Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

IMPOSTÔMETRO

terça-feira, 25 de novembro de 2014

O perigo do fundamentalismo



O Sultanato de Omã, onde se realiza desde domingo a reunião da Academia da Latinidade, pretende assumir cada vez mais um papel de mediador dos conflitos da região onde oficialmente está situado, o Oriente Médio. Mas esse papel está sendo desempenhado muito mais pelo exemplo do que pela interferência direta nos conflitos.

Ser classificado como um país do Oriente Médio é um problema para os investimentos internacionais, mas confere a Omã posição geopolítica estratégica - fica na Península Arábica e se limita ao norte com o Golfo de Omã (do outro lado, as costas do Irã e Paquistão), a leste e sul com o Mar da Arábia, e a oeste com o Iémen, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

Pelo Estreito de Ormuz (entre o Golfo de Omã e o Golfo Pérsico) passam 75% de toda a produção de petróleo do mundo. A renda per capita é de U$ 25 mil dólares, graças basicamente ao petróleo, que representa 80% de sua economia. Mas, como explicou Ahmed Bin Yousuf Al Harthy, ministro das Relações Exteriores, em conversa ontem com membros da Academia, a intenção é "aprender com o passado, mas não ficar preso a ele, olhar para o futuro. Caminhar dos valores compartilhados para valores comuns".

Sua receita poderia ser considerada quase ingênua, mas é fundamental para uma região de conflitos, onde a sombra do Estado Islâmico deu ares mais graves aos já instalados. "Paz, respeito mútuo, tolerância" definem as linhas mestras da política externa de Omã.

O Sheik Abdullah bin Mohammed Al-Salmi, Ministro dos Assuntos Religiosos, fez a abertura do Seminário, que tem o título geral de " "Valores comuns num mundo de pluralismo cultural", dando o tom da política de seu país, que pode ser resumido em duas palavras: reconciliação e perdão. Ele ressaltou, para espanto geral, o papel que a Igreja Católica no Concílio do Vaticano II (1962-1965), que exortou relações amigáveis entre Judeus e Muçulmanos, um apelo que, para o Ministro, representou uma grande concessão aos muçulmanos que classificavam sua religião como uma fé com origens em Abrahão como o judaismo e o cristianismo.

O apelo do Vaticano promoveu uma relação mais próxima de cristãos e muçulmanos no mundo árabe que foi depois prejudicada pela Guerra Civil libanesa de 1975 a 1990. Na avaliação do Ministro dos Assuntos Religiosos, foram fatores políticos e estratégicos, mais do que religiosos, que obstruíram esses promissores novos caminhos. O Ministro considera que estamos em uma época apropriada para fazermos um balanço das duas décadas passadas. Para ele, olhando pelo ângulo religiosos ou pelo ético, a experiência pluralística de Omã agregou novas e promissoras dimensões. Como exemplo, ele lembra que a região experimentou dois levantes recentes, os movimentos por mudanças conhecidos como Primavera Árabe, e o radicalismo político do Islã conhecido como "jihadismo".

Graças à política de coexistência e ao pluralismo, o país foi capaz de lidar com esses movimentos, ao contrário de outros estados vizinhos, que foram incendiados pelas revoltas. Mesmo admitindo que não é possível garantir que nada acontecerá, o Ministro avalia que o modelo político omani tem grande perspectiva de estabilidade e sucesso.  Promovendo reforma e visões iluministas, no entanto, o Ministro admite que houve problemas devido a hábitos religiosos arraigados na sociedade árabe. A politização do Islã e o "jihadismo" são as manifestações mais óbvias. Esse extremismo pode ser atribuído, de um lado, a questões religiosas de algumas sociedades da região, mas há questões de política internacional, como a guerra do Afeganistão, que também têm sua culpa, diz o Ministro dos Assuntos Religiosos.

Ele, porém ressalva que os países árabes aceitaram o chamado por uma ética global e assinaram a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, mas nas últimas três décadas tem havido grande relutância por parte do Ocidente em reconhecer esses valores compartilhados. Com o surgimento de noções como "O fim da História" e " Choque de Civilizações", fomos avisados de que valores como paz, tolerância e reconhecimento não são de fato compartilhados porque vocês e nós os entendemos de maneiras diferentes, lembrou o Ministro. Não há nada, no entanto, em nossa religião que nos separe, declarou.

O Ministro defendeu uma urgente reforma religiosa para combater a distorção de conceitos em que partidos políticos religiosos e facções têm se engajado. "Creio que instituições religiosas fortes podem derrotar o fundamentalismo, seja no Ocidente ou no mundo árabe
”. [as verdadeiras religiões não se adaptam aos conceitos políticos.]
Fonte – Merval Pereira – O Globo

Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada