Visitantes desde 1º junho 2013

Free counters!

IMPOSTÔMETRO

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Racha da PF: agentes dizem que Dilma instalou "cenário ainda mais negro"

Barusco está depondo agora e entrega meio mundo da Petrobrás; Gabrielli processado pela Petrobrás

3 fatos que fazem desta a Black Monday do governo…
Braço-direito do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, Pedro Barusco fechou acordo de delação premiada com as autoridades e se comprometeu a devolver aos cofres públicos 97 milhões de dólares – ou 253 milhões de reais – nesta segunda-feira.

Este blog apurou que ele está depondo na tarde desta segunda-feira, em regime de delação premiada. Está falando cobras e lagartos. Citou nominalmente o dono de uma empresa de engenharia, de São Paulo, que fechou contratos de mais de R$ 12 bilhões com a Petrobras nos últimos anos. 

Também nesta segunda o Conselho de Administração da estatal decidiu encaminhar pedido de abertura de ação civil contra 15 funcionários pelo caso Pasadena. Entre eles estão o ex-presidente da empresa José Sérgio Gabrielli e o ex-diretor da área Internacional Nestor Cerveró. Isso representa um racha entre Lula, que tinha Gabrielli em alta conta, e Dilma, que não o engole

Fora isso, o blog quer compartilhar com o seu leitor uma mensagem que traz dez entrelinhas  a cada linha: um comunicado colocado no site da Fenapef, a Federação Nacional dos Policiais Federais, nesta segunda-feira.

Veja você: a Fenapef agrega 15 mil agentes e escrivães da PF. Sentem-se traídos por Dilma, por não terem sido contemplados com um novo projeto de PF que equiparava, em ocupação por espaços, delegados e agentes federais

Leia mais aqui:
https://br.noticias.yahoo.com/blogs/claudio-tognolli/exclusivo-leia-a-medida-provisoria-pela-qual-dilma-023400431.html
A Fenapef decretou luto em relação a Dilma. 

Veja que numa mesma tarde a maior delação-premiada da historia do Brasil é feita e 15 mil agentes entram em luto.
Difícil de contornar, não???
Veja o comunicado da Fenapef abaixo.
Ontem (16) seria a data para se comemorar o dia do policial federal, mas haveria mesmo algo a ser comemorado?
Após anos de luta em busca da ratificação da condição de nível superior e das atribuições já desenvolvidas no dia a dia por agentes, escrivães e papiloscopistas, na tentativa de equalizar o tratamento dado aos cargos da carreira policial federal, obteve-se a primeira parte num dia e, poucos dias depois, estabeleceu-se um cenário ainda mais negro que o de outrora.

Após a afirmação a um veículo de comunicação de reconhecida credibilidade de que um parlamentar-delegado teria colocado o governo de joelhos para editar a MPV 657/2014, essa infeliz e preocupante afirmação se tornou realidade quando tal instrumento legislativo quase não pousou no Congresso Nacional, tamanha a velocidade de tramitação e forma de tratamento que, nem de longe, poderia ser considerada democrática.

O que se viu foi algo raro, aliados do governo e oposição empenhados de forma uníssona em prol da aprovação de uma proposta falsamente vendida como sendo a promotora da “autonomia da Polícia Federal”. Será? Se fosse para o bem da instituição como um todo cerca de 85% de seu efetivo seriam contra? Quem acreditaria nisso? Haveria alguma lógica?

Entretanto, a democracia e a lógica foram ignoradas e atropeladas numa votação-relâmpago nas duas Casas do Congresso Nacional com pouquíssimos parlamentares contrários. Resta-nos apenas conviver com a realidade de que o governo realmente ficou de joelhos ante as informações cirurgicamente vazadas duma operação policial que tem atingido diversos partidos políticos brasileiros.

Contudo, no dia do policial federal (com letras minúsculas) e diante da aprovação dessa MPV 657, temos muito a comemorar.
Comemoremos a ineficiência do nosso falido modelo policial, cuja manutenção deve servir para atender a interesses de alguns, barganhar vantagens e conseguir benefícios corporativistas travestidos de melhorias de instituições policiais.

Comemoremos o tratamento do Governo Federal aos policiais federais (nos referimos aos exclusivamente policiais) que atenderam a todos os pedidos de que não houvesse paralisações em momentos importantes, participaram de mesas de negociação (ou seria mesa de enganação?) e tomaram uma verdadeira facada negocial quando viram atendidos, quase como um vassalo atendia ao seu suserano, aos pleitos de um único cargo.
Comemoremos a ineficiência, mais uma vez, desse modelo de “investigação” no qual se consegue resolver menos de 10% dos crimes, centralizado na figura dos seus “quase-donos” que insistem nesse procedimento arcaico, vendendo ilusões de eficiência onde não há, dignos do “país das maravilhas (de Alice)” e distante de nosso Brasil que bate recordes de violência diariamente.
 
Por fim, lamentemos o descaso de tudo o que os genuínos policiais federais têm passado e sido obrigados a conviver nos últimos anos. Lamentemos os 16 (dezesseis) suicídios nos últimos 03 anos e 11 meses e tudo o que merecidamente deveríamos ter conquistado, mas que nos foi tirado diante de motivos escusos.

Sem mais o que comemorar, oremos apenas para que um dia esse cenário seja modificado e a meritocracia possa ser implementada na Polícia Federal.

Diretoria da FENAPEF

 Transcrito do Blog do Claudio Tognolli -  Yahoo!


Nenhum comentário:

Pesquisa personalizada