Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

IMPOSTÔMETRO

sábado, 1 de novembro de 2014

Dilma e PT estão desacreditados, até mesmo entre os aliados

Aprender a conviver

O PMDB poderia perfeitamente ter esperado a virada do ano para deflagrar o processo de sucessão na presidência da Câmara, que normalmente ocorre nas últimas semanas de janeiro, pouco antes da escolha no início de fevereiro.

Mas, a exemplo do que fez Lula com a candidatura de Dilma Rousseff à reeleição, o partido resolveu antecipar o lançamento o líder da bancada, Eduardo Cunha, a fim de demarcar terreno, ocupar espaço e mandar à presidente o seguinte recado: seja qual for o perfil predominante no colegiado dos deputados eleitos, o PMDB não pretende que o comando da Câmara seja submisso às orientações do Palácio do Planalto.

Isso não deve se confundir com a pretensão do Poder Legislativo de se impor ou viver em confronto permanente com o Executivo.  A ideia é justamente recuperar o conceito de equilíbrio entre os Poderes da República, aproveitando o momento em que essa paridade se refletiu no resultado das urnas e que o PT não sai da eleição com a mesma força avassaladora de antes. A figura do deputado Eduardo Cunha talvez não seja a ideal do ponto de vista da opinião pública, mas sob a ótica dos deputados peemedebistas é quem melhor representa uma posição ao mesmo tempo de enfrentamento latente e negociação quando conveniente.

O poder dele emana do apoio da bancada, não de sustentação do governo. Ao contrário. No ano passado a presidente entrou em embate direto com ele, tentou isolá-lo na Câmara e perdeu a parada. Dilma mostrou inexperiência, pois um presidente não se confronta com um deputado, muito menos para ficar em desvantagem. 

Cunha também é do PMDB fluminense, a seção regional que se posicionou na convenção mais claramente contrária à renovação da aliança com o PT pela reeleição. Já na noite de domingo assim que saiu o resultado da eleição Eduardo Cunha sem assumir a candidatura - como convém ao nome do jogo nessa altura - ressaltava o impacto do escândalo da Petrobrás no próximo ano, recebia com descrédito a proposta da presidente ao "diálogo" e apontava o PT é quem dá o "tom" do clima entre os aliados.

Referia-se, na ocasião, às derrotas de líderes do PMDB muito próximos do Planalto em disputas para governos de Estados: Eunício Oliveira (CE), Eduardo Braga (AM) e Henrique Eduardo Alves (RN). Os adversários de todos eles ajudados pelo PT ou aliados. Lembrava que os candidatos mais distantes do governo haviam se saído melhor.  O campo não estaria tão minado se o PMDB estivesse sozinho nessa atitude mais ofensiva. No momento é o PT quem se encontra mais perto das cordas.

Por isso mesmo o Planalto reconhece a urgência de reorganizar toda sua articulação política. O próprio líder na Câmara, Arlindo Chinaglia, admite a necessidade. Para ele o erro central foi a quase inexistência de interlocução entre o Palácio e sua base, principalmente as lideranças do PT, no Congresso.

Mas as medidas de ajuste vão além. Se quiser recuperar terreno o governo vai precisar adaptar seu modo de agir ao tempo de estio nos quesitos popularidade e força política. Desde que assumiu o poder o PT estava acostumado a falar sozinho. Primeiro por meio dos monólogos de Lula e depois pelos modos ariscos de Dilma.  Isso sem contar a arrogância de um partido que se pretendia hegemônico, proprietário do monopólio do bem estar social e imbuído da certeza de que as opiniões contrárias na sociedade seriam eternamente residuais.

Já há algum tempo o vento sopra de outra forma, mas o governo vem se enganando, arrumando desculpas, evitando olhar as coisas como elas são. Gastou tanto capital que perdeu o crédito de confiança. Prova é o ceticismo com que foi recebida a mão estendida da presidente. Agora vai precisar reaprender a jogar, construir convergências, lidar com as divergências, enfim, reconhecer que não inventou nem é dono do Brasil.

Fonte: Dora Kramer, colunista do Estadão

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada