidente chega ao seu segundo mandato com resultados inconsistentes. Se no capítulo da concessão dos aeroportos e rodovias, as metas foram quase cumpridas, nos portos e ferrovias praticamente nada foi feito.

O governo se depara com um grave problema no setor de energia, com dívida de geradoras e distribuidoras superiores a R$ 50 bilhões, reajuste de tarifas para os consumidores que superam 50%, além de falta d'água e racionamento a caminho. Problemas demais num só setor.

Na política, o saldo é uma base de apoio menor e mais dividida, com problemas em todos os partidos. PMDB e PP estão rachados. O PTB, hostil. PSD e o PROS famintos por cargos. E o PT, além de dividido, magoado. O custo da unificação é elevado. Outro desafio: a substituição do ministro José Jorge, do TCU. Dilma gostaria de indicar alguém de sua confiança, mas, pela tradição, a vez é do Senado. O que fazer? Quem leva a melhor?

Existe um clima de guerra surda no Congresso. A derrota na Câmara dos Deputados na questão dos conselhos populares era mais do que previsível, mas não deixa de ser um recado. E vem mais por aí.  A pauta bomba tem grandes impactos. Na pauta da Câmara desta semana estão o fim da contribuição de inativos, a equiparação de salários de presidente da República, de vice, de ministros de estados, senadores e deputados federais, ministros do Supremo Tribunal Federal, Orçamento Impositivo, aumento do Fundo de Participação dos Municípios, entre outros. No Senado, o projeto que muda o indexador da dívida de estados e municípios com a União já foi aprovado. Para alimentar o caldeirão, o Judiciário quer aumentos de 22%, muito acima dos 5% propostos no Orçamento. E a PEC da Bengala, que vai ampliar de 70 para 75 anos a data limite de aposentadoria de ministros do STF, assunto do qual Dilma não quer ouvir pois isso implica deixar para o sucessor a adorável tarefa de substituir cinco ministros.

O aceno inicial de Dilma para o diálogo foi uma boa iniciativa. Só que parcial. Não mencionou governadores, Congresso e a oposição. Pode ter agradado alguns, mas desagradou o mundo político. O clima não é bom. Em São Paulo, ocorreram manifestações contra o governo federal e contra o governo estadual. Podem ser o gatilho de uma nova série de manifestações como em junho do ano passado? Acho que não. Mas não é impossível.

Outra herança  indigesta é o Petrolão. O governo terá uma extensa agenda negativa nos próximos meses, na medida que as delações forem sendo tornadas públicas. A incógnita está no tamanho do problema. Onde vai chegar? Quem será atingido pelas denúncias? Haverá cassações como na CPI do Orçamento, em 1993? Uma certeza: o espectro do Petrolão dificulta  a reforma ministerial.

Esta  semana, Lula e Dilma gastaram horas avaliando o quadro. Sabem que as heranças  compõem um quadro muito complexo, onde a competência política e econômica, a inteligência emocional e o pragmatismo serão muito mais do que necessários. Serão vitais. 

Fonte: Murillo de Aragão – Blog do Noblat

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada