Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

COMUNICADO - Novo Site

Nota de Esclarecimento

Importante:

Memória: em 8 setembro 2007, começamos as atividades deste Blog, sob o título Blog da UNR e nossos objetivos estão bem destacados no nosso primeiro post, título 'início das atividades...' .

De imediato, constatamos que estando a esquerda no governo, uma dificuldade se apresentava: contar os erros, as traições, as covardias, os assassinatos, as falcatruas cometidos pela esquerda durante o Governo Militar OU contar os crimes que a esquerda, a petralhada à frente, continua cometendo nos dias atuais? (apesar de fragorosamente derrotada pelos militares a esquerda aproveitou-se da generosidade dos vencedores e voltou tal qual serpente e conseguiu PERDER A GUERRA e vencer a Batalha da Comunicação, passando de vilão a heroína).

A famigerada esquerda conseguiu o poder - agindo disfarçada de democrata - e passou a mostrar, de forma descarada, ser pior que antes.

Diversos motivos, que não vem ao caso aqui detalhar, tornaram conveniente alterar o nome do Blog da UNR, que passou a denominação de BLOG PRONTIDÃO, mantendo a URL.

Apesar de ser um Blog pequeno, fruto de um trabalho amadorístico, porém de muita dedicação, contando com poucos seguidores, alguns visitantes fiéis, outros eventuais, tivemos a imensa alegria de constatar que incomodávamos a petralhada - o que foi fácil perceber pela necessidade de 'moderar comentários', pelos xingamentos que recebemos a cada postagem, tentativas de invasão (parcialmente exitosas, com modificações de postagens {o mais odioso foram as vezes que conseguiram mudar palavras, trechos de postagens, títulos, e passar a idéia que defendíamos o desgoverno petralha}).

Para tornar mais dificil que os guerrilheiros da informática à serviço do desgoverno - o ministro da Secom, Traumann, foi demitido por admitir publicamente que o desgoverno Dilma, a exemplo do seu antecessor $talinácio Lula, usam a guerrilha virtual - continuassem a nos incomodar, decidimos suspender, temporariamente, a veiculação de POSTs no Blog Prontidão, passando a veicular no Blog PRONTIDÃO TOTAL, usando outra URL.

Claro que alguns leitores não acessaram o Blog Prontidão Total - o que atribuímos a alguma falta de comunicação da nossa parte - porém, de tudo concluímos que podemos e VAMOS PERMANECER firmes e fortes, protegidos da sanha 'assassina' dos guerrilheiros virtuais do desgoverno, contando a verdade, tudo o que soubermos e o nosso amadorismo permitir, do muito de ruim, de nocivo, de pernicioso, que o atual desgoverno pratica, estimula, esconde e apoia.

Voltar ao Blog PRONTIDÃO seria pretender que nossos poucos leitores ficassem pulando de galho em galho - a manutenção da nossa 'linha editorial', que vem desde 2007, é eloquente e fiel aos fatos ao provar que nossos ideais permanecem firmes, estamos apenas mais fortes.

Vamos continuar com a denominação Blog PRONTIDÃO TOTAL, na URL que atualmente atende àquele Blog, mantendo nossa postura de apresentar sempre a VERDADE - verdade que representa os fatos (aliás, não podemos esquecer, verdade e fato são unos)e não a verdade conveniente (tática usada pela esquerda petralha).

Felizmente, temos dois leitores, afinal, escrevemos e vamos continuar escrevendo para dois leitores: "Ninguém" e "Todo Mundo".

Por favor, nos honre com sua visita, clicando aqui: Blog Prontidão Total ou em qualquer link disponível, em azul, neste texto

ou colando em seu navegador: http://brasil-ameoudeixe.blogspot.com.br/

ou Blog Prontidão Total

BRASIL! ACIMA DE TUDO

IMPOSTÔMETRO

Ad Sense

domingo, 16 de novembro de 2014

Dilma tem que sair. É melhor para o Brasil, sem ela o Brasil volta a ter credibilidade, seriedade, honestidade



Movimento contra Dilma cresce ao mesmo tempo que fica mais radical 


Um dia após as prisões de diversos executivos de empreiteiras suspeitas de participar do maior esquema de corrupção do Brasil, milhares de pessoas ocuparam as ruas de ao menos seis capitais para se manifestar contra o Governo federal e para pedir o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Os protestos já tinham sido marcados antes da operação desta sexta-feira que prendeu 23 suspeitos, entre eles um ex-diretor da Petrobras, mas ganhou fôlego após a ação da Polícia Federal.

Grupo protesta contra Dilma em São Paulo. / Aaron Cadena Ovalle (EFE)

Queria saudar e parabenizar o juiz Fernando Moro, da Operação Lava Jato. O senhor está fazendo um excelente trabalho ao limpar o nosso Brasil dessa corja”, disse no carro de som um dos organizadores do movimento em São Paulo, onde cerca de 10.000 pessoas protestaram por quase três horas. O número é mais que o triplo do que os que protestaram no início de novembro.

Ao mesmo tempo em que esse grupo cresceu, também ficou mais diverso e radical na capital paulista. Diverso porque havia punks, militares, hare krishnas, membros de grupos LGBT e skin heads caminhando ao lado de pessoas que não se identificam com movimento algum. Radical porque bastava alguém estender uma toalha vermelha na janela de um prédio para ouvir vaias, xingamentos e uma intensa gritaria com a sentença “vai para Cuba”. Além disso, outra prova da agressividade foi que, em um trajeto de quatro quilômetros (entre o Museu de Arte de São Paulo, na avenida Paulista, e a Praça da Sé, no centro) houve ao menos dois incidentes de agressão entre os manifestantes contrários à Dilma e algumas pessoas que se mostraram descontentes com o protesto.

“A nossa bandeira, jamais será vermelha”, diziam os manifestantes

A primeira agressão foi contra um advogado que levou uma paulada na cabeça enquanto tentava argumentar com um senhor sobre a razão de usar uma camiseta vermelha na qual Fidel Castro, Mao Tsé-Tung e Karl Marx, entre outros comunistas, se confraternizavam com copos de cerveja nas mãos. “Eu estava voltando da academia para a minha casa pela avenida Paulista e comecei a ser agredido [verbalmente] pelos manifestantes. Quis explicar que o que havia na minha camiseta era uma brincadeira, mas parece que o vermelho, que é a cor da paixão, desperta o ódio em algumas pessoas”, afirmou Alexandre Simões de Melo, de 33 anos. Declarado apoiador do PT ele disse estar surpreso com a reação dos manifestantes.

O segundo momento de tensão ocorreu quando um grupo de mais ou menos dez pessoas fez sinal de negativo para os manifestantes enquanto eles gritavam “Fora PT” ou “A nossa bandeira, jamais será vermelha”. A polícia precisou intervir para que as agressões verbais não se tornassem físicas. “Não vamos nos rebaixar a eles. Eles são violentos, nós não”, afirmou um dos organizadores. Na sequência vários manifestantes se viraram para a janela de um prédio em que uma moradora balançava um pano vermelho da janela do sexto andar e gritaram: “pula, pula, pula”.

Ao que tudo indica a tensão que tomou conta das eleições brasileiras está longe de terminar. Enquanto aquele advogado que foi agredido na Paulista conversava com o EL PAÍS, um manifestante, que não se identificou, passou por ele e aos gritos: “Nosso país é livre. Saia daqui, vagabundo. Vá para Cuba!”. Ao que ele deu de ombros e respondeu: “Se é livre...” [certamente quando o manifestante mandou o vagabundo ir para Cuba, expressou claramente que o Brasil é livre - por não ser uma Cuba - mas não tolera comunistas que devem ser expulsos da nossa Pátria.]

Além de São Paulo, as manifestações que pediram o impeachment de Dilma Rousseff (PT) também ocorreram no dia da proclamação da República, em menor proporção, no Rio de Janeiro, Brasília, Campo Grande, Maceió e Porto Alegre. Apenas nessas duas últimas superou a casa do milhar.

Em algumas cidades, os manifestantes compararam a presidenta ao ex-presidente Fernando Collor, que foi tirado de poder após um escândalo de corrupção em 1992. “Por muito menos o Collor foi tirado da presidência”, declarou o empresário Augusto Borges, de 43 anos, e emendou: “Vai dizer que ela não sabia dessa roubalheira de 10 bilhões da Petrobras? Claro que sabia.”

Centenas de faixas seguiam nessa linha. “Dilma sabia de tudo”; “O PT roubou o Brasil” e; “S.O.S Brasil. Acabem com o Petrolão”. Em outros momentos, os manifestantes diziam que os trabalhadores não votam no PT: “Quem trabalha, não vota em ‘petralha’”.
Em São Paulo, um pequeno grupo chegou a pedir uma intervenção militar, mas essa reivindicação estava longe de ser uma unanimidade entre os manifestantes. “Não queremos a Dilma nem o PT, mas pedir que os militares voltem também já é um absurdo”, reclamou a artista plástica Maria Victoria, de 67 anos.

Fonte: El País

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada